COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

A Bélgica revelou a sua lista final para a Copa do Mundo com uma particularidade. Lesionado no amistoso do último final de semana, o zagueiro Kompany faz parte dos 23 nomes, porém como sua participação no mundial ainda não pode ser confirmada devido as suas condições físicas, o treinador Roberto Martinez assinou a convocação com o zagueiro Laurent Ciman na lista de espera.

A escolha em deixar um defensor de sobreaviso se dá pelas condições físicas de seu capitão que precisará ser reavaliado durante a semana para saber se terá condições de atuar ou não na Copa do Mundo. Vale lembrar que as seleções podem alterar a lista final, em caso de lesões, até 24 antes da sua primeira partida no mundial, no caso da Bélgica, Panamá no dia 18.

O capitão belga sentiu uma lesão no amistoso contra Portugal do último sábado (Foto: BRUNO FAHY / BELGA / AFP)

“Até 24 horas antes do jogo contra o Panamá ainda podemos fazer uma substituição na lista. Precisamos esperar um período de sete ou oito dias para analisar a situação de Kompany. Então teremos uma boa oportunidade para fazer um diagnóstico. Ele é um verdadeiro líder e se apresentou de maneira fantástica quando esteve em campo. Sua liderança é essencial para nós”, disse o treinador.

Além de Panamá, o grupo belga da Copa do Mundo conta com Tunísia e Inglaterra. Ainda antes da estreia na Rússia, a Bélgica fará dois amistosos para finalizar a preparação. O primeiro deles será contra o Egito, no dia 6, e o último diante da Costa Rica, no dia 11.

Goleiros: Koen Casteels (Wolfsburgo), Thibaut Courtois (Chelsea) e Simon Mignolet (Liverpool/).

Defesas: Toby Alderweireld (Tottenham), Dedryck Boyata (Celtic), Leander Dendoncker (Anderlecht), Vincent Kompany (Manchester City), Thomas Meunier (Paris Saint-Germain), Jan Vertonghen (Tottenham) e Thomas Vermaelen (FC Barcelona).

Meio-campo: Yannick Carrasco (Dalian Aerbin), Nacer Chadli (West Bromwich), Kévin De Bruyne (Manchester City), Moussa Dembélé (Tottenham), Marouane Fellaini (Manchester United), Youri Tielemans (Mónaco) e Axel Witsel (Tianjin Quanjian).

Atacantes: Michy Batshuayi (Borussia Dortmund), Eden Hazard (Chelsea), Thorgan Hazard (Borussia Mönchengladbach), Adnan Januzaj (Real Sociedad), Romelu Lukaku (Manchester United) e Dries Mertens (Napoli).

Espera: Laurent Ciman (Los Angeles Galaxy/EUA)

Croácia também está convocada

Após a disputa do amistoso contra o Brasil, quando saiu derrotada por 2 a 0, a Croácia definiu a sua lista final para a disputa da Copa do Mundo. A maior parte do trabalho do treinador Zlato Dalic já havia sido feito, e o comandante só precisou realizar um corte e escolheu o zagueiro Matej Mitrovic para deixar a seleção.

O grupo croata desse Mundial será o C, ao lado de Argentina, Nigéria e Islândia sendo a estreia contra os africanos no dia 16. Ainda antes do mundial, a Croácia encara a seleção de Senegal no amistoso final de preparação para a Copa do Mundo.

