COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

O meia Andrés Iniesta vem sendo criticado por uma parcela da torcida espanhola. No entanto, Jordi Alba, lateral-esquerdo da Espanha fez questão de defender seu companheiro de Fúria, fazendo questão de frisar que os questionamentos não fazem sentido:

Em entrevista ao diário espanhol Marca, Alba afirmou: “Quem decide é o técnico, mas eu sempre colocaria o Andrés no meu time. Se você colocar em uma balança o que Andrés faz, ele sempre teria que jogar, respeitando todos os companheiros da equipe, é claro, mas ele está em outro nível do resto dos jogadores”, disse o lateral-esquerdo.

Um dos jogadores mais massacrados pela imprensa e torcedores da atual edição da Copa do Mundo é Lionel Messi. O astro argentino não tem conseguido repetir o nível de atuação do Barcelona na albiceleste. Alba também protegeu o principal jogador do time catalão:

Alba defendeu Iniesta e Messi das críticas (Foto: Pierre-Philippe Marcou/AFP)

“Ele é criticado em sua seleção e eu não entendo nada. A Argentina é imensamente melhor com o Leo (Messi) do que sem ele. Eles deveriam se orgulhar de ter Messi na seleção. Faz o resto jogar em todos os momentos. Ele é um jogador que infelizmente não ganhou as finais com a Argentina. São três e isso não é fácil. É de admirar o que ele fez pela Seleção”, frisou Alba.

Na próxima segunda-feira, a Espanha volta a campo no Mundial contra o Marrocos. A partida está marcada para às 15h00 (horário de Brasília), em Kaliningrado. Uma vitória garante a classificação e praticamente assegura o primeiro lugar do Grupo B



Monreal é reserva na Espanha (Foto: Adrian Dennis/AFP)

A seleção espanhola treinou com portas fechadas, neste sábado, no estádio Krasnodar. Antes da atividade do dia, a equipe tirou uma nova foto oficial, agora com Fernando Hierro como técnico. A grande novidade do dia foi o retorno de Nacho Monreal. O goleiro Pepe Reina segue como desfalque.

O lateral-esquerdo Monreal se recuperou de problema digestivo que o impediu de treinar com o restante do grupo na última sexta-feira. Por outro lado, o goleiro Pepe Reina segue com contratura na cervical.

Como o trabalhou foi o último realizado antes de viagem para Kaliningrado, Hierro decidiu não dar acesso à imprensa para poder ensaiar jogadas e fazer os últimos testes no time que tem em mente para enfrentar Marrocos. O presidente da Federação Espanhola, Luis Rubiales, assistiu a atividade dentro do gramado.

A Espanha encerra sua participação na fase de grupos da Copa do Mundo enfrentando o Marrocos, na segunda-feira, às 15 horas (de Brasília). Um empate garante a classificação para a próxima fase, entretanto os campeões de 2010 brigam pela liderança do grupo e o saldo de gols pode ser decisivo.



O meia Mesut Ozil fez questão de mostrar que não está chateado por ter perdido uma vaga no time titular da Alemanha em meio à turbulência que envolveu seu nome nos últimos dias. Minutos após a heroica vitória por 2 a 1 da equipe sobre a Suécia, ele publicou uma foto ao lado do atacante Marco Reus com uma mensagem de união.

“Nós somos um time só – dentro e fora do campo. Não importa o que eles digam”, disse o atleta, que se viu cercado por uma polêmica nos últimos dias depois de prestar apoio público ao presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, que briga pela reeleição neste domingo.

“Meu presidente”, dizia uma camisa entregue pelo volante Gundogan, que também estava na foto, ao político. Tanto o armador quanto o companheiro são descendentes de turcos. O apoio não caiu bem entre os defensores da direita alemã. Uma congressista chegou a dizer que não fazia sentido a dupla defender a Alemanha já que se considera turca.

Em meio a esse momento, Ozil teve uma atuação apagada diante do México, na estreia, e foi classificado como um “sapo morto” pelo ex-atleta da seleção, Mario Basler. Sacado da equipe, viu Reus, seu companheiro na foto, tomar sua vaga e marcar o gol da vitória. Nada que, aparentemente, diminua sua vontade de buscar o bicampeonato mundial.



A Alemanha dificilmente deixa suas decisões para os últimos minutos das partidas, mas precisou de uma decisão atípica para virar o placar sobre a Suécia, neste sábado, na segunda rodada do Grupo F da Copa do Mundo. Para que isso acontecesse, porém, foi necessária uma atuação memorável do meio-campista Toni Kroos, indiscutivelmente o cara da vitória por 2 a 1.

