Futebol/Bastidores

Ataíde Gil Guerreiro detona conduta desonesta de Aidar em negociações

São Paulo , SP
18/10/2015 15:39:14 — 20/10/2015 19:58:11

Em: Bastidores, Futebol, São Paulo
Diretor são paulino novamente não poupou Aidar de críticas pela administração irregular (Sergio Barzaghi/Gazeta Press)
Diretor são paulino novamente não poupou Aidar de críticas pela administração irregular (Sergio Barzaghi/Gazeta Press)

Enquanto o São Paulo se prepara para enfrentar o Vasco neste domingo, às 16h, no Morumbi,o vice de futebol do clube, Ataíde Gil Guerreiro, voltou a criticar o ex-presidente Carlos Miguel Aidar, expondo mais detalhes sobre as irregularidades cometidas pelo mandatário quando estava no poder.

“Me preocupava quando ele queria fazer negociações isoladamente, a desculpa dele era sempre de que já conhecia o empresário a muito tempo, e isso me preocupava, negociações sendo feitas exclusivamente por ele. Por que razão? Se eu comandava o São Paulo, eu fazia tudo dentro do futebol, por que eu não participei absolutamente de nada? ”, disparou Ataíde.

Como o principal homem envolvido nas questões ligadas ao futebol no São Paulo, Ataíde teve seu nome ligado ao esquema corrupto apontado nas negociações que Aidar realizou. No entanto, o dirigente prontamente negou que possa estar ligado com as ilegalidades.

“Esses três casos não possuíram nenhuma participação minha. Não participei das negociações de Douglas, Wesley e Denílson. Com o último, o que aconteceu foi a exigência de um pagamento de uma comissão que eu achava indevida para um empresário que se julgou envolvido no caso, e eu achava que ele não estava”, colocou.

Ataíde também fez questão de explicar que não estava em São Paulo durante as negociações do controverso caso de Iago Maidana, atribuindo a culpa da polêmica transação apenas para Aidar, que foi quem esteve no comando das conversas durante todo o tempo.

“O caso do Iago Maidana foi coisa de maluco. Eu nem estava aqui, fui para o Rio de Janeiro, quando ele resolveu fazer essa negociação, de um jogador que viria de graça para nós. O Aidar fez tudo diretamente, comandando os funcionários do clube envolvidos, sem a minha participação. Existe um e-mail que ele manda para mim, e eu vou ceder para vocês depois, onde ele diz que eu não tenho absolutamente nada com isso, essa que foi uma negociação que só pode enlamear o São Paulo Futebol Clube”, explicou.

Perguntado sobre a possibilidade de um engavetamento das denúncias sobre Carlos Miguel Aidar, fato que acaba se tornando frequente em investigações contra gestões irregulares de clubes no Brasil, Ataíde deixou claro que não irá deixar que o processo movido contra o ex-presidente acabe sendo esquecido e fique sem resolução.

“Comigo não há meias palavras. Eu fui atrás profundamente e agora eu vou até o fim. Todo mundo quer limpeza dentro do São Paulo e não haverá a possibilidade de ocorrer nenhum tipo de acordo”, esclareceu.