COPA DO MUNDO 2018 RÚSSIA

RÚSSIA
Dados do país:

Nome oficial: Federação da Rússia
Capital: Moscou
Maiores cidades: Moscou, São Petersburgo e Novosibirsk
Presidente: Vladimir Putin
População: 142.098.141 habitantes
Área: 17.124.442 km²
Idioma: Russo
Moeda: Rublo

Dados da federação:
Nome: União de Futebol da Rússia
Fundação: 1912
Afiliação à Fifa: 1912
Presidente: Aleksandr Alaev

Dados da seleção:
Participações em Copas: 1994, 2002 e 2014
Principais campanhas em Copas: Nunca passou da primeira fase
Outras campanhas: Eurocopa (3º lugar em 2008)
Melhor ranking anual: 5º (1995)
Atual treinador: Stanislay Tchertschesov

Com o goleiro Igor Akinfeev como seu principal destaque, a dona da casa tentará melhorar seu retrospecto nas participações em Copas do Mundo. Chegando até com certa badalação ao Brasil em 2014, a Rússia decepcionou, não passando nem sequer da fase de grupos e sem vitórias. Os adversários na época foram Bélgica, Coreia do Sul e Argélia.

Sob o comando de Stanislay Tchertschesov, os russos tentarão chegar no mínimo às
oitavas de final, mesmo sob a desconfiança dos torcedores e da imprensa local após os recentes maus resultados.Na Copa das Confederações, a equipe teve participação discreta e acabou no terceiro lugar no Grupo A. A equipe bateu apenas a Nova Zelândia na estreia e não conseguiu fazer frente a México e Portugal.

Avançar não será fácil, mas, com Uruguai, Egito e Arábia Saudita como companhia, a Rússia tem chances de chegar à próxima fase, desde que conte com o apoio da torcida local.

Destaque da Seleção:
Nome: Igor Akinfeev
Seleção: Rússia
Nascimento: 8 de abril de 1986, Vidnoye, União Soviética
Clube: CSKA Moscou
Altura: 1,86 m
Peso: 82 kg
Títulos:
CSKA Moscou – Campeonato Russo (2003, 2005, 2006, 2013, 2014 e 2016); Copas da Rússia (2005, 2006, 2008, 2009, 2011 e 2013), Supercopa da Rússia (2004, 2006, 2007, 2009, 2014 e 2015) e uma Liga Europa (2004/2005)
Participações em Copas: 2014

ARÁBIA SAUDITA
Dados do país:
Nome oficial: Reino da Arábia Saudita
Capital: Riade
Maiores cidades: Riade, Gidá e Meca
Rei: Salman bin Abdul Aziz Al-Saud
População: 28.686.633 habitantes
Área: 2.149.690 km²
Idioma: Árabe
Moeda: Riyal

Dados da federação:
Nome: Federação de Futebol da Arábia Saudita
Fundação: 1956
Afiliação à Fifa: 1956
Presidente: Adel Ezzat

Dados da seleção:
Participações em Copas do Mundo: 1994, 1998, 2002 e 2006
Principais campanhas em Copas: Oitavas de final (1994)
Outras campanhas: Copa da Ásia (campeã em 1984, 1988 e 1996)
Melhor ranking anual: 27º (1994)
Atual treinador: Juan Antonio Pizzi

Depois de ficar fora de duas Copas do Mundo consecutivas, a Arábia Saudita busca surpreender os adversários na competição. A classificação para o torneio veio de forma épica, com vitória sobre o Japão nas Eliminatórias Asiáticas.

No entanto, o cenário é turbulento no futebol do país. Com passagem curtíssima pela seleção saudita, o técnico Edgardo Bauza foi substituído por Juan Antonio Pizzi, que assumiu após naufragar nas Eliminatórias no comando do Chile.

O treinador é a grande esperança da Arábia Saudita para fazer uma boa campanha na Copa, apesar da decepção com a seleção chilena. Pizzi já mostrou competência ao vencer o Campeonato Argentino com o San Lorenzo em 2013, teve boa passagem pelo Leon, do México, e experiência europeia ao comandar o Valencia. O time árabe tem como destaque Osama Hawsawi.

Destaque da seleção:
Nome: Osama Hawsawi
Seleção: Arábia Saudita
Nascimento: 31 de março de 1984
Clube: Al-Hilal
Altura: 1,87 m
Peso: 80 kg
Títulos:
Anderlecht – Campeonato Belga (2012/2013)
Al-Hilal – Campeonato Saudita (2009/2010, 2010/2011, 2016/2017), Copa Saudita (2016/2017), Copa do Príncipe (2008/2009, 2009/2010 e 2010/2011)
Al-Ahli – Campeonato Saudita (2015/2016), Copa Saudita (2015/2016), Copa do Príncipe (2014/2015)
Participações em Copas: Primeira participação

URUGUAI
Dados do país:

Nome oficial: República Oriental do Uruguai
Capital: Montevidéu
Maiores cidades: Montevidéu, Salto e Paysandú
Presidente: Tabaré Vázquez
População: 3.444.000 habitantes
Área: 176.215 km²
Idioma: Espanhol
Moeda: Peso uruguaio

Dados da federação:
Nome: Associação Uruguaia de Futebol
Fundação: 1900
Afiliação à Fifa: 1923
Presidente: Wilmar Valdez

Dados da seleção:
Participações em Copas do Mundo: 
1930, 1950, 1954, 1962, 1966, 1970, 1974, 1986, 1990, 2002, 2010 e 2014
Principais campanhas em Copas: Campeão (1930 e 1950)
Outras campanhas: Copa América (campeão em 1916, 1917, 1920, 1923, 1924, 1926, 1935, 1942, 1956, 1959, 1967, 1983, 1987, 1995 e 2011)
Melhor ranking anual: 4º (2011)
Atual treinador: Óscar Tabárez

A tradição define o Uruguai quando se fala de Copa do Mundo. O time celeste larga na frente no Grupo A e é o principal favorito para sair classificado e possivelmente como líder. Além disso, é a única seleção da chave que já ergueu a taça, em 1930 e 1950.

Nas Eliminatórias, os comandados de Óscar Tabárez fizeram excelente campanha, ficando em segundo lugar, atrás apenas do Brasil e à frente da rival Argentina. Cavani, com 10 gols marcados, terminou como artilheiro.

Edinson Cavani e Luis Suarez são as esperanças uruguaias para uma boa Copa do Mundo. A dupla é destaque no futebol internacional e responsável por conduzir o Uruguai nas principais competições.

Depois do quarto lugar na África do Sul, os uruguaios foram eliminados pela Colômbia em 2014 nas oitavas de final e tentarão fazer boa campanha na Rússia.

