Tite pede para time não se deslumbrar e assegura força total ante Cobresal

Tomás Rosolino - São Paulo,SP

16-04-2016 20:02:48


O técnico Tite não conseguiu esconder seu ar de satisfação com a goleada por 4 a 0 sobre o Red Bull, na tarde deste sábado, no estádio de Itaquera, mas manteve a postura de sempre pedir mais de seus atletas. Lembrando de alguns erros durante a partida e considerando o processo de formação da equipe longe de estar finalizado, o treinador ainda assegurou que, mesmo classificado, espera o Timão "jogando um mata-mata" contra o Cobresal, na quarta-feira.

"Quando você está adiantando etapas, fazer o jogo em que já está classificado é igual a fazer um jogo tal qual fosse uma semifinal. Temos de aproveitar esse jogo como se fosse eliminatória da Libertadores. Nós vamos jogar na quarta um jogo de mata da Libertadores", avaliou o treinador, rechaçando os elogios dados a ele pelo desempenho dos jogadores dentro de campo.

"A equipe toda merece os elogios de vocês (jornalistas), mas tem que ter maturidade para absorver isso. Acredito que poderia ser mais efetiva, mais precisa. Uma saída de bola que abrimos demais os dois zagueiros, finalização com companheiro melhor colocado", criticou, aparentemente numa tentativa de "baixar a bola" dos corintianos.

Para o comandante, falta ainda aos corintianos um teste duro saindo atrás do placar dentro de casa. Dono de 11 vitória em 11 partidas disputadas neste ano no seu estádio, o Alvinegro vai atuar pelo menos nas próximas duas partidas novamente sob o olhar dos seus torcedores. Além do Cobresal, recebe o quarto melhor colocado dentre os semifinalistas no duelo do próximo final de semana, para saber quem chega à final do Estadual.

"A arena traz uma atmosfera do caramba, mas traz um peso para uma equipe que não está madura ainda. Daqui a pouco, se toma 1 a 0, quero ver como reage. Não adianta querer desesperar, apressar. É uma responsabilidade a mais para uma equipe que é jovem. Jogo decisivo, expectativa alta. Precisamos decidir isso", avaliou.

Para Tite, apesar de o próprio não considerar a performance uma "exibição de gala" dos corintianos, tudo isso faz parte da remontagem de um elenco destroçado pelo futebol chinês e o europeu. Seguro da possibilidade de sucesso, ele avaliou o 4 a 0 como "um dos cinco melhores jogos do ano".

"Acrescenta vencer dessa forma, assim como acrescentou perder o clássico para o Palmeiras, sair atrás do Santa Fe, chegar no intervalo precisando reagir, você redirecionar, orientar, acalmar, passar por situações diferentes. Tentamos na teoria, mas é a prática que dá essa maturidade", opinou, sem cravar as possibilidades de título do Corinthians na temporada.

"Eu não faço uma coisa para conquistar outra, justificando porque não dá pra armar o time. Não sei onde podemos chegar. Para amadurecer, a equipe precisa de tempo, ano passado levamos nove meses para bater num nível alto. Estamos apressando todo esse processo, um grupo sedento de informação. Onde pode chegar, não sei, se tivesse um tempo maior, eu diria que era postulante ao título. Eu quero que ela não oscile", concluiu.

Deixe seu comentário