COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA
Thierry Henry estaria acertando sua ida para o comando da seleção egípcia após ter se destacado na comissão técnica da Bélgica nesta Copa do Mundo (Foto: Jack GUEZ/AFP)

Presente na comissão técnica da Bélgica na Copa do Mundo, o ex-jogador francês Thierry Henry parece estar com as malas prontas para o Egito. Segundo o portal inglês Talksport, ele estaria negociando o cargo de técnico da seleção egípcia.

O comando da equipe está vago desde a demissão de Hector Cuper após uma desastrosa campanha no Mundial, quando o país foi eliminado na fase de grupos mesmo tendo em seu plantel o astro Salah. Segundo a publicação, Henry já teria acertado as bases com a federação local, no entanto, espera novidades sobre o projeto e outras garantias para assinar.

Thierry Henry tem 40 anos e fez parte da comissão técnica belga na Copa do Mundo. Como jogador, atuou no Mônaco, Juventus, Barcelona, New York Red Bulls e Arsenal, onde conquistou grandes feitos na carreira. Ele também teve destaque na seleção francesa, conquistando a Copa de 98. Ele nunca atuou como primeiro treinador e, na semana passada, foi cotado como técnico do Aston Villa, mas o clube decidiu permanecer com seu antigo comandante, Steve Bruce, por mais uma temporada.

Com relação à seleção egípcia, na Copa da Rússia ela chegou como uma das favoritas do grupo A, com a anfitriã Rússia, Uruguai e Arábia Saudita, mas acabou perdendo as três partidas que disputou e foi eliminada ainda na primeira fase da competição.



O México foi eliminado nas oitavas do Mundial de 2018 (Foto: Divulgação)

A Federação Mexicana de Futebol anunciou na noite desta sexta-feira a saída de Juan Carlos Osorio do comando do México. O treinador optou por não renovar o contrato com a entidade e encerra seu ciclo na seleção. Recentemente, o Profe teve seu nome vinculado para assumir o Santos, substituindo Jair Ventura.

“Agradecemos a dedicação, paixão, empenho e carinho com Osorio permaneceu e preparou cada um dos jogos em que ele liderou o México, bem como a sua abertura e honestidade em fazer sua decisão de não ser considerado um candidato para a próxima Copa do Mundo”, escreveu a Federação em comunicado oficial.

No total foram 52 jogos, com 33 vitórias, 9 empates e 10 derrotas como treinador do México. Na Copa do Mundo de 2018, passou na segunda colocação do Grupo F, após vencer a Coreia do Sul e a Alemanha e perder para a Suécia, e acabou eliminado para o Brasil nas oitavas de final.

“Em meu nome e da minha comissão técnica, muito obrigado a todos por esta experiência profissional e de vida única e inigualável!”, destacou o treinador em carta para os torcedores mexicanos.

O colombiano ficou marcado no Brasil após passar pelo São Paulo, em 2015. Em 28 partidas, Osorio conquistou 12 vitórias, sete empates e nove derrotas pelo Tricolor Paulista. Ele saiu para assumir o México, mas também por uma rusga com o ex-presidente Carlos Miguel Aidar.



Cherchesov levou a Rússia até as quartas do Mundial (Foto: Juan Mabromata/AFP)

Na tarde desta sexta-feira, a Federação Russa de Futebol anunciou a renovação de contrato com o treinador Stanislav Cherchesov até 2020. Ele será o responsável por comandar a equipe na Liga das Nações, competição criada recentemente pela UEFA, e nas Eliminatórias para a Eurocopa de 2020. Caso obtenha sucesso, poderá renovar por mais dois anos com a seleção.

Apontado como um dos principais responsáveis pelo sucesso da Rússia na Copa de 2018, o comandante foi indicado pela Fifa ao prêmio de melhor técnico do ano. A anfitriã do Mundial chegou às quartas de final e caiu, nos pênaltis, para a Croácia. Esta foi a melhor campanha do país desde a dissolução da União Soviética.