Destaque da seleção:
Nome: Luis Suárez
Seleção: Uruguai
Nascimento: 24 de janeiro de 1987, Salto, Uruguai
Clube: Barcelona
Altura: 1,82 m
Peso: 86 kg
Títulos:
Nacional – Campeonato Uruguaio (2005/2006)
Ajax – Campeonato Holandês (2010/2011) e Copa da Holanda (2009/2010)
Liverpool – Copa da Liga Inglesa (2011/2012)
Barcelona – Campeonato Espanhol (2014/2015, 2015/2016 e 2017/18) Copa do Rei (2014/2015, 2015/2016, 2016/2017 e 2017/18) Mundial de Clubes (2015), Supercopa da Espanha (2016/2017)
Uruguai – Copa América (2011)
Participações em Copas: 2010 e 2014

EGITO
Dados do país:

Nome oficial: República Árabe do Egito
Capital: Cairo
Maiores cidades: Cairo, Alexandria e Gizé
Presidente: Abdul Fatah Khalil Al-Sisi
População: 95.069.000 habitantes
Área: 1.002.450 km²
Idioma: Árabe
Moeda: Libra egípcia

Dados da federação:
Nome: 
Associação Egípcia de Futebol
Fundação: 1921
Afiliação à Fifa: 1923
Presidente: Hany Abo Rida

Dados da seleção:
Participações em Copas do Mundo: 1934 e 1990
Principais campanhas em Copas: Nunca passou da primeira fase
Outras campanhas: Copa Africana de Nações (campeão em 1957, 1959, 1986, 1988, 2006, 2008 e 2010)
Melhor ranking anual: 9º (2010)
Atual treinador: Héctor Cúper

Depois de 28 anos sem disputar uma Copa do Mundo, o Egito está de volta ao principal torneio de seleções. Os egípcios vão tentar chegar pelo menos até as oitavas de final, o que seria inédito na história do país.

O grande nome da seleção é Mohammed Salah, responsável por levar o Liverpool à final da Liga dos Campeões. Depois de passagem apagada pela Roma, o jogador se tornou peça fundamental na equipe comandada por Jurgen Klopp, no entanto ele se lesionou da decisão da Champions, é desfalque certo no primeiro jogo do Egito no Mundial e pode perder também a segunda partida. Foi de Salah, inclusive, o gol da classificação egípcia para a Copa, de pênalti, contra o Congo.

Desde 2015 no comando, o argentino Héctor Cúper, que já treinou a Inter de Milão, vem fazendo belo trabalho e foi, ao lado de Salah, o principal responsável por conduzir a seleção para a Copa do Mundo.

Destaque da seleção:
Nome: Mohamed Salah
Seleção: Egito
Nascimento: 15 de junho de 1992, Basion, Garbia, Egito
Clube: Liverpool
Altura: 1,75 m
Peso: 71 kg
Títulos:
Basel – Campeonato Suíço (2012/2013 e 2013/2014)
Chelsea – Campeonato Inglês (2015) e Copa da Liga Inglesa (2015)
Participações em Copas: Primeira participação



ALEMANHA
Dados do país:
Nome oficial: 
República Federal da Alemanha
Capital: Berlim
Maiores cidades: Berlim, Hamburgo, Munique, Colônia e Frankfurt
Presidente: Frank-Walter Steinmeier
População: 81.353.137 habitantes
Área: 357.376 km²
Idioma: Alemão
Moeda: Euro

Dados da federação:
Nome: 
Federação Alemã de Futebol
Fundação: 28 de janeiro de 1900
Afiliação à Fifa: 1904
Presidente: Reinhard Grindel

Dados da seleção:
Participações em Copas do Mundo:
 1934, 1938, 1954, 1958, 1962, 1966, 1970, 1974, 1978, 1982, 1986, 1990, 1994, 1998, 2002, 2006, 2010 e 2014
Principais campanhas em Copas: Campeã (1954, 1974, 1990 e 2014)
Outras campanhas: Eurocopa (campeã em 1972, 1980, 1996) e Copa das Confederações (campeã em 2017)
Melhor ranking anual: 1º (2018)
Atual treinador: Joachim Low

Atual campeã da Copa do Mundo e da Copa das Confederações, com a base vencedora de 2014, o mesmo treinador e a mesma estrutura. A seleção da Alemanha chega na Rússia com a ambição de conquistar o pentacampeonato e manter a hegemonia internacional que ficou marcada pela inesquecível goleada sobre o Brasil no Estádio do Mineirão.

O caminho até a Rússia foi percorrido sem grandes dificuldades. Foram 10 vitórias em 10 jogos e a melhor campanha entre todas as outras seleções que disputaram as Eliminatórias Europeias. Joachim Low alternou nomes nas convocações e deu espaço aos mais jovens, responsáveis pelo título da Copa das Confederações, no palco em que será disputado o Mundial.

A seleção alemã é uma das que não contam com apenas um destaque individual. O elenco é recheado de grandes jogadores – como Thomas Muller -, todos comandados por Joachim Low, que assumiu o time principal em 2006 e levou a tetracampeã mundial aos seus títulos mais recentes.

Destaque da seleção:
Nome: Manuel Neuer
Seleção: Alemanha
Nascimento: 27 de março de 1986, em Gelsenkirchen-Buer (Alemanha)
Clube: Bayern de Munique
Altura: 1,93m
Peso: 93kg
Títulos:
Schalke 04 – Copa da Alemanha (2010/11)
Bayern de Munique – Campeonato Alemão (2012/13, 2013/14, 2014/15, 2015/16, 2016/17 e 2017/18), Liga dos Campeões (2012/13), Mundial e Clubes (2014), Copa da Alemanha (2012/13, 2013/14, 2015/16)
Alemanha – Copa do Mundo (2014)
Participações em Copas: 2010 e 2014

MÉXICO
Dados do país:
Nome oficial: 
Estados Unidos Mexicanos
Capital: Cidade do México
Maiores cidades: Cidade do México, Guadalajara, Puebla e Monterrey
Presidente: Enrique Peña Nieto
População: 131.554.201 habitantes
Área: 1.964.000 km²
Idioma: Espanhol
Moeda: Peso mexicano

Dados da federação:
Nome: 
Federação Mexicana de Futebol
Fundação: 28 de janeiro de 1900
Afiliação à Fifa: 1929
Presidente: Decio de María Serrano

Dados da seleção:
Participações em Copas do Mundo: 
1930, 1950, 1954, 1958, 1962, 1966, 1970, 1978, 1986, 1994, 1998, 2002, 2006, 2010 e 2014
Principais campanhas em Copas: Quartas de final (1970 e 1986)
Outras campanhas: Copa das Confederações (campeão em 1999) e Copa América (vice-campeão em 1993 e 2001)
Melhor ranking anual: 5º (2005)
Atual treinador: Juan Carlos Osório

Líder das Eliminatórias da Concacaf, o México chega na Copa do Mundo da Rússia com esperanças de classificação, mas rodeado de desconfiança pelos resultados mais recentes, como a derrota para Honduras na última rodada da qualificação.

