Perto de retorno ao Santos, papai Luiz Felipe curte ‘melhor fase da vida’

Do correspondente Vitor Anjos - Santos, SP
19/06/2017 10:00:58

Em: Bastidores, Futebol, Notícias, Santos

No Santos desde o início de 2016, Luiz Felipe vivia seu melhor momento na carreira quando, aos sete minutos do segundo tempo do clássico contra o Palmeiras, no dia 29 de outubro, sentiu muitas dores no joelho direito e precisou ser substituído. Logo na sequência, o zagueiro teve constatada uma ruptura no ligamento cruzado anterior. A lesão foi um balde de água gelada em sua boa fase e fez o santista passar por uma cirurgia que o tirou dos gramados por um longo período.

Quase oito meses depois, o defensor vê a lesão como uma página virada e agora curte o ‘melhor momento da vida’. Afinal, Luiz Felipe já voltou a treinar com bola no CT Rei Pelé e também acabou de acompanhar o nascimento da filhinha Ana Luiza.

“É o melhor mês da minha vida. Estou vivendo duas sensações muito boas. A primeira foi o nascimento da minha filha e agora estou perto de voltar aos gramados também. É um momento muito feliz. Lembro que estava em casa, pois era dia de folga, e de repente a bolsa estourou de manhã. Fomos correndo para a maternidade e eu assisti o parto. Foi bom demais. Só quem já passou por isso sabe a sensação maravilhosa que é. Sonhei bastante em ser pai e todo dia que levanto para vir treinar eu venho pensando nela”, disse o papai babão em entrevista exclusiva à Gazeta Esportiva.

E apesar de ainda não entender nada de futebol, a pequena Ana Luiza deve acompanhar o pai dentro do campo nas próximas semanas. Fazendo trabalhos de transição desde o final de abril, Luiz Felipe acabou sofrendo um edema na parte posterior da coxa direita nos últimos dias, o que atrasou seu retorno em 14 dias. Porém, a expectativa é que o zagueiro esteja à disposição de Levir Culpi para o confronto contra o Atlético-PR, no dia 5 de julho, pelas oitavas de final da Libertadores.

Porém, o jovem de 23 anos não terá vida fácil na luta para recuperar a titularidade no Santos. Isso porque David Braz e Lucas Veríssimo assumiram a zaga em 2017 e vivem bom momento, afinal, o Peixe alcançou uma sequência de quatro jogos seguidos sem sofrer gols (contra Botafogo, Atlético-PR, Palmeiras e Ponte Preta, respectivamente).

“O único jeito de vencer na vida é com trabalho. Tenho que conquistar tudo de novo e vou começar do zero. Mas eu não quero voltar e já ser titular também, né. Até porque preciso de um tempo para me recuperar por completo. Não quero entrar mais ou menos. Quero entrar bem para dar conta do recado como eu fiz ano passado. Estou bem tranquilo com isso. Sei que o Braz e o Veríssimo estão vivendo uma boa fase também. É começar do zero, né. Não tem problema algum. Quero buscar novamente meu espaço, ser inscrito na Libertadores e jogar”, ressaltou Luiz Felipe.

Leia a entrevista na íntegra: 

Gazeta Esportiva: Sua filha acabou de nascer e você está muito próximo de voltar a jogar. É o momento mais feliz da tua vida?

Luiz Felipe: “Sem dúvida. É o melhor mês da minha vida. Estou vivendo duas sensações muito boas. A primeira foi o nascimento da minha filha e agora estou perto de voltar aos gramados também. É um momento muito feliz. Lembro que estava em casa, pois era dia de folga, e de repente a bolsa estourou de manhã. Fomos correndo para a maternidade e eu assisti o parto. Foi bom demais. Só quem já passou por isso sabe a sensação maravilhosa que é. Sonhei bastante em ser pai e todo dia que levanto para vir treinar eu venho pensando nela”.

Gazeta Esportiva: Você ficou praticamente oito meses parado. Como foi para você após ver o exame após o jogo contra o Palmeiras e descobrir que ficaria longe dos gramados por tanto tempo?

Luiz Felipe: “Eu fiquei muito preocupado na hora. Nunca tinha sofrido uma lesão tão grave. Fiquei com muitas dúvidas. Não sabia se ia conseguir voltar e como seria se voltasse a treinar. O primeiro momento foi de dúvida e medo. Depois eu conversei com os companheiros que já tinham passado por essa situação. Eles me tranquilizaram. Os fisioterapeutas do clube também foram fundamentais nisso. Me passaram que seria tranquilo. E fui me acalmando com o passar do tempo”.

Gazeta Esportiva: Seu companheiro de zaga em 2016, Gustavo Henrique sofreu praticamente a mesma lesão que você (ruptura no ligamento cruzado anterior do joelho), mas na perna esquerda. Como foi esse companheirismo de vocês até no momento complicado?

Luiz Felipe: “Infelizmente o Gustavo também estava com a mesma lesão e nós tratamos dela juntos. Foi um fator que me ajudou bastante a não me preocupar tanto nesse período que ficamos lá dentro, pois ele já tinha passado por isso (Gustavo rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho direito em fevereiro de 2014) e me deu tranquilidade. Esse momento que ficamos tratando juntos foi muito importante. Foi um dando força para o outro. Muitas vezes ficávamos sozinhos lá. Eu perguntava pra ele: “Pô, como que é isso? O seu joelho dói assim?”. E ele falava que era normal, que nós íamos voltar. Foi sempre assim. Um ajudando o outro. Tinha dia que um chegava meio triste e o outro animava. Isso foi importante para nós dois”.

Gazeta Esportiva: O Gustavo rompeu o joelho um mês antes de você e mesmo assim demorou mais para fazer esse trabalho de transição ao gramado, pois sentiu um desconforto no local e foi submetido a uma videoartroscopia, o que atrasou o retorno dele…

Luiz Felipe: “A gente fica triste por ele, né. Pois atrasou o processo. Já ela para ele estar em campo. Mas está tudo bem com ele, já está voltando, daqui a pouco começa a fazer a transição também e com certeza voltará bem também”.

Gazeta Esportiva: Você chegou no início de 2016, começou na reserva e só assumiu a titularidade durante o Brasileirão do ano passado. Hoje, David Braz e Lucas Veríssimo estão na zaga. Está preparado para remar tudo novamente e buscar seu espaço no time, agora com Levir Culpi no comando?

Luiz Felipe: “O único jeito de vencer na vida é com trabalho. Tenho que conquistar tudo de novo e vou começar do zero. Mas eu não quero voltar e já ser titular também, né. Até porque preciso de um tempo para me recuperar por completo. Não quero entrar mais ou menos. Quero entrar bem para dar conta do recado como eu fiz ano passado. Estou bem tranquilo com isso. Sei que o Braz e o Veríssimo estão vivendo uma boa fase também. É começar do zero, né. Não tem problema algum. Quero buscar novamente meu espaço, ser inscrito na Libertadores e jogar”.