Tata Martino brinca: “Messi é um cabeça dura”

São Paulo, SP

10-02-2016 15:47:57

O treinador da seleção argentina, Tata Martino, não teve dúvida ao afirmar que Messi é um ‘cabeça dura’ positivo. Esse é o único motivo para ele insistir em usar a camisa albiceleste por tantos anos, apesar das críticas e da falta de títulos. Em entrevista ao site “goal.com”, ele ainda elogiou o comprometimento do craque, discordou das acusações de que os jogadores não dão raça pelo time nacional e assegurou: “não é fácil ser Messi”.

Tata é a única pessoa que já comandou o camisa 10 em dois times diferentes: na seleção e no Barcelona. Com uma relação muito boa, ele diz que o cinco vezes vencedor da Bola de Ouro é um ‘tipo comum’.

“Apesar de ser o melhor do mundo, Messi é um tipo comum. Ele fala e se relaciona como uma pessoa comum. Precisamos entender o quanto é difícil ser ele. É uma pessoa que joga futebol, mas também tem a sua vida e a sua família como qualquer um. Tem problemas para resolver dentro da família e, além disso, as coisas nem sempre vão bem no futebol. Não é como todos imaginam: uma vida de desfrute pleno”, comentou.

Uma das poucas ausências no currículo do craque é a ausência de títulos expressivos com a seleção do seu país. Muitos, inclusive, o criticam por não atuar tão bem pelo time nacional como faz no Barcelona. A sua principal conquista pela Argentina foram os Jogos Olímpicos de 2008. Martino afirma não ver diferença entre a sua forma de atuar em nenhum lugar e o fato de continuar tentando mostra como ele é comprometido com o país.

“Não há essa dúvida de como ele joga lá [no Barcelona] e como joga aqui [na seleção]. Faz dez anos que ele está aqui. Esse tempo que ele segue tentando [conquistar um título] te mostra isso: o cabeça dura que ele é. Você vê isso quando ele está em um evento que não tem nada a ver com a Argentina, como a Bola de Ouro que ele recebeu pelo seu trabalho no Barcelona, mas volta a falar, sem necessidade, da vontade de obter mais sucesso com a seleção”, ressaltou.

Não apenas Messi, mas, entre outros, Di María, Mascherano e Aguero eram considerados uma geração muito promissora, mas não obteve grandes resultados. A imprensa local também os acusa muitas vezes de não entregarem tudo que podem na seleção. Tata discorda disso, afirma que eles têm a necessidade de conquistar um título.

“Não tenho a imagem da final da Copa do Mundo, mas tenho a da Copa América. Se tirasse uma foto do vestiário, das expressões, acho que ninguém mais diria que eles não sentem o que se passa com a seleção”, contou.

O próximo desafio de Tata Martino e de Messi pela seleção será a Copa América Centenário, uma edição especial da competição para celebrar os seus 100 anos e será disputada em junho nos Estados Unidos. Além disso, o técnico já afirmou que o craque não virá disputar as Olímpiadas deste ano no Rio de Janeiro.

Deixe seu comentário