Corinthians admite dificuldade e diz que só trará atacante para “resolver”

Tomás Rosolino - São Paulo , SP
21/02/2018 13:15:16 — 21/02/2018 14:56:26

Em: Campeonato Paulista, Corinthians, Futebol

O Corinthians segue na busca por um camisa 9 para a sua equipe, mas já é quase certo que ele não chegará para o primeiro semestre de 2018. Confirmando uma tendência apontada desde que Andrés Sanchez assumiu o cargo de presidente do clube, no começo do mês, o diretor-adjunto de futebol, Duílio Monteiro Alves, disse que o clube só fará investimentos altos se chegar a um nome já consagrado no futebol.

“Nós vamos trazer só quem a gente saiba que vai resolver o problema. As apostas já estão aqui. Para comprar, só se vier para resolver”, comentou o dirigente, que intensificou a busca desde que assumiu o cargo, mas encontrou um cenário muito complicado para a realização dos negócios. Com muitos atletas já acertados e o mercado europeu definido, o Timão teve de se ater a nomes da América do Sul, sem que nenhum se encaixasse tanto na filosofia de jogo de Carille quanto na financeira do clube.

“Está difícil, sim. A gente tem trabalhado muito, isso já não é de hoje, mas desde o ano passado. É uma posição que hoje em dia tem muito pouco no mercado. Os que têm já são até de uma idade avançada. A gente está jogando futebol na América do Sul pagando salário de Europa”, continuou Duílio.

Mais vídeos em videos.gazetaesportiva.com

O alvo inicial da gestão é utilizado como um dos exemplos para a dificuldade em encontrar alguém para o setor. Henrique Dourado, artilheiro do último Campeonato Brasileiro, pediu cifras “muito acima” do que ganhava Jô, por exemplo, nas palavras de pessoas envolvidas na negociação. A partir daí, houve um entendimento que era melhor esperar o meio do ano e um leque maior de opções para se fazer um investimento desse valor.

Outro setor que ganhou mais preocupação dos corintianos recentemente foi a lateral esquerda, que teve um reforço pedido abertamente pelo técnico Fábio Carille após o empate por 1 a 1 com o Red Bull, em Campinas. Alegando que já procura um outro nome para o setor “faz tempo”, Duílio explicou a situação.

“A gente tem muito claro que o Juninho é um garoto, fez bons jogos, outros nem tanto. Mas o time todo esteve abaixo. Fábio vem procurando a forma de jogar para a gente ter alternativas lá na frente. Vamos trabalhando assim sempre”, disse ele, mantendo a visão de só investir caso ache algum atleta unânime para a posição.

“Sabemos da necessidade, trabalhamos em cima disso. Precisamos trazer alguém que venha para resolver o problema. Trazer jogadores novos, que possam dar retorno tanto dentro quanto fora. Tem algumas posições que sabemos a necessidade, mas temos que ter paciência. Não é a mesma coisa jogar no Corinthians”, concluiu.