Diretor desabafa, defende imagem do Corinthians e vê "interesses estranhos"

Tomás Rosolino - São Paulo,SP

23-11-2016 18:45:07

Superintendente de marketing do Corinthians, Gustavo Herbetta reclamou das críticas feitas à diretoria

Superintendente de marketing do Corinthians, Gustavo Herbetta reclamou das críticas feitas à diretoria (Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press)
Superintendente de marketing do Corinthians, Gustavo Herbetta reclamou das críticas feitas à diretoria (Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press)

O treino do Corinthians na tarde desta quarta-feira parecia destinado a receber apenas mais um trabalho protocolar dos jogadores e uma simples apresentação do Torneio da Flórida, que o Alvinegro irá disputar na pré-temporada de 2017, mas o superintendente de marketing do clube, Gistavo Herbetta, resolveu desabafar sobre as críticas recorrentes à administração do presidente Roberto de Andrade e roubou a cena no CT Joaquim Grava.

Visivelmente incomodado com o pedido de impeachment do mandatário protocolado pela oposição e às notícias que indicavam um possível desabamento do estacionamento do estádio de Itaquera, já desmentido pelo Ministério Público, Herbetta disse achar "muito estranho" que essas coisas apareçam justamente quando o time não está bem dentro de campo, um ano após o clube se sagrar campeão brasileiro.

"Eu acho uma infeliz coincidência ter tanta parte política atrelada aos resultados. É engraçada essa história do impeachment, nunca tinha visto antes. Como é engraçado ver isso ser protocolado tendo como justificativa a imagem do clube. E meu trabalho do clube é trabalhar essa imagem A imagem do clube é muito positiva, porque o Corinthians entrega resultado, entrega o que o mercado quer. O Corinthians tem problema de imagem? Não tem. Mas será que agora vai sofrer um problema de imagem com o impeachment?", indagou, sem se furtar a comentar o assunto.

"Algumas notícias infelizes e irresponsáveis, certamente impactam na imagem. (Os naming rights) são 20 anos de contrato, 400 milhões de reais. Os interessados vêm sempre de alguma marca multinacional que não está no país e só recebe notícias da mídia. Aí alguém coloca que vai cair, que vai ser um desastre de Mariana, faz um alarde disso. A Sabesp e o MP dizem que não tem risco nenhum. Aí não tem o mesmo impacto? Como você fala que o estádio vai desabar por causa de um vazamento de um ano e meio atrás?", bradou o dirigente, exaltando a política de contenção de despesas aplicada pela diretoria.

"O Roberto assumiu a gestão do Corinthians com uma dívida assombrosa. O Corinthians não tem dinheiro porque está pagando. Eu tenho essa conta exata. Tenho esse patrocínio para pagar tal, se atrasa, infelizmente tem que atrasar pagamentos. A conta é justa porque boa parte da dívida foi sanada. Felizmente, em 2016, o Corinthians bateu recorde de captação de recursos da história do clube", defendeu Herbetta.

Para o representante do marketing alvinegro, que acertou dois patrocínios por três anos, recentemente, o "oportunismo" se dá por conta de a maioria das polêmicas levantadas recentemente terem lugar em 2015, ano em que o clube foi campeão. Na avaliação do dirigente, as pessoas avaliam a administração apenas pelos resultados dentro de campo.

"Todo dia você vendo sair uma ou duas notícias, um ou dois e-mails que vazam em cima disso, aí não dá. Alguma coisa está errada. Tudo do ano passado. Nada é da gestão do Roberto. Por que sai agora? Tem algum interesse por trás. Por que não saiu ano passado? Porque estava super bem no campo", continuou, encerrando seu discurso contando uma passagem após o 6 a 1 contra o São Paulo, no dia em que o clube levantou a taça de campeão nacional.

"Um ano atrás, no dia 22 de novembro de 2015, dia do 6 a 1, a gente estava levantando o troféu, saímos do jogo, foi a festa do título, saí quase em coma alcoólico. Se eu tivesse entrado em coma e acordasse um ano depois, parecia que a gente tinha caído para a Série B. Que é a pior gestão de 80 clubes. Um ano depois de ser gestão exemplar, tudo de bom foi destruído em um mês e meio, dois meses. Tudo por causa de notícias que fazem isso", encerrou.

Deixe seu comentário