Futebol/Eurocopa

Fernando Santos ignora críticas sobre não merecimento de Portugal

São Paulo , SP
10/07/2016 09:14:52

Em: Bastidores, Eurocopa, França, Futebol, Futebol Internacional, Portugal
(Foto: AFP Photo/UEFA)
Fernando Santos levou sua seleção desacreditada à final da Eurocopa 2016 (Foto: AFP Photo/UEFA)

Contra todas as expectativas da Eurocopa, a seleção de Portugal foi eliminando seus adversários com muito pragmatismo e chegou à final do torneio como azarão. Para o técnico Fernando Santos, pouca importa que continuem criticando o “fraco futebol” que os portugueses apresentaram na competição.

“Que continuem falando a mesma coisa, que Portugal ganhou sem merecer. Esta não é a melhor final por não termos ganhado muitos jogos? Uma coisa é pensar, outra é a verdade. Estamos aqui porque vencemos os outros jogos”, afirmou o treinador em sua coletiva antes da final.

Na competição europeia, Portugal se classificou com três empates em um grupo considerado fácil (Islândia, Hungria e Áustria). Mas, com uma vitória sobre a favorita Croácia nos últimos minutos, o triunfo nos pênaltis sobre a Polônia e a vitória maiúscula sobre Gales na semifinal, a equipe de Cristiano Ronaldo chegou à decisão contestada.

“Antes da competição, sempre disse que os favoritos seriam Espanha, Alemanha e França. Chegando à final e jogando em casa, a França ainda é a favorita. Mas uma coisa é ser favorito, outra é ganhar. Acredito que nós é que vamos ganhar”, acrescentou Fernando.

Segundo treinador, a França sentirá uma pressão extra por decidir a competição em casa, assim como os próprios portugueses sofreram em 2004, quando perderam a decisão para os azarões da Grécia. “Os franceses são muito experientes com um treinador muito experiente. Cabe a mim treinar minha equipe da melhor forma para entrar em campo e ganhar”, completou.

Para o ex-jogador sul-africano Benni McCarthy, ídolo do Porto, as críticas foram a melhor coisa a acontecer para os portugueses. “Fizeram crescer o grupo, os jogadores sentiram que tinham de melhorar, trabalhar mais duro e serem mais fortes. Eles usaram a crítica para se motivarem e responderem com o decorrer da competição”, colocou o agora comentarista.