COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA
Sardar Azmoun defendendo a seleção do Irã na Copa do Mundo (Foto: FILIPPO MONTEFORTE / AFP)

Um dos destaques do time do Irã, o atacante Sardar Azmoun viveu momentos de altos e baixos nesta Copa do Mundo. Após ter participado do lance que originou o pênalti contra Portugal e quase ter levado seu país para uma classificação histórica para as oitavas de final, o atleta de apenas 23 anos anunciou que se aposentou da seleção nacional devido aos insultos que recebeu após a eliminação no Mundial da Rússia.

“Minha mãe havia superado uma doença grave, e eu estava feliz com isso. Infelizmente, por causa da falta de gentileza de algumas pessoas e dos insultos a minha pessoa e aos meus companheiros, de uma maneira como não merecíamos, a doença dela se intensificou. Isso me deixou em uma posição extremamente difícil, em que preciso escolher uma coisa ou outra. Eu escolho a minha mãe”, afirmou o jogador em uma postagem na sua conta oficial do Instagram.

As críticas e insultos aconteceram muito pela expectativa que os torcedores iranianos tiveram no jogador, que não marcou nenhum gol nesta Copa do Mundo. Na sua curta carreira, Azmoun tem passagem mais significante em equipes do futebol russo,como o Rostov (2015 e 2016) e o Rubin Kazan (2013 a 2015 e de 2017 até os dias atuais)

A insatisfação do atleta ganha ainda mais força se levar em conta que, mesmo com a eliminação na primeira fase, essa foi a melhor campanha da história do Irã em Copas do Mundo.A equipe terminou o grupo B em terceiro lugar no atrás de Espanha e Portugal, ficando apenas a um gol de eliminar os atuais campeões da Eurocopa. Além disso, para muitos torcedores e veículos esportivos, o time asiático e o Marrocos mal conseguiriam pontuar em uma das chaves mais fortes do Mundial.

 



Adversária do Brasil nas oitavas de final da Copa do Mundo a seleção mexicana pode estar enfrentando um problema em sua preparação para a partida. Segundo a publicação do jornal mexicano El Universal, o elenco mexicano vem enfrentando uma “epidemia de gripe” que vem se espalhando pelo grupo desde a segunda rodada.

O fato que chamou a atenção do jornal foi a situação do treinador Juan Carlos Osório durante a partida diante da Suécia. O treinador foi visto por várias vezes passando um pano no nariz, fato que se repetiu na coletiva de imprensa após a partida.

Jornal afirma que elenco mexicano vive um problema com gripe (Foto: Anne-Christine POUJOULAT / AFP)

Segundo a publicação mexicana, o problema começou antes da partida contra a Coréia do Sul, quando a equipe viajou para Rostov onde a temperatura esteve bastante elevada. O jornal sugere que o forte ar condicionado utilizado pelos jogadores afetou alguns atletas. Posteriormente, a gripe começou a se espalhar pelo elenco atingindo uma boa parcela de jogadores.

Curada ou não a seleção tem trabalhado forte para enfrentar o Brasil na próxima segunda-feira em duelo válido pelas oitavas de final da Copa do Mundo.  A partida acontece às 11h (de Brasília), em Samara.



O México garantiu vaga para a Copa do Mundo como o primeiro colocado das Eliminatórias da América Central e do Norte. Porém, em meio a competição continental, a seleção teve resultados vexatórios, como a derrota de 7 a 0 diante do Chile na Copa América do Centenário em 2016. Além disso, as atuações fracas contra países sem tradição no futebol fizeram com que os torcedores pedissem a saída do treinador no duelo contra a Escócia, a duas semanas da Copa do Mundo em um Estádio Azteca com mais de 70 mil torcedores.

A Federação de Futebol Mexicana não cedeu à pressão popular e bancou o técnico no Mundial. O triunfo para cima da Alemanha na estreia e a vitória segura contra a Coreia do Sul resgataram as esperanças da torcida, além de amenizar o clima para Osorio. Porém, a derrota por 3 a 0 para os suecos lembrou outros vexames pré-Copa, e quase tirou a seleção do torneio. Por sorte, a Alemanha perdeu para a Coreia do Sul e os tricolores asseguraram ao menos o segundo lugar do Grupo F. Nas oitavas de final, um algoz em Mundiais, o Brasil de Tite, velho conhecido de Osorio.

