Vaias, destaque carioca e a mesma Bolívia: o único jogo de Copa América no Morumbi - Gazeta Esportiva
Copa América Copa América

Palco da abertura da Copa América de 2019 entre Brasil e Bolívia nesta sexta-feira, o Morumbi tem um longo histórico recebendo a Seleção Brasileira. Desde a inauguração do estádio em 1960 até o último jogo disputado na casa são-paulina, foram 29 apresentações da Amarelinha. Apesar do número alto de partidas, a maioria esmagadora se concentrou em amistosos e compromissos pelas Eliminatórias da Copa do Mundo. No contexto continental, o estádio só recebeu um jogo de Copa América, há 40 anos atrás, contra o mesmo time boliviano.

O ano era 1979, entre o título inédito do Guarani e a conquista invicta do Internacional no Brasileirão, o Brasil disputava seu último torneio sob comando de Cláudio Coutinho. Após a frustrante derrota no Mundial de 1978, a Seleção acumulava oito anos sem triunfos e estava no grupo B do torneio sul-americano, com Argentina e Bolívia. Diferente da edição de 2019, a Copa América não tinha sede fixa, e as equipes faziam confrontos de ida e volta em cada país.

Após derrota de 2 a 1 na altitude de La Paz para os bolivianos na estreia, a Amarelinha se recuperou com vitória em clima de revanche contra a Argentina, em novo 2 a 1, no Maracanã. Já com um revés na conta, o time de Coutinho tinha a obrigação de vencer a Bolívia para para eliminar La Verde e se manter vivo para o confronto contra os argentinos em Buenos Aires.

Com o empurrão de quase 110 mil pessoas, a Seleção entrou em campo favorita, confiante, mas inquieta. Os mandantes atacaram, atacaram e nada de bola na rede. 0 a 0 no intervalo para a impaciência dos espectadores e Coutinho. “O culpado desse empate no 1º tempo foi o juiz e a falta de sorte. Só isso”, relatou o então pressionado comandante ao jornal Gazeta Esportiva. O técnico reclamava da benevolência do árbitro com os adversários, que faziam duras faltas nos brasileiros e não eram punidos com o cartão amarelo.

(Foto: Arte/Gazeta Esportiva)

Com o empate persistindo até o intervalo, entrou em cena um ritual até então comum nos estádios de São Paulo ao receber a Seleção: as vaias. A homenagem infame normalmente vinha para jogadores de outros estados, principalmente cariocas. Mas sem balançar a rede contra a Bolívia, sobrou até para Nílton Batata, principal meia do Santos na época.

Já preocupados com o resultados, os jogadores reclamaram na saída do gramado. À Gazeta, Nilton falou que as vaias não aconteciam em outras partes do Brasil, ainda mais quando jogavam no Maracanã. O zagueiro Edinho saiu em defesa do colega: “eu não entendo a razão dessas vaias. Eles mal esperam a nossa entrada em campo e assim que a partida começou, as vaias começaram. Será que essa gente não torce para o Brasil? Em vez de ajudar a nossa Seleção, os torcedores ajudam o time da Bolívia”, bradou.

Toninho (direita) e Nílton Batata (esquerda), jogadores da Seleção Brasileira, durante o treino preparatório para a partida contra a Bolívia, válida pela Copa América de 1979 (Foto: Acervo/Gazeta Press)

Para completar a receita do caos, o campo do Morumbi estava duro e mal tratado. O gramado sofria com as geadas que acometeram São Paulo no inverno de 1979 e atrapalhavam o bom seguimento do jogo, ainda mais para quem queria vencer a partida.

Mas o futebol é dinâmico. Com um minuto de segundo tempo veio o alívio: gol do Brasil. Júnior cobrou falta da esquerda para o meio da área; sem marcação, Tita se esticou e alcançou com a ponta da chuteira a bola, que matou o goleiro e entrou no canto esquerdo da meta. Ironia com a torcida paulista, o desafogo começou e terminou com jogadores do Flamengo.

“Esse jogo seria o meu segundo jogo com a Seleção. Eu tinha estreado uma semana antes contra a Argentina, tinha feito o gol da vitória. O Nílton Batata era o titular e não pôde jogar contra a Argentina e aí nós viemos para jogar esse jogo em São Paulo”, relembra Tita em entrevista exclusiva à Gazeta Esportiva.

