Atletas da Seleção de vôlei ainda buscam explicação para fracasso no Mundial

João Varella* - São Paulo , SP
09/11/2018 09:00:07

Em: Mais Esportes, Vôlei
Gabi é uma das destaques do atual elenco da Seleção Brasileira de Vôlei (Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press)

Em outubro deste ano, a Seleção Brasileira de vôlei feminino acabou decepcionando e foi eliminada ainda na segunda fase do Mundial de seleções, realizado no Japão. A sétima colocação conseguida através de uma campanha de sete vitórias e duas derrotas em nove jogos é a pior conseguida pela camisa verde amarela desde 2002.

Passado praticamente um mês da dura eliminação da competição, a ponteira Gabi comentou com exclusividade à Gazeta Esportiva que faltou um algo a mais para que a equipe conseguisse buscar o título que ainda falta para a Seleção.

“A gente ficou bem chateada, todo mundo se dedicou ao máximo, fez o máximo que podia. A gente sabe que faltou um pouquinho.O que faltou é difícil de falar. Acho que isso nós vamos descobrindo com o tempo. Para o ano que vem a preparação da Seleção vai ser diferente. Nesse momento é importante que cada uma se dedique muito em seus clubes para que a preparação seja melhor para as próximas competições”, declarou a atleta que se transferiu para o Minas Tênis Clube.

Confira também: Estrelas do vôlei se reúnem para lançamento da Superliga

Outro grande nome da equipe, Fernanda Garay decidiu retornar à Seleção Brasileira para disputar o Mundial. Campeã Olímpica em Londres, a ponteira, que foi campeã da última Superliga pelo Praia Clube, não atuava pela equipe desde os Jogos do Rio 2016. Apesar do resultado na competição não ter sido o melhor possível, a atleta afirma que adorou retornar ao grupo.

“Com certeza não era o resultado que a gente esperava. Mas, particularmente pra mim foi muito bacana ter voltada a Seleção. Poder compartilhar com as meninas mais novas a minha experiência.  Foi um grupo muito bacana, todos se doaram ao máximo. O resultado acabou não vindo, mas o trabalho tem que continuar”, declarou a ponteira, que ainda não sabe se seguirá ou não servindo a equipe.

“Eu preciso desse tempo de descanso. Agora eu posso dizer que não está nos meus planos voltar à Seleção. Mas eu já aprendi a minha lição. Eu não posso dizer que não volto. Vamos ver como as coisas vão acontecer e mais pra frente eu vou avaliar com mais calma. Mas o meu principal objetivo agora são os torneios do Praia Clube”, completou a atleta de 32 anos.

Para o próximo ano, a Seleção Brasileira terá um calendário recheado com as disputas da Copa do Mundo, o Pré-Olímpico, a Liga das Nações, o Sul-Americano e os Jogos Pan-Americanos. Mesmo com o resultado ruim no Mundial desse ano, o técnico José Roberto Guimarães segue prestigiado no cargo e deve ser mantido ao menos até os Jogos Olímpicos de 2020.

*Especial para a Gazeta Esportiva