Além de trazer lembranças nada agradáveis à tona, a derrota para a Suécia mostrou um problema da gestão de Osorio, a instabilidade defensiva. A seleção mexicana alterna entre atuações defensivas seguras, como na estreia da Copa, e desempenhos fracos, como a goleada sofrida contra a mesma Alemanha na Copa das Confederações de 2017. Para piorar a situação, o treinador colombiano perdeu o zagueiro Néstor Araujo, cortado da Copa por lesão, e Héctor Moreno, principal defensor da equipe que recebeu o segundo amarelo na última partida primeira fase e não será opção para o jogo contra a Seleção Brasileira.

(Foto: Thomas Saint-Cricq, Paz Pizarro, Maria-Cecilia Rezende / AFP)

Com isso, Hugo Ayala deve assumir a vaga de titular no miolo de zaga ao lado de Carlos Salcedo. As laterais, por sua vez, ficam por conta de duas improvisações. O zagueiro Edson Álvarez atua na direita, enquanto o ponta Jesús Gallardo joga na esquerda. Como não são jogadores da posição, os flancos do campo podem ser boas alternativas para Neymar e companhia criarem boas tramas. Héctor Herrera e Andrés Guardado, veteranos em Copas, formam uma dupla de volantes de bom passe, mas de pouca pegada. Aliás, a experiência no torneio é um dos trunfos do México, uma vez que 15 dos 23 convocados já defenderam o país na competição.

Se a defesa é um problema para Osorio, o ataque é um alivio. Após fazer grande temporada pelo PSV da Holanda, Hirving Lozano chegou à Copa do Mundo como principal esperança dos mexicanos, e correspondeu. “Chucky” Lozano, como é conhecido pelos torcedores, é muito perigoso na puxada de contra-ataques, tanto é que marcou o gol da vitória diante da Alemanha e deu a assistência para o tento de Chicharito Hernández contra a Coreia do Sul em jogadas desse gênero.

O México se classificou para as oitavas com o segundo lugar do Grupo F (Foto: Hector Retamail/AFP)

Visando potencializar os contragolpes, Osorio adotou uma postura inusitada nas bolas paradas defensivas. O México se defende com apenas sete jogadores em escanteios e faltas laterais, deixando Lozano, Chicharito e Layún na linha de meio-campo para puxar o contra-ataque. Foi dessa maneira que a equipe construiu a jogada que culminou no gol contra os alemães. Porém, os mexicanos também sabem chegar em tramas trabalhadas, inclusive, tiveram 85% de acerto, em média, nos passes durante a primeira fase.

Osorio tem estratégias diferentes para cada partida e, por isso, muda boa parte da escalação entre os jogos. Essa atitude tira o entrosamento do time, porém, deixa uma incógnita na cabeça do treinador adversário, uma vez que nunca terá total certeza da postura que será adotada pelo México. Agora, mais do que nunca, os tricolores terão que confiar na imprevisibilidade do colombiano para espantar o fantasma das oitavas de final, já que foram eliminados das últimas seis Copas do Mundo nessa fase, onde enfrentarão o Brasil nesta segunda feira, em Samara, às 11h (de Brasília), pela atual edição do torneio.



França chega forte com nova geração (Foto: Anne-Christine/AFP)

As oitavas de final da Copa do Mundo serão abertas neste sábado e já com um clássico entre campeãs. A Argentina, vitoriosa em 1978 e em 1986, desafia a França, campeã em 1998, na Arena Kazán, em Kazán, na Rússia, em choque programado para às 11h (de Brasília). As duas equipes, porém, chegam vivendo momentos distintos. Os franceses se classificaram em primeiro lugar no Grupo C, por antecipação, e são apontados por muitos como o melhor futebol do torneio até aqui. Já os sul-americanos sofreram até os últimos minutos, batendo a Nigéria por 2 a 1 e ficando na segunda posição do Grupo D.

Jorge Sampaoli, comandante da Argentina, sabe que sua equipe é inferior aos franceses do aspecto tático e também no conjunto. Por isso, mais uma vez apela para a tradicional garra platina na luta pela vitória. “Vamos precisanos jogar com garra e rebeldia, como fizemos contra a Nigéria. Isso porque teremos pela frente um time que joga junto há muito mais tempo que o nosso e que chegou pronto para a Copa do Mundo no quesito entrosamento. Vai ser um duelo muito complicado. Temos mais cinco finais, a próxima contra um grande candidato. Teremos que ser muito regulares para superarmos a França, num jogo muito difícil”, analisou Sampaoli.