A seleção mexicana disputa, em 2018, sua sétima Copa do Mundo consecutiva e com um treinador bastante conhecido do torcedor brasileiro. Juan Carlos Osório assumiu a equipe em 2015, depois de deixar o comando do São Paulo, com objetivo de reformular o elenco e garantir uma vaga para o Mundial na Rússia. O objetivo foi alcançado com uma campanha vitoriosa, mas contestada na imprensa local.

Em busca da classificação no grupo que possui Alemanha, Suécia e Coréia do Sul, a esperança de gols do México está nos pés do maior artilheiro de sua história, Javier “Chicharito” Hernandez.

Destaque da seleção:
Nome: Javier Hernández
Seleção: México
Nascimento: 1 de junho de 1988, em Guadalajara (México)
Clube: West Ham
Altura: 1,75m
Peso: 71kg
Títulos:   
Chivas Guadalajara – Campeonato Mexicano (2006 – Apertura), InterLiga (2009)
Manchester United – Campeonato Inglês (2010/11, 2012/13), Supercopa da Inglaterra (2010, 2013)
Real Madrid – Mundial de Clubes (2014)
México – Copa Ouro da CONCACAF (2011)
Participações em Copas: 2010 e 2014

SUÉCIA
Dados do país:
Nome oficial: 
Reino da Suécia
Capital: Estocolmo
Maiores cidades: Estocolmo, Gotemburgo e Malmo
Primeiro-ministro: Stefan Lofven
População: 9.903.000 habitantes
Área: 449.964 km²
Idioma: Sueco
Moeda: Coroa sueca

Dados da federação:
Nome: 
Associação Sueca de Futebol
Fundação: 1904
Afiliação à Fifa: 1904
Presidente: Karl-Erik Nilsson

Dados da seleção:
Participações em Copas do Mundo:
 1934, 1938, 1950, 1958, 1970, 1974, 1978, 1990, 1994, 2002 e 2006
Principais campanhas em Copas: Vice-campeã (1958) e 3º lugar (1950 e 1994)
Outras campanhas: Eurocopa (semifinalista em 1992)
Melhor ranking anual: 3º (1994)
Atual treinador: Janne Andersson

A classificação da Suécia para a Copa da Rússia de 2018 relembrou aos mais ufanistas os momentos gloriosos da seleção protagonista nas edições de 1950 e 1958, quando postulou entre as quatro finalistas, terminando em terceiro lugar no Brasil e como vice-campeã na edição em que foi anfitriã.

O passaporte para a Rússia foi conquistado com muitas dificuldades. Logo no sorteio das Eliminatórias, a Suécia encontrou pela frente França e Holanda, eliminando a seleção conhecida pela histórica “Laranja Mecânica” e ficando atrás dos franceses. A repescagem também reservou um dos adversários mais temidos: a tetracampeã Itália. Vitória no primeiro jogo, empate no segundo e classificação garantida depois da ausência nas duas últimas edições.

Destaque da seleção:
Nome: Ola Toivonen
Seleção: Suécia
Nascimento: 3 de junhlo de 1986, em Degerfors (Suécia)
Clube: Toulouse
Altura: 1,92m
Peso: 78kg
Títulos: PSV – Copa da Holanda (2011/12) e Supercopa da Holanda (2013)
Participações em Copas: 2018 será a primeira

COREIA DO SUL
Dados do país:
Nome oficial: 
República da Coréia
Capital: Seul
Maiores cidades: Seul, Busan, Incheon e Daegu
Presidente: Moon Jae-in
População: 50.704.971 habitantes
Área: 100.210 km²
Idioma: Coreano
Moeda: Won sul-coreano

Dados da federação:
Nome: 
Associação de Futebol da Coreia
Fundação: 1933
Afiliação à Fifa: 1948
Presidente: Chung Mong Gyu

Dados da seleção:
Participações em Copas do Mundo: 
1954, 1986, 1990, 1994, 1998, 2002, 2006, 2010 e 2014
Principais campanhas em Copas: 4º lugar (2002)
Melhor ranking anual: 17º (1998)
Atual treinador: Shing Tae Yong

O sonho da Coreia do Sul é pelo menos se aproximar do desempenho de 2002, quando figurou entre as quatro finalistas da Copa do Mundo diante de sua torcida. Na Rússia, a realidade é completamente diferente, em um grupo de adversários equilibrados, com maior destaque para o poderio da Alemanha.

A seleção coreana chegou à Rússia se classificando de forma direta nas Eliminatórias Asiáticas. Líder do seu grupo na segunda fase, os comandados de Shin Tae Yong ficaram atrás do Irã na terceira e decisiva etapa da qualificação, mas carimbaram, mesmo assim, o passaporte para o nono mundial consecutivo.

A Coreia do Sul tem Heung-Min Son como sua principal esperança de sucesso. O atacante do Tottenham é peça recorrente no esquema de Mauricio Pochettino e principal jogador do país há alguns anos.

Destaque da seleção:
Nome: Ja-Cheol Koo
Seleção: Coreia do Sul
Nascimento: 27 de fevereiro de 1989, Nonsan (Coreia do Sul)
Clube: Augsburgo
Altura: 1,82m
Peso: 73kg
Títulos: Nenhum
Participações em Copas: 2014



PORTUGAL:
Dados do país:

Nome oficial: República Portuguesa
Capital: Lisboa
Maiores cidades: Lisboa, Porto, Braga e Coimbra
Presidente: Marcelo Rebelo de Sousa
População: 10.800.000 habitantes
Área: 91.985 km²
Idioma: Português
Moeda: Euro

Dados da federação:
Nome:
 Federação Portuguesa de Futebol
Fundação: 1914
Afiliação à Fifa: 1923
Presidente: Fernando Gomes

Dados da seleção:
Participações em Copas do Mundo: 
1966, 1986, 2002, 2006, 2010 e 2014
Principais campanhas em Copas: 3º lugar (1966) e 4º lugar (2006)
Outras campanhas: Eurocopa (campeão em 2016)
Melhor ranking anual: 3º (2017)
Atual treinador: Fernando Santos

Em sua quinta Copa consecutiva, a seleção portuguesa está entre os destaques por contar com o melhor jogador do mundo, Cristiano Ronaldo. Junto dele, devem estar atletas como Pepe, Bernardo Silva e Quaresma, sob comando do técnico Fernando Santos.

