COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA
Tite é cauteloso ao lidar com as expectativas dos brasileiros na Copa do Mundo (foto: Saeed Khan/AFP)

Tite fez questão de manter a prudência após a Seleção Brasileira derrotar o México e assegurar presença nas quartas de final da Copa do Mundo. O técnico não quer ouvir falar em favoritismo absoluto, mesmo após as quedas das potências Alemanha, Argentina e Espanha.

“O nível que atingimos é de quartas de final. A equipe tem que se consolidar e crescer. Não me atenho a favoritismo ou a nomes. O time que vencemos hoje é o mesmo que venceu bem a Alemanha e a Coreia – Coreia, que ganhou da Alemanha. Contra a Suécia, estava melhor até sofrer o gol”, comentou Tite.

O técnico tinha em mente a vitória por 2 a 0 sobre o México, que, no grupo F, surpreendeu a Alemanha com uma vitória por 1 a 0, superou também a Coreia do Sul por 2 a 1 e caiu por 3 a 0 diante da Suécia.

Com o México derrotado neste domingo, em Samara, o Brasil terá pela frente a Bélgica às 15 horas (de Brasília) de sexta-feira, em Kazan. O time europeu tem o melhor ataque do Mundial, com 12 gols marcados, e está com 100% de aproveitamento – passou por Panamá (3 a 0), Tunísia (5 a 2), Inglaterra (1 a 0) e Japão (3 a 2).

“Todas as equipes têm alto nível, com uma pressão psicológica forte”, equiparou Tite, antes de citar uma das surpresas da Copa do Mundo. “A Rússia jogou bem, controlando a Espanha, sem correr maiores perigos. Passou com méritos. Está muito aberto” respeitou.



Roberto Martínez exaltou o seu elenco após a Bélgica sair perdendo por 2 a 0 para o Japão e conseguir a virada dentro dos 90 minutos. Para o treinador espanhol, a atitude dos atletas belgas foi decisiva para a reviravolta.

“Se você olhar as estatísticas, não há muitos jogos em que você pode conseguir uma virada após estar perdendo por 2 a 0 em uma Copa do Mundo. Acho que isso se deve à personalidade, ao foco, desejo e a atitude de nunca desistir dos nossos jogadores e a crença dos atletas que entraram em campo. Conseguir a virada nos 90 minutos foi uma conquista incrível”.

“A realidade é que estávamos perdendo por 2 a 0 e tínhamos que encontrar soluções, uma reação. Mas o que você precisa mais do que qualquer coisa é o desejo e a união dos jogadores que estão desesperados para ter um bom desempenho”.

A Bélgica irá enfrentar o Brasil em partida das quartas de final da Copa do Mundo na sexta-feira, às 15 horas (de Brasília), em Kazan. Quem ganhar esse confronto enfrenta o vencedor do jogo entre França e Uruguai.



Dalic acredita que preparação vai ser ideal para o jogo (Foto: ADRIAN DENNIS/AFP)

O último semifinalista da Copa da Rússia sairá do duelo entre a anfitriã e a Croácia, no sábado (7), às 15h (de Brasília) e os croatas já chegaram na cidade onde o confronto acontece, Sochi. A pressa em ir até o local do jogo foi uma estratégia da comissão técnica para uma adaptação dos jogadores ao clima diferente da de São Petersburgo, onde jogaram as oitavas.

O clima em Sochi é quente e úmido, a temperatura até o momento não baixou dos 22 graus e choveu apenas um dia durante a Copa. Já em São Petersburgo, onde a temperatura nos últimos dias variou entre 12 e 22 graus, com chuva em alguns dias.

Para o técnico Zlatko Dalic foi um acerto a viagem rápida. “Foi uma boa decisão vir logo após o jogo. A temperatura é muito maior do onde nós estávamos treinando. Cinco dias será o suficiente para se adaptar. E não é fácil jogar se estiver úmido e quente”, declarou.