A performance, no entanto, não começou tão bem para o organizador do time alemão. No primeiro tempo, seguindo o ritmo do restante do time, errou bastante e, em uma dessas oportunidades, deu à Suécia a chance de marcar o primeiro gol. Na saída de bola, ele tocou curto para Gundogan e o passe foi interceptado. Os suecos lançaram para Toivonen, Kroos não conseguiu desarmá-lo e o centroavante encobriu Neuer para abrir o placar.

O camisa 8 do Real Madrid, no entanto, não se entregou e, ainda no começo do segundo tempo, foi o principal articulador das jogadas. Após abrir lance para Werner, viu o companheiro cruzar e Reus, dentro da área, finalizar de joelho para deixar tudo igual. Restava um gol para que a equipe dependesse apenas de si para chegar às oitavas de gol.

O desespero, porém, passou longe de Kroos. Com classe e calma, o atual tricampeão da Liga dos Campeões e remanescente do tetracampeonato conquistado no Brasil, regeu o ataque, fazendo as inversões de bola e ditando o ritmo. A bola, porém, não parecia querer entrar.

A missão ficou ainda mais difícil quando Boateng levou o cartão vermelho, deixando os suecos com um a mais em campo e a defesa alemã aberta a contra-ataques. Foi aí que Kroos mostrou toda sua qualidade. Após falta sofrida por Werner na lateral esquerda da área, ele chamou a responsabilidade e, diferentemente da maioria dos atletas, não cruzou na área.

Com calma, rolou para Reus, que só parou a bola e viu o companheiro bater no ângulo direito, sem chances para Olsen. Explosão de festa dos alemães e comemoração histórica dos ainda campeões mundiais, muito vivos na defesa do título na Rússia.



A Alemanha demorou e sofreu para conseguir passar o paredão da Suécia e conseguir vencer a partida deste sábado por 2 a 1. Contudo, mesmo com um a menos no final do confronto, conseguiu a virada com muita paciência e criando muitas oportunidades ao longo dos 90 minutos de jogo.

Os comandados de Joachim Low tiveram 71% da posse de bola contra 29% do seu adversário europeu e ainda completou 619 dos 696 passes que deu, tendo um aproveitamento de 89% nesse fundamento.

Em termos de finalizações, foram 16 tentativas para os atuais campeões. Desses arremates, cinco foram no alvo e dois entraram. Outros quatro foram para fora da meta defendida por Olsen. Os sete chutes restantes foram bloqueados pela defesa sueca.

Em termos defensivos, a equipe comandada por Jan Olof Andersson recuperou a bola 44 vezes, conseguiu dez desarmes e cometeu 13 faltas, contra 30 bolas recuperadas pelos alemães e 12 faltas.



A Alemanha precisou de um gol que só os craques podem fazer para se manter viva na Copa do Mundo. Depois de sair perdendo e, após ficar com um jogador a menos em campo, a atual campeã mundial viu o meio-campista Toni Kroos marcar um golaço, aos 50 minutos do segundo tempo, e consolidou uma vitória por 2 a 1 sobre a Suécia, em Sochi, neste sábado.

O resultado deixa a equipe com os mesmos três pontos dos suecos, empatados em saldo de gols e gols marcados. O México, com seis pontos, precisa apenas de um empate para assegurar sua passagem no Grupo F, enquanto os coreanos, zerados, seguem com uma mínima chance de avançar.

Na próxima rodada, os alemães fecham sua participação contra a Coreia do Sul, em duelo marcado para a quarta-feira, às 11h (de Brasília), na Arena de Kazan. Nos mesmos dia e horário, mas na cidade de Ekaterimburgo, os suecos encaram o líder México.

Suécia controla o jogo e sai na frente

O começo da partida parecia mostrar uma Alemanha determinada a ganhar, com uma pressão inicial que quase resultou na abertura do placar. Aos dois minutos de bola rolando, Werner invadiu a área pela direita, chutou e Olsen espalmou. No rebote, a bola sobrou para Draxler, que bateu de primeira e viu o goleiro, com os pés salvar a Suécia. Pouco depois, Werner cruzou para Reus já na pequena área, mas a zaga afastou.

Bastou um vacilo dos germânicos, no entanto, para que os suecos mostrassem sua capacidade. Rudiger foi desarmado no meio-campo e, com o campo inteiro para correr, Berg foi lançado em profundidade. O centroavante invadiu a área e, cara a cara com Neuer, acabou calçado e empurrado por Boateng. O atleta até chutou, mas houve pênalti claro não marcado pela arbitragem.

