Mais Esportes/Ciclismo

Campeão mundial de mountain bike, Avancini revela aprendizado com boxe

Por Guilherme Serrano* - São Paulo , SP
04/06/2019 08:00:27

Em: Ciclismo, Mais Esportes

Henrique Avancini é campeão mundial de mountain bike e principal esperança de medalha do Brasil no ciclismo durante os Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru. No entanto, o carioca não se limita apenas a esse esporte. Fã de boxe, Avancini tira inspiração das lutas para melhorar seu desempenho.

Em entrevista exclusiva à Gazeta Esportiva, o atleta ressaltou a importância de abrir os olhos para diferentes esportes sobretudo no quesito preparação, e citou o boxe como uma de suas inspirações.

“Quando você vai analisar o seu esporte de uma forma mais profunda, você vê que dá para aplicar certas coisas ali também. Isso acaba se tornando um diferencial. Uma pequena atitude diferente que você tem que acaba gerando um resultado diferente também. Então eu busco muito informação de outros esportes. E o boxe é uma modalidade que tem muita coisa em relação a treinamento, no pré-luta, em como você constrói a luta, como se expõe para apanhar e depois bater, enfim. Essas são coisas que eu levo muito para o meu cenário de competição, que é completamente diferente. Eu acho que é só você estar aberto a sair um pouco da caixa que tem sempre uma boa lição em algum lugar te esperando”, disse.

Após não conseguir resultados satisfatórios nas Olimpíadas de Londres em 2012 e do Rio de Janeiro em 2016, Avancini buscou uma grande ascensão e hoje vive o seu melhor momento da carreira. Isso, segundo ele, é consequência justamente dessa boa preparação mental.

“Dou muito crédito a minha mentalidade de preparação. De aceitar muito as falhas e buscar muito não trabalhar no meu limite, mas expandir o meu limite. Então essa busca incessante de querer, crescer e continuar crescendo e evoluindo é o que me levou a esse nível, e é muito difícil para um atleta trabalhar assim. Porque eu me expus muitas vezes, e eu falhei muito mais do que tive êxito. Então você se permitir falhar e falhar repetidas vezes, e continuar trabalhando dessa maneira foi realmente o que permitiu que eu crescesse dessa maneira até chegar no nível que eu estou hoje”, afirmou.

Por fim, o ciclista voltou a ressaltar esse amadurecimento, garantindo que hoje tem uma base muito melhor para otimizar suas performances em busca dos resultados desejados.

“Hoje eu falho menos porque eu sou mais assertivo, e acho que essa é a grande diferença para que nos anos recentes, os resultados tenham ficado muito mais expressivos. Agora eu aplico o mesmo esforço que eu aplicava na minha preparação antes, mas eu consigo ser muito mais assertivo. Então eu desperdiço menos energia. Toda a energia que eu aplico eu consigo otimizar na minha performance e, consequentemente, ter mais resultados e consistência de bons resultados”, completou.

 

*Especial para a Gazeta Esportiva