Bruno Henrique decepciona e Gabriel supera vaias nos “reencontros”

Bruno Ceccon e Tomás Rosolino - São Paulo , SP
12/07/2017 23:52:27 — 13/07/2017 00:31:20

Em: Brasileiro Série A, Corinthians, Futebol, Palmeiras

O reencontro dos volantes Bruno Henrique e Gabriel com suas respectivas ex-equipes teve o visitante corintiano em grande noite diante do mandante palmeirense, substituído no intervalo após cometer pênalti em Guilherme Arana. Com passagens marcantes pelos arquirrivais do Derby, incluindo títulos brasileiros, os dois viveram uma noite de alto para o já estabelecido alvinegro e baixo para o novato alviverde.

A recepção para os dois foi bastante distinta, a se levar em conta o local da partida. Xingado desde que foi ao gramado para fazer aquecimento, Gabriel recebeu muitas vaias ao ser anunciado no telão do estádio. Gritos de “traidor” puderam ser ouvidos para o meio-campista, que deixou o Verdão logo após a conquista do Campeonato Brasileiro do ano passado, por falta de acordo para a aquisição dos seus direitos econômicos.

Conta para a antipatia palmeirense o fato de o atleta ter provocado o ex-clube em algumas entrevistas, desdenhando do título da Copa Rio de 1951, valorizado como um torneio de nível mundial pelos palmeirenses. No primeiro toque na bola, por sinal, muitas vaias, logo após ele afastar o perigo de uma jogada pelo lado direito dos donos da casa, vibrando bastante com a intervenção, como lhe é de costume.

Do outro lado, em casa mesmo com apenas três jogos pelo clube até o Derby, Bruno Henrique começou mal tecnicamente, errando passes na hora de armar as jogadas e arrancando até alguns murmúrios de insatisfação da torcida. Para piorar ainda mais sua situação, o ex-corintiano chegou atrasado em passe de Romero e acabou derrubando Guilherme Arana, ambos remanescentes da sua época no Timão, cometendo pênalti. Na cobrança, Jadson, um de seus melhores amigos da época de Parque São Jorge, abriu o placar.

O tento fez com que os anfitriões se lançassem ao ataque e dessem mais trabalho para Gabriel, que travou duelo individual com Dudu até o intervalo, com direito a muitas trocas de empurrões na disputa pela bola. Bruno Henrique, por sua vez, arriscou um chute perigoso, por cima do gol de Cássio, na sua última ação de perigo antes de ser substituído por Borja na volta para o segundo tempo.

Sem o “benefício” de sair e precisando encarar mais 45 minutos de vaias, Gabriel conseguiu tirar de letra o restante da partida. Dono de boa partida na proteção da zaga, travou a maioria dos lances do adversário na entrada da área e deixou o gramado sem levar o cartão amarelo, desejo pessoal do meio-campista antes da aprtida.

“Para mim, a vitória significou três pontos. Nossa equipe é muito concentrada, focada, estou muito feliz pela vitoria e pelo meu comportamento”, avaliou ele. “Sabia que ia ter provocação. Fico feliz por não ter tomado cartão, fiz só uma, duas faltas. Esperava essa recepção, normal, mas hoje defendo a camisa do Corinthians e vou defender até o fim”, comentou, triunfante, o camisa 5 corintiano.