COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

A seleção alemã está fora da Copa do Mundo da Rússia. Nesta quarta-feira, os atuais campeões mundiais entraram em campo contra a modesta Coreia do Sul em Kazan, pela última rodada do Grupo F, mas não só não conseguiram vencer a retranca adversária como também sofreram dois gols já nos acréscimos para saírem de campo derrotados por 2 a 0, graças a Kim Youn-Gwon e Son, e com a eliminação na primeira fase do Mundial, algo inédito na história do futebol do país.

O Mundial de 1994 foi o primeiro disputado pela Alemanha reunificada e de lá para cá a pior campanha do país em Copas foram as eliminações nas quartas de final nos EUA e em 1998, na França. Atual campeã do mundo, a Mannschaft não conseguiu exibir o futebol consistente que todos se acostumaram a ver há quatro anos e conquistou apenas uma vitória na Rússia, contra a Suécia, por 2 a 1, com o gol da virada marcado aos 50 minutos do segundo tempo.

Com a surpreendente derrota da Alemanha, quem avançou às oitavas de final no Grupo F foram México e Suécia. O time nórdico começou a rodada em terceiro lugar, mas foi eficiente diante dos até então líderes da chave e saíram de campo com 3 a 0 a seu favor, placar que assegurou a primeira colocação à equipe azul e amarela.

O jogo – A Coreia do Sul não deu brechas para a seleção alemã no primeiro tempo. Extremamente obedientes na parte tática, os sul-coreanos dificultaram a vida dos rivais na busca por espaço e só permitiram que eles chegassem ao gol pela primeira vez na partida graças à uma falha própria. Aos 13 minutos, Kim saiu jogando errado e deu a bola de presenta para Reus. O meia do Borussia Dortmund acionou Leon Goretzka pela direita, que, por sua vez, tentou o cruzamento para Timo Werner, livre na esquerda. A defesa asiática, porém, conseguiu se recompor na jogada e travou o passe, mandando para escanteio.

Com o time todo no campo defensivo e deixando Son, estrela do time, sozinho no ataque, a Coreia do Sul chegou poucas vezes ao gol de Manuel Neuer nos 45 minutos iniciais, mas quando chegou, levou perigo. Aos 18, Jung bateu falta direto para o gol, e o goleiro alemão, ao tentar encaixar a bola, a deixou escapar. Contudo, no rebote, ele foi mais rápido que o atacante adversário e conseguiu mandar para escanteio.

Posteriormente, aos 24 minutos, foi a vez de Son quase balançar as redes. O camisa 7 aproveitou a sobra do cruzamento e, dentro da área, soltou uma bomba, mandando rente ao ângulo esquerdo de Manuel Neuer.

Somente na reta final do primeiro tempo, aos 38 minutos, a Alemanha voltou a ameaçar. Antes disso, o time até vinha pressionando os sul-coreanos e marcando presença no campo ofensivo, mas sem reverter a superioridade em lances de perigo. A situação mudou de figura quando Ozil acionou Timo Werner na direita. Ao tentar bater, o atacante do Red Bull Leipzig foi travado, porém, logo na sequência, após escanteio, tocou para Hummels dentro da área. O zagueiro driblou o defensor rival e na hora que ia bater para o gol viu o goleirão sul-coreano sair de baixo das traves para ficar com a bola.

Segundo tempo

Já na etapa complementar a Alemanha não demorou para mostrar eficiência. Logo aos dois minutos, Kimmich cruzou na medida para Goretzka, livre no meio da área. O meia subiu sozinho e cabeceou firme, no canto direito do goleiro sul-coreano, que voou para fazer uma defesa espetacular e evitar o gol dos atuais campeões mundiais. Depois, aos cinco, foi a vez de os alemães chegarem pela esquerda com Ozil, que acionou Timo Werner dentro da área e viu o atacante pegar de primeira, tirando tinta da trave direita de Jo Hyeon-woo.

