COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

Eliminada da Copa do Mundo da Rússia, a Seleção Brasileira já está em casa. Neste domingo, por volta das 6 horas (de Brasília), o avião que trouxe parte da delegação pousou no Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro.

Entre os jogadores, apenas Philippe Coutinho, Casemiro, Gabriel Jesus, Douglas Costa, Pedro Geromel e Taison estavam no voo que partiu de São Petersburgo e fez escala em Madri, na Espanha. A maioria do elenco, que atua e mora na Europa, deixou a Rússia por conta própria. Neymar era esperado no desembarque, mas não apareceu junto ao grupo.

Embora tímida, a recepção foi calorosa. No salão de desembarque, a delegação foi aplaudida pelos poucos torcedores vestidos com a camisa da Seleção e pelas pessoas que já se encontravam no local. Philippe Coutinho e Tite foram os mais assediados.

O jogador parou para tirar fotos e dar autógrafos para os fãs. Já o técnico acenou para os torcedores, agradeceu o apoio e atendeu a imprensa rapidamente.

“Tenho orgulho em poder transmitir alguma coisa boa. Só retribuir o carinho que eles estão nos proporcionando. Quero de coração agradecer a eles todos. Obrigado”, disse. Em seguida, já no banco de passageiro de um carro, o treinador resumiu a campanha do Brasil na Copa: “O futebol tem o ganhar mais do que o resultado do campo”.

Tite, que ainda não decidiu se permanecerá no cargo, tem uma proposta da CBF para comandar a Seleção por mais quatro anos. Após o revés por 2 a 1 para a Bélgica, o treinador disse que era “inapropriado” para falar sobre o seu futuro e pediu um tempo para refletir.

Com ou sem Tite, o Brasil já tem um compromisso marcado para o segundo semestre. Trata-se de um amistoso contra os Estados Unidos, em Nova York, previsto para o dia 8 de setembro.



Foi do pé direito de Ivan Rakitic que a Croácia conseguiu uma vaga na semifinal da Copa do Mundo. Após empate no tempo normal, e prorrogação por 2 a 2, os croatas bateram a Rússia nos pênaltis e avançaram no Mundial. O meia do Barcelona já pensa no confronto diante da Inglaterra, e sonha com uma decisão:

“O que há de mais bonito do que vencer a equipe mais antiga do mundo? Seria uma grande final. Vamos dar tudo, pois, quando somos um só, tudo é possível”, afirmou o meio-campista croata.

O jogador ainda fez questão de relembrar as dificuldades passadas pelo time, e do quão difícil foi conquistar a vaga: “Isso aqui é inacreditável, uma luta como essa, um jogo maluco como esse. Acredito que estávamos melhores no segundo tempo, acho que merecemos. Não pode ser simples, não somos assim. Felizmente, passamos. Espero que a Croácia inteira se incendeie de alegria”, frisou o atleta.

Garantida entre as quatro melhores do Mundial, a Croácia jogará contra a Inglaterra, por uma vaga na grande final. A partida será na próxima quarta-feira às 15h00 (horário de Brasília), no Estádio Lujniki, em Moscou.

Rakitic cobrou o pênalti que colocou a Croácia entre os quatro melhores da Copa (Foto: Adrian Dennis/AFP)


Antes da Copa do Mundo começar, muitos apontavam a Rússia como um dos times mais fracos da competição. Até mesmo passar da fase de grupos era visto como algo complicado. No entanto, o time surpreendeu, eliminando a Espanha nas oitavas de final, e por pouco não alcançando a semifinal.

Neste sábado, os anfitriões caíram para a Croácia nos pênaltis. Apesar da eliminação, o presidente da Rússia Vladmir Putin fez questão de elogiar os jogadores e valorizou a campanha histórica.

Através de comunicado de seu porta-voz no Kremlin, o mandatário ratificou o sentimento de orgulho: “Ele (Putin) estava torcendo pela seleção. Nós perdemos em um grande jogo e justo. Eles continuam ótimos para nós, eles são heróis. Eles estavam morrendo em campo, estamos orgulhosos com eles”, afirmou Dmitry Peskov, o porta-voz do Kremlin.

Eliminada nas quartas de final do Mundial, a Rússia alcança sua melhor campanha na história das Copas, desde 1966, quando ainda era União Soviética. Anteriormente, o time não havia sequer passado da fase de grupos nas três participações em 1994, 2002 e 2014.

