NBA

Jogadores da NBA participam das marchas contra o racismo nos EUA

AFP - São Paulo,SP

20-06-2020 09:22:04

Jogadores da equipe Washington Wizards, da NBA, incluindo as estrelas Bradley Beal e John Wall, e de outras equipes se juntaram aos protestos antirracismo desta sexta-feira em comemoração ao fim da escravidão nos Estados Unidos.

O chamado "Juneteenth", que reconhece o dia de 1865 em que os últimos escravos do Texas foram informados pelos soldados de que eram livres, teve uma conotação especial este ano devido ao clima atual de indignação nacional após o assassinato de George Floyd.

Mais vídeos em videos.gazetaesportiva.com

"Temos voz, temos uma plataforma e é uma das maneiras de usá-la", disse Beal durante o protesto no memorial de Martin Luther King Jr. em Washington.

Marchamos por "questões sociais como brutalidade policial, racismo, educação, reforma penitenciária (...) A coisa mais difícil de resolver é que existe outra. Essas coisas precisam de paciência e pessoas totalmente comprometidas com a mudança", acrescentou o jogador.

Beal revelou que há dois anos ele foi vítima de uma blitz policial arbitrária em uma rodovia em torno da capital americana.

"Não fiz nada, mas como eu era um atleta negro dirigindo um bom veículo, foi por isso que aconteceu", explicou.

Também participaram as jogadoras do Washington Mystics (da equipe da Liga Feminina, WNBA), incluindo Natasha Cloud, que prometeu continuar apoiando o crescente movimento Black Lives Matter.

"Não ficaremos mais calados diante do racismo, opressão, brutalidade policial, homens e mulheres negros mortos todos os dias nas ruas", disse.

Mais vídeos em videos.gazetaesportiva.com

Em Chicago, o jovem pivô do Bulls, Wendell Carter Jr., o técnico Jim Boylen e seus assistentes também marcharam pelas ruas da cidade nesta sexta-feira.

"A luta não acabou!", escreveu Carter Jr em sua conta no Twitter.

De seu lado, o astro do Houston Rockets, Russell Westbrook, anunciou que participará de uma manifestação no sábado na cidade de Tulsa, Oklahoma, onde o presidente Donald Trump fará um comício eleitoral.

Outras equipes da liga também postaram em suas mídias sociais o "Juneteenth" e a própria NBA se juntou à comemoração, dando primeiro aos seus funcionários um dia de folga remunerado.

Todos os níveis da NBA, que tem cerca de 75% de jogadores negros, têm apoiado protestos nos Estados Unidos desde o crime do afro-americano George Floyd nas mãos de um policial branco de Minneapolis em 25 de maio.

Deixe seu comentário