COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA
Neymar ficou de fora da lista pela primeira vez desde que chegou na Europa (Foto: JEFFERSON BERNARDES / AFP)

Depois da divulgação de todas as listas de finalistas ao prêmio The Best, com os melhores da última temporada no futebol, a Fifa anunciou a mais esperada de todos: a de melhor jogador do mundo. Com a presença de Cristiano Ronaldo e Lionel Messi,dominantes nos últimos anos, a grande surpresa foi a ausência de Neymar, que teve sua temporada prejudicada devido a uma lesão no pé no fim da temporada do futebol europeu,mas que fica de fora pela primeira vez desde que chegou à Europa em 2013.

Confira a lista com os 10 finalistas ao prêmio The Best: 

Cristiano Ronaldo

Kevin De Bruyne

Antoine Griezmann

Eden Hazard

Harry Kane

Kylian Mbappe

Lionel Messi

Luka Modric

Mohamed Salah

Raphael Varane

A votação para decidir os dez finalistas do prêmio The Best foram Kaká, Ronaldo, Carlos Alberto Parreira (Brasil), Alessandro Nesta, Fabio Capello (Itália), Didier Drogba (Costa do Marfim), Lothar Matthäus (Alemanha), Frank Lampard (Inglaterra), Sami Al Jaber (Arábia Saudita), Cha Bum-Kun (Coreia do Sul), Emmanuel Amunike (Nigéria), Andy Roxburgh (Escócia) e Wynton Rufer (Nova Zelândia). Todos eles são ex-jogadores nomeados “Lendas da Fifa”.

Já o grande candidato ao prêmio é o português Cristiano Ronaldo, vencedor da última edição e que já ganhou cinco vezes ganhou o troféu. Com o título da Liga dos Campeões e a artilharia do principal torneio de clubes da Europa, o português fechou recentemente sua transferência para a Juventus e tem todos os requisitos para ser nomeado, em mais uma temporada, o melhor jogador do mundo.

No entanto, mesmo com mais uma temporada espetacular, Cristiano Ronaldo terá adversários de alto nível para desbancarem o domínio do português. Além de Lionel Messi, que teve números consistentes no ano e foi campeão Espanhol e da Copa do Rei, o jovem Kylian Mbappé pode fazer história nesta edição do prêmio The Best, já que conquistou o título da Copa do Mundo com apenas 19 anos de idade.

Outro nome que pode vencer o prêmio é o meia Luka Modric, vice-campeão do mundo com a Croácia e tricampeão da Liga dos Campeões com o Real Madrid. O jogador de 32 anos teve a sua melhor temporada na carreira e pode figuar, ao menos, entre os três melhores do mundo.

A situação ficou complicada para Neymar quando o jogador se machucou durante partida do Campeonato Francês e ficou de fora do restante da temporada do futebol europeu. Além disso, a queda precoce da Seleção Brasileira na Copa do Mundo e a imagem “arranhada” após o Mundial fizeram com que o craque do Paris Saint-Germain ficasse de fora da lista dos dez finalista da edição de 2018.

 

 



Didier Deschamps, campeão do mundo com a França, concorre a melhor técnico do mundo pela Fifa (Foto: Reprodução)

Depois da indicação dos finalistas a melhor do mundo na categoria de técnico de futebol feminino, a Fifa divulgou onze nomes na modalidade masculina. São cinco treinadores de seleções da Copa do Mundo, três do Campeonato Espanhol, dois do Campeonato Inglês e um do Campeonato Italiano. O vencedor será conhecido em cerimônia no dia 24 de setembro. Confira a lista completa:

Massimiliano Allegri (Juventus)
Stanislav Cherchesov (seleção russa)
Zlatko Dalic (seleção croata)
Didier Deschamps (seleção francesa)
Pep Guardiola (Manchester City)
Jurgen Klopp (Liverpool)
Roberto Martinez (seleção belga)
Diego Simeone (Atlético de Madrid)
Gareth Southgate (seleção inglesa)
Ernesto Valverde (Barcelona)
Zinédine Zidane (pelo trabalho no Real Madrid)

A disputa será acirrada. Se por um lado o francês Didier Deschamps conseguiu conquistar a Copa do Mundo da Rússia, Zlatko Dalic levou a Croácia a uma final pela primeira vez na história do país, assim como a anfitriã Rússia, que chegou às históricas quartas do Mundial. Bélgica e Inglaterra ocuparam o terceiro e quarto lugares, respectivamente, e também fizeram bonito.