Sobre a classificação dramática de sua equipe no dia anterior, nos pênaltis sobre a Dinamarca, o treinador admitiu contar com a sorte, mesmo que Modric tenha desperdiçado um pênalti na prorrogação. “Desde o começo acreditei no time. Foi muito difícil, um jogo para guerreiros. Sempre acreditávamos, e desta vez, tivemos mais sorte que nas outras vezes. Mas desta vez, as coisas funcionaram. E a sorte só não pode virar contra a gente no próximo jogo”, afirmou.



Bélgica mostrou poder de reação para eliminar o Japão, nesta segunda-feira, em Rostov. Depois de tomar dois gols no começo do segundo tempo, os belgas tiveram paciência e tranquilidade para reverter o placar e garantir a classificação com um tento de Chadli aos 48 minutos do segundo tempo.

Como de costume, a Bélgica ditou o ritmo de jogo ao ter 56% de posse de bola, impulsionado por um bom aproveitamento na troca de passes: 87% (540 certos, de 621 tentativas). Porém, o Japão também mostrou eficiência no fundamento ao ter 83% de acerto (374 corretos, de 453 tentativas).

Com o bom desempenho na troca de passes, as equipes criaram inúmeras jogadas e finalizaram 35 vezes durante a partida. A seleção nipônica, que criou suas oportunidades através de contra-ataques, chutou quatro bolas, e marcou dois gols, mostrando eficiência no quesito. Quatro arremates para fora e três bloqueados completam as onze finalizações japonesas.

Os belgas tiveram o controle da partida e bombardearam a meta de Kawashima, que fez cinco defesas, mas não pôde evitar três gols. Das 24 finalizações da Bélgica, oito foram ao gol, 10 para fora e seis bloqueadas. A persistência ofensiva dos diabos vermelhos foi premiada com a vitória, ainda que o tento derradeiro foi marcado no apagar das luzes.

Nas quartas de final, a Bélgica enfrentará a Seleção Brasileira, que eliminou o México. O confronto será realizado na sexta-feira, ás 15 horas (de Brasília), em Kazan.



A Bélgica conseguiu uma virada história sobre o Japão e avançou para as quartas de final, fase em que enfrentará o Brasil. O meia Eden Hazard comemorou o triunfo desta segunda-feira e projetou o confronto contra a equipe comandada de Tite.

“A reação que mostramos hoje foi ótima. Talvez fosse esse tipo de jogo que precisávamos para o futuro, já que poderíamos ter sido eliminados, mas estamos nas quartas. Em relação a partida da sexta-feira, vai ser magnífico porque jogar contra o Brasil sempre é incrível para um jogador. Vamos descansar muito bem e tentar vencer esse jogo”, declarou o atleta do Chelsea.

Fellaini e Chadli fizeram, respectivamente, o segundo e o terceiro gol da equipe belga após saírem do banco. Hazard, que foi eleito o homem do jogo, exaltou o elenco que Roberto Martínez tem e ainda ressaltou que esse resultado por embalar os Diabos Vermelhos.

“Estávamos pensando que seria como há dois anos contra País de Gales (na Eurocopa de 2016, quando o time galês venceu por 3 a 1 após sair vencendo por 2 a 0). Mas também estávamos pensando que, se marcássemos gols, estaríamos vivos na partida. Temos jogadores que podem mudar o jogo. Trouxemos jogadores do banco que fizeram a diferença e, por isso, estamos felizes por ter vencido e avançado para as quartas de final”, completou.

A Bélgica irá enfrentar o Brasil em partida das quartas de final da Copa do Mundo na sexta-feira, às 15 horas (de Brasília), em Kazan. Quem ganhar esse confronto enfrenta o vencedor do jogo entre França e Uruguai.



O Japão abriu 2 a 0, entretanto cedeu a virada para a Bélgica no último lance da partida. Depois de não conseguir a melhor campanha da história do país em Copas do Mundo, o técnico Akira Nishino explicou porque a sua equipe tentou buscar o gol nos últimos minutos do confronto contra os europeus, o que resultou em um contra-ataque fatal que deu a vitória aos Diabos Vermelhos.

