Fifa anuncia possibilidade de suspensão de contratos de atletas estrangeiros em Ucrânia e Rússia

São Paulo, SP

07/03/22 | 16:53 - 07/03/22 | 17:51

A Fifa anunciou, nesta segunda-feira, uma alteração temporária em seu regulamento de transferências de jogadores. Em meio à invasão russa à Ucrânia, a entidade informou que, em concordância com a Uefa, os contratos de todos funcionários estrangeiros nos países citados podem sem suspensos de forma provisória.

“Todos os contratos de trabalho de jogadores e treinadores estrangeiros com clubes afiliados à Associação Ucraniana de Futebol serão considerados automaticamente suspensos até o fim da temporada na Ucrânia, sem a necessidade de qualquer ação das partes neste efeito”, diz o texto publicado no site da Fifa.

Com a decisão, atletas estrangeiros terão a possibilidade de assinar com outros times até o fim das temporadas ucraniana e russa, que se encerram em 30 de junho de 2022. A mudança abre as portas para possíveis contratações de clubes do Brasil. Isso porque muitos jogadores do país atuam em equipes ucranianas, sobretudo no Shakhtar Donetsk.


A entidade máxima do futebol explicou que a suspensão dos vínculos significará que jogadores e treinadores estarão “sem contrato” até o fim de junho. Já aqueles que atuam na Rússia, caso não consigam acertos com suas respectivas equipes até quinta-feira, poderão “suspender unilateralmente seus contratos de trabalho” até o término da temporada.

A Fifa também comunicou que os atletas poderão ser registrados em seus novos times até depois do período estipulado anteriormente pelas ligas. Entretanto, “para que esta exceção seja aplicável e proteja a integridade das competições”, o registro deve ocorrer até no máximo dia 7 de abril. Além disso, os clubes terão a permissão de assinar com até dois jogadores sob este contexto.

Por fim, na nota, a Fifa se posicionou contra a invasão, afirmando que “gostaria de reiterar a sua condenação ao uso contínuo da força pela Rússia na Ucrânia e pede a rápida cessão das hostilidades e o retorno à paz”.

Deixe seu comentário