Entrevistas

Em entrevista exclusiva, Fábio Carille revela que quase deixou o Corinthians no final de 2016, cinco meses antes da conquista do Campeonato Paulista

Aos 39 anos, Carlos Alberto demonstra gratidão ao Corinthians por apoio em antigo caso de adulteração de idade, espera usar confronto com o ex-clube como vitrine e até avisa o amigo Vampeta: “Estamos aí!”



Em entrevista exclusiva, Cássio conta que finalmente conheceu o seu pai, revela ter ficado tentado a se transferir para o Grêmio em 2016 e, em respeito à sua história, volta a pensar em ligação vitalícia com o Corinthians


Exatos 40 anos depois de defender as cobranças de pênalti de Rodrigues Neto e Carlos Alberto Torres no Maracanã, o herói da Invasão Corintiana abre o seu coração à Gazeta Esportiva e faz juras de amor ao clube do qual virou ídolo



Com disputa sadia e bom humor, os canhotos Guilherme Arana e Uendel mostram a Cristóvão Borges que a união do elenco é um dos maiores legados de Tite no Corinthians


Robinho viveu intensamente seu curto período com a camisa da Sociedade Esportiva Palmeiras. Emprestado ao Cruzeiro até o final de 2017, o meia imagina o primeiro confronto com o ex-clube e cogita a possibilidade de comemorar de forma contida se fizer gol.

Um dos principais ídolos da história do São Paulo, Muller considera o Palmeiras de 1996 o melhor time que já defendeu na carreira. Vinte anos depois do histórico título paulista, o ex-atacante celebra sua única conquista em verde e branco e nega ter desertado antes da final da Copa do Brasil para retornar ao Morumbi.

As duas últimas edições do Campeonato Brasileiro não terminaram bem para o volante Gabriel. Rebaixado com o Botafogo em 2014 e vítima de grave lesão pelo Palmeiras em 2015, o jovem meio-campista espera finalmente ter motivos para comemorar ao fim do torneio nacional.








Para biógrafo Ruy Castro, Garrincha já era um ex-jogador na chegada ao Parque São Jorge

Renato, do São Paulo, exagerou na confiança ao prometer anular ponta-direita do Corinthians

Estreia apressada acabou em derrota por 3 a 0 e Garrincha encantado com a Fiel

Copa de 1966 em verde-amarelo foi grande motivação do velho craque na sua luta em preto e branco

Chegada do Mané ao Parque São Jorge teve bênção de pai de santo e agradecimento a Nossa Senhora Aparecida

Ponta-direita usou o que estava ao seu alcance – até aparelhos e pulinhos ridículos – na tentativa de entrar em forma no Corinthians

Garrincha jogou pouco no Corinthians, há 50 anos, mas foi abraçado pela Fiel e ajudou a transformar o clube do Parque São Jorge no Timão



Mais na web