Zlato Dalic precisou fazer apenas um corte na seleção para apresentar os 23 (Foto: Oli SCARFF / AFP)Goleiros: Subasic (Monaco), Kalinic (Gent), Livakovic (Dínamo Zagreb);

Defensores: Vedran Corluka (Lokomotiv Moscou), Vida (Besiktas), Strinić (Sampdoria), Lovren (Liverpool), Vrsaljko (Atletico de Madrid), Pivarić (Dynamo Kiev), Jedvaj (Bayer Leverkusen), Caleta-Car (RB Salzburg);

Meio-campo: Modric e Kovacic (Real Madrid), Rakitic (Barcelona), Badelj (Fiorentina), Brozović (Internazionale), Filip Bradaric (Rijeka-CRO);

Atacantes: Mandzukic (Juventus), Perisic (Internazionale), Kalinic (Milan), Kramaric (Hoffenheim), Pjaca (Schalke), Rebic (Eintracht Frankfurt)



Mohamed Salah lesionou o ombro no último dia 26, na final da Liga dos Campeões entre Liverpool e Real Madrid (Foto: Genya Savilov/AFP)

Na manhã desta segunda-feira, a Federação Egípcia de Futebol divulgou os 23 jogadores que disputarão a Copa do Mundo pelo país. Com Mohamed Salah, que sofreu uma lesão no ombro na final da Liga dos Campeões, no último dia 26 de maio, a lista não possui surpresas, a não ser a convocação do goleiro Essam El Hadar, de 45 anos, que, se colocado em campo pelo técnico Hector Cuper, será o atleta mais velho a disputar uma edição do Mundial. Confira abaixo a lista completa do Egito:

Goleiros: Essam El Hadary (Al Taawoun), Mohamed El-Shennawy (Al Ahly) e Sherif Ekramy (Al Ahly).
Defensores: Ahmed Fathi, Saad Samir, Ayman Ashraf (Al Ahly), Mahmoud Hamdy (Zamalek), Mohamed Abdel-Shafy (Al Fateh), Ahmed Hegazi (West Bromwich), Ali Gabr (West Bromwich), Ahmed Elmohamady (Aston Villa) e Omar Gaber (Los Angeles FC).
Meio-campistas: Tarek Hamed, (Al Raed), Shikabala (Zamalek), Abdallah Said (Al Ahli), Sam Morsy (Wigan Athletic), Mohamed Elneny (Arsenal), Mahmoud Kahraba (Ittihad Jeddah), Ramadan Sobhi (Stoke City), Mahmoud Hassan (Kasimpasa) e Amr Warda (Atromitos Athens).
Atacantes: Marwan Mohsen (Al Ahly) e Mohamed Salah (Liverpool).

Na última sexta-feira, a seleção egípcia empatou por 0 a 0 com a Colômbia em amistoso preparatório que aconteceu na cidade de Bérgamo, na Itália. Na próxima quarta, o adversário será a Bélgica, em Bruxelas, fechando o ciclo de amistosos.

Salah está em processo de recuperação e deve perder a primeira partida da fase de grupos da Copa do Mundo, contra o Uruguai, no dia 15 de junho. Os adversários seguintes serão a anfitriã Rússia, dia 19, e a Arábia Saudita, dia 25.

Outra seleção que também divulgou sua lista final foi o Marrocos, que compõe o grupo B junto de Portugal, Espanha e Irã. Confira abaixo:

Goleiros: Monir Mohand Mohamed (Numancia/ESP), Yassine Bounou (Gérone/ESP) e Ahmed Reda Tagnaouti (Ittihad Tanger/MAR)
Defensores:
 Mehdi Benatia (Juventus/ITA), Romain Saiss (Wolverhampton/ING), Manu Da Costa (Istanbul Basaksehir/TUR), Achraf Hakimi (Real Madrid/ESP), Nabil Dirar (Fenerbahçe/TUR) e Hamza Mendyl (Lille/FRA)
Meio-campistas: 
Youssef Ait-Bennasser (Caen/FRA), Medhi Carcela (Standard de Liège/BEL), Karim El Ahmadi (Feyenoord Rotterdam/HOL), Younes Belhanda (Galatasaray/TUR), Hakim Ziyech (Ajax Amsterdam/HOL), Fayçal Fajr (Getafe/ESP), Sofyan Amrabat (Feyenoord Rotterdam/HOL), Nordin Amrabat (Leganés/ESP), Mbark Boussaoufa (Al Jazira/EAU) e Amine Harit (Schalke 04/ALE)
Atacantes:
Aziz Bouhaddouz (St. Pauli/ALE), Khalid Boutaib (Yeni Malatyaspor/TUR), Ayoub El Kaabi (Renaissance Berkane/MAR) e Youssef En Nesyri (Malaga/ESP).