(Foto: Acervo/Gazeta Esportiva)

“Eu estava no banco de reservas, porque o Nílton Batata tinha se recuperado de uma dor nas costas. Ele jogou o primeiro tempo, o Coutinho me chamou porque quando ele chegou no vestiário viu que não podia continuar e pediu para sair. Eu estava no banco junto com o Nelinho e falei ‘pô Nelinho, eu vou entrar nesse jogo aí, vou fazer um gol e vou dedicar para você cara’. Aí eu entrei e no meu primeiro toque na bola foi o lance do gol”, relembrou com gosto.

“Foi uma falta pela esquerda. O Júnior bateu no centro da área e eu entrei de carrinho, meti o pé na bola e fiz 1 a 0. Se você for ver esse gol, vai ver que eu vou no banco de reservas comemorar com o Nelinho. A partir desse lance o estádio começou a apoiar a Seleção. O Brasil era sempre muito cobrada em São Paulo”, disse o ex-atacante.

Mesmo mais aliviados, os espectadores seguiram esperando mais. Queriam uma goleada e o placar seguia magro. O auge das vaias aconteceu no meio da segunda etapa, com a impopular troca de Zenon, então no Guarani, por Palinha. A torcida pedia a saída de Zico.

Zenon, jogador da Seleção Brasileira, durante partida contra a Bolívia, válida pela Copa América de 1979 (Foto: Acervo/Gazeta Press)

Como a noite era mesmo de ironias, o Brasil chegou ao segundo gol já nos acréscimos, com Zico em assistência de Palinha. O substituto de Zenon cobrou escanteio e os bolivianos vacilaram e deixaram o camisa 10 da Seleção livre da área. O craque do Flamengo emendou um sem-pulo de primeira para garantir a vitória.

Após o gol, os bolivianos se desentenderam com os brasileiros. A confusão se generalizou e demorou alguns minutos para ser resolvida. Com o 2 a 0 no placar, a Seleção garantiu a vantagem do empate na Argentina devido ao saldo de gols, superior ao da Bolívia. Uma semana depois, o Brasil empatou por 2 a 2 em Buenos Aires e garantiu a vaga do grupo. A última campanha de Coutinho à frente da equipe, porém, não durou muito mais. A Amarelinha caiu logo depois, nas semifinais, para o Paraguai, após derrota por 2 a 1 em Assunção e empate por 2 a 2 no Maracanã.

FICHA TÉCNICA
BRASIL 2X0 BOLÍVIA

Local: Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 17 de agosto de 1979, quinta-feira
Árbitro: José Vergera (Venezuela)
Assistentes: Ramires (Chile) e Martinez (Peru)
Público: 109.735

BRASIL: Leão; Toninho, Amaral, Edinho e Junior; Baptista, Zico e Zenon (Palinha); Nilton Batata (Tita), Sócrates e Zé Sérgio. Técnico: Cláudio Coutinho.

BOLÍVIA: Jumenez; Vargas, Espinoza, Vaca (Delfim) e Del Llano; Gonzales, Romero e Aragonez; Borja, Reynaldo e Aguillar. Técnico: Ramon Blacutt.

Gols: Tita, no primeiro minuto do 2º tempo, e Zico, aos 46 minutos do 2º tempo (Brasil).

*Especial para a Gazeta Esportiva



O astro argentino Lionel Messi admitiu que o adiamento da Copa América 2020 para 2021 foi “uma decepção”, mas considerou a decisão “normal e lógica”, diante da situação de crise criada pela pandemia do coronavírus.

“Adiar a Copa América foi uma enorme decepção, mas era o mais normal e lógico”, afirmou o atacante argentino nesta quarta-feira ao site da fornecedora de material esportivo Adidas.

“A Copa seria um grande acontecimento para mim neste ano e tinha uma grande vontade de voltar a disputá-la”, completou o capitão da seleção argentina e do Barcelona.

Foto: AFP/Eitan Abramovich

Em 17 de março, a Conmebol decidiu adiar para junho de 2021 a Copa América, que seria disputada este ano na Argentina e na Colômbia.

“Foi duro quando fiquei sabendo do adiamento, mas compreendi perfeitamente”, afirmou Messi, que, após semanas de confinamento na Espanha devido à pandemia, voltou a treinar com os companheiros de Barcelona.

“Não podemos pensar no que estamos deixando para trás este ano. É melhor pensar no futuro”, insistiu o craque, de olho na volta do futebol na Espanha, onde o campeonato nacional deverá retornar no fim de semana de 12 de junho com jogos com portões fechados.

