Campeonato Brasileiro/Bastidores

Julgamento do caso Victor Ramos é marcado para 4 de abril

São Paulo, SP
20/03/2017 18:00:57 — 20/03/2017 18:02:17

Em: Brasileiro Série A, Futebol, Internacional, Vitória-BA
Atualmente, o zagueiro de 27 anos está sem clube (Foto: Francisco Galvão/Divulgação/ EC Vitória)
Atualmente, o zagueiro de 27 anos está sem clube (Foto: Francisco Galvão/Divulgação/ EC Vitória)

O Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) aceitou o pedido do departamento jurídico do Internacional e remarcou o julgamento do caso Victor Ramos para dia 4 de abril de 2017, de acordo com Gustavo Juchem, presidente jurídico do Colorado.

A decisão favorece o time gaúcho, já que o julgamento passa a ser antes do início da Série A (13 maio) e da Série B (14 de maio), o que pode permitir que o Internacional nem jogue a segunda divisão do Campeonato Brasileiro. A estratégia inicial do Vitória, ex-clube do zagueiro, e da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) era adiar a decisão para após o início da competição, impedindo a possibilidade do acesso à primeira divisão pela decisão do tribunal.

Em caso de decisão favorável ao atual hexacampeão gaúcho, o Colorado não precisará disputar a segunda divisão e o clube baiano perderá os pontos no torneio de 2016, consequentemente, sendo rebaixado.

Leia mais: Zago espera evolução antes de pegar o Corinthians na Copa do Brasil

A equipe do Beira-Rio alega que Victor Ramos jogou de maneira irregular o Campeonato Brasileiro de 2016, uma vez que os seus direitos pertenciam ao Monterrey-MEX e deveria se ter feito um processo de transferência internacional. Entretanto, como o jogador estava emprestado para o Palmeiras, a transferência foi considerada nacional.

O caso já deu polêmica desde o Campeonato Baiano do ano passado e foi revivido no final do ano passado.Tanto a CBF como o STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) deram ganho de causa ao Leão da Barra, ratificando que o atleta atuou de forma legal. O STJD nem chegou a aceitar o caso. Sem alternativas na justiça brasileira, o Internacional optou por apelar na instância máxima da justiça desportiva.