Nos campeonatos locais, Massimiliano Allegri ajudou a Juventus a conquistar o sétimo título consecutivo do Calcio e a Copa da Itália; Guardiola ganhou a Copa da Liga Inglesa e quebrou recordes ao tornar o Manchester City campeão da Premier League; Klopp levou o Liverpool à final da Liga dos Campeões; Simeone levou a Liga Europa; Valverde conquistou a La Liga e a Copa do Rei; para finalizar, Zidane alcançou um Mundial de Clubes e a Liga dos Campeões.

A votação acontece desta terça-feira (24) até o dia 10 de agosto, entre jornalistas, capitães de seleções, treinadores e a população geral. Os três finalistas serão conhecidos no início de setembro e a cerimônia para entrega do prêmio será em 24 de setembro, em Londres.



Geromel recorda o choro de Renato Augusto no vestiário (Foto: Lucas Uebel/GFBPA)

O meia Renato Augusto marcou o único gol da Seleção Brasileira na derrota para a Bélgica, nas quartas de final da Copa do Mundo, mas ficou inconsolável com a chance que desperdiçou no final da partida. O zagueiro Geromel relatou nesta segunda-feira a reação do meio-campista nos vestiários da Arena Kazan.

“O Renato estava sentado do meu lado no vestiário. Ele estava chorando, e todo mundo ficou cabisbaixo. Mas ele não parava, e falei para não ficar assim, para levantar a cabeça. Ele me olhou incrédulo, me atravessando com o olhar, e disse: ‘O goleiro dos caras é grandão, só fui tirar um pouco dele, mas saiu um pouquinho mais. Era a bola do jogo, o lance da Copa’. Ele estava inconsolável”, declarou o zagueiro, em entrevista ao Sportv.

Renato Augusto começou a partida no banco de reservas, mas entrou no decorrer do segundo tempo, quando a Bélgica já tinha dois gols de vantagem. Aos 30 minutos, com pouco tempo em campo, o meia aproveitou cruzamento de Coutinho na área e mandou de cabeça para as redes.

Já aos 34, em nova assistência de Coutinho, Renato Augusto recebeu na meia-lua, ajeitou com liberdade e chutou buscando o canto da meta defendida por Courtois, mas acabou errando o alvo. Geromel ainda relatou a tristeza geral do grupo com a eliminação na derrota por 2 a 1 para a Bélgica.

“O clima estava com todo mundo desolado”, lamentou. “Sabíamos que tínhamos potencial e qualidade para ir mais longe. A gente tinha grupo, vontade, determinação e era bem treinado. Até hoje não consigo acreditar”, completou o zagueiro gremista, que foi reserva durante a campanha do Brasil no Mundial.



Treinador campeão do mundo quer algum de seus comandados com o prêmio (Foto: Alexander Nemenov/AFP)

Didier Deschamps, técnico campeão da Copa do Mundo com a França, deu entrevista ao jornal francês L’Equipe neste sábado, e disse que espera que algum de seus comandados seja coroado pelo título mundial. Para o treinador, o mais justo seria que a Fifa desse a bola de ouro (hoje oficialmente nomeada como prêmio “The Best”) a algum atleta francês.

Deschamps crê que Cristiano Ronaldo e Messi, que desde 2008 monopolizam o título, seguem no páreo, mas quer que, assim como em 2006, quando Cannavaro levou o prêmio, o melhor do mundo seja alguém que tenha sido campeão da Copa.

“Espero que um jogador francês ganhe a bola de ouro. Há dois candidatos que ainda estão no páreo, Lionel Messi e Cristiano Ronaldo, por tudo aquilo que representam no mundo…Prefiro que seja um jogador francês por ser ano de Copa e por terem sido campeões do mundo”, disse.

Além disso, mesmo após Neymar ter apresentado atuações muito abaixo do esperado durante a Copa do Mundo, o treinador acredita que o brasileiro segue na disputa.

“Também tem o Neymar, apesar de partir um pouco atrás. Mas Griezmann é um potencial candidato. Seria algo de muito bom, ele merece. Kylian (Mbappé) tem apenas 19 anos, mas alguns dirão que já é tempo de ganhar. Ser tão importante e eficaz nesta idade é algo de anormal. Depois há também o Paul (Pogba). Com a Copa do Mundo que ele fez…”, completou.



