COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

Paulinho, enfim, voltou a trabalhar normalmente com o restante do elenco no treinamento desta quinta-feira, o último antes de o Brasil entrar em campo contra a Bélgica, em Kazan, pelas quartas de final da Copa do Mundo. A exemplo dos últimos dias, o volante se limitou à fisioterapia sob coordenação de Bruno Mazziotti, mas apenas no início da atividade. Posteriormente, ele calçou as chuteiras e se juntou aos seus companheiros.

Ao contrário de todos os treinos ocorridos na véspera das partidas, desta vez o Brasil não fez o reconhecimento do gramado da Arena Kazan para preservá-lo para o jogo. Assim, o técnico Tite e seus comandados trabalharam no estádio central, antiga casa do Rubin Kazan.

Apesar da mudança no protocolo da Fifa, o tempo que a imprensa teve para acompanhar as movimentações continuou o mesmo. Mais uma vez os jornalistas tiveram apenas 15 minutos para fazer imagens enquanto o elenco ainda participava de um mero aquecimento. Depois, portões fechados para Tite fazer os últimos ajustes visando a decisão desta sexta-feira.

Para o confronto com os belgas, a Seleção Brasileira irá manter a formação que venceu o México nas oitavas de final. As únicas exceções são a volta de Marcelo, recuperado de espasmo muscular na coluna, e Fernandinho, que substituirá Casemiro, suspenso.

Desta maneira, o técnico Tite deverá colocar em campo Alisson; Fagner, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Fernandinho; Willian, Paulinho, Coutinho e Neymar; Gabriel Jesus.

Autor do segundo gol brasileiro contra os mexicanos e principal ameaça para Gabriel Jesus, Roberto Firmino ficará como opção para o segundo tempo e pode atuar ao lado do jogador do Manchester City, como aconteceu na partida das oitavas de final, em que o camisa 9 do Liverpool entrou no lugar de Philippe Coutinho.



Um dia após criticar a Fifa pela atuação da arbitragem em partida entre Colômbia e Inglaterra, que terminou com a eliminação da equipe sul-americana, Maradona resolveu pedir desculpas em seu Instagram oficial ao postar uma foto com o presidente Gianni Infantino.

“Tomado pela emoção de torcer para a Colômbia no outro dia, eu disse algumas coisas e, admito, algumas delas inaceitáveis. Minhas desculpas à Fifa e ao seu presidente”, inicia a publicação. “Por mais que às vezes eu possa ter opinião contrária às decisões dos árbitros, tenho absoluto respeito pelo trabalho – nada fácil – que fazem a instituição e os árbitros”.

Maradona pede desculpas à Fifa pelo que disse em relação à eliminação da Colômbia nas oitavas de final (Foto: Reprodução)

Na eliminação colombiana, Maradona disse que o que se viu foi “um roubo monumental” e que o “juiz não pode apitar uma partida dessa magnitude”. A Fifa, então, respondeu às acusações. “Em um momento em que a Fifa faz tudo o que está a seu alcance para garantir que os princípios do fair play, da integridade e do respeito, estejam no topo deste Mundial e da própria entidade, a Fifa lamenta estas declarações de um jogador que escreveu a história do nosso jogo”, em comunicado oficial. Maradona está na Copa do Mundo à convite da entidade.

A Colômbia foi eliminada nos pênaltis pela Inglaterra. Em tempo normal, o placar ficou em 1 a 1 após Yerry Mina empatar já nos acréscimos e levar a decisão para a prorrogação. Os ingleses, agora, enfrentarão a Suécia, no sábado,às 11h (de Brasília).



Cavani apareceu no gramado e fez um treinamento separado do grupo (Foto: Martin BERNETTI /AFP)

Principal jogador uruguaio na partida diante de Portugal nas oitavas, Edison Cavani segue como dúvida para as quartas de final. Apesar da ausência do jogador ser o mais esperado para esta sexta-feira. o atleta reanimou um pouco a torcida uruguaia no treinamento desta quinta ao aparecer no gramado antes da atividade.

Porém a animação não se sustentar até o momento da partida. Isso porque Cavani entrou em campo, porém não participou da atividade normalmente. O atacante realizou apenas uma atividade leve e ficou separado do restante do grupo no momento em que eles realizavam um treino no gramado.

