COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA
Recuperado de lesão na coxa direita, corintiano estará em ação na segunda rodada (foto: Pedro Martins/Mowa Press)

O lateral direito Fagner será a única novidade da formação brasileira contra a Costa Rica, às 9 horas (de Brasília) desta sexta-feira, em São Petersburgo. Não por vontade do técnico Tite. Danilo acusou uma contusão muscular na região direita do quadril e acabou vetado pelo departamento médico após passar por exames.

Antes do Mundial, a intenção de Tite não era contar com Danilo nem com Fanger como titular da posição. O veterano Daniel Alves sofreu uma lesão ligamentar no joelho direito às vésperas da convocação, defendendo o Paris Saint-Germain na final da Copa da França, e não pôde ser chamado pelo treinador.

Fagner saiu atrás na disputa com Danilo porque também estava em recuperação de uma contusão, muscular na coxa direita, durante a preparação da Seleção Brasileira.

Conhecido de Tite dos tempos de Corinthians, Fagner atuou na Seleção Brasileira sob o comando do técnico tanto quanto Danilo. Cada um esteve quatro vezes em ação, contra 14 de Daniel Alves.

O restante da escalação do Brasil será o mesmo do empate por 1 a 1 com a Suíça, pela primeira rodada do grupo E do Mundial. Confira o time: Alisson; Fagner, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Casemiro, Paulinho, Willian, Philippe Coutinho e Neymar; Gabriel Jesus.



Luka Modric merecia que o título dessa nota mudasse de “cara” para “craque”. Essa é a melhor definição para o meio-campista da Croácia e do Real Madrid, o melhor jogador da imponente vitória por 3 a 0 da sua seleção sobre a Argentina, na tarde desta quinta-feira, em Nizhny Novgorod. Líder, o capitão da equipe não só dominou Messi no principal duelo do dia como arranjou tempo para fazer um lindo gol.

O encontro entre ele, camisa 10 no Real, e Messi, camisa 10 no Barcelona, concentrou as expectativas antes da partida. Com a bola rolando, após um forte abraço no rival, Modric viu que era o momento para demonstrar toda a sua capacidade de marcação e armação. Messi, um gênio já estabelecido entre os maiores da história do esporte, não foi páreo para a implacável presença do rival, bastante auxiliado por Rakitic.

Depois de segurar o jogo no primeiro tempo, Modric viu Caballero dar o primeiro gol de presente para Rebic, no começo da etapa final, facilitando seu trabalho. Dominante, o capitão conseguiu controlar o ritmo da partida, evitando uma pressão intensa da habilidosa, porém desorganizada equipe da Argentina. Aos 35 minutos, viu que era o momento de decidir.

Após roubada de bola no meio-campo, Rakitic levou a bola pela esquerda e demorou a perceber, mas Modric estava livre na entrada da área. Depois de tanto pedir, o craque recebeu de frente para Otamendi, mostrando calma para esperar uma ultrapassagem pela direita e outra pela esquerda. Com tantas opções, ele não teve dúvida: escolheu cortar para a direita, chutar forte no canto e fazer um golaço.

A alegria na comemoração do meia, muitas vezes com uma aparente frieza para lidar com as emoções do jogo, fechou com chave de ouro sua apresentação de gala. Agora classificado para a próxima fase da competição, repetindo um feito conquistado apenas pela histórica geração de 1998, Modric terá alguns dias de descanso para continuar a dar seu show pelos campos russos.




A Croácia garantiu sua vaga nas oitavas de final da Copa do Mundo, nesta quinta-feira, ao vencer a Argentina por 3 a 0. Apesar da equipe de Jorge Sampaoli ter ficado mais com a bola ao longo dos 90 minutos, os europeus foram fatais quando foram ao ataque e finalizaram muito mais do que os seus adversários.

A Albiceleste ficou com a bola 58% do tempo e trocou exatamente 500 passes na partida, completando 393 e acertando 393. Por sua vez, os croatas tiveram 42% de posso e 394 passes realizados, 291 certos.

Mesmo tendo adotado uma postura mais defensiva, a Croácia não ficou retrancada e conseguiu dar 15 arremates. Desses chutes, seis foram para fora do alvo e cinco no gol. O impressionante é que 60% das finalizações certas na meta defendida por Caballero resultaram em gols.