Para avançar a Argentina conta principalmente com o craque Lionel Messi, que melhorou consideravelmente seu desempenho diante da Nigéria, inclusive marcando um gol. Ele é motivo de preocupação entre os franceses, porém, o técnico Didier Deschamps alerta que o astro do Barcelona não é o único perigo no time argentino. Ele tomou muito cuidado ao comentar sobre este tema na entrevista coletiva concedida na véspera do duelo.

“O Messi é um jogador único, incomparável, com grande capacidade de decidir a partida em frações de segundos. A minha expectativa é que a França tenha encontrado a melhor maneira de neutralizá-lo. Mas é importante, para termos sucesso, lembrarmos que a Argentina não gira apenas em torno de Messi. Nós estamos preparados para uma grande partida, para uma grande decisão”, disse Deschamps.

A França conta neste jogo com todos os seus titulares, uma vez que o lateral-esquerdo Lucas Hernández, que chegou a ser dúvida por apresentar um quadro de fortes dores musculares na coxa direita, foi liberado e estará em ação.

Messi é trunfo para Argentina (Foto: JUAN MABROMATA/AFP)

Pelo lado da Argentina, Sampaoli tentou confundir os franceses no último treino antes do jogo, quando simulou a entrada de Cristian Pavón no ataque, no posto do artilheiro Gonzalo Higuaín. Porém, a medida é apenas um teste para o segundo tempo, caso a Argentina precise impor velocidade em campo. A formação que começará a partida será a mesma utilizada desde o início contra os nigerianos.

França e Argentina se enfrentaram apenas duas vezes na história das Copas do Mundo. Logo na primeira edição, em 1930, no Uruguai, os sul-americanos ganharam por 1 a 0. Um novo triunfo platino foi visto em 1978, quando os anfitriões bateram os europeus por 2 a 1.

Caso a partida termine empatada após noventa minutos, acontecerá uma prorrogação de trinta minutos. Persistindo a igualdade no tempo extra, o classificado será conhecido apenas na disputa de pênaltis.

FICHA TÉCNICA
FRANÇA X ARGENTINA

Local: Arena Kazán, em Kazán (Rússia)
Data: 29 de junho de 2018 (Sábado)
Horário: 11h(de Brasília)
Árbitro: Alireza Faghani (Irã)
Assistentes: Reza Sokhandan (Irã) e Mohammed Mansouri (Irã)

FRANÇA: Hugo Lloris, Benjamin Pavard, Raphaël Varane, Samuel Umtiti e Lucas Hernández; N’Golo Kanté, Blaise Matuidi e Paul Pogba; Kylian Mbappé, Antoine Griezmann e Olivier Giroud
Técnico: Didier Deschamps

ARGENTINA: Franco Armani, Gabriel Mercado, Nicolás Otamendi, Marcus Rojo e Nicolás Tagliafico; Javier Mascherano, Enzo Pérez, Éver Banega, Lionel Messi e Ángel Di Maria; Gonzalo Higuaín
Técnico: Jorge Sampaoli



Luis Suárez e Cristiano Ronaldo estarão frente a frente. Mas não se trata do confronto entre Barcelona e Real Madrid. E sim o choque entre Uruguai e Portugal pelas oitavas de final da Copa do Mundo de 2018. O jogo será neste sábado, às 15 horas (de Brasília), no Estádio Fisht, em Sochi, na Rússia.

Os uruguaios são donos de uma das melhores campanhas da primeira fase, terminaram o Grupo A em primeiro lugar com nove pontos e não sofreram gol. Fizeram 3 a 0 nos anfitriões russos na semana passada. Já os portugueses ainda tentam encontrar o melhor jogo, tendo encerrado o Grupo B na segunda posição, após empate frustrante com o Irã por 1 a 1.

O fato de Suárez encontrar Cristiano Ronaldo foi minimizado pelos jogadores. “Não é um duelo entre Barcelona e Real Madrid ou entre Suárez e Ronaldo. É um choque entre Uruguai e Portugal”, disse o atacante do Barça.

