COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

Com derrotas diante de Rússia e Uruguai, a Arábia Saudita acabou eliminada da Copa do Mundo da Rússia de maneira antecipada. Após o revés diante da seleção sul-americana, sofrido na tarde desta quarta-feira, o técnico Juan Antonio Pizzi lamentou a situação em Rostov, mas sentiu evolução em relação ao primeiro jogo.

Com os mesmos seis pontos ganhos, Rússia e Uruguai já têm vagas garantidas nas oitavas de final. Pela última rodada da fase classificatória, às 11 horas (de Brasília) de segunda-feira, Arábia Saudita e Egito entram em campo apenas para cumprir tabela, em Volgogrado.

“Lamentavelmente, vamos jogar a terceira partida sem qualquer possibilidade, mas sabendo que representamos nosso país e que o orgulho da Arábia Saudita será refletido com nosso esforço e energia em campo, por mais que já estejamos fora da competição”, disse Pizzi.

No jogo que abriu a Copa do Mundo, a Arábia Saudita foi dominada pela Rússia e não conseguiu nem sequer esboçar alguma reação durante a goleada por 5 a 0. Diante do Uruguai, apesar do novo revés, o time melhorou significativamente, de acordo com o técnico Pizzi.

“A diferença é abissal. Acho que a única forma de competir em um Mundial, contra esse tipo de seleção é com esse nível de jogo. Mesmo assim, não foi suficiente para conseguirmos um bom resultado, mas é a única forma de competir. No primeiro jogo, não tivemos esse nível competitivo”, analisou, destacando a maior posse de bola saudita.

“Impusemos um pouco do que pretendemos em termos de posse e circulação. Sofremos um gol em uma jogada fortuita e depois não tivemos as armas nem as ferramentas para igualar o marcador”, reconheceu o experiente técnico nascido na Argentina.

 



A Espanha venceu o Irã por 1 a 0, gol marcado por Diego Costa, e soma quatro pontos no Grupo B da Copa do Mundo. A equipe comandada por Fernando Hierro voltou a mostrar posse de bola e controle do jogo. No entanto, faltou ser mais incisivo para liquidar o adversário.

Aliás, não definir o jogo, foi vital para a Fúria não bater Portugal na última sexta-feira, mesmo com a partida inspirada de Cristiano Ronaldo, os espanhóis poderiam ter saído com a vitória. Apesar da vitória, a equipe levou alguns sustos dos iranianos, que chegaram até a balançar as redes, mas tiveram o tento anulado por impedimento.

O confronto também colocou em prática dois estilos de jogo completamente distintos: enquanto a Espanha priorizava pela posse de bola e troca de passes, o Irã optou por montar um sistema defensivo sólido. Os comandados de Hierro trocaram 819 passes, contra 233 de Carlos Queiroz.

O último jogo da Espanha será na próxima segunda-feira, em Kaliningrado às 15h00 (horário de Brasília), contra o já eliminado Marrocos.

Estatísticas de Irã x Espanha (Foto: AFP)


Diego Costa não teve uma grande temporada, passando mais de um semestre sem jogar por causa de um imbróglio com o técnico Antonio Conte, no Chelsea, mas vai provando na Copa do Mundo que ainda é um dos melhores centroavantes em atividade. Em um jogo muito difícil contra a bem postada defesa do Irã, o jogador conseguiu, em um esforço individual, fazer o único gol da primeira vitória da Espanha no torneio.

O jogador aproveitou um dos poucos momentos em que não estava encaixotado pela defesa adversária, conseguiu passar pela marcação do primeiro zagueiro e, quando Safi chegou para fazer o corte, viu a bola bater no seu joelho direito e ir parar no canto esquerdo do bom goleiro Beiranvand. Tento e justa nomeação para melhor em campo do brasileiro de Lagarto-SE, que perdera essa chance na primeira rodada.

Mesmo marcando dois gols, Costa viu Cristiano Ronaldo mostrar todo seu repertório na estreia da chave, marcando três vezes, carregando Portugal a um improvável empate e o justo prêmio após os 90 minutos. Dessa vez, no entanto, o goleador da Fúria viu seus companheiros segurarem o ímpeto final dos iranianos e assegurarem os três pontos, fundamentais para a sequência da equipe na competição.

