"Nosso foco é total para a Olimpíada de 2020", afirmam Alison e Bruno

Estevam Chaparin* - São Paulo,SP

24-11-2017 12:53:16

O vôlei de praia brasileiro é um dos mais fortes do circuito mundial, e muito por causa da dupla Alison e Bruno Schmidt. Amigos há mais de 10 anos mas juntos na areia desde o final de 2013, os dois conquistaram junto o título mundial em 2015, a etapa do Rio de Janeiro em 2017 e como grande ápice a mealha de ouro na Olimpíada de 2016 realizada no Brasil. E mesmo com tantas vitórias, a dupla ainda quer mais.

Apesar dos dois já terem mais de 30 anos, Alison e Schimdt deixaram bem claro que o principal objetivo da dupla é se classificar e chegar bem na Olimpíada de 2020 que será realizada em Tokyo, no Japão. "Tenho foco total para Tokyo 2020. Vou estar com 35 para 36 anos. Acabei de formar uma família, de me casar. E para o futuro, tenho como objetivo poder ajudar o esporte olímpico no Brasil sempre que possível", destacou Alison em entrevista à Gazeta Esportiva.

"Eu sou um competidor nato. Eu gosto de competir em alto nível em qualquer ambiente. Como o Alison falou, a gente têm rumo a Tokyo, são mais ou menos três anos pra chegar lá, e nesse tempo eu quero continuar jogando em alto nível e representar meu país em com,petições importantes. Esse é meu maior prazer como atleta", finalizou Bruno Schimdt.

"Existe uma diferença muito grande entre o vôlei de praia e o vôlei de quadra. Na verdade, só os nomes são parecidos. Tem diferença na bola, o terreno é diferente. Na quadra tem seis jogadores, substituição, equipe de 12 jogadores no total mais a equipe técnica, enquanto que na areia só tem eu e o Bruno. Além disso, tem vento, tem sol, a areia é mais difícil de se locomover. É uma diferença gritante entre os dois esportes", afirmou Alison ao destacar as diferenças entre as duas modalidades.

Já Bruno Schimdt destacou o fato de sua estatura não comprometer jogando na praia, enquanto que se optasse por jogar na quadra, teria muitas dificuldades."É outro esporte. Só o nome vôlei é parecido. Não á toa, eu consigo jogar na areia, enquanto que na quadra eu não conseguiria de jeito nenhum. Eu teria que estar numa posição bem particular da quadra. O Alison mesmo, que é um gigante na praia, na quadra seria um atleta de estatura normal, pra alguns até baixo, por incrível que pareça".

 

Não é a toa que a dupla é reconhecida mundialmente. Em 2015 os dois tiveram uma temporada extremamente vitoriosa e que mostrava como os dois se davam bem na areia. Foi nesse ano que Alison e Bruno enfrentaram os holandeses Nummerdor e Varenhorst e, de maneira impressionante, conseguiram a virada para garantir o título mundial. Mas parecia que os dois não estavam satisfeitos e na mesma temporada ganharam a medalha de ouro no Major Series de Gstaad (Suíça); no Grand Slam de Yokohama (Japão); no Grand Slam de Long Beach (Estados Unidos) e no Grand Slam de Olsztyn (Polônia).

Mas foi em 2016 que Alison e Bruno tiveram o auge da parceria. Motivados com a vitoriosa temporada do ano passado, a dupla defendeu as cores do Brasil na Olimpíada do Rio de Janeiro, e conquistaram a medalha de ouro ao derrotarem os italianos Nicolai e Lupo por 2 sets a 0. Além de terem o prazer e o mérito de se tornarem campeões olímpicos, a dupla voltou a ganhar o topo depois de Ricardo e Emanuel, na Olimpíada de 2004.

 

*Em especial para a Gazeta Esportiva 

 

Deixe seu comentário