“Queríamos vencer a partida. Nossa equipe é forte o suficiente e acreditei que, contra a Bélgica, poderíamos, pelo menos, nos igualar. Eu tinha planos diferentes em mente. Começamos muito bem, mas no final, sofrer um gol como esse não era esperado”, declarou o treinador dos Samurais Azuis antes de contar que não esperava um contra-ataque belga.

“Nesse ponto, na falta e no escanteio marcados, queríamos decidir e terminar o jogo. É claro que, àquela altura, pensei que deveríamos ir para a prorrogação, mas não esperava esse tipo de contra-ataque. Nossos jogadores também não esperavam e, em poucos segundos, a bola estava na nossa intermediária e isso decidiu o jogo”, completou.

Akira Nishino ainda revelou que só fez alterações na sua equipe após o empate belga porque ele tinha a ambição de conseguir aumentar a vantagem e continuar pressionando o time de Roberto Martínez.

“Quando estávamos vencendo por 2 a 0, eu não mudei meus jogadores porque queria marcar mais um gol e tivemos oportunidades. Estávamos, até certo ponto, controlando a bola e o jogo, mas foi nesse momento que a Bélgica aumentou seu volume de jogo (e empataram)”.



A Bélgica mostrou poder de reação para eliminar o Japão, nesta segunda-feira, em Rostov. Depois de tomar dois gols no começo do segundo tempo, os belgas tiveram paciência e tranquilidade para reverter o placar e garantir a classificação com um tento aos 48 minutos do segundo tempo.

Durante o embate, as jogadas ofensivas da seleção europeia se mantiveram em sua maioria no lado esquerdo de campo, tanto que é que Roberto Martínez abriu mão de Mertens, o meio-campista que ocupava a extremidade direita, e colocou Fellaini para buscar a virada. Em uma dessas investidas pela esquerda, Eden Hazard cruzou na cabeça do jogador do Manchester United, que não desperdiçou, balançando as redes.

Além da assistência, o capitão belga teve participação importante na partida, uma vez que grande parte das tramas de sua seleção passaram por seu pé, funcionando como o motorzinho do lado esquerdo de ataque. Porém, a participação não se resumiu ao setor, tanto é que no início da segunda etapa o jogador do Chelsea recebeu passe de Meunier no centro da área e finalizou acertando a trave.

Com isso, Eden Hazard conquistou o prêmio de melhor atleta em campo pela segunda vez na Copa do Mundo. No embate contra a Tunísia, na fase de grupos, o meio-campista marcou dois gols na vitória belga por 5 a 2.

Agora, Hazard e a ótima geração da Bélgica voltam suas atenções para a Seleção Brasileira, que enfrentam na sexta-feira, em Kazan, às 15 horas (de Brasília).

 

 




Uruguai e França disputam uma das vagas para a fase semifinal da Copa do Mundo de 2018, na Rússia. E, apesar de ter vencido todos os jogos que disputou na competição, os uruguaios podem ter um desfalque de peso. O atacante Edinson Cavani, autor dos dois gols da vitória contra Portugal nas oitavas, pode não entrar em campo devido a lesão sofrida na partida.

Cavani foi substituído aos 27 minutos do segundo tempo sentindo dores. Nesta segunda-feira, a Federação Uruguaia comunicou que o atacante do Paris Saint-Germain passou por exame, que constatou lesão muscular na panturrilha esquerda. No entanto, a entidade não confirmou nem negou a presença do jogador na partida contra a França.

O Departamento Médico da AUF (Associação Uruguaia de Futebol) informa que no dia de hoje, segunda-feira 2 de julho, se realizou exame imagenológico ao jogador Edinson Cavani, constatando-se lesão edematosa no músculo da panturrilha esquerda, sem rompimento de fibras musculares.
O jogador continua dolorido. Realizará trabalho diferenciado e recuperação fisiátrica. Sua evolução será controlada.
O restante do elenco se encontra em ordem.

