Gazeta Esportiva

Koeman critica presidente do Barcelona: "Me disse mil vezes que Xavi não seria o treinador"

São Paulo, SP

03/03/22 | 15:05

Ronaldo Koeman deixou o comando técnico do Barcelona em outubro do ano passado, dando lugar a Xavi Hernández. O holandês falou pela primeira vez sobre a demissão do clube catalão e criticou o presidente da agremiação, Joan Laporta, que teria lhe dito que o espanhol não seria o treinador do time.

"Eu não era o treinador de Laporta. Essa sensação tive desde o primeiro momento, depois das eleições não houve um 'clique'. Faltava esse apoio necessário desde cima. Me disse mil vez que Xavi não seria o treinador, porque lhe faltava experiência. Mas necessitava de um escudo, alguém para se esconder atrás", disse o ex-técnico do Barça ao jornal holandês Algemeen Dagblad.


Koeman também argumentou que não teve tempo e paciência da diretoria, já que estava trabalhando com muito jogadores lesionados.

"Não me deram o tempo que deram ao novo treinador, Xavi. Estava trabalhando com muitos jogadores lesionados. Agora Pedri está em forma novamente, e Dembelé. Todo treinador precisa de tempo e paciência da parte diretiva", disse.

 

O técnico holandês ainda questionou a saída do astro Lionel Messi no meio do ano passado, sendo que na última janela de transferências o Bercelona pagou 55 milhões de euros (R$ 345,4 milhões na cotação da época) por Ferrán Torres.

"Foi diante da insistência da diretoria do clube que concordei com a saída de alguns jogadores para por as finanças em ordem. Mas quando vê que contratam alguém por 55 milhões de euros (Ferrán Torres) poucos depois de deixarem Messi sair, então se pergunta se havia algo mais, porquê Messi teve que sair?", questionou Ronald Koeman.

O Barcelona, que vive ótimo momento sob o comando de Xavi, com três vitórias seguidas marcando quatro gols, volta a campo no próximo domingo. A equipe enfrenta o Elche, pelo Campeonato Espanhol, às 12h15 (de Brasília).

 

Deixe seu comentário