COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

O primeiro clássico da Copa do Mundo da Rússia, disputado no Estádio Olímpico de Sochi, não decepcionou. Com o atacante Cristiano Ronaldo inspirado nesta sexta-feira, Portugal e Espanha empataram por 3 a 3 na estreia do técnico Fernando Hierro.

Único jogador da história de Portugal a disputar quatro edições da Copa do Mundo, Cristiano Ronaldo marcou os três gols de sua seleção. O sergipano Diego Costa (2) e Nacho responderam pela Espanha. Com o empate, os rivais ibéricos ficam dois pontos atrás do Irã no Grupo B.

Pela segunda rodada da Copa do Mundo, às 9 horas (de Brasília) desta quarta-feira, Portugal busca a primeira vitória diante do Marrocos, no Estádio Luzhniki. Às 15 horas do mesmo dia, a Espanha volta a campo para enfrentar o surpreendente Irã, em Kazan.

O Jogo – Portugal inaugurou o marcador logo aos três minutos do primeiro tempo. Cristiano Ronaldo partiu para cima de Nacho e caiu dentro da área. O árbitro italiano Gianluca Rocchi marcou pênalti, convertido pelo astro do Real Madrid – com o feito, ele iguala Pelé, Klose e Seeler com gols em quatro Copas do Mundo.

A Espanha empatou aos 23 minutos do primeiro tempo. Diego Costa levou a melhor na disputa de bola com Pepe, que pediu falta. O centroavante nascido no Brasil balançou na frente de dois marcadores e achou espaço para finalizar no canto direito de Rui Patricio.

O time dirigido por Fernando Hierro ditava o ritmo do jogo e acertou o travessão em um chute disparado por Isco, mas foi vazado novamente aos 43 minutos do primeiro tempo. Cristiano Ronaldo bateu de canhota após receber de Gonçalo Guedes na entrada da área e contou com falha grave do goleiro De Gea.

A Espanha voltou inspirada para a etapa complementar e chegou ao empate aos nove minutos. Em cobrança de falta, David Silva levantou na área e Busquets completou de cabeça para o meio. Oportunista, Diego Costa mandou a bola para o fundo das redes.

A equipe comandada por Hierro soube como aproveitar o momento favorável e virou o jogo três minutos depois. Após jogada pela esquerda, a bola desviou na zaga portuguesa e sobrou limpa para finalização perfeita de Nacho, que ainda viu a pelota tocar na trave antes de entrar.

Enfim em vantagem no marcador, a Espanha procurou valorizar a posse de bola. Mas o persistente Cristiano Ronaldo marcou seu terceiro gol aos 42 minutos do segundo tempo. Em cobrança de falta perto da entrada da área, De Gea deixou seu canto esquerdo aberto diante do astro e não conseguiu defender.

FICHA TÉCNICA
PORTUGAL 3 x 3 ESPANHA

Local: Estádio Olímpico, em Sochi (Rússia)
Data: 15 de junho de 2018 (Sexta-feira)
Horário: 15h00 (horário de Brasília)
Árbitro: Gianluca Rocchi (Itália)
Assistentes: Mauro Tonolini (Itália) e Elenito Di Liberatore (Itália)
Cartões amarelos: Bruno Fernandes (POR); Busquets (ESP)
Gols:
PORTUGAL: Cristiano Ronaldo, aos 3 e aos 43 minutos do 1º Tempo, e aos 42 minutos do 2º Tempo
ESPANHA: Diego costa, aos 23 minutos do 1º Tempo e aos 9 minutos do 2º Tempo, e Nacho, aos 12 minutos do 2º Tempo

PORTUGAL: Rui Patrício; Cedric, Pepe, Fonte e Raphael Guerreiro; William Carvalho, João Moutinho, Bruno Fernandes (João Mário), Gonçalo Guedes (André Silva) e Bernardo Silva (Quaresma); Cristiano Ronaldo
Técnico: Fernando Santos

ESPANHA: De Gea; Nacho, Sergio Ramos, Piqué e Jordi Alba; Busquets, Koke, Andres Iniesta (Thiago), Isco e David Silva (Lucas Vazques); Diego Costa (Aspas)
Técnico: Fernando Hierro



Dzagoev deve perder o resto da fase de grupos (Foto: Juan Mabromata/AFP)

Apesar da goleada por 5 a 0 sobre a Arábia Saudita na estreia da Copa do Mundo, nem todas as notícias são boas para a Rússia. Isso porque Alan Dzagoev, meio-campista que é um dos principais jogadores da anfitriã, precisará de dez dias para se recuperar, podendo ficar fora do resto da fase de grupos.