Jogador de 19 anos marcou quatro gols e foi eleito a revelação do torneio (Foto: Jewel Samad/AFP)

Kylian Mbappé foi, sem dúvidas, uma das principais peças da campanha francesa que terminou com o título da Copa do Mundo de 2018. Com apenas 19 anos, o jogador anotou quatro gols durante o torneio, um deles na vitória por 4 a 2 sobre a Croácia na final, e levou o prêmio de revelação do Mundial. O ótimo desempenho fez com que o treinador da equipe, Didier Deschamps, não economizasse nos elogios ao camisa 10.

Deschamps integrava a equipe francesa que, em 1998, venceu a primeira Copa do Mundo do país, e dividia o vestiário com duas das principais promessas da época: Trezeguet e Thierry Henry, que com 20 anos de idade, ainda não eram protagonistas da equipe.

“Eu joguei com jogadores muito bons, e também treinei jogadores muito bons…Em 1998, Trezeguet e Henry tinham a idade de Mbappé, mas não tiveram o mesmo papel. Kylian já está maduro. Ele sabe que faz coisas que os outros não fazem…Em termos de idade, com o que ele faz agora e com o que deve fazer no futuro, eu sempre digo: Estou muito feliz que ele seja francês”, declarou.

Além disso, o treinador fez questão de exaltar que Mbappé o impressiona também por questões que vão além do talento que o atacante demonstra dentro de campo.

“Não é apenas a qualidade. Ele é inteligente, ele escuta. Eu também estou lá para dizer em quais quesitos ele não está bem, mesmo que isso represente apenas cinco por cento do seu jogo, e ele escuta e corrige”, completou.

 



Mbappé foi eleito o melhor jogador da jovem da Copa (Foto: Franck Fife/AFP)

Eleito melhor jogador jovem da Copa do Mundo e um dos grandes destaques da competição, Kylian Mbappé parece ter entrado em campo na reta final do Mundial longe de suas melhores condições físicas. Segundo o jornal francês L’Equipe, o atacante teria jogado a semifinal e a final do torneio com uma lesão nas vértebras.

De acordo com a publicação, o jovem de 19 anos teria se machucado no dia anterior ao confronto contra a Bélgica, quando levantou da cama e fez um movimento em falso, sentindo uma forte dor nas costas e caindo de volta na cama.

Após o ocorrido, Mbappé foi submetido a exames, que detectaram uma lesão nas vértebras. Ele chegou a ficar de fora de treinamentos e iniciou logo o tratamento. Seu corte do torneio não foi considerado e a notícia foi mantida em segredo.

A lesão, porém, não pareceu atrapalhar o atacante do Paris Saint-Germain. Ele não balançou as redes, mas fez bom jogo contra a Bélgica e na grande final, marcou um dos gols da vitória francesa sobre a Croácia por 4 a 2.



Depois da campanha decepcionante na Copa do Mundo, o técnico Fernando Hierro não continua mais no comando da Espanha. Para o lugar do ex-zagueiro, a direção da Fúria contratou Luis Enrique, ex-Barcelona. Um dos treinadores mais badalados do mundo, Pep Guardiola, deu sua opinião sobre a escolha da equipe espanhol.

“É uma decisão excepcional para o futebol espanhol. Além de ser meu amigo, já demonstrou sua qualidade no Barcelona, onde ganhou uma quantidade de títulos com um futebol fabuloso. É uma grande decisão para todas as partes e para ele e seleção, eu desejo tudo de melhor”, afirmou o espanhol.

A declaração foi dada nos Estados Unidos, onde o Manchester City faz pré-temporada e se prepara para a temporada 2018-2019. Guardiola e Luis Enrique atuaram juntos no Barça nos anos 90. O contrato do atual treinador com a Espanha é válido por dois anos, até o final da Eurocopa de 2020.

Luis Enrique começou a carreira como treinador em 2008, no Barcelona B. Depois passou pela Roma e Celta antes de assumir o time principal do Barça. No clube catalão, conquistou o Triplete (Campeonato Espanhol, Copa do Rei e Liga dos Campeões) em 2015.

