COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA
Seleção da Alemanha durante primeira treinamento na Rússia (Foto: Patrik STOLLARZ / AFP)

Atual campeão mundial e uma das seleções favoritas para o título, a Alemanha realizou nesta quarta-feira o primeiro treino em território russo. A atividade, que aconteceu no CSKA Sports Base, em Moscou, a presença de cerca de 500 pessoas, de acordo com a federação, sendo na grande maioria jornalistas de todas as partes do mundo buscando informações da equipe comandada pelo técnico Joachim Löw.

Os atletas alemães participaram de uma atividade em campo reduzido, sendo que o grupo foi dividido em três times. Um dos destaques do treino foi a presença de Manuel Neuer, goleiro titular nos Mundiais de 2010 e 2014 e poderia estar fora da Copa por causa dos problemas físicos que teve que lidar por toda a temporada.

Já o ponto negativo da atividade foi o problema físico que Khedira sentiu durante a atividade e, com isso, saiu do treino mais cedo. Outro jogador que sentiu durante o treinamento foi Draxler, que recebeu uma pancada, mas não deve ser problema para o técnico Löw.

A Alemanha está no Grupo F da Copa do Mundo, ao lado de México, Suécia e Coreia do Sul. Além de ser a favorita para ser a primeira da chave, os alemães são um dos favoritos para conquistar o título da Copa do Mundo. No entanto, os tetracampeões mundiais podem ter um caminho mais complicado caso peguem a Seleção Brasileira já nas oitavas de final.



Após o anúncio oficial da demissão do técnico Julen Lopetegui, feito pelo presidente da Federação Espanhola de Futebol Luis Rubiales, a seleção espanhola confirmou de imediato o nome de seu mais novo treinador. Trata-se de Fernando Hierro, ex-zagueiro do Real Madrid e da própria Fúria, que assumirá a equipe a menos de 48 horas da estreia na Copa do Mundo da Rússia, contra Portugal, nesta sexta-feira.

Como jogador, Hierro disputou quatro Mundiais. Como treinador, foi assistente técnico do Real Madrid em 2014/2015, quando Carlo Ancelotti comandava os merengues. De resto, a única experiência à frente de outra equipe profissional foi no Real Oviedo, da segunda divisão espanhola, onde permaneceu por uma temporada antes de se tornar diretor de futebol da seleção nacional, em 2016. O espanhol já estava desempenhando o cargo na Rússia e, inclusive, esteve presente na coletiva de imprensa do mandatário da RFEF, nesta manhã.

 

A demissão de Lopetegui foi motivada pelo acerto do agora ex-comandante espanhol com o Real Madrid, oficializado pelo clube nesta terça-feira, para assumir o time após a Copa. Luis Rubiales teria ficado profundamente irritado com o fato, uma vez que a Federação não foi informada por nenhuma das partes a respeito da negociação.

“Agradecemos ao Julen (Lopetegui) por tudo o que ele fez porque ele é um dos grandes responsáveis ​​por estarmos na Rússia, mas somos forçados a dispensá-lo. Tem de haver uma mensagem clara para todos os trabalhadores da Federação Espanhola de que existem algumas formas de agir que devem ser cumpridas”, explicou o presdiente da RFEF, em coletiva de imprensa concedida na manhã desta quarta-feira.

Fica a expectativa para saber como chegará a Espanha para a Copa, já que, a princípio, o ambiente interno do grupo teria sido afetado pelos acontecimentos . A estreia contra Portugal, no Estádio Olímpico de Sochi, acontecerá às 15h (no horário de Brasília) desta sexta. Pelo Grupo B, La Roja ainda terá como adversários Irã e Marrocos.

Ainda nesta quarta, a partir das 12h30 (de Brasília), Hierro concederá sua primeira entrevista coletiva à frente da Fúria, na sala de imprensa do Estádio Krasnodar. Em seguida, comandará seu primeiro treinamento com o grupo.




Garrincha, Pepe, Rivellino, Romário, Ronaldinho Gaúcho. O que estes ícones do futebol brasileiro têm em comum? Foram eles que usaram a camisa 11 da Seleção Brasileira em cada um de seus cinco títulos de Copa do Mundo (1958, 1962, 1970, 1994 e 2002, respectivamente). E se depender do que Philippe Coutinho, atual dono deste número tão especial, vem fazendo nas últimas temporadas, o manto continuará sendo bem representado em 2018, na Rússia. Se o hexa vier a acontecer, não coroaria apenas este seleto grupo de camisas 11 da Amarelinha, como também a grande evolução desempenhada pelo meio-campista do Barcelona em sua carreira.