“Hoje, a comissão técnica da seleção russa assinou um acordo com a Federação no sistema “2 + 2 anos”. Fico feliz por continuarmos a trabalhar com a equipe russa. Em termos de resultados, a barra foi elevada e eu gostaria de continuar com o mesmo espírito. Entendemos a nossa responsabilidade e faremos nosso trabalho com dignidade”, ressaltou o russo.

Cherchesov chegou ao comando da seleção em agosto de 2016, mas era visto com certo ceticismo pela imprensa e pelos torcedores. A seleção chegou à Copa sem conquistar uma vitória nos oito meses anteriores.

“A Federação Russa de Futebol confia totalmente em Stanislav Cherchesov e sua comissão técnica. Esperamos que a equipe russa esteja esperando por muitas vitórias brilhantes e conquistas significativas”, exaltou Alexander Alayev, presidente interino da entidade.

Pela Liga das Nações, a Rússia enfrenta a Turquia, no dia 7 de setembro, fora de casa, enquanto no dia 10 do mesmo mês, duela contra a República Checa, em amistoso, atuando em seus domínios.



Gol do francês Pavard contra a Argentina foi eleito o mais bonito da Copa do Mundo da Rússia (Foto: Saeed Khan/AFP)

Nesta quarta-feira, a Fifa anunciou o autor do gol mais bonito da Copa do Mundo: Benjamin Pavard. Por meio de votação popular, o belo e forte chute do francês na vitória da França sobre a Argentina nas oitavas de final ultrapassou outros 17 concorrentes, inclusive Philippe Coutinho, e venceu a categoria.

Na competição houve um total de 169 gols em 64 partidas e mais de três milhões de torcedores, segundo o site oficial da entidade, votaram na disputa que elegeu Pavard como o autor do tento mais bonito.

Entre os concorrentes de Pavard, o único brasileiro foi Philippe Coutinho, que fez o gol no empate do Brasil diante da Suíça, na estreia da Seleção na Copa. Os demais eram Cristiano Ronaldo, Nacho, Cherychev (selecionado em dois momentos), Mertens, Quintero, Dzyuba, Modric, Musa, Messi, Kroos, Lingard,Quaresma, Januzaj, Chadli e Di María.

Pavard se torna o primeiro jogador europeu a conquistar o prêmio de gol mais bonito do torneio desde a criação da categoria, em 2006. Na Copa do Brasil, em 2014, James Rodríguez foi o grande vencedor pelo gol em cima do Uruguai (ele ainda levou o prêmio Puskas no final daquele ano). Em 2010 foi Diego Forlan e, em 2006, o argentino Maxi Rodriguez.



Novo escudo da seleção francesa (Foto: Divulgação/FFF)

Após conquistar a Copa do Mundo da Rússia, a França terá um novo escudo. Na tarde desta quarta-feira, a Federação Francesa de Futebol (FFF) divulgou o novo símbolo remodelado e agora com duas estrelas, que representam os títulos mundiais de 1998 e 2018. A mudança já poderá ser vista nos dois próximos jogos da seleção, contra Alemanha e Holanda.

A primeira partida da equipe de Didier Deschamps depois de ganhar a Copa será diante da Holanda, pela Liga das Nações, novo torneio da Uefa. O embate está marcado para o dia 9 de agosto. Na sequência, pela segunda rodada da competição, os franceses enfrentam a Alemanha.

Do escudo antigo para o novo, é possível perceber o afinamento do corpo, a mudança do relevo do galo, o fim do contorno vermelho e a introdução do dourado, sem contar a nova estrela no topo.

Antigo escudo francês (Foto: Divulgação/FFF)


O meia Philippe Coutinho foi a estrela do lançamento da nova chuteira da Nike, a Phantom Vision. Na noite desta terça-feira, o jogador interrompeu o seu período de férias para participar de um evento no Largo da Batata, em São Paulo, e exercer o papel de garoto-propaganda.

De acordo com a empresa norte-americana, Coutinho personifica a precisão nos chutes que se planejou promover com o produto, embora o atleta seja avesso aos holofotes. “Sou um cara mais reservado, que não gosta muito de falar e aparecer”, comentou o meia do Barcelona, que não concedeu entrevistas no evento.

