COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA
Joachim Low, técnico da Alemanha, em coletiva antes da partida contra o Brasil (Foto: Christian Charisius/AFP)

O jornal alemão Sport Bild resolveu apimentar ainda mais o pré-jogo entre Alemanha e Brasil, em amistoso pré-Copa que acontece nesta terça-feira, às 15h45 (de Brasília), em Berlim. Na sua capa, a foto do técnico Joachim Low rindo e os dizeres “Brasil, bem-vindo ao país do 7 a 1”, em alusão ao fatídico placar na Copa do Mundo de 2014.

O duelo entre as duas seleções marca o primeiro encontro após o episódio do último Mundial, e os holofotes se voltam para a atuação dos brasileiros, que ficaram marcados pelo resultado vexatório daquela semifinal. Além disso, a partida marca também uma possível decisão do técnico Tite em relação aos convocados para a competição, que inicia em junho.

Depois do amistoso, a Seleção Brasileira só se reunirá no final de maio na Granja Comary, em Teresópolis, para as preparações antes da Copa. A amarelinha estreia na competição no dia 17 de junho, contra a Suíça.

Confira o especial da Gazeta Esportiva com sete histórias publicadas na época do 7 a 1.



Depois de empate contra a Alemanha em jogo equilibrado, a Espanha enfrenta a Argentina (Foto: Divulgação/RFEF)

Duas das principais aspirantes a levantar a taça da Copa do Mundo se enfrentam nesta terça-feira, às 16h30 (de Brasília). O Estádio Metropolitano de Madri será palco do duelo entre Espanha e Argentina, que levará a campo grandes nomes do futebol mundial. A partida será a última oportunidade para os técnicos testarem possíveis representantes de seus países na Rússia.

Jogando em casa, a Espanha vem de empate por 1 a 1 contra a Alemanha no qual jogou de igual para igual e poderia ter saído com a vitória. Desta vez, em território espanhol, a Fúria quer a vitória mesmo não sendo jogo de competição. Para o técnico Julen Lopetegui, a motivação de enfrentar a Argentina de Messi já é suficiente.

“É uma partida importante em um cenário fantástico, com um dos melhores jogadores da história”, disse o treinador espanhol em coletiva nesta segunda-feira. “Não há pontos em jogo, mas o entusiasmo por uma partida assim (…) está à margem da competição”.

Sampaoli garantiu que Lionel Messi enfrenta a Espanha (Foto: Pierre-Philippe Marcou/AF

Já a Argentina, que vem de vitória por 2 a 0 sobre a Itália, quer vencer novamente para chegar ao Mundial embalada. A equipe será reforçada por Lionel Messi, que foi poupado contra a Azzurra na última sexta-feira. Nesta segunda-feira, o técnico Jorge Sampaoli confirmou em coletiva que o camisa 10 estará em campo.

““Hoje (segunda-feira) treinou com o grupo, está tudo bem para jogar”, disse o treinador sobre o craque do Barcelona. “Se houvesse algum risco, Messi teria manifestado, como fez contra a Itália e não jogou. Se provou ontem (domingo), se provou hoje e está bem, não creio que há algum inconveniente para que jogue”.

Candidata a surpresa na Copa, Dinamarca enfrenta o Chile

Também nesta terça-feira, a Dinamarca continua sua preparação para a Copa do Mundo contra o Chile. Apesar de não ir à Rússia, a seleção chilena é a décima melhor seleção do mundo segundo o ranking da Fifa de março e representa um adversário à altura para Eriksen e companhia. A partida começa às 15 horas (de Brasília) e é o único amistoso da seleção dinamarquesa antes da convocação final.

Outros jogos desta terça-feira

14h10 Montenegro x Turquia
15h00 Costa do Marfim x Moldávia



Depois de sofrer uma derrota amarga no amistoso da última sexta-feira, contra a Colômbia, que virou o jogo após sair perdendo por 2 a 0, a França agora volta suas atenções para o duelo desta terça, contra a anfitriã da Copa do Mundo 2018 Rússia, em São Petersburgo. Para o técnico Didier Deschamps, no entanto, o revés diante dos colombianos não altera em nada a maneira como sua seleção se portará diante dos russos, afirmando que as circunstâncias não fazem este jogo o mais importante.