A atual campeã do mundo está definida para a disputa da Copa do Mundo. Com uma lista prévia de 27 nomes, a Alemanha anuncia na manhã desta segunda-feira, data limite para a convocação final, o corte de quatro jogadores com uma grande surpresa. Destaque da temporada vitoriosa do Manchester City, o atacante Leroy Sané não irá a Rússia para disputar o Mundial.

Além do atacante de 22 anos, os outros escolhidos de Joachim Low para ficar de fora foram os O goleiro Bernd Leno, o defensor Jonathan Tah e o atacante Nils  Petersen. Na coletiva de anúncio do corte, o comandante afirmou que a escolha dos 23 foi bastante apertada.

Leroy Sané ficou de fora da lista final que representará a Alemanha na Rússia (Foto: JOE KLAMAR / AFP)

“Foi uma decisão muito apertada entre ele e Brandt. Há dias melhores na vida de um treinador de seleção, quando você tem que mandar quatro para casa jogadores incríveis, que mereciam estar na Copa do Mundo”, avaliou o comandante.

Outro destaque da convocação final alemã foi a presença de Manuel Neuer, já que o goleiro perdeu a maior parte da temporada se tratando de lesões. Dessa forma, a Alemanha irá para a Rússia com 10 atletas que vieram no Brasil há quatro anos e foram campeões mundiais.

Os atuais campeões do mundo integram o Grupo F, ao lado de México, Suécia e Coreia do Sul. A estreia alemã acontece no dia 17 de junho diante dos norte-americanos. Antes da primeira partida no Mundial, a Alemanha fará um amistoso contra a Arábia Saudita, no dia 8 de junho.

Goleiros: Neuer (Bayern de Munique), Ter Stegen (Barcelona) e Trapp (Paris Saint-Germain);

Defensores: Kimmich, Boateng, Hummels, Süle (Bayern de Munique), Ginter (Borussia Mönchengladbach), Hector (Colônia), Plattenhardt (Hertha Berlin) e Rüdiger (Chelsea);

Meias: Draxler (Paris Saint-Germain), Goretzka (Schalke 04), Gundogan (Manchester City), Khedira (Juventus), Kroos (Real Madrid),  Rudy (Bayern de Munique), Reus (Borussia Dortmund), Ozil (Arsenal)

Atacantes: Thomas Müller (Bayern de Munique), Mario Gomez (Stuttgart) Timo Werner (RB Leipzig) e Brandt (Bayer Leverkusen)





Lateral direito arrancou elogios de Tite por sua atuação contra a Croácia (foto: Pedro Martins/Mowa Press)

Danilo será o lateral direito titular da Seleção Brasileira no início da Copa do Mundo. Sem contar com Daniel Alves, contundido, o técnico Tite apostou no jogador do Manchester City na vitória por 2 a 0 em amistoso contra a Croácia, no domingo, em Liverpool, e gostou do que viu.

“O Danilo jogou muito. Jogou muito!”, repetiu Tite, quando ouviu que o jogador não havia apoiado tanto o ataque. “Nas ações defensivas de cobertura, ele beirou a perfeição. E fez as ultrapassagens onde estava o Willian no timing exato. Só não construiu igual ao Marcelo porque ninguém constrói igual ao Marcelo”, acrescentou.

Segundo Tite, Danilo largou na frente para suprir a baixa de Daniel Alves porque Fagner, o outro lateral direito da delegação brasileira, estava em recuperação de contusão muscular.