Guardiola aprovou o novo técnico da Espanha (Foto: Oli Scarff/AFP)


Um dos nomes de maiores destaques na campanha croata na Copa do Mundo nem entrou em campo na Rússia. O atacante Nikola Kalinic foi cortado da seleção, que chegou na decisão do torneio, ainda na fase de grupos, após se recusar a entrar em campo nos minutos finais da partida de estreia de seu país, diante da Nigéria.

Após todo esse imbróglio, existia a expectativa para saber se o jogador receberia ou não a medalha de prata pela sua participação na campanha croata. Nesta sexta-feira esta questão foi revelada pelo jornal croata Sportske Novosti, que garantiu que o centroavante recusou o objeto.

Kalinic recusou a medalha após se negar a entrar em campo na estreia da competição (Foto: AFP)

Ainda segundo a publicação, a resposta do atleta para a Federação de seu país foi: “Obrigado pela medalha mas eu não joguei na Rússia”, garante a publicação. Vale lembrar que o jogador alegou um problema nas costas para não entrar em campo nos acréscimos daquela partida.

Passada toda a polêmica, o atacante pensa agora no seu futuro. Pertencente ao Milan, o jogador de 30 anos deve ser oficializado como reforço do Atlético de Madrid em breve. A negociação prevê um acordo por empréstimo de uma temporada, com o valor de 2 milhões de euros (cerca de R$ 9 milhões), com uma cláusula de compra obrigatória na próxima janela, fixada em 18 milhões de euros (aproximadamente R$ 80 milhões).



Guardiola viu o lado positivo da ausência de Sané na Copa do Mundo (Foto: AFP)

A maior polêmica da convocação de Joachim Löw, treinador da Alemanha, para a Copa do Mundo foi a ausência do jovem Leroy Sané, peça fundamental do Manchester City de Pep Guardiola na conquista do Campeonato Inglês e da Copa da Liga Inglesa da última temporada.

Para o técnico espanhol, o atacante precisa superar o baque e pensar na longa trajetória que ainda pode ter na seleção alemã. No entanto, a ausência no Mundial pode ajudar o garoto de 22 anos a crescer ainda mais como jogador, segundo Guardiola.

“O Leroy (Sané) tem de superar isso e aceitar a decisão, que poderá torná-lo um jogador melhor e mais forte. É muito jovem, daqui a dois anos tem a Eurocopa e daqui a quatro há outra Copa do Mundo. Este assunto faz parte do passado e o treinador alemão escolhe aquilo que acha melhor. Tem de manter o nível que mostrou o ano passado e estamos muito contentes por contarmos com ele”, disse o treinador do City.

Sem Sané, a Alemanha teve sua pior campanha em Copas. Na Rússia, a campeã mundial de 2014 perdeu a estreia contra o México, venceu a Suécia com um gol no último minuto e, quando dependia só de si para garantir a classificação, voltou a ser derrotada pela Coreia do Sul e amargou a eliminação na fase de grupos.



França venceu a Croácia por 4 a 2 na grande decisão da Copa do Mundo (Foto: Franck Fife/AFP)

De acordo com um levantamento realizado pela Sports Value, empresa de marketing esportivo, a conquista da Copa do Mundo de 2018 por parte da França trará diversos benefícios ao futebol disputado localmente. O título foi o segundo dos europeus, que já haviam vencido o Mundial em 1998.

As redes sociais sofrerão o primeiro impacto, mais imediato. A FFF, federação francesa de futebol, já conta com mais de 13 milhões de seguidores pela internet e é uma das organizações esportivas mais acompanhadas pelos usuários. A tendência é de aumento em tal número.

Veja também: Pelé parabeniza Mbappé por gol na decisão: “Bem-vindo ao clube”

A conquista também irá impactar os negócios da seleção francesa, que já giram ao redor do valor de 156 milhões de euros anuais. A principal fonte de receita, o faturamento com patrocinadores, aumentará. O valor prévio era de 87,5 milhões de euros.

Além disso, a liga francesa. quinta força no futebol europeu, passará por um processo de valorização natural. Os fatores incluem uma maior empolgação do torcedores, interesse de patrocinadoras e aumento na projeção global da competição, que ampliarão os ganhos da disputa.

Por fim, a Sports Value apontou outros fatores que evidenciarão tal impacto positivo do bicampeonato ao futebol francês. São eles: crescimento de todo o mercado interno de negociações e a valorização dos jogadores da seleção campeã.