Precisando reagir o quanto antes para não depender de outros resultados para se classificar, o técnico Joachim Löw decidiu mexer na equipe já aos 13 minutos do segundo tempo, quando o experiente Mario Gomez entrou no lugar de Sami Khedira. Pouco depois, foi a vez de Thomas Müller substituir Leon Goretzka. A formação mais ofensiva por pouco não surtiu efeito após cobrança de escanteio aos 19 minutos. Werner ficou com a bola no segundo pau após cela atravessar toda a área e bateu no cantinho, mas mandou para fora.

Com a Alemanha praticamente inteira no campo ofensivo, a Coreia do Sul sabiamente apostou na velocidade de seus jogadores para surpreender os adversários no contra-ataque. Aos 20 minutos, Moon recebeu livre na entrada da área, porém, ao invés de bater, tentou mais um corte para clarear ainda mais a jogada e acabou desarmado. Já aos 32 minutos foia  vez de Son mandar rente à trave direita de Neuer, levando a torcida asiática à loucura em Kazan.

A Alemanha, cada vez mais desesperada pelo gol, continuou martelando os sul-coreanos, mas não encontrava espaços para finalizar com mais precisão. Coube aos jogadores arriscarem de fora da área. Marco Reus, aos 38 minutos, mandou muito próximo ao ângulo direito do goleiro rival, mas não estufou as redes. Já aos 41 minutos, foi a vez de Hummels cabecear no meio da área, porém, não pegou em cheio na bola e levou as mãos à cabeça ao vê-la sair pela linha de fundo.

Para piorar, já nos acréscimos, a Coreia do Sul conseguiu abrir o placar com Gwon, que aproveitou a sobra da cobrança de escanteio para balançar as redes e acabar com qualquer esperança que a Alemanha tinha de evitar sua campanha vexatória no Mundial da Rússia. Como se não bastasse, o time asiático ainda ampliou com Son, que aproveitou a ausência de Manuel Neuer no gol para receber lançamento livre e apenas empurrar para o fundo das redes.

FICHA TÉCNICA
COREIA DO SUL 2 X 0 ALEMANHA

Local: Arena Kazan, em Kazan (RUS)
Data: 27 de junho de 2018, quarta-feira
Horário: 11h (de Brasília)
Árbitro: Mark Geiger (EUA)
Assistentes: Joe Fletcher (CAN) e Frank Anderson (EUA)

Gols: Kim Young-Gwon, aos 47 minutos do 2ºT, e Son, aos 50 minutos do 2ºT (Coreia do Sul)
Cartões amarelos: Jung, Lee, Moon e Son (Coreia do Sul)

COREIA DO SUL: Jo; Lee, Yun, Kim e Hong; J S Lee, Jung, Jang e Moon (Ju Se-Jong); Koo (Hwang) e Son
Técnico: Taeyong Shin

ALEMANHA: Neuer; Kimmich, Hummels, Süle e Hector (Brandt); Khedira (Mario Gomez) e Kroos; Goretzka (Müller), Özil e Reus; Werner
Técnico: Joachim Löw



Suecos comemoram um dos gols diante do México (Foto: Anne-Christine POUJOULAT / AFP)

O dia 27 de junho de 2018 ficará marcado para a história do futebol sueco. Isso porque a seleção nacional conseguiu um resultado que poucos esperavam: venceram o México por 3 a 0 e, além de garantirem vaga para as oitavas de final desta Copa do Mundo, terminaram como primeiro lugar do Grupo F. Agora, a Suécia esperam o resultado do Grupo E para saber quem enfrentarão na próxima fase.

Com o resultado, o México garantiu vaga para as oitavas de final em uma Copa do Mundo pela oitava vez seguida (desde 1986) mas perdeu a chance de, pela primeira vez vencer três jogos seguidos em um Mundial. Os mexicanos tiveram um dos piores resultados da equipe nos últimos anos, mas não foram eliminados já que a Alemanha não conseguiu vencer a Coreia do Sul.

O Jogo – Precisando de um bom resultado para evitar a eliminação, a Suécia partiu para cima do México logo no primeiro minuto de jogo. Rapidamente, Larsson cobrou falta para área, Berg conseguiu cabecear para o meio e, dentro da pequena área, Granqvist acabou furando uma excelente oportunidade dos suecos.