Durante os 15 minutos em que a mídia foi liberada para acompanhar o treino, o centroavante do Paris Saint-Germain realizou algumas poucas embaixadinhas, fez alguns exercícios leves e uma corrida leve.

O atleta segue como dúvida para o duelo diante da França pelas quartas de final (Foto: Martin BERNETTI /AFP)

Cavani sentiu um problema na panturrilha esquerda durante o segundo tempo do duelo diante de Portugal pelas oitavas de final. Com um edema no local. o atacante é visto como dúvida para a partida desta sexta e não apareceu no gramado em nenhum dos treinamentos desde o último jogo. Na última quarta, o jornal Ovación, informou que Cavani está descartado para o confronto.

Uruguai e França se enfrentam na próxima sexta-feira,  às 11h (de Brasília), no estádio de Nizhny Novgorod, pelas quartas de final da Copa do Mundo. O vencedor deste confronto encara na semifinal o ganhador entre Brasil e Bélgica.

 



A Seleção Brasileira sofreu apenas um gol nesta Copa do Mundo, com Miranda atuando ao lado de Thiago Silva na zaga. Escolhido para ser o capitão do time canarinho contra a Bélgica, pelas quartas de final da Copa do Mundo, o defensor da Inter de Milão está atento ao forte ataque adversário, mas alertou que há muito mais com o que se preocupar além de Romelu Lukaku.

O atacante belga é um dos artilheiros desse Mundial, com quatro gols. Atrás apenas de Harry Kane, que balançou as redes seis vezes, Lukaku é tido como um dos principais jogadores da posição, mas Miranda se preocupa igualmente com outros nomes da Bélgica, que conta também com Kevin De Bruyne, Eden Hazard e Dries Mertens.

“A Bélgica não é só o Lukaku. Seguramente é um grande atacante, mas a principal maneira de parar o adversário é estar atendo a todas as jogadas e a todos os jogadores, porque tem vários jogadores de qualidade e decisivos, habilidosos, mais verticais. Nosso sistema defensivo vai entrar muito bem preparado para neutralizar todas as armas adversárias”, afirmou Miranda.

Miranda será capitão da Seleção Brasileira pela 5ª vez na Era Tite (Foto: Pedro Martins/MoWA Press)

Esse será o primeiro jogo da Seleção Brasileira nesta Copa do Mundo contra um adversário com um nível técnico considerado mais alto. Contando com diversos jogadores nos principais clubes do planeta, a Bélgica ainda assim não é tida como favorita para o confronto das quartas de final, fato que não ilude Miranda.

“Primeiramente, nós da Seleção Brasileira estamos acostumados e temos a responsabilidade de jogar em alto nível. A gente sabe da dificuldade do jogo, porque a Bélgica nos exige ainda mais concentração e capacidade técnica, é um adversário muito forte. Vamos entrar atentos, sabendo que para vencer o jogo teremos que fazer o melhor, porque vamos enfrentar um grande adversário”, prosseguiu.

O auxiliar técnico de Tite, Cléber Xavier, comentou mais detalhadamente sobre a seleção belga, mas procurou não esmiuçar os adversários a ponto de tornar públicos os pontos fortes e fracos do rival da Seleção Brasileira na próxima sexta-feira, em Kazan. O “gigante” Fellaini foi um dos nomes citados.

“O Fellaini entrou no último jogo na mesma função do Mertens, mas com características diferentes. A presença do Chadli, que é um jogador mais potente, no lugar de Carrasco pode ser outra mudança. Com exceção ao jogo contra a Inglaterra, em que ambas as equipes entraram com a formação reserva, a Bélgica repetiu um padrão e nas modificações fez os seus ajustes. Estamos preparados para todas as situações, conhecemos bem a Bélgica, estudamos bem e Bélgica. Procuramos não falar muito agora, porque é um jogo mais decisivo ainda, contra uma grande seleção. São horas e horas de observação para que os atletas tenham tudo mastigado”, concluiu.



