Brasil joga bonito, goleia o Peru e se classifica em primeiro na Copa América - Gazeta Esportiva
Copa América Copa América

Cercado de incertezas após duas atuações pouco convincentes, a Seleção Brasileira fez provavelmente o seu melhor jogo pós-Copa do Mundo na tarde deste sábado, na Arena Corinthians. Diante do adversário mais forte do grupo e com uma torcida que rivalizou com a da casa nas arquibancadas, o Brasil fez 5 a 0 sobre o Peru, dominou as ações após um rápido gol de Casemiro e completou o placar: Firmino, Everton, Daniel Alves e Willian completaram o placar. Gabriel Jesus ainda perdeu um pênalti.

Com o resultado, a Seleção assegurou a primeira colocação do Grupo A com sete pontos, deixando os adversários estacionados com quatro, ainda sem uma definição se vai ou não passar à próxima fase. Com quatro pontos e -3 de saldo, a equipe andina ainda pode ser superada pelos outros terceiros colocados. A Venezuela, que derrotou a Bolívia, ficou com a segunda posição.

O Brasil agora espera a definição das chaves B e C para saber quem será o seu adversário. O terceiro colocado de uma delas será o seu rival, a princípio frente ao que tenha somado a melhor pontuação. Se passarem ambos no critério de melhores terceiros colocados, o time de Tite pega o que vier do C.

Gol revela Brasil avassalador

O jogo começou com um clima de rivalidade na Arena pela grande presença de peruanos no estádio, praticamente obrigando os brasileiros a serem mais participativos se não quisessem ver os visitantes dominarem a cantoria. A empolgação da galera parecia atrapalhar a Seleção, afobada, até que uma escapada de Daniel Alves originou um escanteio. Na cobrança, desvio de Thiago Silva e Casemiro concluiu à rede após confusão, abrindo o caminho apara um novo Brasil aparecer.

O time de Tite manteve uma marcação pressão e viu o adversário se complicar em falha de Gallese. O goleiro demorou a chutar bola para frente e deu tempo de Firmino abafar o lance, bloqueando o lançamento. A bola bateu no brasileiro, tocou na trave e voltou para ele, com muito espaço, driblar o arqueiro adversário e fazer 2 a 0, acabando com a parte mental da seleção peruana, perdida a partir dali.

Os comandados de Gareca ainda tentaram avançar as linhas e chegaram com perigo em falta cobrada por Guerrero, mas um outro erro de Gallese facilitou a vida do Brasil. Everton recebeu na esquerda, limpou para o meio e bateu forte. O goleiro, mal posicionado, não conseguiu chegar no canto direito e viu a bola balançar a rede mais uma vez. Até o intervalo, o jogo teve “olé” da torcida do que qualquer outra coisa.

Pinturas de Daniel Alves e Willian fecham o espetáculo

O ritmo de espetáculo da Seleção continuou na etapa final. Depois de algumas chances desperdiçadas por impedimento, a equipe de Tite achou seu caminho quando Daniel Alves tabelou duas vezes, recebendo a segunda de Roberto Firmino já dentro da área para chutar forte, alto, sem chances a Gallese. 4 a 0 e, de quebra, uma vaia enorme da torcida para Paolo Guerrero, com direito a gestos de tchau ao ser anunciada sua saída para a entrada de Gonzales.

Naturalmente, a Seleção diminuiu o ritmo com a vantagem e Tite passou a fazer trocas na sua equipe. Observando as raras, porém, perigosas escapadas da equipe, ele deu descanso a Filipe Luís, Casemiro e Philippe Coutinho, promovendo as entradas de Alex Sandro, Allan e Willian. O volante do Real Madrid, aliás, está suspenso para as quartas de final e, como Fernandinho está com dores no joelho direito, a mudança pode até ser um teste para o duelo eliminatório.

A partir dali ,os lances que mais agitaram a galera foram uma entrada forte de Advincula em Everton, que rendeu o cartão amarelo ao lateral peruano, e um chute mascado, porém perigoso de Gonzales, acompanhado de perto por Alisson ao passar rente à trave. Ainda deu tempo, porém, de Willian acertar um lindo chute de pé direito, no ângulo de Gallese, para fazer o quinto, e de Gabriel Jesus desperdiçar um pênalti sofrido por ele mesmo.

