COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA
Neymar foi muito caçado pelos suíços na estreia do Brasil na Copa (Foto: Jewel Samad/AFP)

A estreia da Seleção Brasileira na Copa do Mundo da Rússia, neste domingo, marcou o retorno de Neymar aos gramados em partidas oficiais. Um dia após o empate por 1 a 1 com a Suíça, porém, o camisa 10 deu continuidade ao tratamento no pé direito, o qual lesionou em fevereiro e o deixou inapto a entrar em campo nos últimos meses.

Nesta segunda-feira, o atacante postou uma foto em uma de suas redes sociais enquanto realizava um ultrassom no pé recém-recuperado. O craque fraturou o quinto metatarso em jogo contra o Olympique de Marseille, válido pelas rodada de número 27 do Campeonato Francês, e perdeu o final da temporada pelo Paris Saint-Germain.

(Foto: Reprodução/Instagram)

Neymar voltou a atuar no penúltimo amistoso do Brasil antes da Copa, contra a Croácia, em Liverpool. O camisa 10 entrou no segundo tempo e marcou o primeiro dos dois gols que deram a vitória à Amarelinha. E ele voltou a balançar a rede no triunfo por 3 a 0 contra a Áustria, já no último teste antes do embarque a Rússia.

Na estreia, no entanto, o atacante deixou a desejar e não teve o mesmo brilhantismo de outras ocasiões. Muito em função disso, a Seleção Brasileira não conseguiu reunir forças para vencer a Suíça, após sair na frente, com Coutinho, e levar o empate. Durante os 90 minutos, foram 10 faltas sofridas por Neymar, que saiu mancando em alguns momentos. Nunca um jogador havia sido tão caçado como ele em um jogo de Copa do Mundo.

O Brasil volta a campo na próxima sexta-feira, às 9h (no horário de Brasília). O adversário será a Costa Rica, pela segunda rodada do Grupo E do Mundial, que ainda conta com a Sérvia, além da Suíça.



A ascendente Bélgica estreou na Copa do Mundo da Rússia com vitória na tarde desta segunda-feira. A geração de Eden Hazard e Kevin De Bruyne, tratada por muitos com entusiasmo, brilhou no segundo tempo e ganhou por 3 a 0 do Panamá, debutante no torneio.

Os gols da seleção treinada pelo espanhol Roberto Martinez foram marcados por Dries Mertens e Romelu Lukaku (2). Com o triunfo alcançado no Estádio Olímpico de Sochi, a Bélgica marca seus primeiros três pontos no Grupo G, completado por Inglaterra e Tunísia.

Pela segunda rodada da Copa do Mundo, às 9 horas (de Brasília) deste sábado, a Bélgica tenta manter o embalo diante da Tunísia, no Estádio Spartak. Já o Panamá, em busca dos primeiros pontos no torneio, pega a Inglaterra às 9 horas de domingo, na arena de Nizhny Novgorod.

O Jogo – A Bélgica dominou as ações desde o início da partida e ditou o ritmo. No primeiro tempo, acuado pela equipe europeia no campo de defesa, o Panamá não conseguiu ameaçar o gol defendido por Thibaut Courtois e contou com Jaime Penedo inspirado para manter o placar intacto.

Logo no começo da partida, Hazard carregou para o meio e acionou Mertens, que bateu para a primeira boa intervenção do goleiro panamenho. Pouco depois, em um recuo curto do zagueiro Torres para Penedo, Hazard aproveitou e acertou a rede pelo lado de fora.

Sem correr riscos no campo de defesa, a Bélgica manteve a pressão e só não saiu na frente porque Torres impediu a finalização de Lukaku após cruzamento de De Bruyne pela direita. Em mais uma boa intervenção, Penedo ainda precisou sair nos pés do centroavante adversário.

A Bélgica conseguiu enfim inaugurar o marcador no primeiro minuto da etapa complementar. Após cruzamento vindo da direita, Torres afastou parcialmente e Escobar dividiu com Hazard pelo alto. Atento à sobra, sem deixar a bola quicar, Mertens completou de primeira para marcar um golaço.

A seleção europeia aumentou a vantagem aos 23 minutos. Em jogada pelo lado esquerdo, De Bruyne recebeu de Hazard e cruzou de trivela. Bem posicionado, o centroavante Lukaku completou de cabeça para o fundo das redes do goleiro Penedo.

Com o Panamá completamente dominado, a Bélgica marcou o terceiro seis minutos depois. Após roubar a bola na defesa, o time europeu fez uma rápida transição ao campo de ataque. Hazard puxou o contragolpe e deixou Lukaku livre para tocar na saída do goleiro.