“Todos os jogos da seleção francesa são importantes. Este é o último antes do período de competição. E sim, em comparação com sexta-feira, é melhor fazer coisas diferentes amanhã. A importância está aí. É o nível mais alto, todos estão se preparando da melhor maneira possível”, afirmou o comandante, que pretende dar tempo de jogo para o máximo de jogadores que conseguir.

Mbappé e Pogba devem iniciar a partida entre os titulares da França (Foto: Franck Fife/AFP)

A escalação inicial da França deve contar com algumas novidades, principalmente do meio para frente. O meio de campo deve ser composto pelo trio Kanté, Pogba e Rabiot, diferentemente do jogo de sexta passada, quando, ao lado do volante do Chelsea, Matuidi e Lemar iniciaram entre os 11 titulares. Dembelé e Martial também ganharão oportunidades no trio de ataque, ao lado de Mbappé, que será centralizado. Com isso, Giroud e Griezmann começarão a partida no banco de reservas.

O fato de estarem no país sede do Mundial que tem início no mês de junho anima o zagueiro Laurent Koscielny, do Arsenal, que também deve ganhar a titularidade, substituindo Varane, e que falou sobre suas primeiras impressões em território russo. “Estar no país anfitrião é importante para nós, para sentir a atmosfera daqui”, disse ele. “As pessoas são acolhedoras, já pudemos sentir a cidade. O país já está preparado e quer fazer uma bela Copa do Mundo aos olhos do mundo”, apontou.

A Rússia, por sua vez, terá de melhorar suas atuações caso não queira passar por um vexame no Mundial, diante de todo o país. A seleção perdeu do Brasil por 3 a 0 na sexta-feira e agora se vê de frente a um desafio tão grande quanto. Além de não vencerem há quatro jogos, sendo dois empates (Irã e Espanha) e duas derrotas (Argentina e Brasil), os russos não vencem uma partida contra a seleção francesa desde 1999.

O pontapé inicial para Rússia e França está programado para ocorrer às 12h50 minutos (no horário de Brasília) desta terça-feira.

 

 



Costa Rica está no grupo do Brasil na Copa do Mundo (Foto: Valery Hache/AFP)

As principais seleções do mundo estão fazendo seus últimos amistosos antes da convocação para a Copa do Mundo e a terça-feira será marcada pelo confronto entre Costa Rica e Tunísia. A partida será realizada no estádio Allianz Rivera, em Nice, França, às 15 horas (de Brasília).

Os tunisianos, que ocupam a 23ª colocação do ranking da Fifa, estão se preparando para disputar o Mundial pela terceira vez na história. A equipe de Nabil Maâloul está no grupo de Bélgica, Inglaterra e Panamá. Por sua vez, los Ticos querem voltar a surpreender depois de chegarem as quartas de final no Brasil em 2014. Os costa-riquenhos – que são os 26º no ranking da Fifa – estão no grupo de Brasil, Sérvia e Suíça.

Em seu primeiro amistoso dessa janela Fifa, a seleção da Tunísia venceu o Irã, que também irá para a Copa do Mundo, com gol contra de Milad Mohammadi. Por sua vez, a Costa Rica superou a Escócia pelo mesmo placar com gol de Marco Ureña.

O treinador Oscar Ramírez está fazendo testes para ter opções na Copa do Mundo. Apesar disso, ele ainda conta com o goleiro Keylor Navas, o zagueiro Oscar Duarte, o lateral Bryan Oviedo e o meio-campista Bryan Ruiz dentro os convocados que são mais conhecidos do grande público. A expectativa é que a equipe seja equilibrada.

“Temos como objetivo conseguir a dinâmica do que é o Mundial e buscar o equilíbrio. Entre outros objetivos estão a coordenação da linha assim como ter mais profundidade e um jogo um pouco mais direto”, declarou Ramírez.

Confira outros partidas da terça-feira:
15h15 Eslovênia x Bielorrúsia
15h30 Luxemburgo x Áustria
15h30 Romênia x Suécia



Paulinho e Willian são dois dos remanescentes da Copa do Mundo de 2014 (Foto: Lucas Figueiredo/Divulgação)

Às 15h45 (de Brasília) desta terça-feira, no Estádio Olímpico de Berlim, a Seleção Brasileira encontra a Alemanha pela primeira vez desde a humilhante goleada por 7 a 1 pela semifinal da Copa 2014. Com seis remanescentes do massacre, o amistoso é o último antes da definição da lista de Tite para o Mundial da Rússia.