Os gajos têm na bagagem a terceira colocação na Copa das Confederações de 2017, quando caíram nas semifinais frente ao Chile, depois de uma campanha invicta. Isso não é o bastante para quem sonha em alcançar o topo do mundo na Rússia, mas de certo garante algum ânimo aos torcedores.

Na próxima Copa, em 2022, Cristiano Ronaldo já terá 36 anos, idade considerada avançada, portanto esse é momento para Portugal fazer uma boa campanha em Mundiais. Por estar em boa colocação no ranking da Fifa e com astro português na condição de melhor jogador do mundo, a seleção rubro-verde pode proporcionar boas surpresas.

Principal destaque: Cristiano Ronaldo
Seleção: Portugal
Nascimento: 5 de fevereiro de 1985, Funchal, Ilha da Madeira, Portugal
Clube: Real Madrid
Altura: 1,87 m
Peso: 83 kg
Títulos:
Sporting – Supertaça de Portugal (2002)
Manchester United – Campeonato Inglês (2006/2007, 2007/2008 e 2008/2009), Copa da Inglaterra (2003/2004), Copa da Liga Inglesa (2005/2006 e 2008/2009), Supercopa da Inglaterra (2007 e 2008), Liga dos Campeões (2007/2008) e Mundial de Clubes (2008)
Real Madrid – Campeonato Espanhol (2011/2012 e 2016/2017), Copa do Rei (2010/2011 e 2013/2014) Supercopa da Espanha (2012/2013 e 2017/2018), Liga dos Campeões (2013/2014, 2015/2016, 2016/2017 e 2017/18), Supercopa da Europa (2014/2015, 2016/2017 e 2017/2018) e Mundial de Clubes (2014, 2016 e 2017)
Portugal – Eurocopa (2016)
Eleito cinco vezes o Melhor do Mundo (2008, 2013, 2014, 2016 e 2017)
Participações em Copas: 2006, 2010 e 2014

ESPANHA
Dados do país:
Nome oficial:
 Reino da Espanha
Capital: Madri
Maiores cidades: Madri, Barcelona, Valência, Sevilha e Bilbao
Presidente: Mariano Rajoy
População: 46.528.966  habitantes
Área: 504.645 km²
Idioma: Espanhol
Moeda: Euro

Dados da Federação:
Nome: 
Real Federação Espanhola de Futebol
Fundação: 1909
Afiliação à Fifa: 1913
Presidente: Juan Larrea

Dados da Seleção:
Participações em Copas do Mundo:
 1934, 1950, 1962, 1966, 1978, 1982, 1986, 1990, 1994, 1998, 2002, 2006, 2010 e 2014
Principais campanhas em Copas: Campeã (2010)
Outras campanhas: Eurocopa (campeã em 1964, 2008 e 2012)
Melhor ranking anual: 1º (2013)
Atual treinador: Julen Lopetegui

A Espanha passou por momentos de apreensão por conta do referendo a favor da independência da Catalunha no ano passado, o que poderia prejudicar, de certa forma, a seleção nacional. No entanto, a campeã da Copa de 2010 vai com seu conhecido time rumo à Rússia, com Pique, Sérgio Ramos, Jordi Alba e Busquets.

A seleção espanhola pretende apagar a péssima campanha realizada no Mundial de 2014, quando foi eliminada ainda na fase de grupos. Naquela ocasião, acreditava-se que a então campeã defenderia o título, o que não aconteceu. A equipe ainda acabou eliminada nas oitavas de final da Eurocopa em 2016 pela Itália, que está fora da Copa do Mundo da Rússia.

Sob comando do técnico Julen Lopetegui, que resgatou o bom toque de bola da equipe, essencial para a conquista do Mundial de 2010, Espanha fez uma ótima campanha nas Eliminatórias da Europa e tem mostrado um futebol de alto nível nos amistosos, tanto é que humilhou a Argentina por elásticos 6 a 1.

Principal destaque: Sergio Ramos
Seleção: Espanha
Nascimento: 30 de março de 1986, Sevilla, Espanha
Clube: Real Madrid
Altura: 1,84 m
Peso: 82 kg
Títulos:
Real Madrid – Campeonato Espanhol (2006/2007, 2007/2008, 2011/2012 e 2016/2017), Copa do Rei (2010/2011, 2013/2014), Supercopa da Espanha (2007/2008, 2012/2013 e 2017/2018), Liga dos Campeões (2013/2014, 2015/2016, 2016/2017 e 2017/18), Supercopa da Europa (2014/2015, 2016/2017 e 2017/2018), Mundial de Clubes (2014, 2016 e 2017)
Espanha – Copa do Mundo (2010), Eurocopa (2008 e 2012)
Participações em Copas: 2006, 2010 e 2014

MARROCOS
Dados do país:
Nome oficial:
 Reino de Marrocos
Capital: Rabat
Maiores cidades: Casablanca, Rabat e Fes
Primeiro-ministro: Saadeddine Othmani
População: 34.100.000 habitantes
Área: 710.850 km²
Idioma: Árabe e berbere
Moeda: Dirrã marroquino

Dados da federação:
Nome: 
Federação Real Marroquina de Futebol
Fundação: 1955
Afiliação à Fifa: 1960
Presidente: Fouzi Lekjaa

Dados da Seleção
Participações em Copas do Mundo:
 1970, 1986, 1994 e 1998
Principais campanhas em Copas: 11º lugar (1986)
Melhor ranking anual: 13º (1998)
Atual treinador: Hervé Renard

A Seleção Marroquina retorna à competição após 20 anos, tendo conquistado seu melhor lugar no ranking da Fifa em 1986, na 11ª colocação. Nas Eliminatórias Africanas, além de eliminar a favorita Costa do Marfim, a equipe não sofreu sequer um gol, demonstrando que seu sistema defensivo pode atrapalhar quem deseja passar para a próxima fase da Copa do Mundo.

Os marroquinos disputaram 11 amistosos em 2017 e não conheceram uma derrota. Inclusive, tiveram resultados expressivos, como uma goleada em cima da Nigéria e a vitória diante da Sérvia. Entre os prováveis destaques, estão o zagueiro Benatia, da Juventus, e o meia Hakim Ziyach, do Ajax, além do técnico Hervé Renard, que costuma escalar times bastante ofensivos.

