Mateus Vital admite gosto especial por eliminar o Flamengo

Tiago Salazar e Tomás Rosolino - São Paulo,SP

27-09-2018 19:07:02

Mateus Vital tem apenas 20 anos, mas sabe bem o que é enfrentar o Flamengo. Criado nas categorias de base do Vasco da Gama, o meia do Corinthians não escondeu a satisfação pessoal por ajudar o clube paulista a despachar os rubro-negros da Copa do Brasil em noite memorável na Arena de Itaquera nesta quarta-feira.

“É bom, né? Sempre gostei de jogar contra o Flamengo. Tem um gosto diferente, sim. Joguei a base no Vasco, tem essa rivalidade. É bom jogar contra o Flamengo”, admitiu, lembrando principalmente dos comentários que apontavam os flamenguistas como favoritos no confronto com o Timão antes do início das semifinais.

Mais vídeos em videos.gazetaesportiva.com

“Eu falei que vinha para um clube que brigava por títulos em todas as temporadas. E quando se fala que o Corinthians não tem time para chegar, a gente sabe da qualidade do elenco. Quem está aqui dentro sabe. E a gente mostrou isso dentro do campo. Falaram bastante que o Flamengo era favorito, mas a gente conseguiu, dentro do campo, nosso objetivo”.

Em seu segundo jogo como titular sob a batuta de Jair Ventura, Mateus Vital mais uma vez não conseguiu terminar a partida por causa do desgaste físico. Contra o Flamengo, foram as câimbras que não deixaram o meia ir até o fim.

Leia também:
Corinthians supera favoritismo do Flamengo e vai à final da Copa do Brasil
Corinthians decide em casa título da Copa do Brasil contra o Cruzeiro
Sem Jair, auxiliar comanda reapresentação do Corinthians no CT
Fagner sente lesão polêmica e Jair aproveita para cutucar críticos
Esquema sem centroavante deve ser mantido no Corinthians
Corinthians garante R$ 20 milhões por chegada à final da Copa do Brasil
Corinthians confia que terá Romero nas duas finais da Copa do Brasil

De qualquer maneira, a formação mais uma vez agradou ao treinador. Mateus Vital, agora companheiro de Jadson no meio campo, trabalhou bem, se destacou no segundo tempo e, no fim, comemorou o gol de fora da área do amigo Pedrinho, de quem tanto pediu a bola para finalizar instantes antes.

“A gente sempre conversa na concentração, estamos sempre mais juntos, sempre conversamos sobre entrar mais na área, tem que finalizar. E graças a Deus ele pôde ser feliz. Bom para a gente”, comentou.

“Agora a gente tem de pensar no próximo jogo, que é o Brasileiro, virar a chave o mais rápido possível, porque a gente precisa pontuar”, concluiu, de olho no confronto com o América, marcado para às 19h, no estádio Independência.

Mais vídeos em videos.gazetaesportiva.com

Deixe seu comentário