COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

No último domingo, foi confirmada a volta do volante Paulinho ao Guangzhou Evergrande, da China. A transferência pode chegar aos 50 milhões de euros (cerca de R$ 226 milhões). O Corinthians, deverá lucrar com o negócio aproximadamente R$ 1,9 milhão.

Com o mecanismo de solidariedade da Fifa, situação que prevê que uma parcela da quantia da transferência deve ser paga aos clubes formadores do atleta, o Timão receberá algo próximo de 0.857% do valor, segundo estudo da Rede de Futebol, empresa especializada no assunto.

Paulinho atuou no Timão entre 2010 e 2013. Sendo assim, o Alvinegro voltará a lucrar com uma transferência do volante. Foram 1,1 milhão quando o atleta deixou o Guangzhou rumo ao Barcelona. Além disso, mais R$ 26,3 milhões na transferência para o Tottenham.

O jogador acertou seu retorno ao futebol chinês por empréstimo de uma temporada, com opção de compra dos chineses ao término do contrato. Esta será a segunda passagem de Paulinho na China, onde atuou de 2015 a 2017.

Paulinho está de voilta ao futebol chinês (Foto: Divulgação)


O Arsenal está muito próximo de confirmar seu quarto reforço para a próxima temporada. Trata-se do volante Lucas Torreira, que até então defende a Sampdoria e foi um dos destaques do Uruguai na Copa do Mundo da Rússia. Em entrevista ao Telenoche, jornal de seu país, o jogador confirmou o acerto com o clube inglês e revelou que irá viajar a Londres para realizar os exames médicos e assinar o contrato.

“Estava muito feliz de poder voltar ao Uruguai junto com meus companheiros de seleção, mas recebi esta linda oportunidade que não posso perder”, afirmou o uruguaio, que deve custar cerca de 25 milhões de libras (quase R$ 114 milhões) aos cofres dos Gunners.

Torreira, em disputa de bola com o francês Griezmann, nas oitavas de final (Foto: Mladen ANTONOV/AFP)

Torreira, portanto, não integrou a delegação que desembarcou na capital Montevidéu, nesta segunda-feira, retornando da Rússia após a eliminação diante da França nas quartas de final do Mundial. O meia teve boas atuações na louvável campanha da Celeste, que se classificou ao mata-mata após ficar no primeiro lugar do Grupo A, à frente de Rússia, Arábia Saudita e Egito, e que ainda foi responsável por bater Portugal nas oitavas de final.

Além do volante, o Arsenal já tem três nomes confirmados para o elenco que será comandado por Unai Emery na temporada 2018/2019. São eles: o lateral direito Stephan Lichtsteiner, que estava na Juventus; o goleiro Bernd Leno, que defendia o Bayer Leverkusen; e o zagueiro Sokratis Papastathopoulos, do Borussia Dortmund. Para o meio-campo, os Gunners ainda estariam interessados no português André Gomes, do Barcelona, e no francês Steven N’zonzi, do Sevilla.



Superando Neymar, Coutinho se tornaria o novo jogador mais caro da história (Foto: Benjamin CREMEL/AFP)

Tal como aconteceu no início da última temporada, o Paris Saint-Germain volta a assombrar o Barcelona na janela de transferências de verão do futebol europeu. De acordo com o jornal espanhol Mundo Deportivo, o clube francês pretende fazer com Philippe Coutinho o mesmo que fez com Neymar, preparando uma oferta ‘irrecusável’ para tirar o meio-campista do Camp Nou e levá-lo ao Parque dos Príncipes.

Segundo a publicação, a proposta seria ainda maior do que a feita por Neymar, que se tornou o jogador mais caro da história do futebol ao ser vendido por 222 milhões de euros (R$ 824 milhões na cotação da época). Desta vez, a cifra giraria em torno de nada menos que 270 milhões de euros (equivalente a mais de R$ 1,2 bilhão), o que faria com que o camisa 14 do time catalão superasse o companheiro de Seleção Brasileira e se tornasse o novo jogador mais caro da história.

O PSG já teria entrado em contato com os representantes de Coutinho para sinalizar o interesse e suas pretensões de formalizar a astronômica oferta citada. No entanto, no que depender do Barça, que ainda não recebeu qualquer tipo de ligação por parte dos franceses, o brasileiro não está à venda. Desta forma, o único jeito de tirar o meia do Camp Nou seria mediante o pagamento de sua multa rescisória, avaliada em 400 milhões de euros.

Coutinho chegou ao Barcelona na metade da última temporada, após difíceis negociações com o Liverpool, seu ex-time. O jogador custou cerca de 125 milhões de euros aos cofres blaugranos e tem contrato até junho de 2023 com o clube catalão. Em pouco mais de seis meses ao lado de Lionel Messi e Luís Suárez, o meio-campista foi responsável por 10 gols e seis assistências em 22 partidas disputadas nos títulos do Campeonato Espanhol e da Copa do Rey.