Destaque da seleção:
Nome: Medhi Benatia
Seleção: Marrocos
Nascimento: 17 de abril de 1987, Courcouronnes, França
Clube: Juventus
Altura: 1,89 m
Peso: 94 kg
Títulos:
Bayern de Munique – Campeonato Alemão (2014/2015 e 2015/2016) e Copa da Alemanha (2015/2016)
Juventus – Campeonato Italiano (2016/2017 e 2017/18) e Copa Itália (2016/2017 e 2017/18)
Participações em Copas: Primeira participação

IRÃ
Dados do país:
Nome oficial:
 República Islâmica do Irã
Capital: Teerã
Maiores cidades: Teerã, Mashhad, Esfahan e Tabriz
Presidente: Hassan Rohani
População: 80.280.000 habitantes
Área: 1.648.196 km²
Idioma: persa
Moeda: Rial iraniano

Dados da federação:
Nome:
 Federação de Futebol da República Islâmica do Irã
Fundação: 1920
Afiliação à Fifa: 1948
Presidente: Mehdi Taj

Dados da seleção:
Participações em Copas do Mundo: 
1978, 1998, 2006 e 2014
Principais campanhas em Copas: Nunca passou da primeira fase
Melhor ranking anual: 19º (2005)
Atual treinador: Carlos Queiroz

Esta é a quinta aparição da seleção iraniana em Mundiais e, pela primeira vez na história, a segunda exibição consecutiva. Teve a melhor campanha nas Eliminatórias Asiáticas (seis vitórias e quatro empates) e foi a terceira equipe a garantir a classificação, atrás de Rússia e Brasil. Mesmo com essas credenciais, não deve assustar os demais integrantes do grupo B.

Desde 2011, a equipe é comandada pelo português Carlos Queiroz, que já treinou Portugal e Real Madrid, e tem como estrela principal o jovem Sardar Azmoun, veloz e matador. A equipe também possui nomes como o volante Saeid Ezatolahi e o experiente meia e capitão da Seleção, Masoud Shojaei. O sistema defensivo dos iranianos é eficiente: foram 11 jogos sem sofrer gols nas Eliminatórias.

Destaque da seleção:
Nome: Sardar Azmoun
Seleção: Irã
Nascimento: 1 de janeiro de 1995, Gonbad (Irã)
Clube: Rubin Kazan
Altura: 1,86m
Peso: 80kg
Títulos: Nenhum
Participações em Copas: 2018 será a primeira



BRASIL
Dados do país:
Nome oficial:
 República Federativa do Brasil
Capital: Brasília
Maiores cidades: São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Belo Horizonte
Presidente: Michel Temer
População: 207.660.929 habitantes
Área: 8.515.767 km²
Idioma: Português
Moeda: Real

Dados da federação:
Nome:
 Confederação Brasileira de Futebol
Fundação: 1914
Afiliação à Fifa: 1923
Presidente: Antonio Nunes

Dados da seleção:
Participações em Copas do Mundo:
 1930, 1934, 1938, 1950, 1954, 1958, 1962, 1966, 1970, 1974, 1978, 1982, 1986, 1990, 1994, 1998, 2002, 2006, 2010 e 2014
Principais campanhas em Copas: Campeão (1958, 1962, 1970, 1994 e 2002)
Outras campanhas: Copa América (campeão em 1919, 1922, 1949, 1989, 1997, 1999, 2004 e 2007) e Copa das Confederações (campeão em 1997, 2005, 2009 e 2013)
Melhor ranking anual: 1º (2006)
Atual treinador: Adenor Leonardo Bachi, o Tite

Pentacampeão mundial (1958, 1962, 1970, 1994 e 2002), o Brasil chega para a Copa do Mundo como a principal equipe da América do Sul. Embalada desde a chegada do técnico Tite, a Seleção é considerada uma das favoritas e tenta deixar para trás o vexame da Copa de 2014.

Único país a ter participado de todas as edições do torneio, o Brasil deve ter um ataque formado por Neymar, Gabriel Jesus e Willian. O jogador do Paris Saint-Germain chegará ao Mundial após uma temporada marcada por uma lesão que o tirou dos jogos decisivos na Liga dos Campeões, atritos com o uruguaio Cavani, especulações de mais uma transferência bombástica.

A classificação para a Rússia 2018 veio na primeira colocação nas Eliminatórias Sul-Americanas com 41 pontos, dez a mais que o segundo colocado, o Uruguai. Sob o comando de Tite, o Brasil ainda não perdeu uma partida oficial.

Destaque da seleção:
Nome: Neymar Júnior
Seleção: Brasil
Nascimento: 5 de fevereiro de 1992, em Mogi das Cruzes (Brasil)
Clube: Paris Saint-Germain
Altura: 1,75m
Peso: 68kg
Títulos: 
Santos – Campeonato Paulista (2010, 2011, 2012), Copa do Brasil (2010), Copa Libertadores (2011), Recopa Sul-Americana (2012)
Barcelona – Supercopa da Espanha (2013, 2016), Campeonato Espanhol (2014/15 e 2015/16), Copa do Rei (2014/15, 2015/16, 2016/17), Liga dos Campeões (2014/15), Supercopa da UEFA (2015), Mundial de Clubes (2015)
PSG – Campeonato Francês (2017/18), Copa da França (2017/18), Copa da Liga Francesa (2017/18)
Brasil – Superclássico das Américas (2011, 2012, 2014), Copa das Confederações (2013), Medalha de Ouro nas Olimpíadas (2016).
Participações em Copas:  2014

SUÍÇA
Dados do país:
Nome oficial:
 Confederação Suíça
Capital: Berna
Maiores cidades: Zurique, Genebra, Basileia, Berna e Lausanne
Chanceler: Walter Thurnherr
População: 8.391.973 habitantes
Área: 41.285 km²
Idioma: Alemão, francês, italiano e romanche
Moeda: Franco suíço

Dados da federação:
Nome:
 Associação Suíça de Futebol
Fundação: 1895
Afiliação à Fifa: 1904
Presidente: Peter Gillieron

Dados da seleção:
Participações em Copas do Mundo:
 1934, 1938, 1950, 1954, 1962, 1966, 1994, 2006, 2010 e 2014
Principais campanhas em Copas: Quartas de final (1934, 1938 e 1954)
Outras campanhas: Eurocopa (oitavas de final em 2016)
Melhor ranking anual: 7º (1994)
Atual treinador: Vladimir Petkovic

Na Eurocopa de 2016, o time comandado por Vladimir Petkovic teve a sua melhor campana da história ao chegar às oitavas de final, fase em que acabou eliminado nos pênaltis pela Polônia. Indo para sua quarta participação consecutiva na Copa do Mundo, a Suíça chega na Rússia como algoz da Irlanda do Norte na repescagem, depois de ser a segunda colocada no grupo de Portugal nas Eliminatórias Europeias.

Eliminada nas oitavas de final da Copa do Mundo de 2014, a seleção suíça tem como principais destaques o lateral-direito e capitão Lichtsteiner, o meio-campista Xhaka e o ponta Shaqiri. No Brasil, a equipe europeia foi cabeça de chave.

