Futebol/ Campeonato Brasileiro

Com vaias, pedido de raça e lei do ex, Chape bate Cruzeiro e segue líder

Do correspondente Marcellus Madureira - Belo Horizonte, MG
04/06/2017 20:58:05 — 04/06/2017 21:09:45

Em: Brasileiro Série A, Chapecoense, Cruzeiro, Futebol
Alviverde domina e assume a liderança do Brasileiro (Foto: Washington Alves/ Cruzeiro)

O Cruzeiro não soube fazer valer seu mando de campo e perdeu para a Chapecoense, por 2 a 0, na noite deste domingo, no Mineirão. O resultado deixa a Chape em ótimas condições, na liderança, com 10 pontos. Já o grupo de Mano Menezes deixou o gramado ouvindo: “vergonha, vergonha, vergonha, time sem vergonha”.

O Cruzeiro foi dominado em casa. A Raposa, que há poucos dias conseguiu segurar a Chape em Santa Catarina, hoje ganhou um banho tático. O técnico Vagner Mancini segurou seu time, teve o controle do jogo e fez um duelo apostando nos contra-ataques. A lei do ex esteve em campo nesta noite: os dois gols do grupo alviverde foram marcados por Wellington Paulista e Douglas Grolli, atletas que vestiram as cores azuis.

A Raposa encontrou dificuldades para propor o jogo e isso foi importante para definir o confronto. A Chape se segurou e saiu para o jogo. O Cruzeiro não soube sair para armar seu jogo.

O Cruzeiro viaja para enfrentar o Bahia, na quinta-feira, na Arena Fonte Nova, às 21h (de Brasília). Já a Chapecoense recebe o Grêmio, na Arena Condá, às 21h45.

Primeiro tempo

O confronto entre Cruzeiro e Chapecoense começou movimentado. As equipes buscavam o campo de ataque a todo momento, o que dava a impressão de ser um jogo bom.

A partida, porém, passou muito pela troca de passes e velocidade, mas as jogadas de ataque ficaram comprometidas, sobretudo para o Cruzeiro.

A Chapecoense se mostrava melhor em campo, mais organizada e consciente. O time não ficou somente em seu campo defensivo, saia para o jogo, encarava o Cruzeiro em pleno Mineirão. Não era algo absurdo, entretanto, organizado.

O momento celeste, entretanto, jogando em casa, era ruim. A Raposa não teve chance clara e o problema de Mano Menezes passava pela dificuldade que sua equipe tinha de propor o jogo, algo que foi fundamental para definir o que ocorreu no jogo.

Aos 26, a lei do ex voltou a figurar. Em cruzamento na área, Wellington Paulista subiu sozinho – contando com a falha na marcação do Cruzeiro – e mandou para o fundo das redes.

Ao término da etapa inicial, vaias do torcedor cruzeirense.

Segundo tempo

A Chape voltou querendo decidir logo a partida. No primeiro lance a seu favor, Rossi chutou forte e Fábio foi obrigado a mandar para escanteio. Na cobrança, Douglas Grolli, que está emprestado da Raposa para a Chape, mandou para o fundo das redes.

Após o tento, restou ao Cruzeiro ir todo para o ataque. O técnico Mano Menezes mandou Robinho para dar mais qualidade ao último passe e o time celeste passou a martelar, em busca de chances.

E mesmo depois de tanta pressão, a Chape seguiu tranquila em campo. O time de Vagner Mancini tinha total domínio do jogo, era organizada em campo e não tinha problemas no jogo.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 0 X 2 CHAPECOENSE
Local: Estádio Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Data: 04 de junho, domingo
Horário: 19h00 (de Brasília)
Árbitro: Claudio Francisco Lima Silva (SE)
Assistentes: Cleriston Clay Barreto Rios (SE) e Fábio Pereira (TO)

Gols: Wellington Paulista, aos 26 minutos do primeiro tempo, Douglas Grolli, no primeiro minuto do segundo tempo (Chapecoense).
Cartões: Victor Ramos, Rossi, Osman (Chapecoense)

CRUZEIRO: Fábio, Hudson (Lennon), Caicedo, Léo, Diogo Barbosa, Henrique, Ariel Cabral (Robinho), Thiago Neves, Rafinha (Ábila), Alisson e Rafael Marques.
Técnico: Mano Menezes.

CHAPECOENSE: Jandrei, Apodi, Douglas Grolli, Victor Ramos, Reinaldo, Girotto, Luiz Antônio, Seijas (Nadson), Rossi, Wellington Paulista (Túlio de Melo) e Artur Caike (Osman).
Técnico: Vagner Mancini.