Ricardo Oliveira brinca com traje social em retorno à Seleção

São Paulo, SP

06-10-2015 08:00:01

Depois de longos oito anos, Ricardo Oliveira sentiu novamente o gosto de chegar à concentração da Seleção Brasileira na última segunda. Acompanhado dos colegas Lucas Lima, Elias e Gil, que vieram no mesmo voo da capital paulista, o artilheiro do Brasileirão desceu no hotel com traje a rigor, no melhor estilo europeu, e fazendo brincadeiras com os jornalistas. Descontração antes do início das Eliminatórias.

Com mais de 500 jogos disputados e quase 300 gols na carreira, o atacante de 35 anos comemorou a convocação no mesmo dia em que festejou os quinze anos de carreira. A última vez que Ricardo Oliveira havia sido convocado para defender a Seleção tinha sido em 2007, em um amistoso contra Gana. Participou também da Copa América em 2004, da Copa das Confederações em 2005 e das Eliminatórias para a Copa de 2006.

“Acho que é válido”, respondeu ao ser perguntado sobre o terno e colete escuro que vestia. “Estava brincando ali com os colegas, depois de tanto tempo, oito anos, é sempre importante voltar e vestido bem. É legal. A emoção é a mesma, não muda. A gente sabe do prazer e da alegria que é servir à Seleção e representar uma nação apaixonada por futebol”, falou o atacante do Santos, que vestiu pela primeira vez a camisa amarela em 2004, disputando 12 jogos e marcando três gols.

Companheiro do atacante no Santos, e principal garçom para os gols na temporada, Lucas Lima tentou driblar as perguntas sobre disputa por posição após estrear pela Seleção nos amistosos nos Estados Unidos. “Vamos trabalhar forte para começar com o pé direito. Estou aqui para ajudar da melhor forma possível. Você vê o histórico do Oscar aí na Seleção, dispensa comentários. Vou trabalhar e se tiver oportunidade vou mostrar meu trabalho”, declarou.

O corintiano Elias, que atuou no empate contra a Ponte Preta, em Campinas, no último domingo e, junto com Gil, viajou ao Chile durante a noite, minimizou a maratona em prol da Seleção. “Eu estou acostumado já, Brasileirão é assim, não tem moleza, o jogo é duro. Agora é descansar e preparar bem que vai ser difícil. Eles (Chile) estão empolgados com a conquista merecida (da Copa América). É uma excelente equipe. Temos que saber explorar as brechas para sairmos vitoriosos”, declarou à ESPN Brasil na chegada ao hotel.

Seguindo o discurso do companheiro alvinegro, que disse não saber ser titular ou não na cabeça de Dunga, mas estar disposto a ajudar, Gil também se mostrou tranquilo quanto à titularidade, já comemorando a chance de estar no grupo. “O mais importante é poder fazer parte desse grupo. Independentemente de estar jogando ou não, sempre vou buscar fazer meu melhor para ajudar dentro de campo. Temos que nos preparar bem agora”, disse o zagueiro.

Com o elenco quase completo na capital chilena, a Seleção Brasileira realizou seu primeiro trabalho com bola às 17h (de Brasília) da última segunda. Nesta terça-feira, os trabalhos iniciam uma hora antes, às 16h (de Brasília). Antes da atividade, haverá uma janela de abertura para contato dos jogadores com a imprensa. Na quarta-feira, o horário dos trabalhos se repetem, até a concentração para o jogo contra o Chile, quinta, às 19h30 (de Brasília).

Nesta terça-feira, os brasileiros David Luiz, Marquinhos e Lucas (do PSG), o atacante Douglas Costa (do Bayern de Munique) e o meio-campista Kaká devem chegar a Santiago para trabalhar com bola no período da tarde, no campo da Universidad de Chile.

Deixe seu comentário