Os argentinos também conseguiram criar um bom número de chutes no confronto, entretanto não teve precisão. Dos dez arremates, apenas três acertaram o alvo e outros três foram para fora da meta. Os outros quatro foram bloqueados pela defesa do time de Zlatko Dalic.

Em termos defensivos, as duas equipes tiveram números similares de bolas recuperadas (36 a 35 para os europeus). Já na questão disciplinar, os croatas fizeram 32 faltas e receberam quatro amarelos contra 15 faltas e três amarelos dos hermanos.




A Argentina ficou mais distante das oitavas de final na tarde desta quinta-feira. Mostrando uma equipe com os mesmo problemas da estreia, apesar das três mudanças de Jorge Sampaoli no time titular, Messi e companhia viram o goleiro Caballero entregar um gol para Rebic, no começo do segundo tempo, e sucumbiram com o bom futebol do adversário. Liderados pelos ótimos Modric, autor do segundo gol, e Rakitic, autor do terceiro, os croatas dispararam 3 a 0 em Nizhny Novgorod.

O triunfo com autoridade dos croatas classificou a equipe para as oitavas de final da Copa do Mundo pela primeira vez desde a histórica campanha de 1998, quando caíram nas semifinais para a anfitriã França. O time dos Balcãs tem seis pontos conquistados enquanto a Argentina tem apenas um. Islândia, com um, e Nigéria, zerada, enfrentam-se às 12h (de Brasília) desta sexta-feira, em Volgogrado.

Na próxima rodada, a última da chave, os europeus cumprem tabela diante da Islândia enquanto os sul-americanos tentam evitar um vexame contra a Nigéria, ambos às 15h (de Brasília) da terça-feira. A única certeza é que, para passar de fase, os argentinos precisarão ganhar dos africanos.

Croácia assusta e Argentina perde chance

O primeiro tempo começou em alta velocidade, com os croatas pressionando a saída de bola e quase abrindo o placar aos quatro minutos de bola rolando. Perisic recebeu pela esquerda, invadiu a área com certa liberdade e chutou cruzado, exigindo a primeira grande intervenção de Caballero na Copa do Mundo para que o placar não fosse aberto tão rapidamente.

Depois de dez minutos sofrendo para criar oportunidades, os hermanos conseguiram uma oportunidade muito boa em bola rebatida na entrada da área, quando Meza tocou por cima da zaga para Messi, que não alcançou a bola por alguns centímetros, já dentro da pequena área.

Aparentemente mais ambientada com o novo esquema e menos nervosa pela possibilidade de complicar sua classificação, a seleção-sul-americana quase abriu o placar em uma escapada de Acuña. O canhoto brigou pela bola com Vrsaljko e conseguiu roubá-la dentro da área, chutando em cima de Subasic. Na sobra, porém, Enzo Pérez, mesmo sem marcação, chutou para fora, sem goleiro.

O jogo começou a ficar um pouco mais nervoso, com faltas fortes pelos dois lados. O único punido, porém, foi Rebic, por solada em Salvio. Antes do intervalo, outras duas boas chances croatas desperdiçadas: Primeiro Mandzukic, livre dentro da área, escolheu o canto mais difícil e cabeceou para fora. Depois Rebic, em contra-ataque, recebeu de Rakitic e, após limpar Mercado, chutou por cima do gol.

Caballero entrega e Argentina sucumbe

A Argentina voltou para o segundo tempo com a mesma proposta de jogo, apostando em uma escapada de Messi ou Aguero na frente, mas viu seu plano sucumbir antes dos dez minutos. Os tranquilos croatas lançaram uma bola longa, Mercado tomou a frente de Rebic e recuou para Caballero. O goleiro tentou devolver de primeira, por cima do atacante, mas pegou mal na bola e viu Rebic, sem deixá-la cair, abrir o placar.

O gol desmontou a estratégia argentina e fez com que Sampaoli passasse a usar todas as alternativas disponíveis no seu banco de reservas. O primeiro a entrar foi Higuaín, que quase deu passe para gol de Meza, mas Subasic fez a defesa. No rebote, o atleta do Independiente ajeitou para Messi chegar chutando, mas Rakitic, preciso, conseguiu travar a jogada.