FICHA TÉCNICA
BÉLGICA 3 x 0 PANAMÁ

Local: Estádio Olímpico, em Sochi (Rússia)
Data: 18 de junho de 2018 (Segunda-feira)
Horário: 12h (de Brasília)
Árbitro: Janny Sikazwe (ZAM)
Assistentes: Jergon dos Santos (ANG) e Zakhele Siwela (AFS)
Cartões amarelos: Meunier, De Bruyne e Vertonghen (BEL); Murillo, Davis, Cooper, Godoy e Barcenas (PAN)
Gols:
BÉLGICA: Mertens, a 1 minuto do 2º Tempo, e Lukaku, aos 23 e aos 29 minutos do 2º Tempo

BÉLGICA: Courtois; Alderweireld, Boyata e Vertonghen; Meunier, De Bruyne, Witsel (Chadli) e Carrasco (Dembele); Hazard, Lukaku e Mertens (Thorgan Hazard)
Técnico: Roberto Martinez

PANAMÁ: Penedo; Murillo, Torres, Escobar e Davis; Barcenas (Gabriel Torres), Cooper, Gomez, Godoy e Rodriguez (Diaz); Perez (Tejada)
Técnico: Hernán Darío Gomez



O polêmico empate por 1 a 1 com a Suíça na estreia da Copa do Mundo ainda repercute no Brasil. O coordenador de seleções Edu Gaspar afirmou nesta segunda-feira que a CBF entrará com uma representação na Fifa contra a atuação do árbitro mexicano César Ramos.

A entidade pedirá explicações à Comissão de Arbitragem da Fifa sobre dois lances que, em sua visão, influenciaram no resultado da partida disputada em Rostov, no último domingo.

O primeiro remete ao gol de empate da Suíça, marcado por Zuber, aos quatro minutos do segundo tempo. Os brasileiros reclamam de falta em Miranda após cobrança de escanteio.

O outro lance questionado pela CBF teve Gabriel Jesus como protagonista. Aos 27 minutos da etapa complementar, com o 1 a 1 no placar, o atacante reclamou de ter sido agarrado por Akanji dentro da área.

Em ambas as ocasiões, apesar das reivindicações dos brasileiros, o juiz optou por não consultar o árbitro de vídeo. A CBF quer saber por que o recurso não foi acionado, já que está disponível pela primeira vez em Mundiais e decidiu as vitórias da França sobre a Austrália e da Suécia diante da Coreia do Sul.

Após a partida, em entrevista coletiva, o técnico Tite não se conteve e lastimou sobretudo a não marcação da falta sobre Miranda.

“Vou falar só uma vez. O lance do Miranda foi muito claro. Não estou justificando o resultado. Absolutamente, não. Quem me conhece sabe disso. Mas não foi pouco. Foi muito claro”, ressaltou o comandante, que diferenciou o que teria sido um pênalti em Gabriel Jesus. “Esse segundo lance é passível de interpretação. O primeiro, não”, sentenciou.

Enquanto a CBF pressiona nos bastidores, a Seleção Brasileira volta aos trabalhos nesta segunda-feira. O time canarinho buscará sua primeira vitória na Rússia diante da Costa Rica, em duelo previsto para esta sexta-feira, às 9 horas (de Brasília), em São Petersburgo, pela segunda rodada da Copa do Mundo.



Nem mesmo a grande atuação do goleiro Cho Hyun-woo evitou a estreia com derrota da Coreia do Sul na Copa do Mundo. Em Níjni Novgorod, o jogo não foi daqueles de encher os olhos e acabou definido em uma cobrança de pênalti, assinalado pelo árbitro apenas sob conferência do VAR.

Após a partida, o treinador sul-coreano optou por não criticar a atuação de seus atletas, e aproveitou para rasgar elogios ao adversário. Segundo Shin Tae-Yong, a Suécia é uma das grande seleções da Copa que, mesmo sem os holofotes das favoritas, conseguirá se sobressair sobre os adversários principalmente pelo aspecto físico, considerado o diferencial nesta segunda-feira.

“No segundo tempo fizemos alguns ajustes para fazer valer a velocidade dos nosso jogadores e, dessa forma, tentar criar oportunidades, mas os jogadores suecos são realmente muito bons e inteligentes. Dos 32 times que disputam essa Copa do Mundo, a Suécia é um dos melhores. Eles possuem condições físicas muito superiores e fizeram essa vantagem valer hoje também”, disse Shin Tae-Yong

Na próxima rodada, a Coreia do Sul viaja até Rostov para enfrentar a seleção do México, que estreou no Mundial vencendo nada mais, nada menos, que a atual campeã mundial Alemanha. Justamente por isso, Tae-Yong colocou a equipe comandada por Juan Carlos Osorio como “a ser batida” e espera seus comandados com uma postura diferente.