Putin rasgou elogios ao time russo (Foto: Sergei Chirikov/AFP)


O brasileiro naturalizado russo, Mário Fernandes foi de herói a vilão da seleção russa neste sábado, contra a Croácia. Após marcar, de cabeça o gol de empate da Rússia e levar a decisão para os pênaltis, o lateral-direito cobrou muito mal, e, assim, não conseguiu ajudar os anfitriões a chegarem na semifinal.

Depois da partida, já na zona mista, o lateral-direito ex-Grêmio revelou que ganhou apoio de seus companheiros e ressaltando o espírito coletivo de seus colegas. Além disso, aproveitou a oportunidade para pedir desculpas pelo erro.

“Pedi desculpas, claro. Porque perdi o pênalti, mas eles foram bons comigo, falaram que somos um time. Quando ganha, todos ganham, quando perde, são todos também. Agradeci pela confiança e por tudo”, disse o jogador.

Mário também analisou o confronto diante da Croácia. Elogiou o comportamento do torcedor russo, que esteve do lado do time o tempo todo, e citou o fato de raramente marcar gols de cabeça ao longo da carreira.

“Foi um grande jogo, como esperávamos, como umas quartas-de-final. Acabei fazendo um gol na prorrogação. É difícil fazer gol, a gente precisava na hora, mas depois perdi o pênalti. Triste pela eliminação, mas feliz por tudo que fizemos na Copa do Mundo, pelo futebol que jogamos. A torcida foi espetacular”, afirmou o lateral-direito.

A surpreendente campanha fez com que Mário Fernandes se animasse com a possibilidade do futebol russo crescer. Lembrando que antes do início da Copa, poucos apostavam que a Rússia iria longe. Até mesmo passar na fase de grupos era complicado, pelo que a equipe vinha apresentando nos amistosos e na Copa das Confederações, no ano passado.

“Tomara que cresça o futebol na Rússia, depois de uma Copa e uma campanha que fizemos. A gente torce para que a Rússia suba cada vez mais no futebol e siga nesse mesmo patamar”, finalizou o atleta.

Com a eliminação nas quartas de final, os russos realizam sua melhor campanha em Mundiais, como Rússia. A melhor performance foi em 1966, na época, sendo União Soviética, quando terminaram em quarto lugar, na Inglaterra.



O grande astro da Croácia na Copa do Mundo, Luka Modric foi fundamental para o time ao longo da campanha na Rússia. Com as boas atuações, muitos já apontam o meia do Real Madrid como candidato real a brigar pela Bola de Ouro, e quem sabe, quebrar a hegemonia de Messi e Cristiano Ronaldo. No entanto, o camisa 10 e capitão optou por abafar a questão.

“Eu não penso nisso (na Bola de Ouro). O mais importante é ganhar com meu time. Chegamos até a semifinal. Mas este time pode fazer mais. As outras coisas não são importantes. Claro que a Bola de Ouro seria um reconhecimento. Mas eu não estou preocupado com isso. Queremos levar uma medalha para casa. Vamos ver qual medalha”, afirmou o jogador.

A classificação croata acabou sendo mais difícil do que o imaginado. Após empate em 2 a 2, no tempo normal e prorrogação, o time só conquistou um lugar entre os quatro melhores do Mundial nos pênaltis. Porém, para Modric, a dificuldade da partida já era esperada e o atleta comemorou a vaga.

Modric pensa em sair com medalha na Rússia (Foto: Adrian Dennis/AFP)

“Eles nos surpreenderam, nos pressionavam lá em cima. Tivemos que recuar um pouco. Mas jogamos melhor no segundo tempo e na prorrogação, dominamos o jogo. Estava escrito nas estrelas que teríamos que enfrentar de novo o drama dos pênaltis”, disse o atleta, que relembrou a disputa na marca da cal contra a Dinamarca.

Caso vença o Mundial com sua seleção, Modric pode ter chances de figurar entre os três primeiros na Bola de Ouro. Até porque, Messi e Cristiano Ronaldo acabaram ficando abaixo do esperado na Copa. Os dois dominam a premiação desde 2008, quando o português, ainda no Manchester United, venceu pela primeira vez.

Classificada para a semifinal da Copa, a Croácia mede forças contra a Inglaterra, por um lugar na decisão. A partida acontece nesta quarta-feira às 15h00 (horário de Brasília), no Estádio Lujniki, em Moscou.



A Croácia está classificada para a semifinal da Copa do Mundo. Após empate em 2 a 2 contra a Rússia, os croatas venceram nos pênaltis por 4 a 3 e avançaram. Depois do jogo, o técnico Zlatko Dalic estava emocionado, desabafou, e aproveitou a oportunidade para parabenizar seus atletas.