O treinador ainda tentou com Pavón e Dybala, mas a exposição da defesa pagou seu preço. Após perda de bola no meio-campo, Modric ficou muito tempo livre na entrada da área e, após certa demora de Rakitic, recebeu. O craque do Real Madrid cortou a marcação duas vezes e abriu espaço para, de direita, acertar o canto direito de Caballero e ampliar a vantagem.

Os argentinos ainda ameaçaram em boa jogada de Dybala, driblando dois adversários e travado em cima da hora por Lovren. Quem ficou mais perto do gol, no entanto, foi mesmo a Croácia. Rakitic, que foi bastante frio ao ignorar chute de Otamendi quando estava caído e não cair na provocação do rival, primeiro acertou o travessão em cobrança de falta. Depois, nos acréscimos, sem goleiro, fechou o placar.

FICHA TÉCNICA
ARGENTINA 0 X 3 CROÁCIA

Local: Estádio Nizhny Novgorod, em Nizhegorodskaya (Rússia)
Data: 21 de junho de 2018 (Quinta-feira)
Horário: 15h(de Brasília)
Árbitro: Ravshan Irmatov (Uzbequistão)
Assistentes: Abduxam Rasulov (Uzbequistão) e Jakhongir Saidov (Uzbequistão)
Cartões amarelos: Mercado, Otamendi e Acuña (Argentina); Rebic, Mandzukic, Vrsaljko e Brozovic (Croácia)
Gols:
CROÁCIA: Rebic, aos oito, Modric, aos 35, e Rakitic, aos 46 minutos do segundo tempo

ARGENTINA: Caballero; Mercado, Otamendi e Tagliafico; Salvio (Pavón), Mascherano, Pérez (Dybala), Acuña e Messi; Meza e Agüero (Higuaín)
Técnico: Jorge Sampaoli

CROÁCIA: Subasic, Vrsaljko, Lovren, Vida e Strinic; Rakitic, Modric, Perisic (Kovacic), Rebic (Kramaric) e Brozovic; Mario Manzukic (Corluka)
Técnico: Delic Zlatko



O jovem Kylian Mbappé realizou um sonho durante a tarde desta quinta-feira. Aos 19 anos, o atacante da França marcou o seu primeiro gol na Copa do Mundo e se tornou o herói da vitória por 1 a 0 sobre o Peru, em Ecaterimburgo.

Mostrando oportunismo, o companheiro de Neymar no Paris Saint-Germain aproveitou sobra do chute de Olivier Giroud para empurrar para o gol e se tornar o francês mais jovem a balançar as redes em Mundiais, feito que garantiu os “Bleus” nas oitavas de final da edição russa do torneio.

“Eu sempre disse que marcar na Copa do Mundo era um sonho para qualquer jogador de futebol. Está se tornando realidade, espero que faça mais”, vislumbrou o atleta, após o duelo com os peruanos.

Apesar da idade, Mbappé se solidariza com a seleção e se dispõe a ajudar até na defesa, como ocorreu no segundo tempo contra o Peru, quando precisou recompor a marcação no momento de pressão do adversário.

“Se a equipe precisar, vou me sacrificar em algum momento para ajudar a equipe. Nos períodos em que estávamos mais recuados no campo, precisávamos voltar para ajudar a equipe”, explicou o avante, elogiado pelo técnico Didier Deschamps.

“Ele tem muita velocidade e fez a coisa certa em relação ao coletivo. Ele pode fazer isso, ele sabe como fazer isso. Não é um sacrifício. Isso permite que o time defenda melhor e também ataque melhor”, analisou o treinador.

Com o triunfo, a França chegou aos seis pontos ganhos, dois a mais do que a Dinamarca, segunda colocada, e se manteve na liderança do Grupo C. As duas seleções farão duelo direto pelo primeiro lugar da chave na próxima terça-feira, às 11 horas (de Brasília), em Moscou.



A Espanha, de Jordi Alba, já está classificada às oitavas de final da Copa do Mundo (Foto: AFP)

Após dois jogos na Copa do Mundo, o lateral-esquerdo não vê muita diferença da Espanha de Julen Lopetegui para a de Fernando Hierro, que assumiu a equipe a dois dias do início da competição. O jogador do Barcelona disse que a “essência” do futebol praticado pelo time segue a mesma e elogiou a personalidade do atual treinador.