Motivados pela chance criada, os suecos se mantiveram no campo de ataque e criaram mais uma jogada ofensiva, desta vez aos cinco minutos iniciais. Forsberg arriscou um belo chute e obrigou Ochoa a fazer excelente defesa. No rebote, Granqvist pediu pênalti, porém o árbitro argentino nada assinalou.

Pressionados em campo, os mexicanos responderam aos 16 minutos. Em saída de bola errada dos adversários europeus, Lozano, um dos destaques da Copa do Mundo, deu belo passe para Carlos Vela, que acertou belo chute que passou muito perto da trave do goleiro Olsen. Logo em seguida, Forsberg apareceu livre na área e perdeu uma excelente oportunidade para a Suécia.

Um dos jogadores mais observados em campo era Chicharito Hernández. Com boas atuações nos dois primeiros jogos do time neste Mundial e maior artilheiro da história do México, o atacante chegou à marca de 50 gols com a camisa da seleção mexicana, feito conquistado apenas por ele na história do país.

Curiosamente, o jogador participou da grande “polêmica” da primeira etapa. Aos 27 minutos, o atacante tentou dominar a bola com o peito, porém acabou utilizando a mão para partir em contra-ataque, lance que imediatamente foi reclamado pelos suecos. O árbitro da Argentina revisou a imagem com o VAR, porém interpretou que o mexicano não teve intenção e nada marcou.

No segundo tempo, os suecos mantiveram o ritmo e finalmente chegaram  ao gol. Logo aos quatro minutos,  Claesson furou o chute na marca do pênalti e a bola sobrou para Augustinsson, que acertou um belo chute para abrir o marcador a favor da Suécia. Apesar de estar bem posicionado, o goleiro Ochoa nada pode fazer, já que o chute do atacante foi forte e à queima-roupa.

Com o gol, os suecos não perderam tempo e ficaram ainda mais confiantes para conseguir a classificação. Em belo contra-ataque, Berg sofreu pênalti de Moreno após o jogador mexicano tentar tirar a bola com um carrinho. Na cobrança, o zagueiro Granqvist acertou belo chute, ampliou o marcador e fez seu segundo gol na Copa do Mundo. Totalmente desanimados, os mexicanos ainda viram o zagueiro Edson Álvarez se atrapalhar após cobrança de lateral e mandar para a própria meta, ampliando para a Suécia.

 

FICHA TÉCNICA
MÉXICO 0 X 3  SUÉCIA 

Local: Arena Ecaterimburgo, em Ecaterimburgo (Rússia)
Data: 27 de junho de 2018 (Quarta-feira)
Horário: 11 horas (de Brasília)
Árbitro: Nestor Pitana (ARG)
Assistentes: Hernan Maidana (ARG) e  Juan Pablo Belatti (ARG)
Cartões amarelos: Gallardo (MEX) e Larsson (SUE)
Gols: Suécia: Augustisson (04 do 2/T) , Granqvist (16 do 2°T) e contra Álvarez (28° do T)

MÉXICO: Ochoa; Alvarez, Moreno, Herrera e Salcedo; Guardado (Jesus Corona), Gallardo (Fabián) Layún (Peralta)e Carlos Vela; Lozano e Chicharito Hernández
Técnico: Juan Carlos Osorio

SUÉCIA: Olsen; Lustig, Lindelöf, Granqvist e Augustinsson; Claesson, Larsson (Svensson,  Ekdal (Hiljemark) e Forsberg; Berg (Thelin) e Toivonen
Técnico: Jan Olof Andersson

 

 



Jesús Gallardo se tornou o jogador que mais rápido recebeu um cartão amarelo na história das Copas do Mundo (Foto: Jorge Guerrero/AFP)

O relógio do árbitro que apitava a partida entre México e Suécia marcava apenas 13 segundos quando ele precisou retirar o cartão amarelo para repreender o mexicano Jesús Gallardo, agora o jogador que mais cedo recebeu esse tipo de advertência em uma Copa do Mundo.

A partida iniciou e, logo após o apito inicial, a bola foi lançada para Toivonen e Gallardo fez peso em suas costas, ao que o juiz Nestor Quintana, da Argentina, assinalou a falta e aplicou o cartão no mexicano, gerando muita reclamação.

