Gazeta Esportiva |

Robson diz que boxe salvou sua vida e critica redução da maioridade penal

Em Olimpíadas 2016
Atualizado em 17/08/2016 - 11:34:57 Compartilhe
São Paulo , SP
Brazil's Robson Conceicao poses with a gold medal at the Rio 2016 Olympic Games in Rio de Janeiro on August 16, 2016. Robson Conceicao made history for the hosts when he won Brazil's first-ever Olympic boxing gold in Rio, triggering pandemonium. The man who sold vegetables on the streets as an impoverished child became an instant national hero in defeating the Frenchman Sofiane Oumiha on unanimous points in their lightweight final showdown. / AFP PHOTO / YURI CORTEZ
Robson Conceição cobrou do governo mais investimentos em programas sociais nas periferias (Foto: Yuri Cortez/AFP)

Após conquistar a primeira medalha de ouro do Brasil no boxe olímpico, o pugilista Robson Conceição cobrou nesta quarta-feira mais investimentos do governo em programas sociais e criticou os setores da sociedade que defendem políticas voltadas para a redução da maioridade penal. O atleta recordou a infância humilde na periferia de Salvador e disse que a prática esportiva foi determinante para mantê-lo afastado da criminalidade.

Robson tratou do encarceramento de jovens periféricos ao falar sobre a medalha de ouro conquistada pela judoca Rafaela Silva. Assim como o pugilista, a atleta ingressou no esporte por meio de projetos sociais que foram desenvolvidos na favela da Cidade de Deus, no Rio de Janeiro.

“Eu e a Rafaela viemos de comunidades humildades e surgimos em projetos sociais. Não acho justo punir crianças. Isso seria totalmente diferente. Deveríamos, sim, investir mais em projetos sociais e fazer crianças e adolescentes praticarem esportes” afirmou Robson, de 27 anos.

O pugilista disse que conheceu o boxe por caminhos tortuosos. Quando criança, ele queria seguir o exemplo de um tio chamado Roberto, famoso em Salvador por arrumar brigas durante as festas de Carnaval. “Meu tio era muito brigão. E era muito famoso por isso. Queria seguir o exemplo e brigar na rua. Mas conheci o boxe e isso mudou a minha vida. Muita gente fala que o boxe é violento, mas eu só era violento antes de conhecer o boxe”, afirmou.

“[Se não tivesse conhecido o boxe], acho que nem estaria vivo por conta da violência e das mortes que ocorrem em Salvador. E pelo fato de que brigava muito na rua. Hoje ninguém mais quer isso. Ninguém mais que tomar soco de ninguém. Se não fosse pelo boxe, eu teria uma história diferente”, acrescentou.

O atleta contou que no início da carreira corria nove quilômetros para chegar na academia onde praticava o esporte. Robson retornava para casa após a meia-noite, mas acordava ainda de madrugada para ajudar a avó que trabalhava como feirante. Ele crê que todas as privações que enfrentou durante a vida serviram de motivação para seguir na busca da medalha olímpica.

“Minha família era muito guerreira. Todos trabalhavam muito e nunca deixaram faltar o pão em casa. Também fazia os meus corres, cheguei a vender picolé. Isso eu tirei de bom da minha vida. Essa vontade de trabalhar eu transferi para o boxe. Fico muito feliz pelo sacrifício de todos, pelas abdicações. Hoje estou sendo recompensado”, declarou.

Robson já havia disputado as competições olímpicas de Pequim 2008 e Londres 2012, mas foi eliminado logo nas primeiras lutas em ambas ocasiões. No Rio de Janeiro, ele se sagrou campeão na terça-feira ao derrotar o francês Sofiane Oumiha por decisão unânime, com 3 a 0 (30-27, 29-28 e 29-28) , na categoria peso-ligeiro (até 60kg).

Comente

  • jahn1001

    Por que 2 0u 3 se recuperaram de uma vida de crime, entao vamos aceitar uma justica corrupta e inoperante que esta levando este pais pro buraco, e deixar de lado asmilhares de pessoas que tiveram seus patrimonios roubados ou mesmo perderam suas vidas ou entes queridos por menores criminais. Menores estes que podem tirar a vida, estuprar e roubar que tem sempre uma instituicao pra acoitar estes vagabundos. Direitos humanos pra aqueles que querem viver dessentimente cumprindo a lei e respeitando os direitos civis dos outros.Me desculpe Robson vc esta completamente errado, e o seu caso bem como alguns que deram certo nao mudam as estastisticas de crimes cometidos por menores, o Brasil precisa urgentemente mudanca no seu codigo penal.

  • A Amiga Divina

    A Rafaela, o Isaquias e o Robson sao os exemplos vivose lógicos de tantas pessoas que moram nas comunidades, e areas rurais que por nao terem os benefícios sociais básicos, ficam a a sorte de encontrar um projeto social que as adotem e incentivem a desenvolverem o seu potencial na plenitude, e se tornem cidadoes brasileiros exemplares. No Brasil, a cada, dia, mes , ano, década e século essas pessoas dao exemplo de superacao, para provar que, o Brasil está errado em negar benefícios de cidadania básica de qualidade como educacao integral tempo integral padronizada e obrigatório, saúde, moradia, saneamento e etc a essas pessoas, e condena-las a sua própria sorte, nao dando acesso a esses aparelhos sociais que vao fazer a diferenca na ascencao social dessas pessoas e na integracao dessas pessoas a sociedade organizaca de forma positiva. Foi otimo ver a Rafaela, o Isaquias e o Robson ganhando, a unica coisa eh que a licao de vida de Rafaela, Isaquias e Robson podem ser usadas para mostrar como teremos mais rafaelas(los) Isaquias e Robsons campeas (oes) quando o governantes e representantes forem forcados pelo povo a parar de roubar e usar nosso dinheiro para proporcionar uma educacao integral ,tempo integral obrigatoria, padronizada e de qualidade no Brasil todo, pois nem todo mundo vai ser campeao de judo, remo ou luta mas concerteza, tem muitos (as) campeoes (as) morando na favela tb chamada de comunidade e areas rurais, esperando por oportunidades que escolas integrais podem revelar para serem campeos em várias áreas(esportivas,culturais, educacionais e profissionais) e assim, modificar o quadro de desigualdade sociais e diminuir consideravélmente as mazelas sociais, realmente pensei que com o fim da ditadura e o discurso social humano que tinhamos e se seguidos, hoje estariamos vendo um Brasil diferente, mas vejo que foi mais fácil tomar o caminho errado, e hoje estamos celebrando de novo superacoes, e nao resultados de investimentos sociais sérios. Parabéns Rafaela, Isaquias e Robson essas medalhas sao de novo resultado da SUA sorte e luta. O Brasil nao tem NADA a ver com isso, ele condenou voce a nao ser lutadora(or), remador(a) nem medalhista e voces SUPERARAM!