Vladimir Petkovic assumiu Suíça em 2014, após trabalho de uma temporada na Lazio. O treinador, que é nascido na Iugoslávia (atual Bósnia e Herzegovina), fez quase toda a sua carreira como jogador e treinador no futebol suíço.

Destaque da seleção:
Nome: Xherdan Shaqiri
Seleção: Suíça
Nascimento: 10 de outubro de 1991, em Gjilan (Kosovo)
Clube: Stoke City
Altura: 1,65m
Peso: 78kg
Títulos:
Basel – Campeonato Suíço (2009/10, 2001/12 e 2011/12), Copa da Suíça (2010 e 2012)
Bayern de Munique – Campeonato Alemão (2012/13, 2013/14 e 2014/15), Liga dos Campeões (2012/13), Copa da Alemanha (2012/13 e 2013/14), Supercopa da Alemanha (2012/13) e Supercopa da Uefa (2013/14)
Participações em Copas: 2010 e 2014

COSTA RICA
Dados do país:
Nome oficial:
 República da Costa Rica
Capital: San José
Maiores cidades: San José, San Francisco, Puerto Limón e Liberia
Presidente: Carlos Alvarado Quesada
População: 4.868.148 habitantes
Área: 51.100 km²
Idioma: Espanhol
Moeda: Colón costarriquenho

Dados da federação:
Nome: 
Federação Costarriquenha de Futebol
Fundação: 1921
Afiliação à Fifa: 1927
Presidente: Rodolfo Villalobos

Dados da seleção:
Participações em Copas do Mundo:
 1990, 2002, 2006, e 2014
Principais campanhas em Copas: Quartas de final (2014)
Outras campanhas: Copa Ouro (campeã em 1963, 1969 e 1989)
Melhor ranking anual: 16º (2014)
Atual treinador: Óscar Ramirez

Após ter a melhor campanha da sua história ao chegar às quartas de final da Copa do Mundo de 2014, a Costa Rica garantiu vaga para a Rússia ao ficar na segunda colocação nas Eliminatórias da América Central e do Norte. Já na Copa Ouro disputada em 2017, os costarriquenhos foram até a semifinal, sendo eliminados pelos campeões Estados Unidos.

Na Copa do Mundo de 2018, a seleção da Costa Rica deve continuar com os seus principais destaques da campanha feita no Brasil: o goleiro Keylor Navas, contratado pelo Real Madrid, o meio-campista Bryan Ruiz e o atacante Joel Campbell.

A Costa Rica será comandada por Óscar Ramirez, que substituiu Jorge Luis Pinto em 2015. “El Machillo”, como é conhecido, é um ex-meio campista que construiu toda a carreira como treinador e jogador em seu país natal.

Destaque da seleção: 
Nome: Keylor Navas
Seleção: Costa Rica
Nascimento: 15 de dezembro de 1986, em San Isidro de El General (Costa Rica)
Clube: Real Madrid
Altura: 1,85m
Peso: 80kg
Títulos:  
Saprissa – Liga dos Campeões da CONCACAF (2005), Campeonato Costarriquenho (2005/06, 2006/07, 2007 – Apertura, 2008 – Clausura, 2008 – Apertura, 2010 – Clausura)
Real Madrid – Liga dos Campeões da UEFA (2015/16, 2016/17 e 2017/18), Mundial de Clubes (2014, 2016, 2017), Supercopa da UEFA (2014, 2017), Campeonato Espanhol (2016/17), Supercopa da Espanha (2017).
Participações em Copas: Uma (2014)

SÉRVIA
Dados do país:
Nome oficial:
 República da Sérvia
Capital: Belgrado
Maiores cidades: Belgrado, Valjevo e Vranje
Presidente: Aleksandar Vucic
População: 10.147.398 habitantes
Área: 88.361 km²
Idioma: Sérvio
Moeda: Dinar sérvio

Dados da federação:
Nome: 
Associação de Futebol da Sérvia
Fundação: 1919
Afiliação à Fifa: 1923
Presidente: Slavisa Kokeza

Dados da seleção:
Participações em Copas do Mundo:
 2006 (como Sérvia e Montenegro) e 2010
Principais campanhas em Copas: Nunca passou da primeira fase
Melhor ranking anual: 19º (2009)
Atual treinador: Mladen Krstajic

Indo para a sua segunda participação em Copa do Mundo como Sérvia, o país da região dos Bálcãs garantiu sua classificação para o Mundial da Rússia ao ser o primeiro colocado do Grupo D das Eliminatórias Europeias. Considerado azarão da chave, o time tenta passar da primeira fase de forma inédita.

Mladen Krstajic, que nasceu na Iugoslávia, assumiu o comando da Sérvia em outubro de 2017, após Slavoljub Muslin deixar o cargo. Como jogador, ele defendeu a seleção sérvia e também foi zagueiro de equipes como Schalke 04, Werder Bremen e Partizan.

Os principais destaques da Sérvia são o lateral Ivanovic, e os meio-campista Ljajic e Matic. Outros nomes conhecidos são o atacante Mitrovic e o meia Grujic.

Destaque da seleção:
Nome: Nemanja Matić
Seleção: Sérvia
Nascimento: 1 de agosto de 1988, em Šabac (Iugoslávia)
Clube: Manchester United
Altura: 1,94m
Peso: 83kg
Títulos:  
Kosice – Copa da Eslováquia (2008/09)
Benfica – Campeonato Português (2013/14), Taça da Liga (2011/12)
Chelsea – Campeonato Inglês (2014/15, 2016/17), Copa da Inglaterra (2009/10), Copa da Liga Inglesa (2014/15)
Participações em Copas: 2018 será a primeira



POLÔNIA
Dados do país: 
Nome oficial: República da Polônia
Capital: Varsóvia
Maiores cidades: Varsóvia, Cracóvia, Lodz e Wroclaw
Presidente: Andrzej Duda
População: 38.422.346 habitantes
Área: 312.679 km²
Idioma: Polaco
Moeda: Zloty

Dados da federação:
Nome: Associação Polonesa de Futebol
Fundação: 1919
Afiliação à Fifa: 1923
Presidente: Zbigniew Boniek
Dados da seleção:
Participações em Copas do Mundo: 1938, 1974, 1978, 1982, 1986, 2002 e 2006
Principais campanhas em Copas: 3º lugar (1974 e 1982)
Melhor ranking anual: 7º (2018)
Atual treinador: Adam Nawalka

Cabeça de chave do Grupo H, a Polônia chega à Copa do Mundo da Rússia como uma das favoritas a avançar. No equilibrado grupo, completado por Senegal, Colômbia e Japão, os poloneses têm como trunfo o artilheiro Lewandowski, do Bayern de Munique, maior goleador de todos os tempos da seleção.