O lateral direito Daniel Alves, o zagueiro Thiago Silva, o lateral esquerdo Marcelo, os volantes Paulinho e Fernandinho e o atacante Willian, todos remanescentes da Copa do Mundo 2014, serão titulares no reencontro com a Alemanha. Daniel Alves (reserva) e Thiago Silva (suspenso) não entraram em campo no Mineirão.

O confronto com a Alemanha é a última chance de Tite para fazer observações antes da convocação definitiva para a Copa do Mundo 2018. No começo de junho, com o grupo de 23 atletas já escolhido, a Seleção Brasileira enfrenta Croácia e Áustria.

“Imagina se eu estivesse respondendo tudo isso antes de um jogo de Mundial”, disse Tite, valorizando a chance de encarar a Alemanha antes da Copa. “Carregamos um fantasminha pelo resultado de 7 a 1. Ele está aqui todos os dias, lembrando. Agora, temos a condição de passar mais uma etapa”, completou o técnico.

Técnico Joachim Low não mandará a campo os seus principais jogadores em Berlim (Foto: Schwarz/AFP)

Para fortalecer o meio de campo, o volante Fernandinho entra no lugar do atacante Douglas Costa, com Philippe Coutinho aberto pelo lado esquerdo do ataque. Thiago Silva segue no lugar de Marquinhos, enquanto Neymar, em recuperação de lesão, está fora.

Do lado alemão, embora considere o amistoso contra o Brasil um teste valioso para sua equipe, o técnico Joachim Low não mandará a campo os principais jogadores. Além de liberar Muller, Ozil e Can por questões físicas, ele pretende experimentar os goleiros Trapp e Leno no lugar de Ter Stegen. Khedira também pode ser poupado.

“(O 7 a 1) é mais importante para o povo do que para nós. É claro que foi um grande jogo, mas apenas um passo para ganhar a Copa. No dia seguinte, já tiramos isso da cabeça e ficamos 100% concentrados na final do campeonato”, recordou Joachim Low.

FICHA TÉCNICA
ALEMANHA X BRASIL
Data: 27 de março de 2018, terça-feira
Local: Estádio Olímpico de Berlim
Horário: 15h45 (de Brasília)
Árbitro: Jonas Eriksson (SUE)
Assistentes: Mathias Klasenius (SUE) e Daniel Warnmark (SUE)

ALEMANHA: Leno (Trapp); Rudiger, Boateng e Ginter; Kimmich, Gundogan, Khedira (Goretzka) e Plattenhardt; Stindl, Werner e Sané
Técnico: Joachim Low

BRASIL: Alisson, Daniel Alves, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Casemiro; Fernandinho, Paulinho, Willian e Coutinho; Gabriel Jesus
Técnico: Tite



Panamá disputou amistoso contra a Dinamarca e perdeu por 1 a 0 anteriormente (Foto: Mads Claus Rasmussen / Ritzau Scanpix / AFP)

Adversária do Brasil na Copa, a Suíça, assim como o restante das seleções que irão disputar o Mundial, segue realizando amistosos com a competição em vista. Nesta terça-feira, às 14h00 (horário de Brasília), o oponente será o Panamá, que garantiu classificação para o mais importante torneio de futebol pela primeira vez em sua história e também utilizará a partida como preparação.

Para o confronto, os suíços terão o desfalque certo de Valon Behrami, de fora do jogo com um desconforto muscular na coxa. Com isso, o técnico Vladimir Petkovic ainda terá 20 jogadores à disposição para o duelo diante dos panamenhos.

Pelo lado do Panamá, os comandados de Hernán Darío Gómez já treinam em solo suíço para a disputa. O técnico da equipe, aliás, confirmou o onze titular da seleção: Jaime Penedo fica no gol, seguido por Michael Amir Murillo, Harold Cummings, Román Torres e Adolfo Machado; Luis Ovalle, Miguel Camargo, Aníbal Godoy, Gabriel Gómez e Ricardo Ávila jogam no meio, com Gabriel Torres à frente.

O desfalque fica por conta de Fidel Escobar, com uma lesão nos músculos adutores da perna direita. Hernán Darío Gómez comentou a escalação de seus comandados. “Este novo esquema tático que estamos praticando pode ser possivelmente utilizado na Copa do Mundo, mas durante a partida, vamos variando”, explicou.