Ainda há outras dúvidas a dirimir – a principal delas, em relação ao armador central da equipe brasileira. Tite escalou o volante Fernandinho na função nos últimos dois amistosos, porém admitiu que a Seleção rendeu mais quando o meia Philippe Coutinho estava ali. Antes, o dono do posto era o também meio-campista Renato Augusto.

No ataque, o centroavante Roberto Firmino tem botado pressão, como Tite gosta de dizer, em Gabriel Jesus. O atleta do Liverpool substituiu o do Manchester City no princípio do segundo tempo do jogo contra a Croácia e teve o seu esforço recompensado com um gol nos acréscimos.

“Para o Firmino, tinha uma atmosfera de estar jogando em casa. Há uma relação de confiança, e isso pesa”, comentou Tite, sobre ter apostado em Firmino mais cedo em Anfield. “No aspecto mental, esse jogo foi exemplar”, generalizou.

O amistoso contra a Croácia foi o penúltimo da Seleção Brasileira antes da estreia na Copa do Mundo da Rússia. No domingo que vem, em Viena, o time dirigido por Tite será testado diante da Áustria, que não estará no Mundial, mas derrotou a Alemanha por 2 a 1 no sábado.

Já pelo grupo E da Copa, o Brasil enfrentará a Suíça (17/06), a Costa Rica (22/06) e a Sérvia (27/06).



Na última Copa do Mundo, Ederson era um mero desconhecido do torcedor brasileiro. Enquanto o Brasil sofria o 7 a 1, ele começava a se destacar em Portugal, mas com pouca visibilidade fora do país. Quatro anos depois, o reserva imediato de Alisson defende o Manchester City, de Pep Guardiola, e é um dos grandes goleiros do futebol mundial.

Cria da base do São Paulo, Ederson foi vendido ao Benfica em 2009, com apenas 16 anos. Em Portugal, ele foi emprestado em 2011 ao modesto Ribeirão, seu primeiro clube profissional, onde ficou por um ano. Na temporada seguinte, foi emprestado ao Rio Ave, que comprou seus direitos econômicos. Após três anos na equipe, o Benfica o trouxe de volta para ser reserva de Júlio César, veterano de três Copas do Mundo, na temporada 2015-16.

Sua estreia com a camisa do Benfica pelo Campeonato Português foi em 5 de março de 2016, no lugar do compatriota lesionado. O resultado não foi dos melhores: derrota por 1 a 0 contra o rival Sporting. Quatro dias depois, o goleiro disputou seu primeiro jogo de Liga dos Campeões: derrota fora de casa contra o Zenit-RUS, pelas oitavas de final. Apesar da derrota, o time português avançou à fase seguinte. Ederson foi titular até o final da temporada, mesmo com Júlio César recuperado.

As boas atuações pelo Benfica na temporada 2016-17 lhe renderam a primeira chance na Seleção Brasileira em março de 2017. O goleiro foi convocado por Tite para os jogos contra Uruguai e Paraguai, ambos pelas eliminatórias para a Copa do Mundo, mas não entrou em campo.

Ederson deu mais um passo à frente na carreira na temporada 2017-18. Apesar de jovem e com pouca experiência, o goleiro foi contratado pelo Manchester City pela bagatela de 40 milhões de euros, que o tornou o segundo goleiro mais caro da história. No time de Guardiola, Ederson fez parte da histórica campanha no Campeonato Inglês e chegou às quartas de final da Liga dos Campeões.

Em sua primeira temporada no futebol da Inglaterra, Ederson entrou em campo com a camisa da Seleção pela primeira vez. Em 11 de outubro de 2017, ele foi o titular na última partida das eliminatórias para a Copa, vitória por 3 a 0 sobre o Chile no Allianz Parque. A convocação para defender o Brasil na Copa do Mundo da Rússia, nada surpreendente, coroou a grande temporada do goleiro.