O campeão nesse quesito era o russo Sergei Gorlukovic, zagueiro advertido aos 55 segundos, no duelo entre Rússia e também a Suécia, mas na Copa de 1994. Com relação ao cartão vermelho, o recordista é o uruguaio José Batista, na derrota por 6 a 1 para a Dinamarca na Copa de 1986, quando foi expulso aos 51 segundos.





O Brasil enfrenta a Sérvia nesta quarta-feira, às 15h (de Brasília), e toda torcida é bem-vinda. O lateral-direito Daniel Alves, que seria titular e um dos líderes da equipe, resolveu visitar a Seleção antes da partida e até almoçou com os jogadores no hotel em Moscou.

“É diferente, visitar os companheiros, fazia tempo que eu queria vir, só que não estava permitido ainda. Eu precisava também sentir essa energia deles, trocar essa boa vibe com eles e espero que hoje seja um grande dia para a gente”, disse o jogador, que está em tratamento de uma lesão no joelho. “Vai ser diferente, vai ser a primeira vez que verei a Seleção Brasileira jogar”, revelou aos risos em um vídeo oficial da CBF.

Daniel Alves ainda disse para os torcedores focarem na vitória do Brasil e mandou um recado. “A Seleção Brasileira não é coisa dos jogadores que estão aqui, eles estão representando vocês, o nosso país, colocando tudo que está ao alcance deles para que o nosso Brasil seja bem representado. Então, galera, o nosso país precisa da gente! Vamos juntar nossas forças, nossas boas energias e mandar para cá!”.

O Brasil enfrenta a Sérvia nesta quarta-feira, às 15h (de Brasília), pela terceira e última rodada da primeira fase, pelo Grupo E. A amarelinha precisa de um empate para avançar às oitavas, mas uma vitória aumenta as chances de uma possível liderança. Se perder, o Brasil estará eliminado, a não ser que a Suíça também perca da Costa Rica no mesmo horário.



A Argentina passou por momentos de tensão durante a vitória contra a Nigéria, pelo Grupo D da Copa do Mundo, na última terça-feira. Maradona, ex-craque da seleção, estava mais uma vez no camarote acompanhando a partida e passou mal no intervalo, tendo sido atendido por médicos do local. Nas redes sociais, ele tranquilizou fãs e torcedores, enquanto em áudio para a namorada, ele afirma não ter se envolvido em nenhum problema com álcool.

Maradona desmentiu boatos de que foi internado após passar mal no jogo entre Argentina e Nigéria (Foto: Reprodução)

“Quero dizer que estou bem, que não estou e nem estive internado. No intervalo da partida contra a Nigéria, senti uma dor muito forte na nuca e sofri uma descompensação. Um médico me atendeu e recomendou que eu fosse para casa antes do segundo tempo, mas quis ficar porque estávamos jogando ainda. Como eu iria embora? Mando um beijo a todos, perdão pelo susto e obrigado pela preocupação. Teremos Diego por um tempo”, diz a publicação em sua conta oficial no Instagram.

Além da foto com a legenda, um áudio de Maradona enviado para sua namorada também caiu nas redes. “Não sei de onde tiraram que eu estava com problema cardíaco, que tiveram que me dar injeção de adrenalina. Isso me parece muito louco, muito estúpido”, disse El Pibe em mensagem de áudio pelo celular e repassada por pessoas próximas à imprensa argentina. “São três da manhã e estamos chegando em Moscou novamente. Sem nenhum problema, sem álcool e nenhuma outra história relevante”.



Farouk Ben Mustapha durante o confronto diante da Bélgica (Foto: Mladen ANTONOV / AFP)

Depois da alegria de conseguir a classificação para mais uma Copa do Mundo, a Tunísia vive um drama na Rússia. Depois de perder o goleiro titular Mouez Hassen logo na estreia, diante da Inglaterra, os tunisianos não contarão mais com Farouk Ben Mustapha, substituto que entrou durante a derrota por 2 a 1 diante dos ingleses, já que o atleta sofreu uma lesão em um dos joelhos durante o treino desta terça-feira.