Foto: Kirill Kudryavtsev/AFP

Jogar sem público “envolve uma série de desafios. A preparação a nível do grupo é a mesma que para qualquer outro jogo, mas é verdade que individualmente é preciso se preparar e se mentalizar para jogar sem público, porque é muito diferente”.

“Mas é normal que, se voltar, seja desta maneira devido a tudo isso que estamos vivendo. Com tudo que está acontecendo no mundo é perfeitamente compreensível”, completou Messi, que não esconde ter “muita vontade de voltar a competir”.

“Será como começar novamente”, considerou, concluindo que “tecnicamente será a mesma temporada, mas acredito que todas as equipes e todos os jogadores viverão isto de forma diferente”.



Por meio de uma videoconferência realizada nesta quarta-feira, o Bureau do Conselho da Fifa homologou algumas das medidas tomadas para combater a disseminação do novo coronavírus. A entidade incluiu no calendário internacional as novas datas da Eurocopa e da Copa América, realizadas entre 11 de junho e 11 de julho de 2021, e comunicou que decidirá futuramente sobre o reagendamento do novo Mundial de Clubes.

Além disso, a Fifa também anunciou o desenvolvimento de um grupo de trabalho entre as confederações, com o intuito de monitorar a evolução da situação em cada continente e agir de maneira coordenada para resolver as questões relativas à pandemia do Covid-19 no futebol.

Fifa comunicou que decidirá futuramente sobre Mundial de Clubes (Foto: Fabrice Coffrini/AFP)

O objetivo é garantir que sejam encontradas soluções que atendam a todas as competições, de todos os níveis, garantindo a saúde dos participantes. Como medida de prevenção à transmissão da doença, diversas competições no mundo inteiro foram paralisadas por tempo indeterminado.

A entidade também informou que irá checar se há a necessidade de emendas ou alterações temporárias ao sistema de regras de transferências de jogadores, para proteger as relações contratuais entre atletas e clubes, ajustando os períodos de registro.

Considerando o impacto econômico da situação, a Fifa ainda irá avaliar se será necessária a criação de um fundo de suporte financeiro a nível mundial e como os mecanismos para isso seriam definidos.

Para completar, a entidade comunicou a doação de 10 milhões de dólares para a Organização Mundial da Saúde (OMS), para o fundo de resposta ao vírus da Covid-19.

“Essa situação excepcional exige medidas e decisões excepcionais. Essa crise afeta o mundo inteiro e é por isso que as soluções precisam levar em consideração os interesses de todas as partes ao redor do mundo. Hoje mostramos novamente um espírito de cooperação, solidariedade e unidade. Gostaria de agradecer a todos os presidentes das confederações por suas contribuições e esforços positivos. Conto com o apoio de toda a comunidade do futebol para avançar”, declarou o presidente da Fifa, Gianni Infantino.



 

A Copa América seguirá sendo disputada na Argentina e Colômbia (Foto: Lucas Figueiredo/ CBF)

Em função da pandemia do coronavírus, a Copa América deste ano está adiada para 2021. A decisão foi comunicada em nota pela Conmebol na manhã desta terça-feira.

“Após uma detalhada análise da situação em torno à evolução mundial e regional do Coronavírus (COVID19), e das recomendações realizadas pelos organismos internacionais em matéria de Saúde Pública para extremar as precauções, a Conmebol comunica o adiamento da edição 47ª da Conmebol Copa América nas datas de 11 de junho a 11 de julho de 2021“, diz parte do comunicado.

A disputa do maior torneio de seleções da América estava agendada entre os dias 12 de junho e 12 de julho, na Argentina e Colômbia. Doze países estão envolvidos na disputa. Além dos dois sede, Chile, Uruguai, Paraguai, Bolívia, Equador, Brasil, Venezuela e Peru participariam, bem como os convidados Catar e Austrália.

No próximo ano, a Copa América será realizada de 11 de junho a 10 de julho. O chaveamento será o mesmo e a ordem das partidas não sofrerá nenhuma alteração, segundo a Conmebol.

A decisão foi tomada em acordo com a Uefa, que também postergou a disputa da Eurocopa, inicialmente marcada para o mesmo dia 12 de junho deste ano.

A Seleção Brasileira está na chave B da Copa América, ao lado de Colômbia, Equador, Peru, Venezuela e Catar. A estreia do time de Tite estava agendada para 14 de junho, diante da Venezuela, no estádio Olímpico Pascual Guerrero, em Cali, na Colômbia.