“O caminho difícil sempre me acompanha, tenho que lutar por tudo. Parabéns aos meninos pela vitória e pela luta. A Croácia está na semifinal da Copa do Mundo. Devemos ficar muito orgulhosos, nós aqui e eles lá na Croácia”, disse o treinador.

Além de elogiar a postura dos seus comandados, Dalic fez uma análise do confronto diante dos donos da casa. Para o técnico, o time se saiu muito bem devido ao cenário, pois, mais uma vez, conseguiu avançar nas penalidades. Antes, a Croácia havia eliminado a Dinamarca na marca da cal.

“Nós conhecemos o jeito deles, jogam com agressividade e força. O primeiro tempo não foi bom. Jogamos melhor no segundo tempo, acho que merecemos. Foi um jogo muito bom e muito forte contra a anfitriã”, afirmou Dalic.

Os croatas agora medirão forças contra a Inglaterra, que mais cedo, eliminou a Suécia com vitória por 2 a 0. A partida acontece às 15h00 (horário de Brasília), na próxima quarta-feira, no Estádio Lujniki, em Moscou. Quem avançar, enfrentará na grande decisão, França ou Bélgica.

A equipe tentará repetir a campanha de 20 anos atrás, na França. Na época, a Croácia ficou com o terceiro lugar, caindo na semifinal para a dona da casa.

Dalic fez elogios à sua equipe (Foto: Adrian Dennis/AFP)


Subasic foi decisivo no jogo contra a Rússia (Foto: Adrian Dennis/AFP)

Depois de 20 anos, a Croácia está de volta a uma semifinal de Copa do Mundo. E classificação, sem dúvida, passou pela bela e guerreira atuação de um jogador: Danijel Subasic. O goleiro foi pouco acionado no tempo regulamentar e não teve culpa nos gols da Rússia. Porém, mesmo com dores musculares, cresceu na prorrogação e realizou defesas importantes, inclusive um pênalti.

Subasic passou por momento complicado no jogo. Aos 43 minutos do segundo tempo, com o placar empatado em 1 a 1, o goleiro sentiu a parte posterior da coxa minutos depois do técnico Zlatko Dalic ter feito a terceira substituição. Foi atendido dentro de campo, onde permaneceu até o fim. Antes mesmo do fim dos 90 minutos, fez boa defesa em chute de Smolov, evitando a virada russa.

Com a nova regra, que permite uma quarta substituição durante a prorrogação, havia dúvidas sobre sua permanência em campo. No entanto, Subasic se recuperou e defendeu a meta até o fim dos 30 minutos adicionais, ainda tomando mais um gol no final do segundo tempo, mas sem culpas. Nas penalidades, Smolov novamente parou em Subasic, que defendeu a primeira cobrança, colocando a Croácia em vantagem.

Subasic tem 33 anos e defende a camisa do Monaco desde 2012. Com 1,91m e boa envergadura, o goleiro já havia sido destaque da Croácia no jogo contra a Dinamarca nas oitavas de final, quando defendeu três cobranças na decisão por pênaltis, e vira nome importante para os croatas na busca pelo título mundial inédito.



A surpreendente caminhada da Rússia na Copa do Mundo terminou neste sábado. A equipe dona da casa empatou em 2 a 2 com a Croácia, no tempo normal e prorrogação. Porém, nas penalidades, o lateral-direito Mário Fernandes acabou sendo um dos russos que desperdiçaram as cobranças. Rakitic, o último croata a bater, converteu, e eliminou os anfitriões.

O técnico Stanislav Cherchesov, foi um personagem à parte do Mundial, agitando a torcida, e intenso no banco de reservas. Porém, acabou sendo ácido na entrevista logo depois do jogo. O treinador mostrou-se inconformado ao ser abordado por um repórter, se ele teria conversado com seus jogadores antes da cobrança de pênaltis.

“O que você quer saber? Tem mais perguntas? Quer saber se eu falei com eles antes das cobranças, o que eu posso te responder? Sim”, afirmou o comandante da Rússia.

Logo após a resposta, Cherchesov, ainda mais nervoso, abandonou o local indicado para a entrevista, e foi imediatamente para os vestiários.

Antes do Mundial, poucos esperavam que a Rússia pudesse alcançar as quartas de final. É a melhor campanha da equipe, desde 1966, quando terminaram em quarto lugar na Inglaterra. Na época, ainda com o nome de União Soviética.