Natural do Rio de Janeiro (RJ), Coutinho viveu um início de carreira comum a alguns dos outros jovens talentos do futebol nacional. Formado nas categorias de base do Vasco da Gama, o meia teve seu passe negociado antes mesmo de ser promovido ao profissional. Em julho de 2008, quando havia acabado de completar 16 anos de idade, foi vendido a Inter de Milão-ITA pelo valor de 3,8 milhões de euros (cerca de R$ 10 milhões na cotação da época). O clube italiano, porém, só poderia contar com o garoto na metade de 2010, quando este já teria 18 anos. A joia, então, continuaria no cruz-maltino por mais duas temporadas. Em 43 jogos pelo time carioca, foram cinco gols e nove assistências.

Chegado o mês de julho de 2010, Philippe enfim viajou a Milão para se juntar ao badalado grupo da Internazionale, recém-campeão da Liga dos Campeões e que contava com estrelas como o goleiro Júlio César, os defensores Zanetti, Lúcio e Maicon, o meia Sneijder e os atacantes Samuel Eto’o e Diego Milito, além do técnico Rafa Benítez, que havia substituído José Mourinho. O brasileiro não se firmou em sua temporada de estreia no futebol europeu e acabou sendo emprestado ao Espanyol-ESP. Pelo clube espanhol, jogou 16 jogos no primeiro semestre de 2012, balançando a rede cinco vezes e dando uma assistência.

De volta à Inter para a temporada 2012/13, Coutinho seguiu com dificuldades para se adaptar na Itália. Na metade da temporada, acertou sua transferência ao Liverpool pela quantia de 13 milhões de euros (cerca de R$ 35 milhões na época). Mal sabia ele que, em Anfield Road, conseguiria alcançar o tão desejado recomeço de sua carreira. Conforme o esperado, ganhou mais oportunidades em campo e, aos poucos, foi provando aos europeus que seu futebol era de fato diferenciado. Três gols e cinco assistências para ele em seus primeiros 13 jogos com na Inglaterra.

Seus números pelos Reds só progrediram e, com a camisa 10, caiu no gosto da torcida e voltou a ser convocado com frequência à Seleção Brasileira, sobretudo sob o comando de Tite. Muito por isso que sua decisão em deixar o clube inglês, cinco anos, 201 partidas, 54 gols e 41 assistências depois da assinatura do contrato, deixou boa parte dos torcedores do Liverpool magoada. Prestes a disputar sua primeira Copa do Mundo, o meia rumou para o Barcelona no começo de 2018, se tornando companheiro de Lionel Messi e Luís Suárez no Camp Nou.

No clube catalão, não desapontou. Em 22 jogos com o uniforme azul-grená, são 10 gols e seis assistências para o brasileiro, que contribuiu para a conquista do Campeonato Espanhol e da Copa do Rei da Espanha. Mesmo trocando de time, esta foi a melhor temporada do meia em sua carreira, anotando 22 gols e sendo responsável por 14 assistências ao todo.

Na Seleção Brasileira, o processo não foi diferente. Após voltar a ser convocado em 2014, quando Dunga ainda era o técnico, Coutinho foi crescendo e se firmando na Amarelinha. Com Tite, sua presença é praticamente obrigatória. Das nove convocações do atual comandante, o camisa 11 esteve em oito delas, se tornando um dos mais chamados do plantel que irá à Copa do Mundo. Titular absoluto, ao lado de Neymar, William e Gabriel Jesus, é um dos principais trunfos do Brasil em busca do hexa em 2018, na Rússia. No total, são 10 gols em 36 aparições pelo Brasil, desde sua primeira convocação, ainda em 2010.

 



Bernardo Silva durante entrevista coletiva nesta quarta-feira (Foto: FRANCISCO LEONG / AFP)

O Grupo B da Copa do Mundo tem tudo para ser o mais movimentado, pelo menos nos bastidores das Seleções da Espanha e de Portugal. Enquanto que os espanhóis demitiram o técnico Julen Lopetegui, os portugueses tiveram recentemente a rescisão de quatro jogadores do grupo com o Sporting, devido a crise dos Leões. Para Bernardo Silva, essa situação não deve ser levada em conta para o Mundial.