Além de Suíça contra Panamá, outros amistosos internacionais desta terça-feira envolvem seleções que estão na Copa do Mundo. Às 13h00 (horário de Brasília), o Irã recebe a Argélia em seus domínios, enquanto que, também às 14h00 (horário de Brasília), Bósnia e Herzegovina e Senegal travam um bom duelo.

Confira outros amistosos desta terça-feira:

13h00: Iraque x Síria
13h00: Irã x Argélia
13h00: Laos x Bangladesh
13h00: Macedônia x Azerbaijão
14h00: Bósnia e Herzegovina x Senegal
14h00: Kosovo x Burkina Faso
14h00: Suíça x Panamá



O volante Matic é um dos principais nomes da Sérvia (foto: Oli Scarff/AFP)

Adversária do Brasil na fase de grupos da Copa do Mundo da Rússia, a Sérvia enfrenta a Nigéria nesta terça-feira, às 16h (de Brasília), no The Hive Stadium, no Reino Unido. Na semana passada, os sérvios perderam para o Marrocos por 2 a 1, em amistoso realizado em Turim, na Itália.

A seleção sérvia é o terceiro duelo do Brasil na Copa e não mostrou uma boa atuação no amistoso da última semana, como a do grande nome da equipe, Matic, do Manchester United, bastante apagado em campo. Além disso, a Sérvia vem passando por momentos de incertezas internas, com troca de comando técnico (o amistoso de sexta-feira foi a primeira partida do treinador Mladen Krstajic na seleção) e também da mudança da faixa de capitão por ordem de Krstajic, que teria gerado boatos de brigas entre jogadores e o novo comandante.

No entanto, a equipe se classificou em primeiro de sua chave nas Eliminatórias e ficou conhecida por sua solidez defensiva, o que poderá gerar problemas para os seus adversários na competição.

A Nigéria, por outro lado, venceu por 1 a 0 a partida contra a Polônia, na última sexta-feira, com gol de Victor Moses, que atua pelo Chelsea. Na equipe, ainda jogam Ndidi e Iheanacho, do Leicester City, e Ahmed Musa, do CSKA Moscou, que podem surpreender os sérvios, assim como o Marrocos.

Outros amistosos acontecem nesta terça-feira e somente Estados Unidos, Paraguai e Uzbequistão não disputam o Mundial. Confira todos abaixo, respeitando os horários de Brasília:

15h45 – Bélgica x Arábia
15h45 – Polônia x Coreia do Sul
16h – Nigéria x Sérvia
16h – Austrália x Colômbia
16h – Marrocos x Uzbequistão
20h30 – Estados Unidos x Paraguai
21h – Peru x Islândia
23h – México x Croácia

 



Nizhny Novgorod é a quinta maior cidade da Rússia em termos de população (1,27 milhão) e história. O local receberá seis jogos da Copa do Mundo, quatro válidos pela fase de grupos, um das oitavas de final e outro das quartas e é tida como um grande centro comercial do País.

Desde o século XIX, Nizhny Novgorod foi se transformando em uma cidade-chave no que diz respeito ao comércio. Atualmente, o município recebe uma feira anual que atrai comerciantes de toda a Rússia, movimentando uma grande quantidade de dinheiro.

Antigamente, muitos diziam que Moscou era o coração da Rússia, São Petersburgo o cérebro, e Nizhny Novgorod o bolso, o que ilustra bem a representatividade do local para a economia do País.

Um dos motivos pelos quais Nizhny Novgorod se tornou uma das matrizes do comércio nacional é o fato de estar localizada às margens do Rio Volga, o maior da Europa, com 3688km, e que percorre grande parte da planície do território russo, desaguando no Mar Cáspio.

O Kremlin da cidade é do século XVI e possui uma fortaleza de nada mais, nada menos que dois quilômetros, com direito a 13 torres de espionagem. Localizado em uma área de elevação, a construção oferece uma vista do município de tirar o fôlego.

O Estádio de Nizhny Novgorod, com capacidade para 45 mil pessoas, foi construído na confluência dos Rios Volga e Oka. Sua arquitetura foi inspirada em aspectos da natureza da região, como vento de água.