Natural de Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul, Alisson Ramses Becker começou cedo no futebol. Com apenas oito anos, ingressou na escolinha de futebol do Internacional, clube no qual passou sua juventude e onde seria revelado como profissional anos mais tarde.

Irmão caçula do também goleiro Muriel, que defende atualmente o Belenenses-POR, Alisson foi promovido à equipe principal do Colorado em 2013 e pouco mais de um ano depois, desbancou Dida, assumindo a titularidade da equipe a partir da 28ª rodada do Brasileirão de 2014.

O camisa 1 passou a se destacar, especialmente com a boa atuação na Libertadores de 2015, na qual o Inter fez a segunda melhor campanha geral, mas acabou eliminado na semifinal, quando Alisson inclusive defendeu um pênalti.

Um ano depois, o gaúcho conquistava seu último título pelo Internacional. Depois de levantar a taça do Campeonato Estadual, Alisson se despediu da equipe colorada para defender a camisa da Roma-ITA. A negociação foi de € 8 milhões (cerca de R$ 29,6 milhões na época) por um contrato de cinco anos.

O brasileiro não chegou como titular à capital italiana, sendo inclusive bastante questionado. No entanto, não demorou para conquistar a torcida e também seu espaço nos onze iniciais, sendo hoje titular indiscutível.

Na Seleção Brasileira, participou de torneios de base e foi campeão da Copa Sendai e do Torneio Internacional de Toulon, ambos como titular.  Sua primeira convocação para a equipe principal foi em 2015, mesmo ano em que estreou como titular na partida contra a Venezuela válida pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018.

Desde então, as boas atuações na Roma e na própria Seleção lhe renderam lugar cativo nas convocações seguintes, tanto com Dunga, como com Tite. E se em 2014 assistiu ao 7 a 1 de casa, em 2018 disputará sua primeira Copa do Mundo com o posto de titular absoluto do gol canarinho.





Arábia Saudita está no Grupo A da Copa do Mundo (Foto: Fabrice Coffrini/AFP)

Horas depois de sofrer uma derrota por 3 a 0 para o Peru neste domingo em amistoso às vésperas da Copa do Mundo, a Arábia Saudita divulgou a lista final com os 23 jogadores convocados para o Mundial.

O técnico Juan Antonio Pizzi promoveu cinco cortes, dos quais um chamou a atenção: a ausência de Nawaf Al-Abed que entrou em campo contra o Peru. Porém, a alegação para não ter sido chamado foi que o atleta ainda não se recuperou totalmente de uma lesão na virilha. Além de Abed, foram cortados o goleiro Al Qarni, os zagueiros Jahfali e Saeed Al Muwallad e o meia Al-Kuwaikbi.

A Arábia Saudita está no Grupo A da Copa do Mundo, juntamente com a Rússia, contra qual estreia na abertura do Mundial, além de Uruguai e Egito. Depois de enfrentar o Peru, os sauditas vão encarar mais um amistoso, desta vez contra a Alemanha, no próximo dia 8.

Confira a lista completa dos convocados:

Goleiros: Yasser Al Musailem (Al-Ahli), Abdullah Al-Mayuf (Al-Hilal) e Mohammed Al-Owais (Al-Ahli).

Defensores: Ali Al Bulaihi (Al Fateh), Mansoor Al-Harbi (Al-Ahli), Mohammed Al-Breik (Al-Hilal), Motaz Hawsawi (Al-Ahli), Omar Hawsawi (Al-Nassr), Osama Hawsawi (Al-Ahli) e Yasser Al-Shahrani (Al-Hilal)

Meio-campistas: Abdullah Al-Khaibari (Al Shabab), Abdulmalek Al-Khaibri (Al-Hilal), Abdullah Otayf (Al-Hilal), Taiseer Al-Jassim (Al-Ahli), Housain Al-Mogahwi (Al-Ahli), Salman Al-Faraj (Al-Hilal), Mohamed Kanno (Al-Hilal), Hattan Bahebri (Al Shabab), Salem Al-Dawsari (Villarreal-ESP) e Yehya Al-Shehri (Leganés-ESP)

