Palmeiras tem queda de 12% em receitas em 2020, e dívida total passa de R$ 600 milhões

São Paulo, SP

30-04-2021 22:06:33

O Palmeiras divulgou nesta sexta-feira o balanço financeiro do ano de 2020. Conforme noticiado pela Gazeta Esportiva, o clube fechou o ano com um déficit de R$ 151 milhões, valor relacionado diretamente à diminuição de receitas por conta da pandemia. Com isso, a dívida total do Verdão passou de R$ 600 milhões.

O valor total do endividamento é de R$ 622 milhões. Acontece que o Alviverde tem R$ 5,0 milhões em caixa, o que diminui o montante para R$ 616 milhões.

A análise leva em conta apenas as atividades financeiras relativas ao período encerrado em 31 de dezembro de 2020. Como o Campeonato Brasileiro, a Copa Libertadores e a Copa do Brasil terminaram em março de 2021, os últimos ganhos do clube na temporada, como direitos de televisão e algumas premiações, não foram contabilizados.

No fim de 2019, o Palmeiras previa ter um superávit de R$ 12 milhões no ano passado. Os impactos da pandemia, no entanto, resultaram no déficit. Em 2020, o Alviverde teve receita bruta operacional de R$ 558 milhões, cerca de 12,9% a menos que em 2019. Com os R$ 649 milhões em despesas operacionais e R$ 60 milhões do resultado financeiro líquido negativo, o déficit chegou em R$ 151 milhões.

(Foto: Reprodução)

A receita com arrecadação de jogos sofreu o maior impacto com o cenário do novo coronavírus no Brasil, com uma redução de 86%. Com a proibição de público nos estádio, o ganho em partidas foi de R$ 8,8 milhões. Em 2019, o valor foi de R$ 61,7 milhões.

A segunda receita mais prejudicada foi a do sócio-torcedor Avanti, que teve uma redução de 51%. Enquanto o clube arrecadou pouco mais de R$ 46 milhões com o programa em 2019, apenas R$ 22,5 milhões foram contabilizados no último ano.

Já com direitos de transmissão, a queda foi de 22%, decorrente da mudança de calendário do Campeonato Brasileiro. Mesmo assim, a receita com a televisão continuou sendo a maior fonte de renda do Palmeiras, com R$ 169 milhões recebidos em 2020.

A receita bruta de publicidade e patrocínio, por sua vez, não foi impactada pela pandemia, já que está atrelada a contratos vigentes. Com isso, o Verdão recebeu pouco mais de R$ 120 milhões, cerca de R$ 1,5 milhão a mais que em 2019.


Os ganhos com premiações e venda de atletas, por outro lado, foram consideravelmente maiores do que em 2019. Com a conquista do Campeonato Paulista e a classificação para a final da Copa do Brasil, o Palmeiras acumulou R$ 31 milhões, um aumento de 46%. O valor não inclui as premiações pelos títulos da Copa do Brasil e da Libertadores ou do sétimo e quarto lugar no Campeonato Brasileiro e no Mundial de Clubes, respectivamente. Já o aumento proveniente da venda e empréstimos de jogadores foi de 37%, com R$ 148 milhões recebidos.

Enquanto a receita bruta de 2020 foi menor do que a de 2019, a despesa operacional foi maior. A justificativa para o aumento de 7% foi a provisão de contingências com a pandemia de covid-19, além dos custos relacionados às baixas de atletas.

Mais vídeos em videos.gazetaesportiva.com

Em 2020, o Palmeiras não demitiu funcionários durante a pandemia e ainda apostou em jogadores formados pelas categorias de base. Com a valorização de muitos dos garotos, o Verdão ganha ativos importantes caso precise fazer uma venda para equilibrar o balanço de 2021, que também deve ser complicado.

Deixe seu comentário


×
Quer receber notícias do Palmeiras?