Coutinho foi um dos jogadores elogiados na recente campanha brasileira na Copa do Mundo a Rússia, que terminou com uma derrota por 2 a 1 para a Bélgica, nas quartas de final. O meia revelado pelo Vasco retomará os treinamentos no Barcelona em breve e encontrará dois novos compatriotas no clube espanhol, o volante Arthur e o atacante Malcom.

“As expectativas são sempre grandes quando começamos uma nova temporada. Temos mais dois brasileiros, que, com certeza, darão uma ajuda muito grande. Queremos buscar títulos”, projetou Coutinho, outra vez sem estrelismo. “A explosão da torcida quando você faz um gol é incrível, mas dar um passe também proporciona uma sensação ótima”, equiparou.

Quando Coutinho saiu de cena, os convidados ocuparam os principais espaços do local (sede do Nike Football Studio durante o Mundial) para testar o novo produto da empresa, que começará a vender a chuteira em seu site oficial a partir de 30 de julho e, no restante do mercado, de 2 de agosto em diante.




Neymar ficou de fora da lista pela primeira vez desde que chegou na Europa (Foto: JEFFERSON BERNARDES / AFP)

Depois da divulgação de todas as listas de finalistas ao prêmio The Best, com os melhores da última temporada no futebol, a Fifa anunciou a mais esperada de todos: a de melhor jogador do mundo. Com a presença de Cristiano Ronaldo e Lionel Messi,dominantes nos últimos anos, a grande surpresa foi a ausência de Neymar, que teve sua temporada prejudicada devido a uma lesão no pé no fim da temporada do futebol europeu,mas que fica de fora pela primeira vez desde que chegou à Europa em 2013.

Confira a lista com os 10 finalistas ao prêmio The Best: 

Cristiano Ronaldo

Kevin De Bruyne

Antoine Griezmann

Eden Hazard

Harry Kane

Kylian Mbappe

Lionel Messi

Luka Modric

Mohamed Salah

Raphael Varane

A votação para decidir os dez finalistas do prêmio The Best foram Kaká, Ronaldo, Carlos Alberto Parreira (Brasil), Alessandro Nesta, Fabio Capello (Itália), Didier Drogba (Costa do Marfim), Lothar Matthäus (Alemanha), Frank Lampard (Inglaterra), Sami Al Jaber (Arábia Saudita), Cha Bum-Kun (Coreia do Sul), Emmanuel Amunike (Nigéria), Andy Roxburgh (Escócia) e Wynton Rufer (Nova Zelândia). Todos eles são ex-jogadores nomeados “Lendas da Fifa”.

Já o grande candidato ao prêmio é o português Cristiano Ronaldo, vencedor da última edição e que já ganhou cinco vezes ganhou o troféu. Com o título da Liga dos Campeões e a artilharia do principal torneio de clubes da Europa, o português fechou recentemente sua transferência para a Juventus e tem todos os requisitos para ser nomeado, em mais uma temporada, o melhor jogador do mundo.

No entanto, mesmo com mais uma temporada espetacular, Cristiano Ronaldo terá adversários de alto nível para desbancarem o domínio do português. Além de Lionel Messi, que teve números consistentes no ano e foi campeão Espanhol e da Copa do Rei, o jovem Kylian Mbappé pode fazer história nesta edição do prêmio The Best, já que conquistou o título da Copa do Mundo com apenas 19 anos de idade.

Outro nome que pode vencer o prêmio é o meia Luka Modric, vice-campeão do mundo com a Croácia e tricampeão da Liga dos Campeões com o Real Madrid. O jogador de 32 anos teve a sua melhor temporada na carreira e pode figuar, ao menos, entre os três melhores do mundo.

A situação ficou complicada para Neymar quando o jogador se machucou durante partida do Campeonato Francês e ficou de fora do restante da temporada do futebol europeu. Além disso, a queda precoce da Seleção Brasileira na Copa do Mundo e a imagem “arranhada” após o Mundial fizeram com que o craque do Paris Saint-Germain ficasse de fora da lista dos dez finalista da edição de 2018.