A Alemanha foi atrapalhada na sequência quando Rudy deu um carrinho e, quando Larsson tentou pular, foi acertado pelo tornozelo do sueco no nariz. O jogador ficou fora do jogo por seis minutos, com o nariz claramente quebrado, deixando o time com um a menos por todo esse tempo. Gundogan entrou na sua vaga, mas a pressão alemã já havia cessado.

O cenário ficou ainda pior quando Toivonen, aos 32 minutos, matou a bola no peito dentro da área e tocou por cima de Neuer, abrindo o placar. Os alemães quase empataram em chute de Gundogan desviado em Ekdal, mas Olsen fez boa defesa. No rebote, Lustig travou tentativa de Muller e mandou para escanteio. O último lance de perigo foi sueco, com Berg cabeceando no canto e Neuer fazendo grande defesa.

Kroos faz uma pintura no fim

Joachim Low, incomodado com a pouca produtividade da equipe na etapa inicial, resolveu voltar para o segundo tempo com Mario Gomez, um centroavante, na vaga do ponta esquerda Draxler. Timo Werner foi deslocado para a esquerda e, logo em seu primeiro lance, construiu um gol. Após cruzamento do 9, a bola passou por Gomez e Reus, de joelho, mandou no canto esquerdo, no contrapé de Olsen.

O gol deu mais moral aos alemães, que impuseram dez minutos de muita pressão sobre o adversário. Em lance pouco depois do tento, Kroos recebeu na entrada da área, cortou para o pé direito e chutou forte. A bola desviou na zaga e passou rente à trave de Olsen.

Os suecos aceitaram a pressão e jogaram o tempo inteiro com seus 11 jogadores no campo de defesa, mas conseguiram segurar bem as tentativas do adversário. O ritmo germânico sofreu um baque aos 35 minutos. Boateng tentou desarmar Berg com um carrinho e, já amarelado, recebeu a segunda advertência, acabando expulso de campo.

Mesmo com um a menos, no entanto, a Alemanha não desistiu. Gomez cabeceou e parou em Olsen. Pouco depois, Brandt carimbou a trave esquerda do goleiro. No último suspiro, porém, veio a salvação. Durmaz fez uma falta infantil na lateral da área e Kroos chamou a responsabilidade. Tocou curto para Reus, que pisou e viu o camisa 8 acertar o ângulo, consolidando uma linda virada dos alemães.

FICHA TÉCNICA
ALEMANHA 2 X 1 SUÉCIA

Local: Estádio Olímpico de Fisht, em Sochi (Rússia)
Data: 23 de junho de 2018 (Sábado)
Horário: 15h (de Brasília)
Árbitro: Szymon Marciniak (Polônia)
Assistentes: Pawel Sokolnicki (Polônia) e Tomasz Listkiewicz (Polônia)
Cartões amarelos: Boateng (Alemanha); Ekdal e Larsson (Suécia)
Cartão vermelho: Boateng (Alemanha)
Gols:
ALEMANHA: Reus, aos três, e Kroos, aos 50 minutos do segundo tempo
SUÉCIA: Toivonen, aos 32 minutos do primeiro tempo

ALEMANHA: Neuer; Kimmich, Rudiger, Boateng e Hector (Brandt); Rudy (Gundogan), Kroos, Müller, Reus e Draxler (Gomez); Werner
Técnico: Joachim Löw

SUÉCIA: Olsen; Lustig, Lindelöf, Granqvist e Augustinsson; Claesson (Durmaz), Larsson, Ekdal e Forsberg; Berg (Thelin) e Toivonen (Guidetti)
Técnico: Jan Olof Andersson



A única seleção africana a vencer na Copa do Mundo da Rússia foi Senegal, 2 a 1 sobre a Polônia e bom futebol apresentado. Porém, o grande destaque da equipe ficou por conta do treinador, Aliou Cissé elogiado nas transmissões pelo seu estilo, ganhando o título de galã do Mundial.

Na entrevista coletiva que antecede o confronto contra o Japão, Cisse recusou o rótulo de sensação da competição: “Não sei. Tem que perguntar às garotas. Não sou símbolo sexual de maneira alguma. Iguais ao Aliou Cissé tem vários em Senegal e no mundo, então acho que não. Mas de qualquer maneira é bom ser amado”, afirmou o técnico.