“Ainda não há um diagnóstico definitivo, mas dizem que ele precisará de dez dias. Estamos muitos tristes e confiamos que os médicos farão todo o possível para Alan se recuperar o mais rápido”, declarou Alexandr Golovin, homem do jogo da partida da quinta-feira e companheiro de seleção e CSKA Moscou de Dzagoev.

Por meio de sua conta no Twitter, a equipe russa confirmou que o meio-campista de 27 anos sofreu uma lesão muscular na parte posterior da coxa esquerda. “Os prazos do tratamento serão definidos nas próximas 24 horas”, disse a postagem.

Dzagoev se lesionou aos 24 minutos do primeiro tempo contra a Arábia Saudita e foi substituído por Denis Cheryshev, que marcou dois golaços e foi um dos principais jogadores em campo.

O próximo jogo da Rússia será contra o Egito, no dia 19 de julho, às 15 horas (de Brasília). Já encerramento da fase de grupos será contra o Uruguai, no dia 25 de julho, às 11 horas, no limite do período de recuperação que Golovin indicou aos jornalistas.



A postura do Irã surpreendeu e foi decisiva na vitória por 1 a 0 sobre Marrocos, na tarde desta sexta-feira, em São Petersburgo. A análise é do técnico do time asiático, o português Carlos Queiroz, que viu seus comandados encerrarem uma série invicta de 18 jogos dos africanos.

“Marrocos fez um grande jogo, tem grandes jogadores, mas tenho certeza que eles não esperavam a coesão do Irã. Eu tenho certeza que foi a primeira vez nos últimos meses que alguém jogou olho no olho com Marrocos. E isso os surpreendeu. Foi uma linda vitória, três pontos, e agora vamos descansar e pensar no jogo contra a Espanha”, avaliou Queiroz, em entrevista coletiva.

Na véspera da partida, o próprio treinador havia colocado Marrocos como grande favorito no confronto, considerando a equipe africana em nível semelhante ao de Espanha e Portugal, inclusive. O aspecto psicológico, segundo Queiroz, foi decisivo para o Irã surpreender.

“Estudamos o time de Marrocos com cuidado. Sabíamos que eles tinham um começo muito forte e com força no ataque. Desde o primeiro minuto, a nossa estratégia foi de criar um colapso mental nos jogadores de Marrocos. Tentamos fazer isso, criando frustração e bloqueando os criadores das jogadas”, explicou.

Após um primeiro tempo em que Marrocos buscou mais o ataque, o Irã voltou melhor do intervalo e conseguiu travar as ações ofensivas do rival. Com o goleiro Alireza Beiranvand decisivo, o time asiático foi recompensado com um gol contra do atacante Bouhaddouz, aos 49 minutos da etapa complementar.

“No primeiro tempo, depois dos primeiros 15 minutos, começamos a nos movimentar mais. Mas a melhor oportunidade foi do Irã. Após criarmos pânico na defesa deles, o jogo mudou. No segundo tempo eles sabiam que poderíamos mudar o jogo. Isso mudou o panorama do jogo. Claro que no futebol você precisa contar com sorte também”, concluiu.

Com o resultado, o Irã celebrou apenas o seu segundo triunfo na história dos Mundiais. O primeiro havia ocorrido sobre os Estados Unidos, por 2 a 1, em 1998, na França. Com três pontos, a equipe árabe lidera o Grupo B e encara a Espanha na próxima rodada, às 15 horas (de Brasília) de quarta-feira, em Kazan.

(Arte: AFP)



O Irã contou com um gol contra para derrotar Marrocos por 1 a 0 e estrear com vitória na Copa do Mundo da Rússia, durante a tarde desta sexta-feira, em São Petersburgo. O segundo triunfo do time asiático em Mundiais, no entanto, não teria ocorrido se o goleiro Ali Beiranvand não tivesse praticado duas defesas em momentos cruciais do confronto.

A primeira intervenção ocorreu logo aos 18 minutos da etapa inicial. Após bate e rebate na área iraniana, a bola sobrou para o zagueiro marroquino Benatia, que encheu o pé, mas viu o arqueiro crescer e evitar o primeiro gol do embate.

Mas a defesa mais decisiva seria realizada aos 35 minutos do segundo tempo, quando o atacante marroquino Ziyach arriscou de fora da área. A bola saiu com força, e Beiranvand precisou se esticar todo para espalmar. Nos acréscimos, o Irã cobrou falta pela esquerda e viu Bouhaddouz desviar contra a própria meta, decretando o placar do duelo.