O duelo, no entanto, reservou algumas outras passagens dignas de nota para Diego. A principal delas foi ainda no primeiro tempo, quando ele tentou pressionar o goleiro Beiranvand em bola recuada e, quando o rival agarrou a bola, desferiu um leve toque na perna do asiático. O bastante para uma queda espetaculosa no chão, motivando uma dura do juiz Andrés Cunha tanto nele quanto no arqueiro.

O tento, ainda que sem querer, coloca Diego na briga pela artilharia da competição, apenas um abaixo de Cristiano Ronaldo e com a mesma conta do russo Cheryshev. Seu trunfo pode aparecer na próxima rodada: um já eliminado Marrocos que dá mais espaço em sua defesa do que Portugal e Irã.



Atacante está animado para apagar a má impressão deixada contra a Suíça (foto: Adrian Dennis/AFP)

Um dia após reclamar de dores no tornozelo direito e desfalcar o treinamento da Seleção Brasileira, o atacante Neymar tratou de tranquilizar os torcedores. Nesta quarta-feira, o astro do Paris Saint-Germain voltou a treinar normalmente e já projetou o jogo contra a Costa Rica, na sexta-feira, em São Petersburgo.

“A expectativa é grande para o segundo jogo. A gente espera fazer um jogo muito melhor do que a estreia. Vamos para lá para vencer e jogar muito bem”, disse Neymar, em declarações divulgadas pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Ao falar sobre a sua situação física, o atacante abriu um sorriso. “Eu treinei bem e me senti à vontade. O pé está tranquilo”, assegurou o jogador, que passou a maior parte do ano em recuperação de uma fratura no quinto metatarso do pé direito.

Neymar só não entrou em detalhes sobre a Costa Rica, oponente que ainda não estudou. “O Tite ainda vai nos falar sobre o adversário. O treino de hoje foi mais para nós mesmos do que pensando no adversário. Vamos analisar tudo e ver a melhor forma de vencê-los”, prometeu.

Após o frustrante empate por 1 a 1 com a Suíça na primeira rodada do grupo E, o Brasil acumulou 1 ponto, atrás dos 3 da Sérvia, seleção contra a qual jogará na quarta-feira que vem, em Moscou.




A defesa iraniana mostrou-se à altura do desafio de encarar o poderoso ataque espanhol na tarde desta quarta-feira, na Arena de Kazan, na Rússia. Muito bem postada à frente da sua área, a equipe asiática segurou os badalados europeus até Diego Costa, em rebatida da defesa. Ainda houve um gol bem anulado e uma chance clara perdida pelos persas, que viram o placar terminar em 1 a 0 para a Fúria.

Com o resultado, Iniesta, Sérgio Ramos e companhia chegam a quatro pontos conquistados e dividem a liderança do Grupo B com Portugal, que derrotou Marrocos no primeiro jogo do dia. A diferença, atualmente, está nos cartões amarelos levados pelos portugueses (2 a 1), que dão a liderança para os espanhóis. Com três pontos, os iranianos têm chances reais de classificação às oitavas de final.

Na próxima rodada, a última da chave, os comandados de Carlos Queiroz encaram a equipe de Portugal, na Arena Mordóvia, em Saransk, às 15h (de Brasília) da segunda-feira. No mesmo horário, os espanhóis terão pela frente o já eliminado Marrocos, em Kaliningrado.

Espanha trabalha, Irã marca

O primeiro tempo da partida em Kazan mostrou uma Espanha disposta a apostar no seu toque de bola para movimentar a defesa iraniana e conseguir criar chances de gol. Munida do qualificado toque de bola de Iniesta, Isco e David Silva, a Fúria bem que tentou, trocou mais de 300 passes na etapa inicial, mas mal conseguiu que o goleiro Beiranvand realizasse uma defesa em suas tentativas.

Mais participativo, Isco deu trabalho com suas trocas de passes pela esquerda, mas a maioria dos lances foi travada na hora do cruzamento/chute. Em uma das poucas que passou pelo bloqueio iraniano, Beiravand mostrou frieza para agarrar uma falta cobrada por David Silva que desviou na barreira. Pouco antes, Ramin saiu livre pela direita em erro da linha de impedimento espanhola, mas demorou a acreditar e errou o cruzamento.

Com o placar inalterado, os espanhóis começaram a ficar irritados e reclamaram bastante dos diversos atendimentos médicos aos atletas asiáticos. No do goleiro Beiranvand, que reclamou de um toque de Diego Costa quando estava com a bola, os europeus nem sequer devolveram a bola aos iranianos. Nem isso, porém, foi o bastante para que o time conseguisse chegar perto de abrir o placar.