Na Copa do Mundo a cidade irá receber Suécia x Coreia do Sul, Argentina x Croácia, Inglaterra x Panamá e Suíça x Costa Rica. Além das quatro partidas, um duelo das oitavas de final e outro das quartas estão previstos para acontecerem no local.



Tite pode chamar atletas com pouco tempo jogado para a Copa do Mundo (Foto: Lucas Figueiredo/Divulgação)

O confronto com a Alemanha, marcado para as 15h45 (de Brasília) desta terça-feira, é a última oportunidade para Tite fazer observações antes de divulgar a lista final de convocados para a Copa do Mundo da Rússia. Alguns atletas podem até acabar relacionados mesmo com pouco tempo em campo ou apenas treinando.

“Do jeito que a gente vem trabalhando, pegando uma equipe para formatar, buscar a classificação e fazer crescer nos amistosos, com certeza alguns jogadores vão à Copa com pouca minutagem. Até porque, encerrado o jogo contra a Alemanha, vão continuar as observações para a convocação final”, disse o auxiliar Cléber Xavier.

Apesar de estar a menos de três meses do início do Mundial, Tite incluiu algumas surpresas em sua convocação para os amistosos contra Rússia e Alemanha. O centroavante Willian José, da Real Sociedad, por exemplo, jamais vestiu a camisa da Seleção principal.

“Durante todo o processo de treinamento, conseguimos inferir as tomadas de decisão, a intensidade, a capacidade mental. A gente consegue, de alguma forma, retirar isso. Até as capacidades técnicas. A rotação, o raciocínio. Não tanto quanto gostaríamos, mas conseguimos”, afirmou Tite.

O técnico Tite mandará a campo a seguinte escalação para encarar a Alemanha em Berlim: Alisson, Daniel Alves, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Casemiro; Fernandinho, Paulinho, Willian e Coutinho; Gabriel Jesus. Douglas Costa, titular contra os russos, fica na reserva.

O amistoso no Estádio Olímpico marca o reencontro entre Brasil e Alemanha após a humilhante goleada por 7 a 1 sofrida na semifinal da Copa do Mundo 2014. Daniel Alves, Thiago Silva, Marcelo, Fernandinho e Willian são os remanescentes do massacre.



Carlos Alberto Parreira não se conteve quando o amigo Luiz Felipe Scolari comentou que recebeu “notas, cartas, e-mails e telegramas de muito apoio” no dia seguinte à maior humilhação do esporte brasileiro. Naquele dia 9 de julho de 2014, a comissão técnica da Seleção Brasileira estava reunida diante das câmeras de televisão para tentar explicar a vexatória derrota por 7 a 1 para a Alemanha, nas semifinais da Copa do Mundo disputada em casa. “Felipão, eu não ia comentar, mas, já que o assunto surgiu…”, interrompeu o coordenador da Seleção Brasileira.

Parreira, então, desdobrou um papel que estava sobre a mesa e iniciou a leitura de pouco mais de 200 palavras de um e-mail endereçado à comissão técnica chefiada por Felipão. “É da Dona Lúcia, uma torcedora simples que não conhecemos”, ele nomeou, dando motivo para uma série de deboches em torno da veracidade da personagem que os incentivava. Na época, perfis falsos da fã incondicional da Seleção Brasileira foram criados em redes sociais e fizeram relativo sucesso.

Muito antes de o Brasil sucumbir no Mineirão, no entanto, uma Dona Lúcia já gozava da fama em Belo Horizonte. Ela também “não conhece muito de futebol”, conforme Parreira descreveu a remetente da comissão técnica da Seleção, e ajudou igualmente a histórica goleada alemã a ser mais bem digerida – por meio de seus restaurantes de comida típica mineira.

Plácido Domingo visitou a unidade do
Confiando no Brasil, Plácido Domingo visitou unidade do “Dona Lucinha” gerida por Márcia (foto: acervo pessoal)

Nascida em uma família de quituteiras, em 1932, em Serro (MG), Dona Maria Lúcia Clementino Nunes resolveu se dedicar à vocação depois de trabalhar como professora durante três décadas. E criou a sua própria “família Scolari”. Seis dos 11 filhos continuam ligados aos restaurantes “Dona Lucinha”, que já possuía três filiais (duas em São Paulo) e um armazém à época da Copa do Mundo de 2014.