Com 1,94m de altura, Beiranvand estreou como profissional pelo Naft Teerã, em 2010, quando tinha apenas 18 anos. Após ser negociado ao Persépolis em 2016, ganhou por duas vezes consecutivas o Campeonato Iraniano, chamando atenção do técnico Carlos Queiroz, que o utilizou em 12 jogos nas Eliminatórias Asiáticas.

Em 2017, se converteu no primeiro iraniano a ser nomeado para o prêmio de melhor jogador do mundo da Fifa. As boas atuações, sobretudo na seleção, ainda lhe renderam o nono posto entre os melhores goleiros daquela temporada.

(Arte: AFP)



Vardy foi campeão com Leicester (Foto: Paul ELLIS/AFP)

Chegando a Copa do Mundo como uma seleção que precisa se provar, a Inglaterra tem um grupo não muito complicado, com dois países pouco tradicionais no futebol, Tunísia e Panamá e a sensação Bélgica. Correndo por fora, os ingleses buscam chegar longe no campeonato e surpreender quem desacredita no jovem time de Gareth Southgate.

Com o elenco unido e focado, o goleador do Leicester, Jamie Vardy, lembra de quando foi campeão do Campeonato Inglês com o improvável time do interior, que desbancou os gigantes ingleses na temporada de 2015/16. Para o camisa 11, a seleção tem muito do seu clube.

“Somos exatamente o mesmo, estamos muito próximos no time. Sempre esperamos para fazer as coisas juntos, sorrindo e brincando no treino. Mas uma vez que entramos na grama, tudo é diferente, temos o mesmo espírito, atmosfera e atitude”, disse ele.

O atacante ainda exaltou o grupo. “Todos nós sabemos que somos um esquadrão de 23 homens e estamos todos aqui por uma razão. Gareth nos escolheu porque acha que somos os melhores que o país tem. Então, estamos todos aqui com a mesma mentalidade, todos querendo vencer, todos querendo jogar. Infelizmente, você não pode ter isso o tempo todo – você só pode ter 11 jogadores em campo.

O time inglês estreia no Mundial na segunda-feira (18), contra a Tunísia, às 15h (de Brasília).



Perto de entrar em campo na Copa do Mundo, a Colômbia recebeu uma boa notícia nesta sexta-feira. James Rodríguez, o principal jogador da equipe reapareceu e treinou sem problemas. Na última quinta-feira, o craque saiu da concentração, alegando dores musculares.

Wilmar Barrios foi outro que deixou as atividades comandadas pelo técnico José Pekerman mais cedo, mas também realizou treinamentos nesta sexta. Assim, o treinador pôde contar pela primeira vez com os 23 convocados para o Mundial.

Na Copa do Mundo disputada no Brasil, James foi o artilheiro com seis gols, um dos principais destaques, e para muitos, um o principal destaque da competição. Na ocasião, Lionel Messi acabou sendo eleito o melhor da Copa.

A Colômbia está no Grupo H do Mundial, ao lado de Japão, Senegal e Polônia. A estreia está marcada para esta terça-feira diante dos japoneses às 9h00 (horário de Brasília), em Saransk.

James deve estar em campo contra o Japão (Foto: Luis Acosta/AFP)


Nigerianos não poderão realizar seu tradicional ritual de superstição (Foto: Francisco Leong/AFP)

A torcida nigeriana foi proibida de realizar um de seus mais tradicionais rituais de superstição em apoio à seleção nacional na Copa do Mundo. Os africanos não poderão levar as “galinhas da sorte” ao Estádio de Kaliningrado, onde ocorrerá a estreia do país no torneio, contra a Croácia, neste sábado. De acordo com a tradição, levar galinhas aos jogos dá sorte ao time em campo.

“Torcedores nigerianos perguntaram se poderiam levar uma galinha ao estádio. Avisamos que não será possível”, afirmou o ministro da cultura de Kaliningrado, Andrei Ermak, em entrevista à agência russa Interfax. O ministro, porém, garantiu que o Ministério indicará aos torcedores áreas em que o ritual poderá ser efetuado.

Em 2010, na África do Sul, a torcida nigeriana também foi proibida de levar a galinha ao estádio. Na ocasião, a partida era contra a Argentina, no Ellis Park, em Joanesburgo.

A Nigéria enfrenta a Croácia às 16h (no horário de Brasília) deste sábado. Ainda pelo Grupo D, Argentina e Islândia travam o outro duelo da primeira rodada, às 10h, no Estádio Spartak, na capital Moscou.