FICHA TÉCNICA
PERU 0 X 5 BRASIL

Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)
Data: 22 de junho de 2019 (Sábado)
Horário: 16h(de Brasília)
Árbitro: Fernando Rapallini (Argentina)
Assistentes: Hernan Maidana (Argentina) e Eduardo Cardozo (Paraguai)
Público: 42.317 pagantes
Renda: R$ 10.009.095,00
Cartões amarelos: Yotun, Advincula (Peru); Casemiro, Thiago Silva (Brasil)
Gols:
BRASIL: Casemiro, aos 12, Roberto Firmino, aos 19, Everton, aos 32 minutos do primeiro, Daniel Alves, aos oito, e Willian aos 45 minutos do segundo tempo

PERU: Pedro Gallese, Luis Advincula, Luis Abram, Miguel Araujo e Miguel Trauco; Yoshimar Yotún (Edison Flores), Renato Tapia, Andy Polo e Christian Cueva (Josepmir Ballon); Jefferson Farfan e Paolo Guerrero (Christofer Gonzales)

Técnico: Ricardo Gareca

BRASIL: Alisson, Daniel Alves, Marquinhos, Thiago Silva e Filipe Luís (Alex Sandro); Casemiro (Allan), Arthur e Philippe Coutinho (Willian); Gabriel Jesus, Everton e Roberto Firmino
Técnico: Tite



Após reunião virtual, nesta sexta-feira, o Conselho da Conmebol aprovou um aumento de US$ 2,5 milhões (R$ 14 milhões) na premiação do vencedor da Copa América 2021 em relação à sua última edição.

Com isso, o campeão do torneio passará a receber US$ 10 milhões (cerca de R$ 56,2 milhões) pela conquista do título, além dos US$ 4 milhões que cada seleção recebe na preparação e logística.

A Copa América de 2021 será disputada na Argentina e na Colômbia. A previsão é de que a competição se inicie em 13 de junho, em Buenos Aires.

 



A Conmebol anunciou nesta terça-feira que receberá a doação de 50 mil doses de vacina contra a covid-19 por parte da empresa chinesa Sinovac.

O objetivo da entidade é imunizar atletas das principais competições masculinas e femininas da América do Sul, como a Libertadores, Sul-Americana e Copa América, por exemplo. Ainda não há uma data estipulada para iniciar o processo de vacinação.

De acordo com o presidente da Conmebol, Alejandro Dominguez, a chegada das vacinas é um importante feito para o futebol do continente, mas não se pode perder a responsabilidade em relação à pandemia.

“É a melhor notícia que a família do futebol sul-americano pode receber, à qual devemos nossos melhores esforços na Conmebol. Este é um grande passo para derrotar a pandemia covid-19, mas de forma alguma significa que estamos baixando a guarda. Vamos manter o nosso trabalho responsável, que nos permitiu concluir os nossos torneios com tranquilidade e sem alterar os formatos”, afirmou.

No final do comunicado, ainda há um agradecimento a autoridades do Uruguai, como o Presidente do país, Luis Lacalle Pou, e o Embaixador na China, Fernando Lugris, responsáveis pela parceria com a Sinovac.

“A Presidência do Uruguai, em seu claro compromisso com o apoio ao esporte, abnegadamente ofereceu seus bons ofícios para mediar perante a Sinovac Biotech Ltd. Nenhuma outra confederação no mundo conseguiu ter os imunizantes disponíveis para iniciar um processo de vacinação em massa”, concluiu a Conmebol.

 

 



A Copa América 2020 (a ser disputada neste ano de 2021) não terá a participação das seleções convidadas do Catar e da Austrália, anunciou nesta terça-feira Gonzalo Belloso, secretário-geral adjunto da Conmebol.

“A Copa América está totalmente confirmada. Mas Catar e Austrália, que pediram para fazer parte, não poderão vir. A Confederação Asiática programou as eliminatórias para o Mundial (de 2022 no Catar) para a mesma data da Copa América”, disse Belloso em entrevista à rádio La Red de Buenos Aires.

O calendário de partidas não sofrerá alterações e “nos dias dos jogos dos convidados, as equipes (que eram adversárias) estarão livres. A Copa terá todo o seu esplendor”, afirmou o dirigente da entidade que comanda o futebol na América do Sul.