Gabigol superou Neymar entre os jogadores mais citados (Foto: Alexandre Vidal/CRF)

Nesta terça-feira, o Twitter divulgou a lista com os assuntos mais comentados no Brasil em 2019. Não bastasse o Flamengo ter sido o clube com maior destaque na rede social, o atacante Gabigol liderou a lista entre os atletas. Curiosamente, o camiseta 9 ficou à frente de Neymar, que estava na ponta do levantamento feito em junho.

Quando o assunto são os campeonatos mais citados neste ano, a Libertadores da América ocupa o topo da lista. O pódio se completa com a Copa do Mundo de Futebol Feminino e a Copa América, respectivamente.


Levando em consideração todas as partidas de futebol disputadas no mundo, a decisão pelo troféu mais cobiçado da América do Sul, entre Flamengo e River Plate, foi a mais comentada.

Abaixo, confira as listas divulgadas:

Atletas:
1. Gabigol (Flamengo)
2. Arrascaeta (Flamengo)
3. Neymar (PSG)
4. Bruno Henrique (Flamengo)
5. Diego Ribas (Flamengo)

Campeonatos:
1. Libertadores
2. Copa do Mundo de Futebol Feminino
3. Copa América

Times:
1. Flamengo
2. Vasco
3. Corinthians
4. São Paulo
5. Palmeiras
6. Fluminense
7. Cruzeiro
8. Santos
9. Internacional
10. Atlético-MG



Estão definidos os grupos e os confrontos da Copa América de 2020, realizada entre 12 de junho e 12 de julho na Colômbia e na Argentina. Em evento ocorrido nesta terça-feira, em Cartagena, em território colombiano, a Conmebol sorteou as chaves, que já estavam pré-definidas, e o calendário da competição.

Os destinos de Austrália e Catar, seleções convidadas, também foram determinados. A primeira se junta a Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai e Uruguai no Grupo Sul, com disputa em solo argentino. Já a segunda fica no Grupo Norte ao lado de Brasil, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela, em chave que será sediada na Colômbia.

O primeiro confronto da Copa América será entre Argentina e Chile no Monumental de Núñez, em Buenos Aires, no dia 12 de junho. Já o jogo de estreia da Seleção Brasileira, atual campeã do torneio continental, está marcado para o dia 14 do mesmo mês, contra a Venezuela, em Cali.

Além disso, no evento desta terça-feira foi divulgado que Pibe foi o nome escolhido para o mascote da competição, por meio de votação na internet. A bola oficial do torneio também foi apresentada.

A próxima edição da Copa América, realizada apenas um ano depois da última, faz parte de uma adequação de calendário. A partir de 2020, o torneio seguirá os moldes da Eurocopa e será disputado de quatro em quatro anos, apenas em anos pares.

Além disso, o formato também foi alterado. Agora, as 12 seleções são divididas em dois grupos de seis, nos quais as equipes se enfrentam em turno único. Os quatro melhores colocados de cada chave se classificam para o mata-mata, com quartas de final, semifinal e final. A decisão está marcada para 12 de julho, em Barranquilla, na Colômbia.

Confira a sequência de partidas do Brasil na primeira fase da Copa América de 2020:

Brasil x Venezuela, 14/06 (Cali)

Brasil x Peru, 18/06 (Medellín)

Brasil x Catar, 23/06 (Barranquilla)

Brasil x Colômbia, 27/06 (Barranquilla)

Brasil x Equador, 01/07 (Bogotá)

 




Além de três meses de suspensão, Messi foi punido em R$ 194 mil. (Foto: Nelson ALMEIDA/AFP)

A Conmebol divulgou nesta sexta-feira uma nota com a punição de Messi por ter dito que a Copa América deste ano estava armada para a Seleção Brasileira vencer, após a disputa de terceiro lugar contra o Chile. Naquela oportunidade, o camisa 10 ainda foi expulso.

O Tribunal de Disciplina da Conmebol anunciou que Lionel Messi está suspenso pelos próximos três meses por ter chamado a entidade de “corrupta”. A medida também serve para os amistosos da seleção. Durante este período, há duas datas Fifa marcada, nos meses de setembro e outubro.

As Eliminatórias da Copa do Mundo-2022 estão marcadas apenas para março de 2020, logo o argentino não perderá nenhuma partida oficial, apenas quatro amistosos.

Messi também foi punido financeiramente em US$ 50 mil, aproximadamente R$ 194 mil.

Durante a competição continental, o astro não poupou críticas à entidade. Após a derrota para o Brasil na semifinal, a maior reclamação foi pelo não uso do VAR em um suposto pênalti para a Argentina e uma irregularidade no primeiro gol brasileiro.