 

 



Didier Deschamps, campeão do mundo com a França, concorre a melhor técnico do mundo pela Fifa (Foto: Reprodução)

Depois da indicação dos finalistas a melhor do mundo na categoria de técnico de futebol feminino, a Fifa divulgou onze nomes na modalidade masculina. São cinco treinadores de seleções da Copa do Mundo, três do Campeonato Espanhol, dois do Campeonato Inglês e um do Campeonato Italiano. O vencedor será conhecido em cerimônia no dia 24 de setembro. Confira a lista completa:

Massimiliano Allegri (Juventus)
Stanislav Cherchesov (seleção russa)
Zlatko Dalic (seleção croata)
Didier Deschamps (seleção francesa)
Pep Guardiola (Manchester City)
Jurgen Klopp (Liverpool)
Roberto Martinez (seleção belga)
Diego Simeone (Atlético de Madrid)
Gareth Southgate (seleção inglesa)
Ernesto Valverde (Barcelona)
Zinédine Zidane (pelo trabalho no Real Madrid)

A disputa será acirrada. Se por um lado o francês Didier Deschamps conseguiu conquistar a Copa do Mundo da Rússia, Zlatko Dalic levou a Croácia a uma final pela primeira vez na história do país, assim como a anfitriã Rússia, que chegou às históricas quartas do Mundial. Bélgica e Inglaterra ocuparam o terceiro e quarto lugares, respectivamente, e também fizeram bonito.

Nos campeonatos locais, Massimiliano Allegri ajudou a Juventus a conquistar o sétimo título consecutivo do Calcio e a Copa da Itália; Guardiola ganhou a Copa da Liga Inglesa e quebrou recordes ao tornar o Manchester City campeão da Premier League; Klopp levou o Liverpool à final da Liga dos Campeões; Simeone levou a Liga Europa; Valverde conquistou a La Liga e a Copa do Rei; para finalizar, Zidane alcançou um Mundial de Clubes e a Liga dos Campeões.

A votação acontece desta terça-feira (24) até o dia 10 de agosto, entre jornalistas, capitães de seleções, treinadores e a população geral. Os três finalistas serão conhecidos no início de setembro e a cerimônia para entrega do prêmio será em 24 de setembro, em Londres.



Geromel recorda o choro de Renato Augusto no vestiário (Foto: Lucas Uebel/GFBPA)

O meia Renato Augusto marcou o único gol da Seleção Brasileira na derrota para a Bélgica, nas quartas de final da Copa do Mundo, mas ficou inconsolável com a chance que desperdiçou no final da partida. O zagueiro Geromel relatou nesta segunda-feira a reação do meio-campista nos vestiários da Arena Kazan.

“O Renato estava sentado do meu lado no vestiário. Ele estava chorando, e todo mundo ficou cabisbaixo. Mas ele não parava, e falei para não ficar assim, para levantar a cabeça. Ele me olhou incrédulo, me atravessando com o olhar, e disse: ‘O goleiro dos caras é grandão, só fui tirar um pouco dele, mas saiu um pouquinho mais. Era a bola do jogo, o lance da Copa’. Ele estava inconsolável”, declarou o zagueiro, em entrevista ao Sportv.

Renato Augusto começou a partida no banco de reservas, mas entrou no decorrer do segundo tempo, quando a Bélgica já tinha dois gols de vantagem. Aos 30 minutos, com pouco tempo em campo, o meia aproveitou cruzamento de Coutinho na área e mandou de cabeça para as redes.

Já aos 34, em nova assistência de Coutinho, Renato Augusto recebeu na meia-lua, ajeitou com liberdade e chutou buscando o canto da meta defendida por Courtois, mas acabou errando o alvo. Geromel ainda relatou a tristeza geral do grupo com a eliminação na derrota por 2 a 1 para a Bélgica.

“O clima estava com todo mundo desolado”, lamentou. “Sabíamos que tínhamos potencial e qualidade para ir mais longe. A gente tinha grupo, vontade, determinação e era bem treinado. Até hoje não consigo acreditar”, completou o zagueiro gremista, que foi reserva durante a campanha do Brasil no Mundial.