Após passar por exames, os médicos diagnosticaram que o arqueiro ficará sem condições de jogo entre sete e dez dias e, com isso, não poderá atuar no último jogo da Tunísia neste Mundial, diante do Panamá. Como a equipe está seis pontos da Bélgica, segunda colocada do Grupo G, os tunisianos não tem mais possibilidade de avançar para á próxima fase da competição.

Para evitar a situação de ter apenas Aymen Mathlouthi como goleiro disponível durante o confronto desta quinta-feira, a delegação tunisiana chamou imediatamente Moez Ben Cherifia, arqueiro de 27 anos que atua no ES Tunis, da Tunísia. A Fifa ainda não pronunciou se aceitará a chegada do novo jogador, porém o time africano se baseia no artigo 54 do regulamento da Copa do Mundo para tentar fazer a troca, já que nela abre possibilidade do Comitê Organizador resolver assuntos de força maior não previstos no texto.

Apesar de já estarem eliminados, a partida diante do Panamá é muito importante para a Tunísia. Apesar de jamais ter passado da fase de grupos em cinco participações em Mundiais (incluindo de 2018), os tunisianos venceram apenas uma vez em toda história na Copa do Mundo, em 1978, e, caso vençam, terão o melhor resultado em 40 anos, quando se tornou a primeira equipe africana a triunfar em uma partida neste nível de competição.



Cristiano Ronaldo foi criticado pelo atual técnico do Irã, Carlos Queiroz, com quem trabalhou na seleção portuguesa em 2010 (Foto: Jack Guez/AFP)

Carlos Queiroz, atual técnico do Irã, e Cristiano Ronaldo não tiveram uma boa relação quando o moçambicano comandou a seleção portuguesa, na Copa de 2010. Mesmo assim, ele disse que não gostou da postura de CR7 após o empate que classificou os portugueses para as oitavas.

“Não cumprimentar um treinador que serviu 12 anos nas seleções portuguesas… Conquistei títulos europeus e mundiais, com reformas e ideias. A história da Federação Portuguesa de Futebol não começou na ilha da Madeira com Cristiano Ronaldo. Começou muito antes. E os valores que eu recebi do José Augusto, do Simões, do Eusébio, do Torres, do Jaime Graça, do Humberto Coelho, do Toni não foram estes”, iniciou o treinador ao jornal Público. 

Ainda foi adiante. “Não estou a dizer que estão errados, apenas que não são os meus e não são os de muita gente. Já tive a minha conta na África do Sul (Mundial de 2010). Algumas das pessoas que tentaram me destruir nessa altura a minha vida pessoal e profissional, hoje até são arguidos e alguns estão na cadeia ou irão para lá”.

Carlos Queiroz foi técnico da seleção portuguesa e trabalhou com CR7, com quem não possui uma boa relação (Foto: Filippo Monteforte/AFP)

Em 2010, Portugal foi eliminado pela Espanha, que seria campeã mais tarde naquela edição. Questionado pelos jornalistas sobre qual o motivo da queda, Cristiano Ronaldo respondeu na ocasião: “Quer que eu explique? Fale com Carlos Queiroz”.

Além de falar do não cumprimento trocado com o atual melhor do mundo, Queiroz também comentou a declaração de Quaresma, que se irritou com o comportamento do técnico na beira do campo.

“O Quaresma ainda vai ter de jogar pela minha seleção e não vou tecer muitos comentários, mas se todos os treinadores que teve falassem dele ficariam alguns anos a falar. Todos, desde o Sporting ao Porto. É melhor ficarmos por aqui. Se tiver de dizer alguma coisa sobre mim, que tenha coragem e diga agora. Dizer que eu não respeitei os jogadores portugueses… Como é que eu não os respeitei? Mesmo assim fiquei feliz por três me terem cumprimentado no final, o Adrien, o Bruno Alves e o Beto”, finalizou. Quaresma não foi convocado por ele na Copa de 2010.



(Foto: Jonathan NACKSTRAND/AFP)

Longe de repetir o bom desempenho que o levou ao título há quatro anos, a Alemanha busca a classificação para as oitavas de final nesta quarta-feira, às 11h(de Brasília), quando encara a Coréia do Sul na Kazan Arena, em Kazan, na Rússia, pela última rodada do Grupo F. Os alemães dividem a segunda posição com a Suécia, ambos com três pontos, enquanto que o México lidera com seis pontos. Os sul-coreanos seguram a lanterna sem terem pontuado, mas ainda estão no páreo.