Um dia antes de o Brasil ser engolido pela Alemanha em Belo Horizonte, a unidade matriz do “Dona Lucinha” ficou lotada – o movimento mais do que dobrou durante o Mundial. A mulher que dá nome ao estabelecimento não estava presente, cuidando de sua saúde, porém a filha e sócia-proprietária Márcia Nunes corria de um lado a outro para dar a atenção a todos os clientes. “Foi um desafio pelo tamanho da demanda, completamente fora do comum. Nos dias de jogo, então… Recebemos vários colombianos, muita gente de fora. Havia até uma dificuldade por causa do inglês”, ela recordou.

O sujeito de quase 1,90m que se aproximou do balcão do restaurante naquele dia, contudo, não era colombiano nem se apresentou em inglês. Com óculos grandes, em destaque entre os cabelos e a barba brancos, e vestindo um terno cinza sem gravata, aquele espanhol criado no México queria elogiar a comida que degustou. Márcia estava tão ocupada que não teve tempo de fitar melhor o seu cliente ao agradecer. Muito menos de perceber se ele havia experimentado o feijão tropeiro, o frango com quiabo e angu e a vaca atolada – ou pedido um pão de queijo de entrada e um doce de leite de sobremesa.

Torcedor fanático do Real Madrid, o tenor se apresenta em Copas do Mundo desde 1982
Torcedor fanático do Real Madrid, o tenor se apresenta em Copas do Mundo desde 1982 (foto: divulgação)

O que a senhora acha de abrir uma filial do seu restaurante em Nova Iorque?”, perguntou o homem, conseguindo atrair a atenção de Márcia, que respondeu com um sorriso. Ele pediu para o filho mais velho, Pepe, entregar um cartão de visitas para a filha de Dona Lúcia. Foi então que ela se deu conta de quem era o seu interlocutor, ao ler: José Plácido Domingo Embil. “Era ele! E eu estava toda descabelada!”, sorriu.

Apaixonado por futebol, o tenor Plácido Domingo foi a Belo Horizonte também para, assim como a Dona Lúcia de Parreira, incentivar o time de Felipão contra a Alemanha. O músico septuagenário já havia acompanhado de perto a conquista da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1970, no México. Em 1982, quando a sua Espanha sediou o torneio vencido pela Itália, ele deu voz à canção-tema “El Mundial”. Mais tarde, em 1990, apresentou-se com Luciano Pavarotti e José Carreras nas Termas de Caracala, naquele que foi o primeiro espetáculo dos Três Tenores. O trio voltaria a entrar em ação nas competições de 1994, 1998 e 2002. Em 2006, na Alemanha, o espanhol cantou com Anna Netrebko e Rolando Villazón.

No Brasil, após folgar na Copa do Mundo de 2010 (a primeira vencida pela sua Espanha), Plácido Domingo só se decepcionou esportivamente. O time espanhol caiu de maneira surpreendente já na primeira fase – com direito a uma goleada por 5 a 1 aplicada pela Holanda. Os holandeses também foram os algozes do México, país adotivo do tenor, nas oitavas de final. “Estou triste. Mas o que posso fazer?”, comentou ele, naquele tempo.

Havia uma Dona Lucinha que já era famosa em Belo Horizonte: a cozinheira, mãe de Márcia
Já havia uma Dona Lúcia famosa em Belo Horizonte: a cozinheira e mãe de Márcia (foto: acervo pessoal)

Havia o que fazer – abraçar a Seleção Brasileira para deixar um pouco de lado a música clássica e aproximar-se do roqueiro Mick Jagger, ao menos em relação à fama de pé-frio em Mundiais. “Vou torcer pelo Brasil. Gostaria de ver uma final entre Brasil e Alemanha”, avisou, no início de julho, prognosticando o confronto que ocorreu na semifinal e suscitou a correspondência da Dona Lúcia de Parreira.

Apesar da tragédia no Mineirão, a alegria foi inabalada no salão do “Dona Lucinha”. Plácido Domingo deu uma nota digna de um 7 a 1 ao restaurante após se levantar de uma mesa com aproximadamente oito pessoas na véspera do jogo. “Que casa maravilhosa!”, exclamou, na lembrança de Márcia. “O que eu mais gostaria de destacar é o comportamento dele. Foi muito simpático, atencioso com todos que queriam fotografias. Quando percebi que aquele era o Plácido Domingo, fiquei… Não sei a palavra… Talvez seja perplexa!”, relatou.