“Nós realmente queríamos a vitória nesse jogo. É uma pena que não veio hoje, mas agora a atitude é o que temos para seguir com a preparação visando o jogo contra o México. Eles vão ser um adversário muito difícil, haja visto o que fizeram contra Alemanha. Temos de encontrar nossa maneira de melhorar”, completou.



Se a “tradição” continuar, time de Tite pode chegar na final da Copa (Foto: Joe Klamar/AFP)

Para aqueles que gostam de superstições, a Seleção Brasileira traz consigo um fato muito curioso. Desde a Copa do Mundo de 2010, em jogos válidos por mundiais, a equipe só vence adversários que têm o nome iniciado pela letra “C”. Se a “tradição” for mantida em 2018, em um cenário hipotético, o Brasil consegue chegar à final, mas não fatura o título.

A coincidência começou na estreia na Copa de 2010, na África do Sul. Diante da Coreia do Norte, a equipe Canarinho ganhou por 2 a 1, com gols marcados por Maicon e Elano. Na segunda rodada, a vitória veio sobre a Costa do Marfim, por 3 a 1, com dois gols de Luis Fabiano e um de Elano. No último jogo da fase de grupos, o zero a zero contra Portugal garantiu ao Brasil o primeiro lugar do grupo, e nas oitavas, o adversário foi o Chile, que acabou batido por 3 a 0, gols de Juan, Luis Fabiano e Robinho. Nas quartas de final, já não havia mais nenhuma seleção que tinha o nome começado com “C”, e a Seleção foi eliminada ao perder por 2 a 1 para a Holanda.

Na Copa de 2014, no Brasil, a “tradição” foi mantida. Na estreia, os três pontos vieram com um 3 a 1 sobre a Croácia, com gols marcados por Neymar, duas vezes, e Oscar. No segundo jogo, a equipe ficou no zero a zero com o México, e no terceiro, conseguiu uma goleada por 4 a 1 sobre Camarões, gols de Neymar, duas vezes, Fred e Fernandinho. O adversário nas oitavas foi o Chile, e embora o Brasil não tenha vencido o jogo, garantiu a classificação nos pênaltis. Nas quartas de final, venceu a Colômbia por 2 a 1, com gols de Thiago Silva e David Luiz. Na semifinal, contra a Alemanha, ocorreu o vexatório 7 a 1, e na disputa pelo terceiro lugar, outra derrota para um adversário que não começa com “C”. Desta vez, um 3 a 0 para a Holanda.

Na Copa da Rússia, a coincidência vem sendo mantida, pois o Brasil apenas empatou com a Suíça na estreia. Se continuar assim, a Seleção venceria apenas um jogo da fase de grupos, diante da Costa Rica, mas mesmo assim a classificação seria possível. Em um cenário hipotético, a equipe ainda poderia enfrentar Coreia do Sul nas oitavas de final, Colômbia nas quartas e Croácia na semi. Na decisão, contudo, não teria nenhum adversário possível que comece com a letra “C”, e ficaria com o vice-campeonato.

 



A Suécia estreou na Copa do Mundo com o pé direito, literalmente. Diante da má pontaria e da grande atuação do goleiro da Coreia do Sul, foi apenas em uma penalidade, confirmada pelo árbitro de vídeo e convertida pelo capitão Granqvist, que a seleção europeia saiu de campo com o triunfo, o primeiro em estreias desde 1958. Após a partida, os vencedores exaltaram os três pontos, a atuação e o espírito da equipe.

“Nós mostramos muita atitude em campo, semelhante a que tivemos para superar a Itália na repescagem e se classificar para o Mundial, que já foi muito grande. Nós somos um time que realmente luta e no qual um corre pelo outro todas as partidas. Assim podemos fazer coisas boas”, disse Granqvist, eleito pela Fifa o melhor jogador da partida.

Em sua entrevista coletiva, o treinador Janne Andersson lamentou o número alto de chances perdidas por seus comandados, mas se mostrou satisfeito com o nível de atuação. Ao mesmo tempo, aproveitou para reiterar a partida excepcional do goleiro sul-coreano.

“Nós criamos muitas chances e poderíamos até ter vencido por mais. Estou confiante que nós podemos ser mais efetivos e letais nas próximas partidas. Definitivamente, o melhor jogador da partida foi o goleiro da Coreia e isso mostra o que foi o jogo”, comentou o treinador.

Com a vitória, a Suécia assumiu a liderança do Grupo F junto com México, que triunfou sobre a Alemanha. Os atuais campeões mundiais, aliás, são os próximos adversários de Andersson e seus jogadores, que avaliam como possível sair com os três pontos. “Depois da derrota da Alemanha ontem e do que vimos é possível acreditar e acho que nesse sentido nossa vitória ganhou ainda mais importância”, finalizou o treinador.



