Futebol/Campeonato Brasileiro

Clubes aprovam o fim da venda de mandos de campo no Campeonato Brasileiro

São Paulo , SP
27/02/2020 17:39:22

Em: Athletico-PR, Atlético-GO, Atlético-MG, Bahia, Botafogo, Bragantino, Brasileiro Série A, Ceará, Corinthians, Coritiba, Flamengo, Fluminense, Fortaleza, Futebol, Gazeta Press, Goiás, Grêmio, Internacional, Notícias, Palmeiras, Santos, São Paulo, Sport, Times, Vasco

Os 20 clubes que formam a Série A do Campeonato Brasileiro votaram e aprovaram, nesta quinta-feira, o fim da venda de campo na competição nacional.

Apesar do veto, entretanto, a CBF poderá avaliar casos excepcionais por motivos técnicos. A informação foi divulgada pelo Uol Esporte.

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) levou a proposta para ser votada entre os clubes. A venda de mando, até o ano passado, só era vetada nas cinco rodadas finais do Brasileirão. Antes disso, as equipes podiam levar jogos para fora de seus estados para ter um maior ganho financeiro.

Segundo a reportagem do Uol Esporte, o Flamengo era um dos clubes a favor da venda de mandos, com o argumento de que o Rubro-Negro é um time com torcida em todos os lugares.

Foi aprovada também a redução no número de atletas inscritos na Brasileirão. Até o ano passado os clubes podiam contar com até 45 jogadores. A partir de 2020, serão 40 jogadores inscritos por equipe, que poderá fazer até oito alterações durante a competição.

A CBF ainda levou a proposta de limitar a troca de técnicos, mas os clubes não quiseram discutir e sequer colocaram em votação.




  • Jorge *

    No ano passado o Flamengo jogou como “VISITANTE” no Estádio Mané Garrincha, lotado de flamenguistas, contra CSA, VASCO DA GAMA e AVAÍ. Só não jogou contra o GOIÁS em Brasília porque a torcida do time goiano fez pressão para que o jogo fosse no Estádio Serra Dourada. Então, o Flamengo em 2019 podia ter tido 23 “mandos de campo”, enquanto a maioria teve 19 mandos de campo. .

  • Jorge *

    Como a maioria dos clubes da Série A do Brasileirão tem o seu programa “SÓCIO-TORCEDOR”, quem vendesse o mando de campo estaria traindo esse sócio-torcedor que não poderia assistir ao seu time na cidade-sede do clube.