Mais Esportes/Ciclismo

Profissional explica vantagens da roda de carbono para bicicleta

Luca Castilho* - São Paulo , SP
08/07/2018 09:09:32

Em: Ciclismo, Mais Esportes, Notícias, Prova 9 de Julho
Cassio Riccelli dá dicas de rodas para atletas da 9 de Julho (Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press)

A bicicleta é composta de diversas partes essenciais, entre elas, a roda. Apesar de pouco explorada, ela é um componente muito relevante para melhorar o rendimento de um ciclista. O gerente comercial da Vittoria na América Latina, Cassio Riccelli explica a importância de uma boa roda.

“O único ponto de contato da bike com o chão, é a roda e o pneu. Considero o pneu e a roda os principais pontos para o ciclista melhorar na sua bike. A roda é o que está transferindo a potência do atleta para a rua. As vezes, só de mudar a roda, você tem um ganho muito maior do que mudar a bicicleta ao todo”, afirmou o especialista.

Pensando na 72ª Prova Ciclística 9 de Julho, Riccelli indicou dois modelos, feitos de carbono, para um melhor desempenho dos competidores.

“Você tem duas opções, escolher uma de perfil ‘médio’, ou uma de perfil mais alto. Um mais alto, tem uma maior rigidez e pode proporcionar uma fuga melhor, já que o atleta ficará mais tempo contra o vento. Com uma roda com o perfil mais baixo, você terá mais controle e mais leveza, podendo arrancar mais rápido e controlar melhor a mudança de velocidade”, disse o também ciclista.

Atualmente, o carbono é um material que se difundiu no meio ciclístico e têm diversas vantagens, se comparado ao alumínio, que predominou grande parte do cenário internacional.

“A principal vantagem da roda de fibra de carbono, além do peso que você consegue diminuir, é você ter a opção de vários tamanhos. Você consegue moldar melhor a fibra de carbono. É possível fazer um perfil mais alto, uma roda um pouco mais larga, um formato diferente para ser mais aerodinâmica”, ressaltou Riccelli.

Diferentes perfis de roda para diferentes situações (Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press)

Com a proximidade da prova mais tradicional da América, o profissional explicou que é possível utilizar dois tipos diferentes de roda na mesma bicicleta. “Você pode mesclar uma roda com um perfil mais alto e uma com perfil mais baixo. Atrás com um mais alto para maior rigidez, já que é onde você da o torque para a bike andar, e na frente mais baixo para controlar melhor a bicicleta e não sofrer com o vento cruzado”.

Cassio Riccelli ainda salientou a importância de uma roda para cada uso, apesar de saber das dificuldades dessa situação se tornar realidade.

“O ideal é que você tivesse uma roda para cada condição, mas como isso é difícil, o melhor é ter uma roda que te atenda no máximo possível de situações. Se você quiser fazer treinos, de repente uma roda mais robusta, de alumínio com o perfil mais baixo pode ser o suficiente”, ressaltou o perito.

Por fim, indicou alterar a roda que vem de fábrica para uma que se encaixa mais com o atleta. “Muitas vezes, uma bicicleta mais de entrada vêm com uma roda que sai mais barata do fabricante. Uma roda mais simples, para resistir, e deixar o preço mais baixo, porém é aconselhado melhora-la conforme o tempo”, concluiu.

*Especial para a Gazeta Esportiva

Mais vídeos em videos.gazetaesportiva.com