Cavani é o artilheiro da seleção uruguaia neste Mundial, com três gols marcados em quatro jogos. Com ou sem o atacante, o Uruguai enfrenta a França nesta sexta-feira, às 11 horas (de Brasília), pelas quartas de final da Copa do Mundo. Quem vencer será o adversário de Brasil ou Bélgica, que se enfrentam às 15 horas também nesta sexta-feira.



Principal nome do Brasil na Copa do Mundo da Rússia, Neymar escreveu nesta segunda-feira mais um importante capítulo de sua trajetória na Seleção. Com o gol anotado na vitória por 2 a 0 sobre o México, o atacante entrou para o grupo dos 10 maiores artilheiros do time canarinho em Mundiais.

Aproveitando cruzamento rasteiro de Willian, aos cinco minutos do segundo tempo, Neymar fez de carrinho o seu sexto tento em Copas do Mundo. O camisa 10 abriu o triunfo para o time canarinho, que ainda ampliou com Roberto Firmino no fim da partida.

Com o gol, Neymar superou Garrincha, Zico e Romário e se igualou a outros dois nomes históricos no sexto lugar da lista de maiores artilheiros da Seleção em Mundiais: Rivellino e Bebeto. A dupla, no entanto, alcançou essa marca ao longo de três Copas, enquanto o jogador do Paris Saint-Germain está disputando apenas a sua segunda.

A lista, considerando apenas brasileiros, é liderada por Ronaldo Fenômeno, com 15 gols. O ex-atacante, todavia, participou de quatro edições do torneio, balançando as redes adversárias em três delas (1998, 2002 e 2006).

À sua frente, Neymar ainda tem Careca (7), Leônidas da Silva (8), Rivaldo (8), Vavá (9), Ademir de Menezes (9), Jairzinho (9) e Pelé (12). O alemão Miroslav Klose é o maior artilheiro da história da competição, com 16 tentos.

Neymar abriu sua contagem em Copas no triunfo por 3 a 1 sobre a Croácia, na Arena Corinthians, marcando duas vezes no duelo que marcou a estreia da Seleção em 2014. Voltou a fazer mais dois gols na goleada por 4 a 1 diante de Camarões, em Brasília, ainda pela fase de grupos.

Após passar em branco nos embates com Chile e Colômbia, pelas oitavas e quartas de final do Mundial do Brasil, respectivamente, e diante da Suíça, pela estreia na Rússia, Neymar só voltou a marcar em Copas na vitória por 2 a 0 sobre a Costa Rica, pela segunda rodada da edição 2018.

Aos 26 anos, Neymar terá ao menos mais um jogo para subir no ranking ainda durante a Copa do Mundo da Rússia. Pelas quartas de final, o Brasil enfrentará a Bélgica na próxima sexta-feira, às 15 horas (de Brasília), em Kazan.

Veja os 15 maiores artilheiros do Brasil em Copas: 

Ronaldo – 15 gols
Pelé – 12 gols
Jairzinho – 9 gols
Ademir Menezes: 9 gols
Vavá: 9 gols
Rivaldo: 8 gols
Leônidas da Silva: 8 gols
Careca: 7 gols
Neymar: 6 gols
Rivellino: 6 gols
Bebeto: 6 gols
Garrincha: 5 gols
Zico: 5 gols
Romário: 5 gols
Sócrates: 4 gols

Veja as vítimas de Neymar em Copas:

12/06/2014 – Brasil 3 x 1 Croácia – Arena Corinthians – 2 gols
23/06/2014 – Brasil 4 x 1 Camarões – Mané Garrincha – 2 gols
22/06/2018 – Brasil 2 x 0 Costa Rica – Estádio Krestovsky – 1 gol
02/07/2018 – Brasil 2 x 0 México – Arena Samara – 1 gol