O técnico Tite novamente não escondeu a escalação da Seleção Brasileira na véspera de mais um confronto decisivo da equipe, desta vez pelas quartas de final da Copa do Mundo, contra a Bélgica. Fora dos dois últimos jogos, Marcelo volta à lateral esquerda na vaga de Filipe Luís. Fernandinho substituirá o suspenso Casemiro, enquanto Gabriel Jesus, apesar da seca de gols, segue como o “camisa 9” do time canarinho.

Desta maneira, a Seleção Brasileira que entrará em campo contra a Bélgica, em Kazan, será composta por Alisson; Fagner, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Fernandinho; Willian, Paulinho, Coutinho e Neymar; Gabriel Jesus.

“Conversei com o Marcelo e o Filipe Luís. Vou reproduzir minha conversa com eles. Marcelo saiu por um problema clínico, não voltou no último jogo por um problema físico. Filipe Luís jogou muito nos dois jogos, os dois competem pela posição. Por critério da comissão técnica, volta o Marcelo”, afirmou Tite.

Por enquanto, Tite não pretende fazer mudanças na equipe titular (Foto: Pedro Martins/MoWA Press)

Já em relação a Gabriel Jesus, o treinador segue apostando todas as suas fichas no potencial do atacante. Embora não tenha marcado um gol sequer nesta Copa do Mundo, o jogador do Manchester City tem se destacado pela sua entrega na fase defensiva da equipe, atrapalhando a saída de bola dos adversários e ajudando bastante na marcação.

“Todos os atletas que estão entrando têm sido decisivos. Depois dos jogos, tenho o hábito de dar um abraço em cada um. Após o jogo contra a Sérvia, dei um abraço no Firmino e falei: ‘Cara, tu merecia ter entrado pelos dois jogos que tu fez’. Mas o técnico tem que fazer as mudanças de acordo com a necessidade do jogo. Ele olhou para mim e disse: ‘Estou feliz para caramba’. Existem atletas diferentes, com importâncias iguais”, prosseguiu o treinador ao comentar sobre a disputa pela titularidade entre os dois atletas.

Tite, no entanto, não se limitou a analisar apenas Gabriel Jesus e Roberto Firmino. O comandante do time canarinho também justificou o grande repertório de gols da sua equipe nesta Copa do Mundo com a qualidade técnica não só da dupla, mas também de outros jogadores do setor ofensivo.

“A equipe tem uma característica marcante: no último terço do campo há muito drible, um contra um. Douglas [Costa], Neymar, Gabriel Jesus, Firmino menos, mas tem a qualidade técnica da assistência, do passe, o Taison, Coutinho, Willian… todos eles têm uma característica marcante no um contra um. O técnico trabalha para organizar sem bola, a construção, a parte média, para chegar no último terço do campo e ter essas diversas maneiras de fazer o gol. O repertótio é dos atletas, não do técnico”, concluiu.



Cristiano Ronaldo e Messi já voltaram para casa após as eliminações de Portugal e Argentina da Copa do Mundo. No entanto, em Kazan, há pinturas dos dois craques, em construções em frente aos hotéis onde ficaram hospedados para a disputa das oitavas de final. O brasileiro Neymar, uma das grandes estrelas da Seleção, também ganhou esse “mimo” da prefeitura local.

Neymar brinca com homenagem feita pela prefeitura de Kazan. Pintura fica em frente ao hotel onde a Seleção Brasileira está hospedada (Foto: Reprodução)

Cristiano Ronaldo, que foi homenageado no ano passado por conta da disputa da Copa das Confederações, e Messi, que foi pintado às pressas neste ano, quando a Argentina se classificou em segundo no Grupo D, ficam em construções lado a lado na cidade. Já o desenho de Neymar está em uma área mais exclusiva, sem dividir o paredão com nenhum outro craque.

A Seleção Brasileira está em Kazan, onde se prepara para o confronto das quartas de final diante da Bélgica. O duelo acontece nesta sexta-feira, às 15h (de Brasília).