Depois de ser expulso pela segunda vez na carreira, contra o Chile, Messi novamente repudiou a Conmebol.



Lionel Messi foi multado em 1500 dólares (R$ 5,6 mil) e suspenso por um jogo após suas declarações polêmicas em que critica fortemente a Conmebol. O craque argentino insinuou que a entidade havia beneficiado o Brasil, anfitrião da Copa América, e a acusou de corrupção.

A suspensão de um jogo se deveu à expulsão de Messi na vitória da Argentina por 2 a 1 sobre o Chile, na disputa pelo terceiro lugar da Copa América. O camisa 10 não participou da cerimônia de premiação após a partida e disse à imprensa que “não gostaria de participar de toda essa corrupção”.

Como não pôde cumprir suspensão automática na Copa América, Lionel Messi será desfalque no primeiro jogo da Argentina nas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2022, no Catar.

A AFA (Associação de Futebol Argentino) chegou a pedir para que a Conmebol revisasse o lance em que Messi é expulso, alegando que o episódio era para cartão amarelo, não vermelho, porém, isso não deverá acontecer.



Depois de criticar duramente a Conmebol tanto após a partida contra o Brasil quanto diante do Chile na Copa América, indicando um suposto favorecimento da entidade ao título da Seleção Brasileira, Lionel Messi parece ter se arrependido. Isso porque, de acordo com o jornal Clarín, o craque enviou um ofício junto a AFA se desculpando pelas declarações.

Lionel Messi criticou a Conmebol após as partidas contra Brasil e Chile (Foto: Nelson ALMEIDA/AFP)

Em sua reportagem, o diário argentino revela que Messi tentou ao máximo se justificar junto a Conmebol, afirmando que as declarações foram dadas de cabeça quente após ter sido expulso na disputa de terceiro lugar frente ao Chile, punição que considera injusta. Além disso, o atacante teria indicado que não quis associar a palavra “corrupção” à entidade.

O pedido de desculpas vem pouco tempo depois da Conmebol anunciar que abriria um processo disciplinar contra o atacante pelas declarações na Arena de Itaquera. De acordo com o regulamento, Messi pode ser suspenso por até dois anos e ainda ter de pagar uma multa de 50 mil dólares (cerca de R$ 187 mil) caso não consiga provar suas denúncias com provas definitivas.

Ao que parece, no entanto, as desculpas de Lionel Messi foram bem aceitas pela entidade Sul-Americana e sua Comissão de Ética da Conmebol. Dessa forma, a expectativa da Associação Argentina de Futebol é que a denúncia seja retirada e que o atacante não seja punido, estando livre para voltar a atuar com a camisa da Albiceleste na Copa América de 2020 e nas Eliminatórias.



Neymar participou de evento em seu instituto (Foto: Miguel SCHINCARIOL / AFP)

Cortado da Copa América por uma lesão no tornozelo direito, Neymar assistiu à Seleção Brasileira vencer o Peru na final e levantar o troféu da competição continental das tribunas do Maracanã. Para o jogador do Paris Saint-Germain, a conquista canarinha serviu para mostrar que a equipe de Tite não depende somente de seu futebol para alcançar os resultados.

“Nada depende só de um jogador, porque é um grupo. É a Seleção Brasileira e nunca vai depender só de um cara. Isso serviu para que muita gente cale um pouco a boca, fale menos e respeite mais todos os jogadores”, disse em entrevista à agência Reuters após evento realizado em seu instituto na Praia Grande, litoral paulista. 

“Ninguém conhece o que a gente passa ali dentro, ninguém sabe como a gente torce um pelo outro, independentemente da forma, se eu estava jogando ou não. Eu até fiquei muito mais feliz deles vencendo a Copa América, do que se eu estivesse dentro de campo”, completou.

Após não se reapresentar ao Paris Saint-Germain na data estipulada pelo clube, a última segunda-feira, Neymar tem seu nome especulado com força no Barcelona. O presidente do clube blaugrana, inclusive, já disse que o desejo do atleta é deixar o PSG. 

Diante desse cenário, o atacante brasileiro elegeu um momento pelo ex-clube diante do atual time como a melhor lembrança de um vestiário na carreira. “Não sei… Acho que quando ganhamos do PSG, no Barcelona. Nosso vestiário estava completamente… Todos loucos, muito contentes. Acho que foi a melhor sensação”, declarou, se referindo à virada histórica do Barça sobre a equipe parisiense no Camp Nou, pela Liga dos Campeões de 2016/17.