“Seria ceder aos terroristas”, diz ministro sobre cancelamento da Euro

São Paulo, SP

23-03-2016 12:36:37

Mesmo diante da onda de ataques terroristas que encobre a Europa desde os atentados em Paris, em novembro de 2015, o primeiro ministro francês, Manuel Valls, descartou nesta quarta-feira, em entrevista à rádio Europe 1, qualquer hipótese de cancelamento da Eurocopa, marcada para acontecer entre junho e julho.

Na última terça-feira, a cidade de Bruxelas, capital da Bélgica, foi alvo de dois atentados à bomba. Ambos tiveram a autoria creditada ao Estado Islâmico, que assumiu também os ataques a Paris no ano passado que mataram centenas de pessoas na capital francesa.

"Isso (desistir da Eurocopa) seria uma derrota. Seria ceder diante dos terroristas. Esses eventos esportivos nos fazem falta e têm que ser celebrados nas melhores condições", comentou o primeiro ministro da França, país que teve a segurança redobrada após os ataques recentes ao país fronteiriço.

O secretário de Esportes do país, Thierry Braillard, admite que a preocupação com a ameaça terrorista é pauta das discussões do Comitê Organizador da Eurocopa desde o início, e que por mais frequente que sejam os ataques, o cronograma da competição permanecerá inalterado.

"Estamos repetindo isso há muitos meses, a ameça terrorista forma parte dos nossos preparativos desde o princípio. Cancelar ou adiar o evento seria dar razão a estes covardes", disparou em entrevista ao jornal L'Équipe.

A Uefa declarou, nesta quarta-feira, que não vai determinar, de forma prévia, jogos com portões fechados na Euro em razão da segurança. O Governo francês e a entidade que coordena o futebol europeu trabalham de forma conjunta na tentativa de amenizar o temor da população com relação ao terrorismo.

A imprensa europeia admite que o nível de alerta no país já é redobrado. Além das medidas de segurança que serão bancadas pelo Governo, como um melhor esquema de revista nos aeroportos e estádios, um efetivo de cerca de dez mil agentes estará à disposição para atuar na prevenção e no combate à ameaça terrorista.

Deixe seu comentário