As principais seleções europeias a menos de cinco meses da Euro 2020

São Paulo, SP

14-01-2021 10:35:34

2021 marcará a primeira vez na história em que um Campeonato Europeu de Futebol – mais conhecido como Eurocopa – não terá sede fixa, visto que desta vez diferentes estádios ao redor do continente serão utilizados. Além disso, esta será a primeira Eurocopa a ser realizada em ano ímpar, visto que desde a sua primeira edição, em 1960, a competição sempre havia sido realizada nos anos pares entre uma Copa do Mundo e outra. Assim, o torneio originalmente previsto para acontecer entre 12 de junho e 12 de julho de 2020 acontecerá de 11 de junho a 11 de julho deste ano. Mas que diferença esse adiamento de um ano fez em relação às expectativas quanto às chances de título das principais seleções?

 

Voir cette publication sur Instagram

 

Une publication partagée par UEFA EURO 2020 (@euro2020)

 

De modo geral, o que mais mudou nesse meio tempo foi que a seleção espanhola vem sendo considerada uma candidata muito mais séria para a conquista da competição do que no início do ano passado. Entre os apostadores esportivos que negociam cotações entre si através do intercâmbio de apostas em futebol e outros eventos, o triunfo da equipe treinada por Luis Enrique oferecia, em 12 de janeiro, um retorno médio de 9.00, o que equivaleria a aproximadamente 11% de chances. Trata-se de uma probabilidade bastante alta se considerarmos que a competição será disputada entre 24 seleções e que à frente da Espanha naquele momento apareciam apenas Inglaterra – com um retorno médio de 6.6 –, Bélgica – 6.8 – e França – 7.4.

Cada uma dessas três outras seleções pode ser considerada favorita para a conquista da próxima Eurocopa por motivos muito específicos. A Inglaterra, além da boa campanha feita tanto na Copa do Mundo de 2018 quanto na Liga das Nações 2018-19, pode vir a se beneficiar do fato de que tanto as semifinais quanto a final da Euro 2020 serão disputadas no estádio de Wembley, na Grande Londres. A Bélgica, além do terceiro lugar no último Mundial – quando eliminou o Brasil, não custa lembrar – e do primeiro lugar no seu grupo na Liga das Nações 2020-21, lidera o ranking da FIFA desde 2019. Já a França, como se não bastasse ser a atual campeã mundial, fez a melhor campanha da fase de grupos da atual Liga das Nações, quando obteve 5 vitórias e apenas 1 empate.

De qualquer forma, os desempenhos de Inglaterra, Bélgica e França nos últimos doze meses estiveram, de um modo geral, dentro do esperado – embora para os britânicos tenha sido obviamente uma decepção não ter chegado à fase final da atual Liga das Nações. A questão é que, há até alguns meses, não era a Espanha, e sim a Alemanha que era considerada uma das quatro seleções mais fortes da Europa. Acontece que essas duas equipes se enfrentaram duas vezes no ano passado, visto que ambas fizeram parte do mesmo grupo na Liga das Nações: em 3 de setembro, houve um empate por 1 x 1 em Sttutgart; já em 17 de novembro, a Espanha aplicou uma impressionante goleada de 6 x 0 sobre os alemães em Sevilha.

Seria precipitado dizer que a Alemanha, por conta desse único resultado, deva ser considerada carta fora do baralho na disputa da Euro 2020. No entanto, não há mais como considerar a seleção treinada desde 2006 por Joachim Löw como estando num patamar acima da Espanha ou mesmo da Itália, que teve a melhor defesa da fase de grupos da atual Liga das Nações e sediará as semifinais e a final desta competição. A conclusão que se pode tirar a respeito de tudo isso é que tanto os jogos finais da Liga das Nações – os quais acontecerão em outubro – quanto a Euro 2020 serão determinantes para sabermos quais seleções europeias têm mais chances de ir longe durante a Copa do Mundo de 2022, no Catar.

Deixe seu comentário