A grande preocupação de Cissé no momento é o duelo com os japoneses. O comandante fez uma análise do adversário e elogiou os asiáticos: “O Japão tem qualidade técnica e coletiva acima da média, eles sabem jogar com a bola, têm boa qualidade nos passes, também acima da média. Defensivamente conseguem pressionar o adversário. Nós os estudamos, conhecemos eles. Sabemos que amanhã teremos um jogo muito importante e difícil”, disse o treinador.

Aliou Cissé é o único técnico negro na Copa do Mundo (Foto: Francisco Leong/AFP)

Como um dos pontos positivos, as seleções africanas constantemente são apontadas como times mais físicos do que técnicos. Cissé fez questão de minimizar o fator, e apontou as qualidades de sua equipe:

“Os jogadores africanos são disciplinados e os times africanos são disciplinados. Não se pode pensar que times japoneses e europeus são mais disciplinados do que os africanos. Futebol requer disciplina individual, tática e coletiva. Aqui tenho jogadores que são ótimos profissionais, jogam em grandes clubes, estão na seleção há algum tempo e treinam juntos. A classificação para a Copa nos fez corrigir algumas coisas no campo e nos treinos estão fazendo o que vem sendo pedido”, pontuou Cissé.

Japão e Senegal se enfrentam neste domingo às 12h00 (horário de Brasília), em Ecaterimburgo. Os dois times venceram na estreia contra Colômbia e Polônia, respectivamente, e lideram o Grupo H, com três pontos conquistados cada um.



O México alcançou sua segunda vitória na Copa do Mundo da Rússia durante a tarde deste sábado. Parabenizados pelo presidente Enrique Peña Nieto, os pupilos do técnico Juan Carlos Osório celebraram o triunfo por 2 a 1 sobre a Coreia do Sul em Rostov.

No primeiro tempo, Jang Hyun-Soo tocou com o braço na bola após cruzamento de Guardado e cometeu pênalti, convertido por Carlos Vela. Na etapa complementar, Chicharito recebeu de Lozano em rápido contragolpe, cortou a marcação e aumentou. Nos acréscimos, Son diminuiu.

“Bravo, seleção! Que nível! Neste Mundial, faremos história. Obrigado por essa alegria. Continuemos demonstrando que, quando os mexicanos estão unidos, nada nos detém”, escreveu o Peña Nieto em sua conta oficial no Twitter, que tem mais de 7 milhões de seguidores.

Autor do segundo gol, Chicharito chegou aos quatro em Copas, igualando o recorde do compatriota Luis Hernandez, e já citou a próxima partida. “Foi um grande resultado para o México, mas, se não vencermos a Suécia, será inútil. Ainda precisamos ir a jogo jogo”, disse, cauteloso.

Responsável pelo passe para o segundo gol, Lozano festejou o companheiro. “Fizemos um bom jogo e conseguimos o resultado que queríamos. Também estou muito feliz pelo Chicharito, que marcou pela 50ª vez (pela seleção). Ele trabalha muito duro e é uma grande recompensa”, afirmou.

Com seis pontos ganhos, o México assumiu a liderança do Grupo F da Copa do Mundo. Na última rodada da fase classificatória da Copa do Mundo, às 11 horas (de Brasília) de quarta-feira, o time treinado por Osório enfrenta a Suécia dependendo de um empate para avançar, em Ecaterimburgo.



Raphael Guerreiro pertence ao Borussia Dortmund (Foto: Jonathan Nackstrand/AFP)

Fernando Santos recebeu um reforço no treino deste sábado em Kratovo. O treinador da seleção portuguesa contou com a presença de Raphael Guerreiro, que não treinou na sexta-feira por causa de uma lesão na coxa. Na parte aberta para a imprensa da atividade, o lateral-esquerdo não teve limitações.

Por outro lado, João Moutinho segue sendo desfalque em Portugal. O meio-campista está com uma síndrome gripal e voltou a não participar do trabalho realizado pelo comandante lusitano. Este foi o segundo dia consecutivo que ele se ausentou do treino.

A seleção portuguesa voltará a treinar no domingo antes de viajar para Saransk, cidade onde irá enfrentar o Irã, pela terceira rodada do grupo B, na segunda-feira, às 15 horas (de Brasília), na Mordovia Arena.

Os portugueses precisam empatar ou vencer para garantir vaga nas oitavas de final da Copa do Mundo. Uma derrota causaria a eliminação na competição. O saldo de gols é importante porque pode dar o primeiro lugar do grupo.