Treinador da Rússia acabou ficando irritado na entrevista (Foto: Kirill Kudryavtsev/AFP)


Kramaric e Vida marcaram os gols da Croácia (Foto: Kirill KUDRYAVTSEV/AFP)

Foi no sufoco até o fim, mas a Croácia garantiu a última vaga na semifinal da Copa do Mundo. Na tarde deste sábado, os croatas empataram com a anfitriã Rússia em 1 a 1 no tempo regulamentar, depois em 2 a 2 na prorrogação e finalmente venceu por 4 a 3 nas penalidades máximas. Apesar da igualdade, dentro de campo a Croácia foi dominante e teve a bola no pé durante 64% do tempo.

Um dos motivos que também explicam a maior posse por parte dos croatas foi a grande quantidade de bolas “rifadas” pela Rússia. Foram 43 bolas afastadas, contra 27 dos adversários, que, com isso, puderam recuperar a bola e recomeçar as jogadas, com seu excelente e sólido meio-campo.

No ataque, porém, os russos bem que tentaram, mas pecaram nas finalizações. Com apenas 36% de posse de bola, a equipe da casa teve 13 tentativas de gol no total, das quais sete foram na direção da meta. Do outro lado, foram 17 chutes da Croácia, sendo apenas três no gol. No entanto, os croatas foram mais eficientes, balançando a rede duas vezes em três oportunidades, contra as mesmas duas vezes do russos, porém em sete oportunidades.

Em termos de passes, a Croácia também levou a melhor. Com 618 passes certos em 763, a equipe de Modric terminou o jogo com 81% de aproveitamento, contra 69% dos russos.

No quesito disciplinar, foram 43 faltas no total, sendo 25 delas cometidas pela Rússia e 18 pela Croácia. Além disso, o árbitro brasileiro Sandro Meira Ricci mostrou cinco cartões amarelos ao todo, quatro para equipe croata.

Na semifinal, a Croácia enfrentará a Inglaterra, que venceu a Suécia na manhã deste sábado. A partida será disputada a partir das 15h (de Brasília) da próxima quarta-feira, no Estádio Luzhniki, na capital Moscou. Quem perder dará adeus à Copa do Mundo da Rússia, enquanto que, quem ganhar, enfrentará o vencedor de França x Bélgica na grande decisão do torneio.



A Croácia está na semifinal da Copa do Mundo. Depois de empate em 1 a 1 no tempo normal contra a Rússia, no Estádio Fisht, em Sochi. Na prorrogação, os croatas marcaram com o zagueiro Vida de cabeça, levaram novamente a igualdade, com gol do brasileiro naturalizado russo, Mário Fernandes. O marcador acabou ficando em 2 a 2, e o último semifinalista seria conhecido nos pênaltis.

Nas penalidades máximas, os croatas venceram por 4 a 3. Com o resultado, voltam a estar entre os quatro melhores do Mundial, algo que não acontecia desde 1998, na França, ao alcançar o terceiro lugar naquele ano.

A partida tinha um desenho bem definido: os russos explorando o contra-ataque, enquanto os croatas tentavam furar o bloqueio defensivo com o toque de bola. Entretanto, nos 90 minutos, as duas equipes acabaram empatando em 1 a 1. Cheryshev abriu o placar com uma pintura de fora da área. A equipe croata chegou ao empate instantes depois com Kramaric.

No segundo tempo, a Croácia pressionou, mas rondando a área, sem criar grandes oportunidades. A melhor delas foi com Perisic, que acertou a trave. Os anfitriões exploravam os cruzamentos para o centroavante Dyzuba. Mas, a igualdade prevaleceu, e a partida seria decidida na prorrogação.

Nos 30 minutos a mais de bola rolando, os croatas continuaram na pressão, e conseguíram balançar as redes. Aos 11 minutos do primeiro tempo da prorrogação, o zagueiro Vida cabeceou para o fundo do gol, após cobrança de escanteio. Entretanto, acabaram sofrendo mais uma vez o empate. Dzagoev, cobrou falta na cabeça do brasileiro naturalizado russo Mário Fernandes cabecear para o fundo das redes. Assim, a decisão do último semifinalista iria para os pênaltis.

Na marca da cal, o herói se tornaria vilão. Mário Fernandes bateu muito mal e a bola foi para fora. O craque Modric, quase parou em Akinfeev. Porém, Rakitic converteu e colocou os croatas na semi.

Com a vaga assegurada para a semifinal, a Croácia vai enfrentar a Inglaterra, na próxima quarta-feira. A partida será às 15h00 (horário de Brasília), no Estádio Lujniki, em Moscou.