 

 



A seleção francesa já desembarcou em São Petersburgo, onde disputará a semifinal da Copa do Mundo de 2018 contra a Bélgica na próxima terça-feira, às 15h (de Brasília). Depois de eliminar a Argentina por 4 a 3 e o Uruguai por 2 a 0, os belgas serão os primeiros adversários europeus na fase de mata-mata.

A Federação Francesa de Futebol postou um vídeo em seu Instagram oficial com a chegada dos jogadores a São Petersburgo (Foto: Reprodução)

Para chegar até à semifinal, a França venceu a Austrália (2 a 1), o Peru (1 a 0), a Argentina (4 a 3) e o Uruguai (2 a 0), além de ter empatado com a Dinamarca (0 a 0). Já sua rival Bélgica vem de um resultado considerado muito importante: 2 a 1 em cima da Seleção Brasileira, que acabou sendo eliminada na última sexta-feira após o resultado.

Na fase de grupos, os belgas venceram o Panamá (3 a 0), a Tunísia (5 a 2) e a Inglaterra (1 a 0). No mata-mata, enfrentou um surpreendente Japão (3 a 2) e, por último, o Brasil (2 a 1). A seleção da Bélgica deve chegar no palco do confronto também nesta segunda-feira.



Luis Enrique é anunciado como novo treinador da seleção espanhola na manhã desta segunda-feira (Foto: AFP)

Na manhã desta segunda-feira, a Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF) anunciou Luis Enrique, ex-técnico do Barcelona, como novo treinador da seleção espanhola. Além dele, o ex-jogador José Francisco Molina foi apresentado como novo diretor esportivo da entidade.

“Foi provado com unanimidade a contratação de Luis Enrique no cargo de treinador durante os próximos dois anos”, disse Luis Rubiales, presidente da RFEF, assegurando que sua apresentação será na próxima semana.

Luis Enrique atuou como meia e defendeu tanto a camisa do Barcelona quanto do rival Real Madrid. Pela seleção espanhola, disputou os Jogos Olímpicos de 1992, quando foi medalhista de ouro, as Copas de 1994, 1998 e 2002 e a Eurocopa de 1996. Como treinador, conquistou uma Liga dos Campeões, dois Campeonatos Espanhóis, um Mundial de Clubes e três Copas do Rei pelo Barcelona.

Já José Francisco Molina atuou como jogador em clubes como Atlético de Madrid e Valencia e como treinador no Villarreal. Os dois foram anunciados após uma campanha pífia na Copa do Mundo de 2018, já que Fernando Hierro, então diretor esportivo, precisou assumir às pressas o cargo de técnico após a demissão repentina de Julen Lopetegui, que havia aceitado ser treinador do Real Madrid dias antes do Mundial. A seleção foi eliminada nas oitavas de final nos pênaltis para a anfitriã Rússia.

O anúncio do novo técnico aconteceu após a apresentação de Molina, que estava acompanhado do presidente da entidade, Luis Rubiales. Ele comentou sobre o estilo de jogo da Espanha e agradeceu o antigo diretor, Fernando Hierro. “Nosso estilo possui muitas coisas boas e outras que precisam ser melhoradas. Quando me sentei com Molina, ele me transmitiu vontade de crescer. Não vamos renunciar ao nosso estilo, mas iremos melhorá-lo. Também não posso deixar de lado o comportamento e o carinho de Fernando Hierro para com esta casa. Temos uma relação magnífica com ele. Reitero meu agradecimento, mas temos que responder às necessidade que temos”, finalizou.



Nesta segunda-feira, a seleção da Bélgica fez seu último treino antes de encarar a França, nesta terça, pelas semifinais da Copa do Mundo da Rússia. Durante os 15 minutos em que a atividade foi aberta à imprensa, o que se viu foi um clima muito leve e bem humorado entre os jogadores, que riam e brincavam entre si.

Hazard, Lukaku, Kompany, Witsel e Meunier, que foram poupados no treino de domingo, compareceram ao gramado e participaram normalmente do treinamento. Embora o último da lista esteja suspenso e não ficará à disposição de Roberto Martínez para o confronto que pode colocar os Diabos Vermelhos na final do Mundial, o técnico espanhol contou com a presença de todo o seu plantel para encerrar a preparação.

Muitas risadas por parte dos belgas em seu último treino antes de encarar a França (Foto: FRANCK FIFE/AFP)

Belgas e franceses se enfrentam a partir das 15h (no horário de Brasília) desta terça. Por mais que o palco do jogo seja no Estádio de São Petersburgo, a seleção da Bélgica fez seu último treino em Guchkovo Dedovsk, nos arredores da capital Moscou. Desta forma, repete o protocolo das quartas de final, quando eliminou o Brasil pelo placar de 2 a 1.