“É uma pessoa que encaixou muito bem no grupo. Já o conhecíamos, é uma grande pessoa, muito próximo de todos os jogadores e agora acabou se tornando técnico. Estamos felizes que esteja conosco. É claro que a ideia do trabalho é a mesma que tínhamos com Julen. Cada um com seus detalhes, mas a essência da seleção continua a mesma. Torço para que ele possa fazer um bom papel como treinador”, declarou.

O atleta ainda elogiou o Irã, que fez um jogo duro diante da Espanha, mas saiu derrotado pelo placar mínimo. “O Irã se fechou lá atrás, e nós lutamos para entrar na área. Não foi fácil criar situações. O Irã vai colocar Portugal em dificuldades, pois são uma equipe compacta. Não é fácil quando um time se fecha bem atrás e não te deixa nenhum espaço”, disse.

Por fim, o lateral do Barcelona comentou a postura da imprensa espanhola, que tem criticado muito a seleção. “Acredito que devemos ser positivos nesta vida. Temos uma grande seleção, precisamos melhorar algumas coisas, mas esperem um pouquinho antes de “cair de pau”. Não comecem já, por favor”

Na última rodada do Grupo B, a Espanha enfrenta o já eliminado Marrocos, em Kaliningrado, enquanto Portugal e Irã decidem uma vaga, em Saransk. As duas partidas estão programadas para às 15h (de Brasília) da segunda-feira.



A atuação de Carlos Sánchez na estreia da Colômbia na Copa do Mundo da Fifa virou caso de polícia. Segundo notícia da emissora colombiana BLU Radio, o volante está sofrendo ameaças em redes sociais e a polícia local já iniciou uma investigação sobre o caso.

Na Colômbia, desde a morte do zagueiro Escobar, após a Copa de 1994, qualquer tipo de ameaça a qualquer pessoa pública em rede social é investigada para evitar maiores proporções.

Escobar foi assassinado em Medellín logo após o Mundial de 1994. O zagueiro fez um gol contra na derrota por 2 a 1 para os Estados Unidos. Naquele ano, os cafeteros caíram logo na primeira fase com outras derrotas diante de Romênia e Suíça.

As ameaças à vida de Carlos Sánchez tiveram início após a expulsão do volante com apenas três minutos de jogo na derrota contra o Japão por um toque de mão dentro da área. Com o revés, a Colômbia precisa vencer a Polônia na segunda rodada do Grupo D para seguir com chances de classificação.



Eliminado já na fase de grupos da Copa do Mundo, o Peru deixou a Arena Ecaterimburgo inconsolável após a derrota por 1 a 0 para a França, sofrida na tarde desta quinta-feira. Foram vários os jogadores que choravam ao término da partida, acompanhada por milhares de torcedores compatriotas no estádio.

Em conferência de imprensa, o técnico Ricardo Gareca tratou de tirar o peso da eliminação das costas de seus pupilos, mas também não escondeu sua decepção pela queda precoce.

“A equipe deu tudo de si em ambas as partidas. Nos falta um jogo para vencer diante de todos os torcedores que vieram nos acompanhar. No entanto, tínhamos outras expectativas”, lamentou o treinador argentino.

“Dói para nós sair eliminados e não ter uma última chance de classificação. Demos tudo, entregamos tudo, e agradecemos à torcida peruana pela paixão que mostrou à seleção nacional. Parece que o tempo e o crescimento nos fortalecerão”, projetou.

Classificado ao Mundial após 36 anos de ausência, o Peru tem duas derrotas na edição russa do torneio, já que havia perdido por 1 a 0 para a Dinamarca na estreia. Na análise de Gareca, apesar dos resultados, sua equipe deixou uma boa impressão.

“Quando à imagem, foi positiva. Em linhas gerais, não tenho do que reclamar aos jogadores. Tentamos. Saímos para ganhar as duas partidas, mas a França venceu este último merecidamente”, avaliou.

O Peru ainda cumprirá tabela diante da Austrália, na próxima terça-feira, a partir das 11 horas (de Brasília), em Sochi. O objetivo é, ao menos, se despedir da competição com três pontos conquistados.

“Vamos nos esforçar no último jogo para que eles possam comemorar um gol”, concluiu Ricardo Gareca.