Atacantes: Fahad Al-Muwallad (Levante-ESP), Muhannad Assiri (Al-Ahli) e Mohamed Al-Sahlawi (Al-Nassr)



A seleção suíça indicou neste domingo que o Brasil não deverá ter muitas facilidades em sua estreia na Copa do Mundo, marcada para o próximo dia 17 de junho, em Rostov. Visitando a Espanha em amistoso preparatório para o Mundial, o time liderado por Xherdan Shaqiri até saiu atrás na partida, mas foi persistente e conseguiu o empate no segundo tempo para sair de campo com o 1 a 1 no placar, no estádio de la Cerámica, em Villarreal.

Tida como uma das seleções favoritas ao título da Copa do Mundo, na Rússia, a seleção espanhola dominou o jogo com sua habitual troca de passes, contudo, teve dificuldades para reverter essa certa superioridade em gols. Com duas linhas de marcação bem consistentes, a suíça conseguiu frustrar os planos dos donos da casa e ganhou confiança para prosseguir com sua preparação.

A Espanha volta a entrar em campo no próximo dia 9 de junho, quando enfrenta a Tunísia, já na Rússia, em seu último teste antes do Mundial. A Suíça, por sua vez, atuará um dia antes, contra o Japão, na cidade de Lugano.

O jogo – A seleção da Espanha foi bem superior à Suíça no primeiro tempo. Com seu já bastante conhecido estilo de jogo, a Fúria não deixou os adversários respirarem, trocando passes na busca por um espaço para infiltração. De pé em pé, a equipe campeão mundial em 2010 aos poucos ia se aproximando de seu primeiro gol, algo que quase aconteceu aos 20 minutos, com Diego Costa. O atacante do Atlético de Madrid cabeceou para trás, e David Silva chegou batendo de primeira, mandando rente à trave esquerda do goleiro Sommer.

Já aos 23 minutos foi a vez de a seleção suíça responder. Priorizando a defesa, o time que irá estrear na Copa do Mundo da Rússia contra o Brasil raramente ameaçou a Espanha ao longo da etapa inicial, mas após sofrer a primeira tentativa de ataque adversária, compensou com o voleio de Dzemaili, que mandou por cima do gol de De Gea.

Retomando o controle de jogo após a solitária investida suíça, a Espanha, enfim, conseguiu reverter sua superioridade em gols aos 28 minutos graças a Odriozola. O jovem lateral-direito aproveitou o cruzamento de David Silva para, da entrada da área, bater de primeira, sem deixar a bola cair no chão, vencendo o goleiro Sommer e marcando um golaço em Villarreal. Antes de ir para o intervalo, a Fúria ainda teve a oportunidade de ampliar com Iniesta, que parou duas vezes no arqueiro rival, exigindo grandes defesas.

No segundo tempo a Espanha voltou a campo com uma importante mudança. Iniesta saiu para a entrada de Saúl. Posteriormente, Diego Costa deu lugar a Rodrigo, outro brasileiro naturalizado espanhol, e David Silva a Asensio. Porém, quem fez o gol foi a Suíça. Aos 16 minutos, o lateral-direito Lichtsteiner bateu cruzado, no cantinho, forçando De Gea a fazer a defesa. O goleiro espanhol, no entanto, tentou ficar com a bola, mas acabou cedendo o rebote, aproveitado por Ricardo Rodríguez, que precisou apenas empurrar para as redes.

Daí em diante a Espanha bem que tentou correr atrás do prejuízo e retomar a frente no placar, porém, a Suíça se manteve bem postada e segurou a pressão dos anfitriões, que tiveram de se contentar com o empate em 1 a 1 em seu adeus ao torcedor espanhol antes de irem à Rússia.