Mas nem só de Lewandowski vive a Polônia. A equipe conta com outros nomes importantes, principalmente na defesa. No setor, jogam o zagueiro Glik, do Monaco, e o lateral-direito Piszczek, do Borussia Dortmund, além do goleiro Szczesny, da Juventus.

Depois de não se classificar para as duas últimas Copas do Mundo e fazer campanhas fracas em 2006 e 2002, a Polônia quer voltar à fase final do torneio em solo russo. Para isso, a boa defesa polonesa terá que segurar craques como o senegalês Mané e o colombiano James Rodriguez.

Destaque da seleção:
Nome: Robert Lewandowski
Seleção: Polônia
Nascimento: 21 de agosto de 1988, em Varsóvia (Polônia)
Clube: Bayern de Munique
Altura: 1,85m
Peso: 79g
Títulos:  
Lech Poznan – Campeonato Polonês (2009/10), Copa da Polônia (2008/09), Supercopa da Polônia (2009)
Borussia Dortmund – Campeonato Alemão (2010/11, 2011/12), Copa da Alemanha (2011/12), Supercopa da Alemanha (2013)
Bayern de Munique – Campeonato Alemão (2014/15, 2015/16, 2016/17 e 2017/18), Copa da Alemanha (2015/16), Supercopa da Alemanha (2016, 2017)
Participações em Copas: 2018 será a primeira

COLÔMBIA
Dados do país:
Nome oficial: República da Colômbia
Capital: Bogotá
Maiores cidades: Bogotá, Medellín, Cali e Barranquilla
Presidente: Juan Manuel Santos
População: 49.755.971 habitantes
Área: 1.141.748 km²
Idioma: Espanhol
Moeda: Peso colombiano

Dados da federação:
Nome: Federação Colombiana de Futebol
Fundação: 1924
Afiliação à Fifa: 1936
Presidente: Ramón Jesurún

Dados da seleção: 
Participações em Copas do Mundo: 1962, 1990, 1994, 1998 e 2014
Principais campanhas em Copas: Quartas de final (2014)
Outras campanhas: Copa América (campeã em 2001)
Melhor ranking anual: 3º (2014)
Atual treinador: José Pekerman

Depois de fazer boa campanha no Brasil em 2014, a Colômbia vai à Rússia tentando se colocar entre as grandes seleções da atualidade. Para isso, a equipe conta novamente com o meia James Rodriguez, artilheiro da última Copa e grande responsável pela campanha.

Nomes como o atacante Falcao Garcia, do Monaco, e o habilidoso Cuadrado, da Juventus, acompanham o craque do Bayern no ataque, ponto forte do time. Já a defesa, comandada por Davinson Sanchez, é mais discreta, porém consistente. A Colômbia sofreu 19 gols nas Eliminatórias da América do Sul, terceira melhor marca da competição.

Contra Japão, Polônia e Senegal, a seleção colombiana desponta como favorita no Grupo H.

Destaque da seleção: 
Nome: James Rodríguez
Nascimento: 12 de julho de 1991, em Cúcuta (Colômbia)
Clube: Bayern de Munique
Altura: 1,80m
Peso: 78kg
Títulos: 
Banfield – Campeonato Argentino (2009 – Apertura)
Porto – Liga Europa (2010/11), Campeonato Português (2010/11, 2011/12, 2012/13), Taça de Portugal (2010/11), Supertaça de Portugal (2010, 2011, 2012)
Real Madrid – Mundial de Clubes (2014, 2016), Supercopa da UEFA (2014, 2016), Liga dos Campeões (2015/16, 2016/17), Campeonato Espanhol (2016/2017)
Bayern de Munique – Campeonato Alemão (2017/18)
Participações em Copas: Uma (2014)

SENEGAL
Dados do país:
Nome oficial: República do Senegal
Capital: Dacar
Maiores cidades: Dacar, Touba e Rusifque
Presidente: Macky Sall
População: 15.411.614 habitantes
Área: 196.712 km²
Idioma: Francês e Wolof
Moeda: Franco CFA

Dados da federação:
Nome: Federação Senegalesa de Futebol
Fundação: 1960
Afiliação à Fifa: 1964
Presidente: Augustin Senghor

Dados da seleção:
Participações em Copas do Mundo: 2002
Principais campanhas em Copas: Quartas de final (2002)
Outras campanhas: Copa Africana de Nações (vice-campeão 2002
Melhor ranking anual: 23º (2017)
Atual treinador: Aliou Cisse

De volta à Copa do Mundo depois de 16 anos, a seleção de Senegal quer deixar sua marca, como em 2002. Na única Copa com participação senegalesa, a equipe chegou às quartas de final, superando potências como França e Uruguai. Desta vez, os africanos têm pela frente um caminho mais fácil rumo às oitavas.

A receita do sucesso da atual seleção senegalesa é parecida com a de 2002. Com jogadores rápidos e fortes, a equipe se baseia em uma defesa sólida, encabeçada por Koulibaly, zagueiro do Napoli, e um ataque veloz, comandado por Mané, um dos craques do Liverpool. Outra ligação entre as seleções de 2002 e 2018 é o atual treinador, Aliou Cisse, capitão na primeira campanha senegalesa.

Para garantir a ida à Rússia, Senegal desbancou Madagascar na segunda fase de mata-mata das Eliminatórias Africanas. Já na fase de grupos, superou Burkina Faso, Cabo Verde e África do Sul, marcando 15 gols e sofrendo apenas cinco em oito jogos.

Destaque da seleção:
Nome: Sadio Mané
Nascimento: 10 de abril de 1992, em Sedhiou (Senegal)
Clube: Liverpool
Altura: 1,75m
Peso: 69kg
Títulos: 
Red Bull Salzburg – Campeonato Austríaco (2013/14), Copa da Áustria (2013/14)
Liverpool – Vice-campeonato da Liga dos Campeões (2017/18)
Participações em Copas: 2018 será a primeira

JAPÃO
Dados do país:
Nome oficial: Japão
Capital: Tóquio
Maiores cidades: Tóquio, Yokohama, Osaka e Nagoia
Primeiro-ministro: Shinzo Abe
População: 126.672.000 habitantes
Área: 377.972 km²
Idioma: Japonês
Moeda: Iene

Dados da federação:
Nome: Associação de Futebol do Japão
Fundação: 1921
Afiliação à Fifa: 1921
Presidente: Kozo Tashima
Dados da seleção: 
Participações em Copas do Mundo: 1998, 2002, 2006, 2010 e 2014
Principais campanhas em Copas: Oitavas de final (2002 e 2010)
Outras campanhas: Copa da Ásia (campeão em 1992, 2000, 2004 e 2011)
Melhor ranking anual: 14º (1997)
Atual treinador: Akira Nishino

Mesmo em má fase, não se pode descartar o Japão no equilibrado Grupo H. Contra Colômbia, Senegal e Polônia, os japoneses terão de jogar seu melhor futebol para avançar às oitavas de final, o que não aconteceu em 2014.