“Estamos todos concentrados na Seleção. Quando se joga uma Copa do Mundo, é normal que os jogadores estejam todos motivados. Esses assuntos paralelos não são assunto, pois os jogadores estão todos concentrados em fazer o seu trabalho e ajudar a equipe”, ressaltou o meia do Manchester City.

Os problemas políticos do time do Sporting, um dos mais tradicionais do futebol português, se agravou no fim da última temporada, quando um grupo de torcedores invadiu o CT dos Leões. Com todos os problemas políticos, Rui Patrício, William Carvalho, Bruno Fernandes e Gelson Martins pediram rescisão de contrato mesmo ainda etsando no grupo da seleção portuguesa concentrada para a Copa do Mundo.

A Seleção de Portugal estreia no Mundial já nesta sexta-feira, às 15 horas, quando a equipe enfrenta a Espanha, duelo que pode ser decisivo para a primeira posição do Grupo B.



Presidente da Fifa, Infantino cumprimenta representantes norte-americanos (Foto: Mladen ANTONOV/AFP)

Nesta quarta-feira,a tríplice norte-americana formada por Estados Unidos, Canadá e México venceu a disputa com Marrocos para sediar a Copa do Mundo de 2026. Em Congresso da Fifa realizado em Moscou, capital da Rússia, sede atual do torneio, as mais de 200 associações nacionais de futebol participaram de uma votação para determinar a grande vencedora. Será a primeira vez que três países receberão o evento juntos.

Cada candidatura teve 15 minutos para se apresentar. Carlos Cordeiro, ex-banqueiro e atual presidente da candidatura americana, prometeu ganhos que chegariam a 11 bilhões de dólares para a Fifa e suas associações e foi muito aplaudido pelos presentes. Além de deslocamentos mais rápidos e distâncias menores entre as cidades-sede, os marroquinos prometeram “um país apaixonado” por futebol e 5 bilhões de dólares de lucro para a Fifa. Ganhou o poderio financeiro dos EUA e companhia, que ganharam por 134 votos a 65 dos africanos.

Se o lucro prometido pelos vencedores se confirmarem, a Fifa receberá um valor cerca de quatro vezes maior do que recebeu no Mundial do Brasil, em 2014, que rendeu uma quantia de ‘apenas’ 2,6 bilhões de dólares. O Brasil, por sinal, fez parte da minoria que votou na candidatura de Marrocos.

Desta forma, os três países que sediarão a Copa do Mundo de 2026 garantem vaga no torneio. Será a primeira Copa disputada sob a nova fórmula criada pela Fifa. Diferente do que se viu até hoje, a competição passará a contar com 48 seleções (são 32, atualmente). O torneio ainda terá mais uma parada antes de chegar à América do Norte: o Qatar, em 2022, ainda sob a fórmula atual de disputa.

Nesta quinta-feira, ocorre a festa de abertura e a partida inaugural da Copa da Rússia. A partir das 12h (no horário de Brasília), a seleção anfitriã encara a Arábia Saudita, em Moscou.

 



O que à princípio parecia um rumor sem fundamento acabou confirmado na manhã desta terça-feira: Julen Lopetegui não faz mais parte da comissão técnica da Espanha. Dois dias antes da estreia na Copa do Mundo, o treinador teve confirmada oficialmente a sua demissão pelo presidente da Federação, Luis Rubiales, durante uma entrevista coletiva convocada às pressas.

Desde o início da última terça-feira, o ambiente da Espanha, até então tranquilo e rodeado de confiança para o Mundial, se tornou um barril de pólvora com os primeiros anúncios da possibilidade de acerto de Julen Loptegui para ser o treinador do Real Madrid na próxima temporada. A consumação do fato pelo clube espanhol foi o estopim para uma crise interna, que culminou na demissão.

Assim que confirmada a contratação dos merengues, a imprensa espanhola passou a divulgar as primeiras informações de que a situação entre Lopetegui havia se tornado insustentável junto ao presidente Luis Rubiales, que tentava articular internamente a demissão, pois estava se sentindo traído pelo treinador, que recentemente teve seu contrato renovado até 2020.