O jogo – Contando com o apoio dos torcedores, os donos da casa partiram para cima dos croatas, levantando bolas na área, buscando o centroavante Dyzuba. Os croatas responderam com Rebic de cabeça, mas a bola foi por cima do gol.

Aos poucos, a partida tomava o curso esperado, com a Croácia dominando a posse de bola e tomando a iniciativa. A Rússia, explorava os contra-ataques. Porém, em pouco mais de 20 minutos, o jogo não teve nenhuma grande oportunidade de nenhuma das seleções.

A tônica da partida seguia a mesma. Entretanto, os donos da casa conseguiam executar muito bem o plano de jogo. Com uma marcação quase perfeita, anularam a Croácia em 30 minutos, e conseguiam levar perigo nos contra-ataques.

Aos 31 minutos, a Rússia saiu na frente. Em bola esticada, Dyzuba ajeitou para Cheryshev, que passou como quis por Modric e acertou um lindo chute com a perna esquerda, inapelável para o goleiro Subasic, abrindo o placar em Sochi. Porém, a Croácia respondeu oito minutos depois, Mandzukic foi ao fundo pela esquerda e cruzou para Kramaric cabecear para as redes e deixar tudo igual.

Depois do gol croata, a torcida russa desanimou, assim como o time. A Croácia, continuava tocando a bola em busca de espaços, mas a primeira etapa acabou empatada em 1 a 1.

Na etapa complementar, quem tomou as rédeas no começo foram os croatas. Tocando a bola, buscando o espaço, mas esbarrava na boa marcação do adversário. Em levantamento para a área, Kramaric tentou marcar de bicicleta, Akinfeev fez boa e segura defesa.

Já melhores no jogo, a equipe de Zlatko Dalic teve outra boa oportunidade. Cruzamento para a grande área, Vrsajlko evitou a saída pela linha de fundo e jogou para área. O goleiro Akinfeev se atrapalhou, e a redonda sobrou para Perisic. Na finalização do croata, a bola acertou a trave, e acabou saindo.

Porém, os anfitriões seguiam levando muito perigo em cruzamentos. Mário Fernandes levantou para Dyzuba, mas o centroavante não cabeceou bem e perdeu a chance. Foi a última grande chance, as equipes se mostravam tensas, e o jogo caia de produção.

Depois de realizar a terceira alteração, com a entrada de Kovacic, a Croácia passaria por um pequeno drama. O goleiro Subasic acabou sentindo, e teria que suportar pelo menos cinco minutos. Na prorrogação, o treinador Zlatko Dalic colocaria o reserva, em função da alteração permitida nos 30 minutos a mais de jogo.

Nos 30 minutos restantes, os croatas desempataram. Após cobrança de escanteio, o zagueiro Vida cabeceou para o fundo das redes. Logo depois, os mandantes seguiram pressionando, sempre usando da bola aérea. Na etapa final da prorrogação, a Rússia pressionou muito e conseguiu a igualdade com o brasileiro naturalizado russo, Mário Fernandes de cabeça. Nas penalidades, vitória da Croácia por 4 a 3.

FICHA TÉCNICA
RÚSSIA (3) 2 X 2 (4) CROÁCIA

Local: Estádio Fisht, em Sochi (Rússia)
Data: 07 de julho de 2018, sábado
Horário: 15h00 (horário de Brasília)
Árbitro: Sandro Meira Ricci (Brasil)
Assistentes: Emerson de Carvalho e Marcelo Van Gasse, ambos do Brasil
Público: 44.287
Cartões Amarelos:
Gazinskiy (Rússia); Lovren, Strinic, Vida e Pivaric (Croácia)
Cartões Vermelhos: –
Gols: 

RÚSSIA: Cheryshev aos 31 minutos do primeiro tempo e Mário Fernandes aos 10 minutos do segundo tempo da prorrogação.
CROÁCIA: Kramaric aos 39 minutos do primeiro tempo e Vida aos 11 minutos do primeiro tempo da prorrogação.

RÚSSIA: Igor Akinfeev; Mário Fernandes, Kutepov, Ignashevich, Kudryashov; Zobnin, Kuzyaev, Samedov (Erokhin), Golovin (Dzagoev), Cheryshev (Smolov); Dyzuba (Gazinskiy).
Técnico: Stainislav Cherchesov

CROÁCIA: Subasic; Vrsalijko (Corluka), Vida, Lovren, Strinic (Pivaric); Ivan Rakitic, Luka Modric, Rebic, Kramaric (Kovacic), Perisic (Brozovic); Mario Mandzukic.
Técnico: Zlatko Dalic