O torneio continental de seleções, que será sediado pela primeira vez por dois países, Colômbia e Argentina, estava previsto para 2020, mas foi transferido para o ano seguinte devido à pandemia.

O evento será realizado de 11 de junho, com a partida de abertura no Estádio Monumental de Buenos Aires, a 10 de julho, com a final no estádio metropolitano Roberto Meléndez, na cidade colombiana de Barranquilla.



A pandemia do coronavírus fez com que a Copa América fosse adiada para 2021. Com isso, a Conmebol já começa a planejar como a competição será realizada no ano que vem, e uma das novidades pode ser o retorno da torcida aos estádios.

Em entrevista à agência Reuters, o secretário-geral adjunto de futebol e diretor de desenvolvimento da federação, Gonzalo Belloso, revelou que, caso surja uma vacina, o torneio deve acontecer com a presença do público.

Dani Alves foi capitão do Brasil na conquista da Copa América do ano passado (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

“A projeção é fazer a Copa América com público total caso haja a vacina contra o coronavírus. Caso não seja possível, também já projetamos com a possibilidade de que seja com 30%, 40% de capacidade dos estádios”, declarou Gonzalo.

Entretanto, o secretário afirmou que a decisão final dependerá das autoridades da Argentina e da Colômbia, sedes da competição, para liberar as partidas com público e permitir a entrada de estrangeiros nos países.

A Copa América estava prevista para ser realizada entre junho e julho deste ano, mas foi atrasada em um ano. O Brasil é o atual campeão e vai em busca de seu 10º título do torneio em 2021.



O novo técnico da seleção do Equador, o argentino Gustavo Alfaro, avaliou nesta segunda-feira que as eliminatórias sul-americanas para a Copa de 2022 são uma das “mais complexas” do mundo.

“São as mais complexas, as mais difíceis”, disse Alfaro Lechuga após a sua chegada a Quito para substituir o holandês Jordi Cruyff, que passou apenas seis meses no cargo, a maior parte do tempo na Espanha.

(Foto: Juan Diego Montenegro/ECUADOR FOOTBALL FEDERATION/AFP)<br />

Às vésperas das eliminatórias sul-americanas, que começam em outubro, o treinador argentino considerou que “estamos todos em um nível competitivo, em nível de igualdade”.

“É uma corrida longa, de fôlego e as eliminatórias sul-americanas são as mais difíceis do mundo pela geografia, pela competitividade, pelo hábito, pela forma como as equipes jogam, pelo respeito, pela hierarquia, pelas trajetórias, pelo nível dos treinadores”, acrescentou.

Alfaro, de 58 anos, que em 2009 dirigia o saudita Al Ahli, mostrou seus planos ambiciosos: “não vim aqui para cumprir um contrato de trabalho. Vim viver a melhor fase da minha vida profissional, e para isso venho trabalhar”.

Jordi Cruyff renunciou ao cargo em julho sem ter dirigido um único treino e, pior, sequer uma partida.

Em entrevista coletiva virtual na sede da seleção equatoriana, na periferia de Quito, Alfaro falou sobre seu objetivo de carimbar um passaporte para a Copa do Mundo do Catar de 2022. “Não poderei alcançá-lo se não contar com o trabalho” dos jogadores, a quem fez um apelo para que “nestes dois anos tenham seus melhores anos como jogadores profissionais”.

O ex-treinador do Boca Juniors em 2019 acrescentou que este objetivo também não será fácil.

“Isso vai ser fácil? Não. Preparem-se para tempos difíceis e complicados como todas as coisas são”, observou ele.

Desde o fracasso na Copa América do Brasil em 2019, comandado pelo técnico colombiano Hernán Darío Gómez, o Equador carece de regularidade e em outubro próximo terá que enfrentar a Argentina, em Buenos Aires, e o Uruguai, em Quito, nas duas primeiras rodadas das eliminatórias.

A seleção tricolor fez sua última participação em uma Copa do Mundo, no Brasil em 2014, quando não conseguiu avançar para as oitavas de final.

Até hoje jogou três edições do Mundial, fazendo sua estreia no Japão e na Coreia do Sul em 2002 (com Bolillo Gómez como técnico) e em seguida na Alemanha em 2006, quando se classificou para as oitavas, seu melhor desempenho.