Após arrancar um surpreendente empate com a Argentina no último sábado, pela estreia da Copa do Mundo da Rússia, a seleção islandesa realizou outro feito de se tirar o chapéu nesta segunda-feira. Desta vez, porém, a ação não foi dentro de campo. Os jogadores fizeram uma homenagem a Carl Ikeme, goleiro da Nigéria que recentemente foi diagnosticado com leucemia e acabou ficando de fora do Mundial.

Os nigerianos serão os próximos adversários da Islândia, pelo Grupo D da competição, na próxima sexta-feira, em Volgogrado. Quem se antecipou ao encontro foi o meia Jon Dadi Bodvarsson, companheiro de Ikeme no Wolverhampton-ING, que postou uma imagem junto aos companheiros segurando uma camisa da seleção nórdica com o nome do arqueiro. O post foi republicado pela página oficial da Federação.

 

“Todos nós na Islândia estamos com você, Carl Ikeme”, escreveu o atleta islandês.

Aos 32 anos de idade, Ikeme vinha sendo frequentemente convocado para defender a Nigérie e, inclusive, era cotado a ser titular da equipe na Copa. O goleiro foi diagnosticado com o câncer em julho de 2017 e se viu impossibilitado de atuar no Mundial da Rússia em 2018.

Islândia e Nigéria se enfrentam a partir das 12h (no horário de Brasília) da próxima sexta-feira. Pelo Grupo D da Copa, as seleções tentarão a primeira vitória no torneio. Após o empate com a Argentina, os Vikings somam um ponto na classificação. As Super Águias, por sua vez, perderam por 2 a 0 da Croácia e, com nenhum ponto somado, ocupam a lanterna da chave.



Nesta segunda-feira, a seleção sueca entrou no gramado da Arena Níjni Novgorod buscando, prioritariamente, os três pontos para assumir a liderança provisória do grupo F da Copa do Mundo junto ao México. Entretanto, o apito final do árbitro e a vitória por 1 a 0 deu fim a um jejum que perdura há mais de 50 anos na história dos europeus. Com o gol de Granqvist, a Suécia voltou a vencer uma partida de estreia, algo que não acontecia desde 1958.

A última vez que a Suécia havia debutado com triunfos em Mundiais foi justamente atuando em casa. Na oportunidade, a vitória foi justamente sobre a seleção mexicana, por 3 a 0, em Solna. No próximo dia 27, as equipes voltam a se enfrentar, dessa vez em solo russo, podendo, quem sabe, confirmar a classificação para as oitavas de final.

O resultado por 1 a 0 sobre os sul-coreanos também foi o primeiro dos suecos desde 2006 em Mundiais. Ausentes nas Copas de 2010 e 2014, a seleção europeia havia vencido o Paraguai por 1 a 0 pela segunda rodada da fase de grupos. O tento foi marcado por Fredrik Ljungberg.



A estreia de Suécia e Coreia do Sul na Copa do Mundo da Rússia não foi daquelas que empolgaram pelo aspecto técnico, tático, por craques em campo ou pelo placar final elástico. Se a grande maioria desses pontos torna difícil encontrar soluções, a falta de gols tem uma explicação e ela passa pelo nome de Cho Hyun-woo. Apesar da derrota, o goleiro sul-coreano teve grande atuação e foi o responsável pelo placar mínimo.

Quando um arqueiro sai de campo escolhido como o melhor jogador da partida diz muito a postura de sua equipe. Depois de um começo até animador, tendo a bola e o controle da partida, a Coreia viu a Suécia mudar o panorama e passar a assustar com alguma frequência. Para isso, estava lá Cho Hyun-woo.

A primeira aparição do camisa 23 foi apenas aos 19 minutos de jogo, quando se agigantou diante de Berg, que dentro da pequena área arrematou para a intervenção. Quando a defesa não aparecia para evitar o tento sueco, o goleiro fazia sua parte, como aos 42, quando fechou o ângulo e obrigou o atacante adversário a cruzar ao invés de tentar a conclusão.

Foi no segundo tempo que Cho Hyun-woo fez a “defesa do jogo”. Logo aos 10 minutos, esperou debaixo da meta o cabeceio firme de Toivonen e promoveu mais uma intervenção providencial. Apesar da atuação expressiva, acabou vendo Granqvist balançar as redes em cobrança de pênalti. Mesmo assim, manteve o alto nível para conter alguns contra-ataques suecos.

Se na estreia Hyun-woo trabalhou bastante, a tendência é de que suje ainda mais a camisa nos dois outros jogos da fase de grupos. No próximo sábado, o adversário é o México comandado por Juan Carlos Osorio, com um ataque que já se mostrou muito veloz e dinâmico. A missão final do arqueiro será nada mais, nada menos, que os atuais campeões mundiais. Dia 27 de junho, a Coreia mede forças com a Alemanha.