Atletismo/São Silvestre

Melhor brasileiro pede paciência: “Vitória na São Silvestre chegará”

GazetaEsportiva.net - São Paulo, SP - Brasil
02/01/2015 09:00:33

Em: Atletismo, Corrida Internacional de São Silvestre

Melhor brasileiro nas três últimas edições da São Silvestre, Giovani dos Santos usa a própria teimosia para avisar que o título na tradicional corrida em São Paulo vai chegar. Mas o dono da quarta colocação em 2010, 2012 e 2013 e da quinta posição em 2014 pede paciência.

“Uma hora vou conseguir subir no lugar mais alto do pódio, mas precisa ter paciência porque não é só chegar e correr”, disse Giovani, sem se enxergar em nível muito abaixo dos africanos – terminou a prova em 45min22s, contra 45min04s do etíope Dawit Admasu, 45min05s do queniano Stanley Koech, 45min10s do tanzaniano Fabiano Naasi e 45min19s do queniano Mark Korir.

“Fiz o que pude. Meti a cara na frente, sou um cara que gosta de desafios, desafio a mim mesmo. Sempre tenho garra, não me entrego fácil, corro por mim e pela torcida dos brasileiros. Eles trabalham em um grupo de 16 africanos, e despachar 16 não é fácil. Mas faltou pouquinho. Quase encostei neles na subida e, se eu estivesse junto, seria a diferença para sair deles”, avisou.

Giovani dos Santos, melhor brasileiro na São Silvestre desde 2012, conseguiu acompanhar os africanos até a Brigadeiro
Giovani dos Santos, melhor brasileiro na São Silvestre desde 2012, conseguiu acompanhar os africanos até a Brigadeiro – Credito: Sergio Barzaghi/Gazeta Press
“Sempre estou disputando de igual para igual. Sou muito dedicado, não vou a várias provas. Não é à toa que sou tricampeão da Pampulha, onde também vai queniano bom. Tenham paciência porque, uma hora, vou conseguir subir no lugar mais alto da São Silvestre”, insistiu.

Giovani dos Santos está certo de que seu trabalho em 2014 merece satisfação. “Estou feliz, não tenho do que reclamar. Tive um ano maravilhoso, de trabalho e dedicação. Já venci várias corridas, mas o quinto lugar na São Silvestre significa uma vitória para mim. É o quarto ano que subo no pódio e estou feliz por isso. Vários lutam, terminam a carreira e não chegam nem entre os dez”, apontou.

“Fiz o meu melhor na São Silvestre e agradeço ao povo brasileiro pela força. Consegui a melhor colocação que tive condições. Fiz muita força para acompanhar os africanos até a Brigadeiro e faltou um pouco de perna. Agora é trabalhar porque, uma hora, a primeira colocação vai chegar. Sou um cara teimoso, que não desiste nunca”, definiu-se o melhor brasileiro na corrida desde 2012.