O técnico argentino Gustavo Alfaro foi anunciado como novo treinador da seleção do Equador, informou nesta quarta-feira o presidente da Federação Equatoriana de Futebol (FEF), Francisco Egas.

(Foto: Juan Mabromata/AFP)

“Gustavo Alfaro e sua equipe técnica estarão no comando da seleção nacional a partir de agora e serão nossos condutores durante as eliminatórias sul-americanas, a Copa América de 2021 e, com sorte, a Copa do Mundo no Catar, em 2022”, disse Egas em entrevista coletiva virtual .

Alfaro chega para substituir o holandês Jordi Cruyff, que pediu demissão do cargo em julho sem ter disputado uma única partida à frente da equipe devido à pandemia da COVID-19.

O treinador, filho do lendário Johan Cruyff, assumiu o comando da seleção equatoriana em janeiro passado, mas depois de declarada a presença do coronavírus no Equador em 29 de fevereiro, ele retornou à Espanha.

Aos 58 anos, Alfaro assume o Equador após ser treinador do Boca Juniors, onde chegou em 2019.



A Conmebol apresentou mudanças no calendário da Copa América 2021 para reduzir as viagens entre as sedes e para aumentar os dias de descanso das seleções nas fases finais.

O torneio continental será disputado na Argentina e na Colômbia, com dois grupos de seis seleções: os 10 países do continente sul-americanos além dos convidados Catar e Austrália.

A edição de 2021 do torneio de seleções mais antigo do mundo, que pela primeira vez será disputado em dois países ao mesmo tempo, foi adiado para o próximo ano devido à crise sanitária causada pela covid-19

Em resposta à pandemia que atinge a região, os organizadores introduziram mudanças na programação e no regulamento do torneio. O formato não foi alterado.

A abertura está prevista para o dia 11 de junho de 2021 em Buenos Aires.

A final será em Barranquilla, na Colômbia, no dia 10 de julho. Nesse mesmo dia, o jogo valendo o terceiro lugar será disputado em Bogotá.

“As mudanças indicadas têm como objetivo reduzir as viagens entre as sedes e adicionar dias de descanso para as equipes classificadas entre a fase de grupos e as quartas de final”, esclareceu a Conmebol.

O conselho da entidade que comanda o futebol sul-americano também autorizou a substituição de até três jogadores na lista de cada país, além das substituições por lesão, uma vez concluída a fase de grupos.

As substituições terão que vir da lista provisória de 50 jogadores apresentada por cada seleção antes do torneio.

O Grupo A é formado por Argentina, Austrália, Bolívia, Uruguai, Chile e Paraguai.  Os jogos serão disputados em Buenos Aires, La Plata, Mendoza, Córdoba e Santiago del Estero.

Já o Grupo B será disputado entre Colômbia, Brasil, Catar, Venezuela, Equador e Peru. A série acontecerá em Bogotá, Cali, Medellín e Barranquilla.



O astro argentino Lionel Messi admitiu que o adiamento da Copa América 2020 para 2021 foi “uma decepção”, mas considerou a decisão “normal e lógica”, diante da situação de crise criada pela pandemia do coronavírus.

“Adiar a Copa América foi uma enorme decepção, mas era o mais normal e lógico”, afirmou o atacante argentino nesta quarta-feira ao site da fornecedora de material esportivo Adidas.

“A Copa seria um grande acontecimento para mim neste ano e tinha uma grande vontade de voltar a disputá-la”, completou o capitão da seleção argentina e do Barcelona.

Foto: AFP/Eitan Abramovich

Em 17 de março, a Conmebol decidiu adiar para junho de 2021 a Copa América, que seria disputada este ano na Argentina e na Colômbia.

“Foi duro quando fiquei sabendo do adiamento, mas compreendi perfeitamente”, afirmou Messi, que, após semanas de confinamento na Espanha devido à pandemia, voltou a treinar com os companheiros de Barcelona.

“Não podemos pensar no que estamos deixando para trás este ano. É melhor pensar no futuro”, insistiu o craque, de olho na volta do futebol na Espanha, onde o campeonato nacional deverá retornar no fim de semana de 12 de junho com jogos com portões fechados.

Foto: Kirill Kudryavtsev/AFP

Jogar sem público “envolve uma série de desafios. A preparação a nível do grupo é a mesma que para qualquer outro jogo, mas é verdade que individualmente é preciso se preparar e se mentalizar para jogar sem público, porque é muito diferente”.