Quem vencer, avança à grande decisão da Copa do Mundo da Rússia e terá como adversário quem levar a melhor no confronto entre Croácia e Inglaterra, válido pela outra semifinal, na quarta-feira, às 15h, no Estádio Luzhniki. Quem perder, por sua vez, terá de contentar com a decisão do terceiro lugar, contra os derrotados do duelo entre croatas e ingleses.



A eliminação do Brasil na Copa do Mundo, em derrota por 2 a 1 para a Bélgica na última sexta-feira, ainda repercute no país. O ex-jogador Amaral, com passagens por Palmeiras, Corinthians, Vasco, Grêmio, Vitória e Atlético Mineiro, acredita que faltou “resenha” entre os jogadores da Seleção sobre o futebol da equipe na Rússia.

Em participação no programa Mesa Redonda, da TV Gazeta, o ex-volante, que defendeu a Seleção na década de 1990, disse que os jogadores, junto com Tite, deveriam ter conversado sobre o desempenho da equipe logo após a vitória sobre a Costa Rica, com dois gols nos acréscimos. Antes da primeira vitória no Mundial, o Brasil tinha empatado por 1 a 1 com a Suíça na estreia.

Para Amaral, jogadores da Seleção não conversaram sobre o desempenho do time (Foto: Reprodução/TV Gazeta)

“Na Seleção Brasileira, no meu ponto de vista, faltou cinco jogadores chamarem o Tite para falar ‘vamos mudar a forma de jogar’. Faltou aquela resenha”, disse o ex-jogador. “Todos os times têm jogadores que falariam ‘a gente passou sufoco contra a Costa Rica, fizemos no último minuto um gol chorado, não foi uma bola bem trabalhada. Vamos acordar porque a corda está no nosso pescoço'”.

O ex-jogador ainda ressaltou o nível do Mundial, que viu seleções favoritas sendo eliminadas precocemente ou nem se classificando. “Essa foi a Copa do Mundo mais fácil porque não tinha Itália, a Alemanha caiu fora, não tinha Holanda”, analisou, antes de apostar em uma final entre França e Inglaterra em Moscou.




A comemoração do croata Domagoj Vida após a classificação da Croácia para a semifinal da Copa do Mundo rendeu ao zagueiro uma advertência formal da Fifa. Por um vídeo vazado nas redes sociais, onde dedica o triunfo ao povo da Ucrânia, o zagueiro está sendo investigado pela entidade máxima do futebol e corre o risco de ser punido até mesmo com a perda de jogos.

Desde 2014, Rússia e Ucrânia vivem uma crise política decorrente de questões territoriais e após a partida o zagueiro gravou um vídeo, divulgado no Instagram do ex-jogador e atual membro da comissão técnica, Ognjen Vukojevic, onde ambos gritavam “Glória a Ucrânia”. A Fifa já avisou que está investigando as imagens para decidir sobre a aplicação de punições ao atleta.

Vida marcou um dos gols da Croácia contra a Rússia (Foto: Nelson Almeida/AFP)

“A Comissão Disciplinar da Fifa enviou uma advertência a Domagoj Vida por sua declaração filmada”, indicou um porta-voz da organização futebolística a AFP.

A frase dita por ambos os atletas (“Glória à Ucrânia!”) faz referência ao slogan da revolução pró-europeia que levou à destituição do presidente ucraniano pró-Rússia Viktor Yanukovich em 2014 e a uma enorme crise na relação entre os dois países. Após o fato envolvendo o zagueiro croata, parlamentares russos pediram à Fifa duras sanções contra a seleção classificada à semifinal.

“Atos assim deveriam ser punidos”, declarou Dmitry Svischyov, membro do comitê parlamentar sobre Esporte, à agência oficial RIA Novosti. “Os lemas políticos, nacionalistas e racistas não são bem-vindos na Copa”, disse.

Diante da grande repercussão, Vida se manifestou frente à imprensa ressaltando não ter tido a intenção de atacar o país anfitrião do Mundial. “Adoro o povo russo, era só uma brincadeira”, afirmou o zagueiro, que teve seu discurso corroborado pela Federação Croata em um comunicado oficial.

“Não era absolutamente nada político, só uma simples mensagem de agradecimento pelo apoio que recebemos da Ucrânia, onde Vukojevic e eu passo vivemos vários anos. Espero sinceramente que a mensagem seja interpretada como uma expressão de gratidão com nossos amigos da Ucrânia por seu apoio, não apenas na partida contra a Rússia, mas durante todo o Mundial”, continuou.

No entanto, a Federação Croata detalhou que que pediu a Vida e a Vukojevic, “assim como aos outros jogadores da seleção, que se abstenham no futuro de qualquer mensagem que possa ser interpretada politicamente”, ressaltou.