Márcia foi premiada por seu ídolo com um convite para assisti-lo no Rio de Janeiro, no “Concert in Rio 2014”, realizado um dia antes da derrota por 3 a 0 da Seleção Brasileira para a Holanda, na disputa pelo terceiro lugar, e na antevéspera de a Alemanha fazer 1 a 0 sobre a Argentina na prorrogação e sagrar-se tetracampeã mundial no Maracanã. O show contou com participações da soprano porto-riquenha Ana María Martínez, do pianista chinês Lang Lang e da Orquestra Sinfônica Brasileira.

xcvssd
Após servir Plácido Domingo, Márcia foi convidada ao show do tenor no Rio de Janeiro (foto: acervo pessoal)

No final da apresentação, Márcia foi ao camarim para ganhar mais um abraço de Plácido Domingo, que ainda falava com água na boca do que comeu no “Dona Lucinha” de Belo Horizonte. Àquela altura, Carlos Alberto Parreira já tinha indigestão com a receita da sua própria Dona Lúcia. O parceiro de Felipão confessou arrependimento por ter tornado a torcedora pública “em um impulso”, apesar de insistir que “a carta era verdadeira”.

AS CARTAS DE DONA LÚCIA

Quando Carlos Alberto Parreira interrompeu Luiz Felipe Scolari em suas explicações para o fracasso da Seleção Brasileira, o seguinte trecho da mensagem de “Dona Lúcia” foi pronunciado:

“Professor Felipão, acabo de ler a coletiva dada pelo senhor. Mais uma vez vi diante da câmera um homem íntegro e corajoso. Fiquei muito triste ao constatar que o ser humano muitas vezes é de uma crueldade sem limites. Tive esse sentimento ao ouvir os jornalistas lhe perguntarem sobre a dívida do senhor com a nação brasileira. E o senhor, mesmo sofrendo mais do que qualquer um ali, com toda a humildade que lhe é peculiar, deu uma resposta muito coerente. Parabéns. O senhor é um grande homem e um ser humano ímpar. É claro, professor, que eu, como os demais brasileiros, gostaríamos de estar comemorando outro resultado, porém sei que ninguém perde por vontade própria. Meu e-mail é só para agradecer pela grande felicidade que o senhor e o seu grupo proporcionaram para a nossa nação. Bom trabalho nos próximos anos. Tenho certeza de que o senhor comandará com extrema competência. Dizem que as mulheres não entendem de futebol, porém entendem de seres humanos. Portanto, envio um abraço com todo carinho para o senhor e toda a sua equipe. Fique com Deus. Lembre-se de que o sonho pode durar uma noite, mas a alegria vem ao amanhecer. Quero dizer, com essa citação, que tudo vai passar e ficará bem. Saiba que, como eu, há várias pessoas que estão acompanhando essa Seleção que tem o privilégio de ser comandada pelo senhor. Receba um abraço de uma brasileira anônima, que não conhece muito de futebol, mas que admira muito o trabalho do senhor”.

Triunfante como um tenor que acha ter cativado a sua plateia, Parreira encerrou a leitura com um agradecimento: “Obrigado, Lúcia, em nome de todas as cartas que recebemos”.

A pedido da Gazeta Esportiva, uma “Dona Lúcia” também se posicionou por ocasião do primeiro aniversário da goleada por 7 a 1 da Alemanha. Rafael Scarfone, gerente bancário que tinha 33 anos em 2015, criou um perfil falso da fã da Seleção Brasileira no Twitter a partir daquela derrota e não hesitou na hora de desincorporar o personagem para elaborar a sua própria mensagem para Dunga, o primeiro sucessor de Felipão:

A única coisa que eu escreveria para o Dunga seria a sua carta de demissão, pois ele não é merecedor dessa posição, assim como toda a cúpula da CBF. Mas agradeço a ele pela eliminação da Copa América, pois não tivemos que jogar contra a Argentina. Provavelmente, tomaríamos outra goleada.”

Dunga acabou demitido em 2016. Tite, o sucessor, terá a Alemanha pela frente nesta terça-feira, em Berlim, em jogo preparatório para uma nova Copa do Mundo. Será o primeiro encontro entre as seleções desde o 7 a 1.