Defesa de Marin paga R$ 800 mil para garantir prisão domiciliar

São Paulo, SP

17-02-2016 17:01:05

Marin garante prisão domiciliar em apartamento luxuoso de Nova York (Foto:Fernando Dantas/Gazeta Press)
Marin garante prisão domiciliar em apartamento luxuoso de Nova York (Foto:Fernando Dantas/Gazeta Press)

José Maria Marin seguirá sem maiores incômodos na Trump Tower, arranha-céu luxuoso de 68 andares construído por Donald Trump, empresário que é pré-candidato à presidência dos Estados Unidos. Pelo menos, é isso que garante Charles Stillman, que pagou na última terça-feira os R$ 800 mil pedidos pela Justiça para a manutenção da prisão domiciliar.

Leia mais:

Marin pagará R$ 800 mil para manter prisão domiciliar nos EUA

CPI do Futebol autoriza quebras de sigilos de Teixeira, Del Nero e Marin

Segundo jornal, Marin recebeu R$ 6,2 milhões para presidir Comitê da Copa

R.Teixeira é investigado por movimentações “atípicas” em pré-Copa

Depois de pedir adiamento em diversas oportunidades para pagar a fiança, a defesa de Marin fez o depósito em espécie na última terça-feira, data limite para o pagamento. O valor da fiança foi acordado entre representantes da Justiça norte-americana e da defesa de Marin, que conseguiram reverter a carta de crédito de R$ 7,2 milhões pedida pela promotoria.

Dessa forma, o ex-presidente da CBF, aos 83 anos, não precisará alienar nenhum de seus bens, como imóveis e automóveis, à Justiça para garantir o cumprimento das exigências em meio ao processo.

Preso junto de outros sete dirigentes em Zurique, em maio de 2015, José Maria Marin foi o último a ser extraditado da Suíça para os Estados Unidos. Constam contra ele acusações de recebimento de propina e participação em esquemas fraudulentos envolvendo direitos televisivos, empresas de marketing, a CBF e a Conmebol.

O processo contra Marin nos autos terá prosseguimento em 16 de março, quando a sessão para julgar o caso não exige, necessariamente, a presença do réu em questão.

Obrigado a utilizar uma tornozeleira eletrônica para seu monitoramento, Marin não pode deixar o apartamento próximo à 5ª avenida a não ser para caminhar e ir à igreja. Além de câmeras de segurança por todo o ambiente, agentes de uma empresa de segurança fazem a escolta do dirigente na porta do prédio.

Deixe seu comentário