 



Azarões do Grupo B da Copa do Mundo, Marrocos e Irã estrearam fazendo um jogo fraco na tarde desta sexta-feira. Em duelo disputado no Estádio Krestovsky, em São Petersburgo, o time asiático contou com um gol contra nos acréscimos do segundo tempo para vencer por 1 a 0 e encerrar uma série invicta de 18 partidas consecutivas dos africanos.

Com o triunfo, o seu segundo em Mundiais – o primeiro ocorreu diante dos Estados Unidos, em 1998 -, o Irã marcou três pontos e assumiu a liderança do Grupo B da Copa do Mundo. Favoritas da chave, as seleções de Espanha e Portugal empataram por 3 a 3 nesta tarde, em Sochi, e ficaram atrás dos asiáticos na classificação.

Na próxima rodada, na quarta-feira que vem, o Irã desafiará a Espanha a partir das 15 horas, em Kazan. Já Marrocos tentará se reabilitar diante de Portugal, do astro Cristiano Ronaldo, às 9 horas, em Moscou.

O Jogo –  Com postura agressiva, Marrocos começou pressionando e criou as primeiras chances de gol da partida. Aos 18 minutos, após lançamento na área e bate-rebate, a bola sobrou para o zagueiro Benatia, que chutou em cima do goleiro Beiranvand.

Depois do início promissor, os africanos diminuíram o ritmo e só voltaram a assustar aos 29 minutos, quando o meia Harit tabelou pela esquerda, invadiu a área, mas finalizou fraco, nas mãos do arqueiro iraniano.

O time asiático deixou para dar as caras no fim do primeiro tempo. Em rápido contra-ataque, Azmoun, conhecido como “Messi iraniano”, carregou a bola até a entrada da área, mas se atrapalhou e bateu em cima do goleiro marroquino, que fez nova defesa no rebote para o manter o placar zerado.

(Arte: AFP)

A etapa complementar, assim como a inicial, iniciou com Marrocos buscando mais o jogo e o Irã apostando no erro do adversário. Ambos os intentos, contudo, não foram adiante muito em função da quantidade excessiva de faltas e dos inúmeros erros de passes de ambas as equipes.

Na tentativa de mudar o panorama da partida, o português Carlos Queiroz, técnico do Irã, colocou o atacante Taremi na vaga do meia Shojaei. O treinador francês Hervé Renard respondeu com duas mudanças simultâneas: entraram o atacante Bouhaddouz e o armador Sofyan Amrabat.

O primeiro lance de perigo do segundo tempo ocorreu só aos 35 minutos, quando Ziyach, destaque do Ajax, arriscou de fora da área e exigiu grande defesa do goleiro iraniano, que seria decisivo no resultado do jogo. Isso porque, na tentativa de afastar bola após cobrança de falta pela esquerda, o atacante marroquino Bouhaddouz testou contra a própria meta, determinando o revés de seu país aos 49 minutos.

FICHA TÉCNICA
MARROCOS 0 X 1 IRÃ

Local: Estádio Krestovsky, em São Petersburgo (Rússia)
Data: 15 de junho de 2018 (Sexta-feira)
Horário: 12h(de Brasília)
Árbitro: Cuneyt Cakir (Turquia)
Assistentes: Bahattin Duran (Turquia) e Tarik Ongun (Turquia)
Público: 62.548 torcedores
Cartão Amarelo: El Ahmadi (Marrocos); Shojaei, Jahanbakhsh e Ansarifard (Irã)
Cartão Vermelho: –
Gol:
IRÃ:
Aziz Bouhaddouz (contra)

MARROCOS: El Kajoui; Achraf Hakimi, Medhi Benatia e Romain Saiss; Mbark Boussoufa, Hakim Ziyach, Karim El Ahmadi e Amine Harit (Manuel da Costa); Noureddine Amrabat (Sofyan Amrabat), Ayoub El Kaabi (Aziz Bouhaddouz) e Younes Belhanda
Técnico: Hervé Renard

IRÃ: Alireza Beiranvand; Ramin Rezaeian, Roozbeh Cheshimi e Morteza Pouraliganji; Karim Ansarifard, Omid Ebrahimi (Pejman Montazeri), Ehsan Hajisafi e Masoud Shojaei (Mehdi Taremi); Alireza Jahanbakhsh (Saman Ghoddos), Sardar Azmoun e Vahid Amiri
Técnico: Carlos Queiroz