Líder da ultradireita francesa diz que Benzema não deveria voltar à seleção

São Paulo, SP

03-12-2015 17:25:22

Jogador do Real Madrid se defendeu de acusações de chantagem ao compatriota após ser detido (Foto: VALERY HACHE/AFP)
Presença de Benzema na seleção vem sendo questionada devido à polêmica com Valbuena (Foto: Valery Hache/AFP)

 

Presidente da Frente Nacional (FN), partido da ultradireita francesa, Marine Le Pen se pronunciou sobre o caso de chantagem envolvendo Benzema e Valbuena. De acordo com a política, o jogador do Real Madrid não deveria sequer ter representado a seleção da França, devido a sua conduta de “desprezo ao país”, nas palavras dela.

“Ele (Benzema) é alguém que em múltiplas ocasiões manifestou seu desprezo à França, que tem um comportamento cujo qual os franceses não admitem, de gente que ganha quantidades astronômicas (de dinheiro) e que se comporta como crianças mimadas”, afirmou em entrevista à radio Europe 1.

Le Pen ainda fez questão de dizer que Benzema passa uma “imagem deplorável”, uma vez que não canta o hino e manifesta desprezo por qualquer forma de patriotismo. “Ele é desses jogadores de futebol que não cantam a Marselhesa e que, nas entrevistas, manifestam desapreço por qualquer demonstração de patriotismo”, completou.

A líder do FN não foi a primeira figura política francesa a comentar sobre a polêmica envolvendo Benzema e se o atacante deveria ou não voltar a ser convocado para a seleção. Na última terça-feira, o primeiro-ministro Manuel Valls afirmou que o jogador não é exemplar e, por isso, não merecia vestir a camisa dos Les Bleus novamente.

O ex-presidente Nicolas Sarkozy também se pronunciou sobre o caso, na última quarta-feira, e reprovou a declaração de Valls, a quem considerou querer dar lição de moral. “Não gosto de lições de exemplaridade”, disse na ocasião. Para Sarkozy, as autoridades francesas não devem se pronunciar sobre o caso uma vez que não se conhecem os detalhes do processo judicial contra o jogador.

Deixe seu comentário