Futebol/Série A

Chape encerra preparação e Claudinei pede apoio incondicional

São Paulo , SP
21/11/2018 20:49:02

Em: Brasileiro Série A, Chapecoense, Futebol, Notícias
Claudinei Oliveira falou também sobre o que a Chape precisa para vencer na quinta-feira (Foto: Sirli Freitas/Chapecoense)

Foi de portões fechados, na Arena Condá, que a Chapecoense finalizou os preparativos para o duelo diante do Sport, às 21h00 (horário de Brasília) desta quinta-feira, decisivo para a luta de ambos os times contra a zona de rebaixamento da competição.

Após comandar um treino tático e testar formações durante as atividades, o técnico Claudinei Oliveira concedeu entrevista coletiva nas instalações da Chape e pediu o apoio incondicional do torcedor da equipe.

Veja também:

Chapecoense e Sport fazem confronto direto para fugir do rebaixamento

Wellington Paulista projeta partida contra Sport: “É o jogo da nossa vida”

“Não é hora de gostar do Claudinei, gostar de jogador A, B ou C. É hora de gostar da Chapecoense e isso aí ninguém tem mais que o torcedor da Chape. Que eles pensem em primeiro lugar no clube, que incentivem e como eu sempre falo, tem que vir de dentro pra fora também. A torcida tem que olhar para o campo e ver o jogador brigando por todas as bolas, o time tem que criar situações para que o torcedor fique atento e ativo no jogo. Jogo fácil nunca tem na Série A, mas com o torcedor do nosso lado sempre fica um pouco mais fácil”, afirmou o treinador.

A Chapecoense não terá o lateral esquerdo Bruno Pacheco para o duelo, mas poderá contar com o retorno de Amaral, que cumpriu suspensão. Antes da decisão, Claudinei deu a receita do que o time condá precisa para sair com a vitória.

Mais vídeos em videos.gazetaesportiva.com

“Que a gente possa ter uma criatividade ofensiva maior, mas sem perder a consistência defensiva, porque o Sport é uma equipe perigosa, tem um contra-ataque muito bom”, contou, antes de completar.

“De qualquer jeito, não ganha. Ganha partindo de uma organização tática, e brigar por todas as bolas, ganhar a maioria das divididas. Porque decisões se ganha assim, nem sempre sendo brilhante tecnicamente, mas com muita luta e muito empenho”, finalizou.