Veja mais

Atacantes brasileiros não têm sucesso contra goleiro Courtois

Solidez defensiva e eficiência: o que o Brasil perde sem Casemiro

Carrasco do Brasil, Henry ajuda Bélgica  encontrar o caminho do gol




Nesta sexta-feira, às 11h (horário de Brasília), Uruguai e França farão um dos jogos mais aguardados das quartas de final da Copa do Mundo da Rússia. A partida, que reúne três títulos mundiais (dois para o lado sul-americano e um para o lado europeu), além da grande tradição, promete ter um outro atrativo: O “duelo” particular entre Luis Suárez, de 31 anos, e Kylian Mbappé, de 19, que marca o encontro de duas gerações de atacantes do mais alto nível no futebol mundial.

O uruguaio “Luisito” Suárez chega para o confronto creditado como um jogador experiente, consagrado, mas que ainda precisa provar o seu valor com a camisa da Celeste. Em sua terceira Copa do Mundo, o camisa 9 busca se redimir em mundiais após ficar marcado por conta de uma mordida que deu um Chiellini, em 2014, durante a vitória por 1 a 0 sobre a Itália, na última rodada da fase de grupos. Naquele ano, a equipe uruguaia acabou eliminada nas oitavas de final, para a Colômbia.

Suárez explodiu no Ajax, em 2007, e logo passou a ser convocado para a seleção uruguaia, tornando-se peça fundamental nas eliminatórias para a Copa de 2010. No Mundial da África do Sul, com 23 anos, já era um dos principais jogadores da equipe, e ficou marcado por usar a mão para evitar um gol da Gana em cima da linha, já na prorrogação da partida válida pelas quartas de final, que estava empatada por 1 a 1. Expulso, viu de fora do campo o jogador africano errar a penalidade, e a seleção uruguaia garantir a classificação para as semifinais na disputa por pênaltis. Em 2011, transferiu-se para o Liverpool, e no mesmo ano, ajudou a Celeste no título da Copa América, sendo o vice-artilheiro da competição com quatro gols marcados e erguendo o troféu de melhor jogador do torneio.

Na Inglaterra, “El Pistolero” elevou o patamar de sua carreira. Mesmo sem ter conquistado o Campeonato Inglês, teve atuações brilhantes com a camisa dos Reds, consolidou-se como o principal jogador da equipe e chegou para a Copa do Mundo de 2014 com o status de craque. Após ter sido poupado na estreia do Mundial, brilhou marcando dois gols na vitória por 2 a 1 sobre a Inglaterra na segunda rodada. Na partida que valia a classificação para as oitavas, diante da Itália, Suárez mordeu o zagueiro Chiellini e acabou sendo suspenso por nove jogos e banido por quatro meses de qualquer atividade relacionada ao futebol.

Após retomar a sua carreira com títulos e belas atuações pelo Barcelona, Suárez tem, junto com Cavani, a incumbência de assumir o total protagonismo da Celeste na Copa de 2018, uma vez que a equipe não conta mais com Forlán, o craque do time nos dois últimos Mundias. Na estreia, o camisa 9 decepcionou e foi muito mal, ainda que o Uruguai tenha conseguido a vitória por 1 a 0 sobre o Egito. Na segunda partida, não foi tão bem, mas marcou o gol da vitória sobre a Arábia Saudita. No terceiro jogo, contra a anfitriã Rússia, retomou o bom futebol, e marcou na vitória por 3 a 0. Nas oitavas contra Portugal, foi a vez de Cavani brilhar com dois gols na vitória por 2 a 1, mas lesionado, é desfalque quase certo para o jogo diante da França. Contra os europeus, portanto, Luis Suárez a esperança dos três milhões de uruguaios que sonham com uma vaga nas semifinais.

Se o atacante de 31 anos já tem muita bagagem no futebol, Kylian Mbappé, de apenas 19, ainda está no início de sua carreira, que vem se mostrando muito promissora, e chega para o confronto tentando fazer história. O camisa 10 dos Les Bleus, recentemente, chegou a ser comparado a Pelé pela revista France Football, e com três gols marcados na Copa do Mundo, se firma como o destaque da seleção francesa.

Mbappé fez sua estreia no futebol profissional a menos de três anos, no dia 2 de dezembro de 2015, com a camisa do Monaco, no empate diante do Caen pelo placar de 1 a 1. Com 16 anos e 347 dias de idade, tornou-se o jogador mais jovem a atuar oficialmente pelo clube, superando o recorde que anteriormente era de Thierry Henry. O estilo de jogo do jovem, curiosamente, é considerado muito parecido com o do consagrado jogador francês. No dia 20 de fevereiro de 2016, bateu outro recorde que pertencia ao compatriota: ao marcar na vitória do Monaco pelo placar de 3 a 1 sobre o Troyes, tornou-se o jogador mais novo ao fazer um gol pelo clube.

