Com gols de Paulinho e Eduardo da Silva, Flamengo elimina Brasil-RS

Gazeta Press - Rio de Janeiro,RJ

19/03/15 | 00:04

O Flamengo garantiu a classificação para a segunda fase da Copa do Brasil ao derrotar o Brasil,de Pelotas, por 2 a 0,em partida disputada na noite desta quarta-feira, no Maracanã. Os gols foram marcados pelos atacantes Paulinho e Eduardo da Silva, ambos no segundo tempo. Na próxima fase da competição nacional, o Rubro-Negro da Gávea vai enfrentar o vencedor do confronto entre Piauí e Salgueiro, de Pernambucano. As duas equipes nordestinas só começam a duelar no dia 1º de abril.

O Flamengo garantiu a classificação para a segunda fase da Copa do Brasil ao derrotar o Brasil,de Pelotas, por 2 a 0,em partida disputada na noite desta quarta-feira, no Maracanã. Os gols foram marcados pelos atacantes Paulinho e Eduardo da Silva, ambos no segundo tempo. Na próxima fase da competição nacional, o Rubro-Negro da Gávea vai enfrentar o vencedor do confronto entre Piauí e Salgueiro, de Pernambucano. As duas equipes nordestinas só começam a duelar no dia 1º de abril.

O Flamengo soube aproveitar a vantagem construída no primeiro jogo, em Pelotas, quando venceu por 2 a 1. Depois de marcar o primeiro gol, a equipe dirigida por Vanderlei Luxemburgo apenas se preocupou em administrar o resultado, diante de um adversário muito tímido e aproveitou para poupar energias para o clássico do próximo domingo, diante do Vasco, pelo Campeonato Carioca.

O jogo - O Flamengo começou a partida disposto a não dar chances ao adversário. Logo aos quatro minutos, Canteros fez ótimo lançamento para Marcelo Cirino que tentou driblar o goleiro, mas se atrapalhou e acabou desarmado por Marcio Hahn. O lance assustou a equipe visitante que recuou ainda mais para proteger sua área, deixando Alex Amado isolado na frente.

Aos 13 minutos, Marcelo Cirino observou a posição de Anderson Pico e colocou o lateral-esquerdo em ótimas condições para finalizar. O jogador mandou a bomba e o goleiro Eduardo Martini fez grande defesa, espalmando para escanteio.

Só aos 17 minutos é que a equipe gaúcha chegou na área carioca em cobrança de falta executada por Marcio Hahn e bem defendida por Paulo Victor.

O time rubro-negro mantinha Alecsandro fixo na área, enquanto Marcelo Cirino e Gabriel penetravam pelas extremas.

O Flamengo mantinha a partida sob controle, mas encontrava dificuldades para chegar ao gol de Eduardo Martini. Só aos 27 minutos é que a torcida voltou a se agitar quando Cirino tabelou com Alecsandro e lançou Gabriel em boa posição ,mas o chute saiu fraco e o goleiro do Brasil defendeu sem qualquer dificuldade.

Aos 33 minutos, os jogadores do Brasil reclamaram muito com a arbitragem quando o chute de Felipe Garcia bateu no braço de Bressan, dentro da área, e o árbitro considerou o lance como acidental e não marcou o pênalti, como desejavam os gaúchos.

Aos 41 minutos, Marcelo Cirino, o melhor da equipe, se livrou da marcação e chutou rasteiro, exigindo outra boa defesa do experiente Eduardo Martini, no último lance importante da primeira etapa.

Os dois times voltaram sem modificações para o segundo tempo. E os dois times mantiveram o padrão da etapa inicial. Enquanto o Flamengo administrava a vantagem alcançada na primeira partida, o Brasil não mostrava qualquer ambição ofensiva e priorizava o sistema defensivo.

Só aos 12 minutos é que o Flamengo voltou a criar uma boa jogada. Pico tabelou com Marcelo e rolou para Gabriel concluir, mas o chute saiu fraco e o goleiro Eduardo Martini defendeu sem dificuldades.

Insatisfeito com o rendimento do ataque, o técnico Vanderlei Luxemburgo colocou o atacante Paulinho na vaga de Alecsandro.

Mesmo com a mudança, o Rubro-negro manteve o ritmo lento, tocando a bola para gastar o tempo diante de um adversário que não conseguia criar qualquer jogada de perigo. Só aos 23 minutos é que Cirino arriscou, de longe, e Eduardo Martini defendeu.

Mesmo sem forçar muito, o Flamengo marcou o primeiro gol, aos 25 minutos, através de Paulinho. O atacante recebeu na esquerda, se livrou da marcação e chutou forte. A bola desviou na zaga e enganou o goleiro Eduardo Martini.

Depois de sofrer o gol, o Brasil tentou adiantar suas linhas, mas a falta de qualidade técnica dos seus atacantes impediu que o time do Rio Grande do Sul chegasse na área rubro-negro em condições de concluir. Só aos 44 minutos é que Nena exigiu de Paulo Victor a sua primeira defesa difícil.

No apagar das luzes, o time carioca ainda marcou o segundo gol. Eduardo da Silva aproveitou o cruzamento de Marcelo Cirino para definir o resultado.

Deixe seu comentário