“Mas é normal que, se voltar, seja desta maneira devido a tudo isso que estamos vivendo. Com tudo que está acontecendo no mundo é perfeitamente compreensível”, completou Messi, que não esconde ter “muita vontade de voltar a competir”.

“Será como começar novamente”, considerou, concluindo que “tecnicamente será a mesma temporada, mas acredito que todas as equipes e todos os jogadores viverão isto de forma diferente”.



Por meio de uma videoconferência realizada nesta quarta-feira, o Bureau do Conselho da Fifa homologou algumas das medidas tomadas para combater a disseminação do novo coronavírus. A entidade incluiu no calendário internacional as novas datas da Eurocopa e da Copa América, realizadas entre 11 de junho e 11 de julho de 2021, e comunicou que decidirá futuramente sobre o reagendamento do novo Mundial de Clubes.

Além disso, a Fifa também anunciou o desenvolvimento de um grupo de trabalho entre as confederações, com o intuito de monitorar a evolução da situação em cada continente e agir de maneira coordenada para resolver as questões relativas à pandemia do Covid-19 no futebol.

Fifa comunicou que decidirá futuramente sobre Mundial de Clubes (Foto: Fabrice Coffrini/AFP)

O objetivo é garantir que sejam encontradas soluções que atendam a todas as competições, de todos os níveis, garantindo a saúde dos participantes. Como medida de prevenção à transmissão da doença, diversas competições no mundo inteiro foram paralisadas por tempo indeterminado.

A entidade também informou que irá checar se há a necessidade de emendas ou alterações temporárias ao sistema de regras de transferências de jogadores, para proteger as relações contratuais entre atletas e clubes, ajustando os períodos de registro.

Considerando o impacto econômico da situação, a Fifa ainda irá avaliar se será necessária a criação de um fundo de suporte financeiro a nível mundial e como os mecanismos para isso seriam definidos.

Para completar, a entidade comunicou a doação de 10 milhões de dólares para a Organização Mundial da Saúde (OMS), para o fundo de resposta ao vírus da Covid-19.

“Essa situação excepcional exige medidas e decisões excepcionais. Essa crise afeta o mundo inteiro e é por isso que as soluções precisam levar em consideração os interesses de todas as partes ao redor do mundo. Hoje mostramos novamente um espírito de cooperação, solidariedade e unidade. Gostaria de agradecer a todos os presidentes das confederações por suas contribuições e esforços positivos. Conto com o apoio de toda a comunidade do futebol para avançar”, declarou o presidente da Fifa, Gianni Infantino.



 

A Copa América seguirá sendo disputada na Argentina e Colômbia (Foto: Lucas Figueiredo/ CBF)

Em função da pandemia do coronavírus, a Copa América deste ano está adiada para 2021. A decisão foi comunicada em nota pela Conmebol na manhã desta terça-feira.

“Após uma detalhada análise da situação em torno à evolução mundial e regional do Coronavírus (COVID19), e das recomendações realizadas pelos organismos internacionais em matéria de Saúde Pública para extremar as precauções, a Conmebol comunica o adiamento da edição 47ª da Conmebol Copa América nas datas de 11 de junho a 11 de julho de 2021“, diz parte do comunicado.

A disputa do maior torneio de seleções da América estava agendada entre os dias 12 de junho e 12 de julho, na Argentina e Colômbia. Doze países estão envolvidos na disputa. Além dos dois sede, Chile, Uruguai, Paraguai, Bolívia, Equador, Brasil, Venezuela e Peru participariam, bem como os convidados Catar e Austrália.

No próximo ano, a Copa América será realizada de 11 de junho a 10 de julho. O chaveamento será o mesmo e a ordem das partidas não sofrerá nenhuma alteração, segundo a Conmebol.

A decisão foi tomada em acordo com a Uefa, que também postergou a disputa da Eurocopa, inicialmente marcada para o mesmo dia 12 de junho deste ano.

A Seleção Brasileira está na chave B da Copa América, ao lado de Colômbia, Equador, Peru, Venezuela e Catar. A estreia do time de Tite estava agendada para 14 de junho, diante da Venezuela, no estádio Olímpico Pascual Guerrero, em Cali, na Colômbia.