No mesmo ano, Mbappé conquistou a Eurocopa sub-19 com a França, integrou a seleção do torneio e com cinco gols marcados, foi o vice-artilheiro da competição. A estreia na seleção principal ocorreu no dia 25 de março de 2017, com 18 anos e 95 dias, tornando-se o segundo jogador mais jovem a entrar em campo pelos Les Bleus. No final de 2017, o jogador assinou contrato de empréstimo com o Paris Saint-Gemain, que exerceu a opção de compra posteriormente. O valor da transferência, desconhecido oficialmente, é estimado em 180 milhões de euros (cerca de R$820 milhões). Pelo clube parisiense, já realizou 44 partidas e marcou 21 gols.

Na Copa do Mundo da Rússia, Mbappé veste a camisa 10 da seleção francesa, que já foi utilizada por nomes como Michel Platini e Zinedine Zidane. Ao estrear na vitória sobre a Austrália por 2 a 1, com 19 anos, cinco meses e 28 dias, o atacante tornou-se o jogador francês mais jovem a disputar uma partida em Copas do Mundo. Na segunda rodada, o jogador marcou o gol da vitória sobre o Peru, superando Trezeguet como o mais jovem a balançar as redes em um Mundial. Na terceira rodada, o garoto voltou a passar em branco, mas nas oitavas de final, diante da Argentina, foi o nome do jogo: Deu um pique que alcançou 37km/h, marcou dois gols e comandou a vitória francesa pelo placar de 4 a 3, consolidando-se de vez como o principal nome da equipe que vai em busca do seu segundo título mundial.



O relógio do árbitro Gianluca Rocchi marcava 12 minutos do segundo tempo quando ele tirou do bolso o cartão amarelo para Casemiro, na partida entre Brasil e México, pelas oitavas de final da Copa do Mundo, na última segunda-feira. Podia ser apenas um alerta, mas, no caso, já era um sinal vermelho: o volante teve a punição estendida às quartas por estar pendurado, quando justamente o adversário é a equipe mais ofensiva do Mundial, a Bélgica.

Agora, o técnico Tite pensa em seu substituto, que provavelmente será Fernandinho, do Manchester City, mas a questão aqui não é esta e, sim, o que se perde com a saída de um dos pilares do meio-campo canarinho.

Casemiro soma 17 partidas sob comando do treinador sem ter perdido nenhuma: foram 14 vitórias e três empates, num total de sete partidas classificatórias, seis amistosos e quatro atualmente na Copa – em 15 desses duelos, ele jogou os 90 minutos. Nas sete oportunidades nas quais não atuou com Tite, ou estava no banco de reservas, poupado, ou estava lesionado.

Quando o treinador começou seus trabalhos, em 2016, tratou de logo construir uma defesa sólida, e este sacrifício deu frutos, porque o setor vem sendo muito elogiado nesta Copa. Além de Thiago Silva e Miranda, Casemiro é o “cão de guarda” que protege a área defensiva e não permite que a bola chegue com perigo no goleiro Alisson, que levou apenas um gol, contra a Suíça, até agora.

Nesta edição do Mundial, o volante possui 11 desarmes e está em quinto no quesito, atrás apenas por dois do primeiro colocado, o francês Kanté. Por essa e outras, o camisa 5 da amarelinha configura, com mais dois brasileiros (Neymar e Philippe Coutinho), a seleção da competição até agora.

Peça de equilíbrio e solidez tática, Casemiro pode ser considerado a base do sistema defensivo brasileiro, além de regularidade técnica e capacidade de recuperação acima da média. Por conta disso, independentemente de quem o substitua, fará falta contra os belgas, que possuem uma máquina de fazer gols com Lukaku, Hazard, Kevin de Bruyne e Mertens.

Para saber mais sobre a Bélgica, próximo adversário do Brasil na Copa do Mundo, acesse aqui.