Diego Costa faz gol sem intenção

Logo na volta para o segundo tempo, os espanhóis mostraram em seis minutos que poderiam ameaçar mais a meta adversária mesmo com a defesa bem postada. O primeiro foi Piqué, que desviou com o pé cobrança de escanteio e parou na zaga. Na sobra, Busquets chutou de fora da área, o goleiro espalmou e afastou o perigo no rebote. A resposta veio com Karim, que pegou rebatida da defesa e chutou forte, na rede pelo lado de fora.

O ímpeto espanhol, no entanto, acabou recompensado. Em uma rara ocasião na qual a defesa iraniana ficou no mano a mano, Diego Costa limpou o zagueiro e Ramin, ao tentar fazer a cobertura, chutou no próprio atacante, vendo a bola entrar no canto esquerdo baixo do gol. O empate quase voltou ao placar aos 17 minutos, quando Ezatolahi aproveitou sobra na área e fuzilou. O iraniano, que comemorou muito, porém, estava impedido após desvio no meio da área.

O jogo seguiu bastante disputado, com o Irã se lançando à frente e deixando mais espaço na sua defesa. Em lance lindo pelo lado esquerdo, Amiri deu um “rolinho” em Piqué e cruzou na medida para o cabeceio de Mehdi, mas o meia mandou por cima do gol a chance de empate asiático.

FICHA TÉCNICA
IRÃ 0 x 1 ESPANHA

Local: Arena Kazan, em Kazan (Rússia)
Data: 20 de junho de 2018, quarta-feira
Horário: 15h00 (horário de Brasília)
Árbitro: Andrés Cunha (Uruguai)
Assistentes: Nicolás Taran (Uruguai) e Mauricio Espinosa (Uruguai)
Cartões amarelos: Amiri e Omid (Irã)
Gols:
ESPANHA: Diego Costa, aos dez minutos do segundo tempo

IRÃ: Beiranvand; Ramin, Pouraliganji, Hosseini e Safi (Mohammadi); Omid, Karim (Jahanbakhsh), Mehdi e Amiri (Ghoddos); Sardar
Técnico: Carlos Queiroz

ESPANHA: De Gea; Carvajal, Piqué, Sergio Ramos e Alba; Busquets, Vásquez (Asensio), David Silva, Isco e Iniesta (Koke); Diego Costa (Rodrigo)
Técnico: Fernando Hierro



Com um gol diante da Arábia Saudita, marcado na tarde desta quarta-feira, o Uruguai garantiu a classificação antecipada às oitavas de final da Copa do Mundo da Rússia. Autor do único tento da partida disputada em Rostov, Luis Suarez celebrou a vaga na próxima fase.

“O que queríamos era ganhar, era importantíssimo para assegurar a classificação”, disse o atacante após o triunfo pelo placar mínimo. “Foi uma demonstração da dificuldade que é ganhar uma partida em uma Copa do Mundo. Em campo, vence quem marca os gols”, declarou.

Em sua 100º partida com a camisa celeste, Suarez marcou pela 52ª vez. Único atleta da história do Uruguai a balançar as redes em três edições da Copa do Mundo, ele acumula seis gols no torneio, assim como Diego Forlan, ficando atrás apenas de Oscar Miguez, que anotou oito.

“Não estamos jogando da forma que gostaríamos, mas o que vale é o resultado e ficamos mais do que orgulhosos, porque o Uruguai está pelo terceiro Mundial consecutivo classificado às oitavas”, afirmou o atleta, que se disse “privilegiado” por alcançar os três dígitos com a seleção.

Com os mesmos seis pontos em duas rodadas, Rússia e Uruguai lideram o Grupo A da Copa do Mundo – a seleção da casa leva vantagem no saldo de gols (7 a 2) e depende de um empate para terminar na ponta. As duas equipes duelam às 11 horas (de Brasília) de segunda-feira, em Samara.

“O equilíbrio é traço distintivo de todas as partidas”, disse o técnico Oscar Tabarez. “É claro que queremos controlar todos os jogos, criar chances de gols, aspectos positivos. Mas terminamos sem lesões e amarelos. Tudo o que virá depende de nós e sabemos que o adversário que tenhamos será difícil”, declarou.