Nesta manhã, porém, os noticiários davam conta de que os jogadores da delegação estavam contornando a situação e, via um motim, conseguido garantir a permanência do comandante para a disputa da Copa. Nesse cenário, a entrevista coletiva, anteriormente convocada, apenas corroboraria a continuidade.

Tudo o que estava indicado acabou por terra quando Rubiales pronunciou as seguintes palavras: “Agradecemos a Julen por todos os esforços e o trabalho feito. Sabemos que ele é um dos grandes responsáveis por estarmos na Rússia, mas nos vimos obrigados a destituí-lo do cargo”, pegando todos os presentes de surpresa.

 



Revelado pelo Grêmio há exatos dez anos, Douglas Costa de Souza terá a chance de jogar pela primeira vez na carreira uma Copa do Mundo. Apesar de não ser um dos titulares de Tite, o jogador é uma das principais peças do banco da Seleção Brasileira, ainda mais depois da melhora de desempenho no fim da última temporada.

Esse pode ser o grande momento do jogador com a camisa do Brasil. O atacante foi convocado para defender o país na Copa América Centenário e na Olimpíada, ambas em 2016, porém nas duas competições foi cortado por causa de problemas físicos.

Mesmo sendo pouco utilizado no Grêmio, com menos de 40 partidas oficiais em dois anos de clube, Douglas Costa já era visto como um dos bons nomes da nova geração brasileira. O pouco que apresentou no clube gaúcho foi o suficiente para chamar a atenção de clubes europeus, principalmente do Shakhtar Donetsk, que fechou com o brasileiro em 2008.

Depois das boas atuações com a camisa do time ucraniano, Douglas Costa acertou sua ida para o Bayern de Munique após Pep Guardiola pedir pessoalmente a contratação do jogador brasileiro. O desempenho no clube alemão não foi dos piores, porém a saída do técnico espanhol fez com que o atacante perdesse espaço no forte elenco bávaro.

Depois de duas temporadas no maior campeão alemão, o jogador foi emprestado para a Juventus, onde está até o momento. Pelo novo clube, Douglas Costa já conquistou o título da Copa da Itália e do Campeonato Italiano.




Lopetegui assumirá o Real Madrid após a Copa (Foto: Pierre-Philippe MARCOU/AFP)

Presidente da Federação Espanhola de Futebol, Luis Rubiales anunciou nesta sexta-feira a demissão de Julen Lopetegui do cargo de técnico da seleção espanhola, dois dias antes da estreia na Copa do Mundo da Rússia. O acerto do treinador com o Real Madrid, oficializado pelo clube nesta terça-feira, para assumir o time após o Mundial, teria irritado o mandatário, que se viu “obrigado a demiti-lo”.

“Agradecemos ao Julen por tudo o que ele fez porque ele é um dos grandes responsáveis ​​por estarmos na Rússia, mas somos forçados a dispensá-lo. Tem de haver uma mensagem clara para todos os trabalhadores da Federação Espanhola de que existem algumas formas de agir que devem ser cumpridas”, afirmou, em coletiva de imprensa.

Rubiales garante não ter se sentido traído pelo agora ex-comandante espanhol. Porém, aponta que a maneira como as partes trataram do assunto, sem comunicar a Federação, pesaram a favor da demissão.

“Não me sinto traído. O problema é como as coisas foram feitas com total ausência de participação da Federação Espanhola de Futebol, isso é algo que não podemos ignorar. Lopetegui é um profissional impecável, mas as formas são importantes”, completou.

Ainda nesta terça-feira, jornais espanhóis noticiaram que os jogadores da seleção teriam se reunido em prol da permanência do comandante, na tentativa de convencer o presidente da RFEF a mantê-lo no cargo. A mobilização, no entanto, foi em vão.

“Me sinto próximo aos jogadores e Julen. Eu conversei com eles e posso garantir que os jogadores e a comissão técnica nova farão todos os esforços, mas a situação é muito complicada. Não posso chegar aqui e falar que a situação não é difícil, pois é muito complicada”, afirmou Luis Rubiales.

Fica a expectativa para saber como chegará a Espanha para a Copa, já que, a princípio, Lopetegui não terá um sucessor. A primeira partida será disputada nesta sexta-feira, contra Portugal, no Estádio Olímpico de Sochi. Pelo Grupo B, La Roja ainda terá como adversários Irã e Marrocos.