Para se classificar a Alemanha, que virou e ganhou da Suécia por 2 a 1 na rodada passada, precisa vencer seu jogo e torcer por um tropeço dos suecos, que no mesmo horário enfrentam o México em Ekaterimburgo. Outra possibilidade para os atuais campeões é ganhar por uma diferença de gols maior do que à dos suecos.

Joachim Löw, treinador da Alemanha, orientou seus jogadores a pressionarem desde o começo. Porém, com muita segurança defensiva para não repetir os erros contra México e Suécia, quando o adversário abriu o placar. Diante dos mexicanos não foi possível mudar o placar.

“É importante sermos constantes, como sempre aconteceu em nossas grandes campanhas. Porém, não podemos ceder campo e cometer erros, como aconteceu nas duas primeiras partidas”, disse o treinador da Alemanha.

Os alemães admitem que estão surpresos com as dificuldades geradas para obterem a classificação. Nos últimos anos o desempenho do time tem sido acima da média da maioria dos concorrentes. Além do título da Copa do Mundo de 2014, com direito a uma goleada de 7 a 1 sobre a Seleção Brasileira, eles conquistaram a Copa das Confederações e se classificaram sem sustos para o Mundial da Rússia.

“Para nós incomoda esta situação, mas ela retrata o equilíbrio maior. Não podemos lutar contra isso. Temos apenas que nos impor ao longo dos noventa minutos, com equilíbrio e eficiência “, analisou o meia Marco Reus.

A Alemanha terá uma mudança certa nesta partida. Recuperado de uma lesão na cervical, o zagueiro Matt Hummels reaparece na vaga de Jérôme Boateng. suspenso por ter sido expulso diante da Suécia. Após se submeter a uma cirurgia no nariz por conta de fratura, o volante Sebastian Rudy foi liberado para jogar com uma máscara de proteção. Porém, Ilkay Gündogan está de sobreaviso.

(Foto: PASCAL GUYOT/AFP)

Para a Coréia do Sul a vaga é um sonho. O time precisa ganhar por dois ou mais gols de diferença e ainda torcer por uma derrota da Suécia. Apesar disso, o técnico Shin Tae-yong parece mais preocupado em tirar pontos do time alemão.

“O nosso objetivo é fazer um grande jogo e conseguir parar a grande Alemanha, porém, sei que isso é complicado. Mas não pode ser considerado impossível. Temos que fazer um jogo de entrega coletiva e obediência tática”, disse Shin Tae-yong.

O treinador da Coréia do Sul não quis antecipar a escalação que pretende mandar a campo, mas deverá manter a base do duelo com os mexicanos, quando os asiáticos foram derrotados por 2 a 1 no fim de semana.

Pelo regulamento da Copa do Mundo, as seleções se enfrentam dentro de seus respectivos grupos em turno único. Ao fim, as duas melhores colocadas avançam para as oitavas de final, enquanto que as demais voltam para casa.

FICHA TÉCNICA
CORÉIA DO SUL X ALEMANHA

Local: Kazan Arena, em Kazan (Rússia)
Data: 27 de junho de 2018 (Quarta-feira)
Horário: 11h (de Brasília)
Árbitro: Mark Geiger (Estados Unidos)
Assistentes: Joe Fletcher (Estados Unidos) e Frank Anderson (Estados Unidos)

CORÉIA DO SUL: Kim Seung-gyu, Yong Lee, Jang Hyun-soo, Kim Young-gwon e Kim Min-woo; Ki Sung-Yueng, Ju Se-jong, Koo ja-cheol e Hwang Hee-chan; Lee Jae-sung e Son Heung-min
Técnico: Shin Tae-yong

ALEMANHA: Manuel Neuer, Joshua Kimmich, Niklas Sule e Jonas Hector; Ilkay Gündogan, Toni Kroos, Thomas Müller, Mesut Ozil e Marco Reus; Timo Werner
Técnico: Joachim Löw