Atacantes são a atração do confronto deste sábado (Fotos: Manan Vatsyayana e Filippo Monteforte/AFP)

Porém, o melhor jogador do mundo preocupa os celestes. “O Cristiano Ronaldo é um dos poucos jogadores que podemos considerar como imparáveis. Mas vamos tentar fazer o melhor jogo possível, privilegiando o coletivo. Temos condições de nos classificarmos se fizermos um bom jogo”, disse o técnico da Celeste, Óscar Tabárez.

Fernando Santos, comandante de Portugal, entende que o Uruguai atravessa um grande momento, mas vê o jogo deste sábado em aberto.

“Não vejo um favoritismo, embora o Uruguai tenha feito uma grande primeira fase e chegue bem embalado. Mas a motivação é uma das virtudes dos dois lados, pois sabemos o que representa chegar até as quartas de final de uma Copa do Mundo como esta que estamos presenciando na Rússia, cercada de muita expectativa e equilibrada ao extremo. Entendo que será um choque resolvido nos detalhes”, avaliou.

Em termos de escalação, o Uruguai terá uma modificação em relação ao choque contra a Rússia. O zagueiro José María Giménez, poupado contra a Rússia, reaparece na vaga de Sebastian Coates.

Pelo lado de Portugal, o volante William Carvalho, angolano naturalizado português, chegou a ser dúvida por conta de uma contratura muscular na coxa direita. Porém, ele vai para o sacrifício.

Caso a partida termine empatada após 90 minutos, acontecerá uma prorrogação de 30 minutos. Persistindo a igualdade no tempo extra, o classificado será conhecido apenas na disputa de pênaltis.

FICHA TÉCNICA
URUGUAI X PORTUGAL

Local: Estádio Fisht, em Sochi (Rússia)
Data: 29 de junho de 2018 (Sábado)
Horário: 15 horas (de Brasília)
Árbitro: Cesar Ramos (México)
Assistentes: Marvin Torrentera (México) e Miguel Hernández (México)

URUGUAI: Fernando Muslera, Martín Cáceres, José María Giménez, Diego Godín e Diego Laxalt; Nahitan Nández, Lucas Torreira, Matías Vecino e Rodrigo Betancur; Edinson Cavani e Luis Suárez
Técnico: Óscar Tabárez

PORTUGAL: Rui Patrício, Cedric Soares, Pepe, José Fonte e Raphael Guerreiro; Ricardo Quaresma, Adrien Silva, William Carvalho e João Mário; Cristiano Ronaldo e André Silva
Técnico: Fernando Santos



Experiente árbitro italiano será o responsável pela partida entre Brasil e México (Foto: JORGE GUERRERO/AFP)

A Fifa anunciou neste sábado que o árbitro italiano Gianluca Rocchi será o árbitro do confronto entre Brasil e México, na próxima segunda-feira, às 11h (de Brasília), em Samara, válido pelas oitavas de final da Copa do Mundo.

Gianluca Rocchi será auxiliado por Elenito Di Liberatore e Mauro Tonolini, ambos da Itália. O espanhol Antonio Mateu será o quarto árbitro.

Aos 44 anos, o juiz italiano já apitou duas partidas nesta Copa do Mundo: Portugal x Espanha e Japão x Senegal. Ele também esteve presente na Rússia no ano passado, quando foi um dos árbitros escolhidos para trabalhar na Copa das Confederações, torneio que serviu de teste para Fifa em relação ao uso do árbitro de vídeo.

Na última temporada, Gianluca Rocchi esteve presente em duelos importantes da Liga dos Campeões. O árbitro italiano apitou o importante confronto de volta das oitavas de final do torneio, entre Real Madrid e Paris Saint-Germain, além de também estar presente em partidas do Manchester United, Sevilla e Tottenham.

Mas não foi apenas na Liga dos Campeões que o juizão italiano marcou presença. Foi Gianluca Rocchi quem apitou o jogo de volta da semifinal da Liga Europa entre Atlético de Madrid e Arsenal. Além disso, ele também foi o árbitro da Supercopa da Europa, vencida pelo Real Madrid em cima do Manchester United.



Apesar do mal-estar sofrido na partida contra a Nigéria, Maradona deverá acompanhar Argentina x França (Foto: OLGA MALTSEVA/AFP)

Diego Armando Maradona se mostrou confiante após a sofrida classificação da Argentina às oitavas de final da Copa do Mundo. Sem conseguir render o esperado nos primeiros dois compromissos da Albiceleste, o craque do Barcelona foi melhor na partida decisiva contra a Nigéria e agora conta com o otimismo da torcida para tentar chegar à grande decisão do torneio após o vice-campeonato em 2014.

