Ademir da Guia festeja 101 anos do Palmeiras com homenagem em estádio

Bruno Ceccon - São Paulo,SP

26-08-2015 14:31:45

Ademir da Guia eterniza marca de seus pés no reformado Palestra Itália. (Foto: Bruno Ceccon/Gazeta Press)
Ademir da Guia eterniza marca de seus pés no reformado Palestra Itália. (Foto: Bruno Ceccon/Gazeta Press)

Ademir da Guia visitou o reformado estádio Palestra Itália na manhã desta quarta-feira. No dia do aniversário de 101 anos da Sociedade Esportiva Palmeiras, o antigo meio-campista, maior ídolo da história do clube, recebeu mais uma homenagem.

Descontraído, o ex-jogador participou de um tour ao lado de torcedores pelas dependências da arena. Ao final do passeio, na beirada do gramado, o Divino eternizou a marca de seus pés – a administração do estádio estuda a possibilidade de montar uma calçada da fama com os ídolos do Palmeiras.

“Na verdade, não me preparei para esse momento. Merecer mais uma homenagem é muito gratificante. Fico até admirado. O Palmeiras me deu oportunidade ainda garoto e conquistamos vários títulos. Eu parei há quase 40 anos, então é muito importante ainda estar junto com a torcida. Sou grato ao clube e aos fãs”, afirmou.

Filho de Domingos da Guia, o Divino Mestre, considerado um dos melhores zagueiros da história do futebol, Ademir iniciou a carreira no Bangu. Contratado pelo Palmeiras em 1961, ele permaneceu no clube até 1977, ano em que encerrou a carreira em função de problemas respiratórios.

Com a camisa alviverde, conquistou 11 títulos, um recorde. Foram cinco edições do Campeonato Paulista (1963, 1966, 1972, 1974 e 1976), uma do Rio-São Paulo (1965) e duas do Brasileiro (1972 e 1973), além de uma Taça Brasil (1967) e dois Robertões (1967 e 1969).

Ademir da Guia liderou o time que ficou conhecido como Academia no auge do futebol brasileiro, entre o primeiro título mundial conquistado pela Seleção na Suécia 1958 e a defesa do tricampeonato na Alemanha 1974. Enquanto o Divino vestiu a camisa do Palmeiras, o Corinthians viveu uma longa fila, encerrada apenas no ano em que ele parou.

O ex-jogador é o recordista de partidas pelo Palmeiras (903) e o terceiro maior artilheiro (154), superado apenas por Heitor, ídolo do Palestra Itália, e pelo ex-companheiro César Maluco. Ele participou do amistoso em que o clube representou a Seleção Brasileira no Mineirão em 1965 e disputou a Copa do Mundo 1974.

“O que mais me deixa orgulhoso é que nesses 101 anos sou o jogador que mais vestiu a camisa do Palmeiras. É claro que em cada época tem aquele atleta que foi melhor e os torcedores escolhem os seus preferidos, mas 903 jogos, é só Ademir da Guia. Devo tudo ao Palmeiras”, afirmou o Divino.

Deixe seu comentário