“Sim, claro, pode ser”, afirmou Maradona ao ser questionado se esta poderia ser a Copa do Mundo de Lionel Messi. “Isto está começando agora, está no início. Agora é quando começamos a jogar mano a mano”.

“Como disse Ronaldo, em meu programa, ninguém pode recuar, as equipes têm que atacar. Se não, no máximo, você vai para os pênaltis. Se apenas se defende, geralmente acabam te vencendo”, prosseguiu o ex-camisa 10.

Maradona também aproveitou para comentar sobre as polêmicas envolvendo o técnico da seleção argentina, Jorge Sampaoli. Nesta semana, imagens do treinador perguntando a Messi se colocava Aguero na partida viralizaram na mídia e colocaram em xeque a autoridade do comandante no cargo.

“Eu penso que isto não é possível. Se isto aconteceu, diretamente é melhor não ter técnico. Então, que qualquer dirigente convoque os jogadores e as seleções. Me parece uma barbaridade. Não ter um líder para marcar certas coisas não seria bom. Mas também é necessário confiar nos jogadores experientes, mas, inclusive, eles precisam que o técnico diga algo, estabeleça o caminho”, concluiu.

 



Brasil e México se enfrentam às 11 horas (de Brasília) desta segunda-feira em busca de vaga nas quartas de final da Copa do Mundo, na Rússia. O Brasil tenta o hexacampeonato mundial, enquanto o México tenta seu primeiro título.

Segundo estudo desenvolvido pela Escola de Matemática Aplicada da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o Brasil tem 83% de chance de vencer a partida. Os placares mais prováveis são vitória brasileira por 1 a 0 e 2 a 0 (16% de probabilidade cada), seguido por 3 a 0 para o Brasil (10%) e vitória brasileira por 2 a 1 (9%). O empate por 1 a 1 (%) é o mais provável dos resultados que não são vitória canarinho. Com 5% de chance, o placar de 1 a 0 é o mais provável em vitória mexicana.

Foto: Divulgação

O estudo também mostra a Seleção Brasileira como favorita ao título mundial, principalmente com a Alemanha fora do páreo. Os comandados de Tite, que apresentavam 21% de chance de levantar a taça antes da eliminação precoce da seleção alemã, agora têm 25%. Em seguida aparecem França (12,5%), Espanha (11,4%), Bélgica (9,8%) e Croácia (7,7%). Com 0,2% de probabilidade, o Japão é a equipe com menos chance de vencer a Copa do Mundo.

Para as oitavas de final, o estudo também aponta favoritismo de França, Bélgica, Espanha, Croácia, Suécia e Inglaterra contra, respectivamente, Argentina, Japão, Rússia, Dinamarca, Suíça e Colômbia. No confronto entre Portugal e Uruguai, o resultado aponta o empate como resultado mais provável e os portugueses com mais chance de classificação.



Nesta segunda-feira, Brasil e México vão se enfrentar pelas oitavas de final da Copa do Mundo, em Samara, na Rússia. Assim como em 2014, o duelo marcará o reencontro com alguns remanescentes da decisão da Olimpíada de Londres de 2012, vencida pelos mexicanos por 2 a 1.

O atacante Oribe Peralta, que fez os dois gols do México naquela partida está no grupo de jogadores convocados por Juan Carlos Osorio. Mas, participou de apenas um jogo na atual edição do Mundial. Em compensação, além de ter sido o carrasco da Seleção verde e amarela, esteve em campo no 0 a 0 entre as duas equipes, em 2014, disputado em Fortaleza.

Entretanto, quem atua com mais frequência da seleção olímpica mexicana é o volante Héctor Herrera. Além de ser titular absoluto da atual seleção, esteve na partida de 2014, no Castelão.

Pelo lado brasileiro, apenas três atletas do time, na época de Mano Menezes permaneceram em 2018. São eles: Thiago Silva, Neymar e Marcelo. Ambos estão entre os 11 titulares de Tite, e disputaram a Copa do Mundo no Brasil, quando o time era comandado por Luiz Felipe Scolari.

Brasil e México disputarão as oitavas de final da atual edição do Mundial. O confronto está marcado para às 11h00 (horário de Brasília), em Samara. O vencedor encara Bélgica ou Japão.