Dos cinco amistosos que fez no ano passado, o Japão só venceu um. Nos últimos dois, derrotas contra Brasil e Bélgica, Honda, Kagawa e Okazaki, principais nomes do time, ficaram fora da convocação. Mas espera-se que o técnico Vahid Halilhodzic vá à Rússia com o que tem de melhor, inclusive o trio que fez do ataque japonês o melhor das Eliminatórias Asiáticas, com 17 gols em 10 jogos.

Na Copa do Mundo de 2018, o Japão tenta repetir o que fez em 2010, na África do Sul, quando chegou pela última vez à fase eliminatória do torneio. Na ocasião, os japoneses também enfrentaram um grupo complicado, com Holanda, Dinamarca e Camarões, mas só perderam para a vice-campeã e venceram os outros dois jogos.

Destaque da seleção:
Nome: Yuto Nagatomo
Seleção: Japão
Nascimento: 12 de setembro de 1986, Seijo (Japão)
Clube: Galatasaray
Altura: 1,70m
Peso: 68kg
Títulos:
FC Tokyo – Copa da Liga Japonesa (2009)
Internazionale – Copa da Itália (2010/11)
Galatasaray – Campeonato Turco (2017/18)
Japão – Copa das Nações da Ásia (2011)
Participações em Copas: 2010 e 2014



O Liverpool aproveita o bom momento após o vice-campeonato da Liga dos Campeões para atrair jogadores nesta janela de transferências. O brasileiro Fabinho, por exemplo, já se despediu do Monaco e acertou com os Reds, que desembolsaram 45 milhões de euros. Agora, o clube da terra dos Beatles espera contratar um goleiro à altura da sua grandeza, e Alisson, titular da Seleção Brasileira, é o plano A.

Para atrair Alisson a Merseyside, no entanto, o Liverpool não terá vida fácil. O clube inglês tenta lidar com a concorrência de ninguém mais, ninguém menos que o Real Madrid, justamente o clube para o qual perdeu a final da Liga dos Campeões. Tentando levar vantagem de alguma forma, os Reds contam com a persuasão de Roberto Firmino, que confessou tentar convencer seu companheiro de Seleção a se transferir para a Inglaterra.

“De vez em quando eu dou umas alfinetadas nele: ‘Vem para o Liverpool, vem ajudar a gente’. Ele ainda está decidindo com o empresário dele. Claro que tem outros clubes atrás dele, mas não seria nada mal se ele viesse para o Liverpool”, afirmou Firmino.

Com contrato válido até junho de 2021, Alisson sabe que a Roma não facilitará a sua saída. Cientes de que o brasileiro foi pela fundamental para que o clube chegasse até a semifinal da Liga dos Campeões, os italianos vão cobrar caro para ceder o atleta, que busca definir seu futuro antes do início da Copa do Mundo.

A própria CBF recomenda aos jogadores que integram a Seleção Brasileira a acertarem possíveis transferências o quanto antes na tentativa de evitar qualquer tipo de distração. Um caso que ilustra bem a questão é o de Fred, que na folga da última segunda-feira se reuniu com o Manchester United e seus empresários para assinar um contrato de cinco anos com o clube inglês.

Resta saber se algum clube está disposto a pagar aquilo que a Roma quer para que o jogador possa iniciar a Copa do Mundo já sabendo quais serão os próximos passos de sua carreira. Depois de Ederson, reserva de Alisson, causar impacto no mercado de transferências ao ser comprado pelo Manchester City por 40 milhões de euros na última temporada, a tendência é que o titular da Seleção Brasileira supere Buffon como o goleiro mais caro da história.



Inglaterra é comandada por Gareth Southgate (Foto: Paul Ellis/AFP)

Segunda adversária da Seleção Brasileira na Copa do Mundo da Rússia, a Costa Rica tem um importante teste nesta quinta-feira, quando visita a Inglaterra ,no Estádio Elland Road, na cidade inglesa de Leeds. Os costarriquenhos atravessam um bom momento e, no fim de semana, se despediram dos torcedores com um triunfo por 3 a 0 sobre a Irlanda do Norte. Os ingleses – que farão seu último jogo antes do Mundial na quinta – também ganharam o último amistoso, 2 a 1 sobre a Nigéria, no sábado.

Além do Brasil, a Costa Rica terá pela frente no Grupo E a Sérvia, rival da estreia, e a Suíça. Já a Inglaterra integra o Grupo G, com Bélgica, Tunísia e Panamá.

Presente no Grupo A, ao lado de Rússia, Arábia Saudita e Egito, rival da estreia, o Uruguai se despede de seus torcedores no Estádio Centenário, em Montevidéu, duelando com o frágil Uzbequistão, que não vai ao Mundial.

“É nosso desejo deixar uma última grande impressão aos nossos torcedores, pois entendemos que eles nos empurraram durante todas as Eliminatórias e estarão conosco em pensamento na Rússia. Como teste, é sempre importante no campo das observações”, disse o técnico da Celeste, Óscar Tabárez.

Em outro jogo do dia, a Islândia recebe Gana, que não se classificou para a Copa do Mundo, no Estádio Laugardalsvöllur, em Reykjavík, capital islandesa.

Já com Cristiano Ronaldo no elenco, Portugal vai levar um bom público ao Estádio da Luz, em Lisboa, onde medirá forças com a Argélia, que não vai ao Mundial. Os portugueses duelarão no Grupo B com Espanha, Marrocos e Irã.

O Estádio Tivoli, em Innsbruck, na Áustria, será o palco do choque entre Coréia do Sul e Bolívia, que não se classificou. Os sul-coreanos integram o Grupo F do Mundial ao lado de Alemanha, Suécia e México. ‘

Confira os amistosos da quinta-feira:

11h30 Índia x Nova Zelândia
16h Inglaterra x Costa Rica
16h10 Coréia do Sul x Bolívia –
16h15 Portugal x Argélia
17h Islândia x Gana
20h Uruguai x Uzbequistão



Conhecido no mundo do futebol apenas pelos dois primeiros nomes, Filipe Luís Kasmirski é um dos 23 jogadores convocados por Tite para a Copa do Mundo que poderia, naturalmente, ser um remanescente de 2014 ou até mesmo um veterano de dois Mundiais. Entretanto, sua presença na Rússia, antes certa como no Brasil e na África do Sul, esteve à beira de ser novamente impedida pelo mesmo problema que o impossibilitou em 2010: uma séria lesão. Aos 32 anos, o lateral-esquerdo natural de Jaraguá do Sul (SC) é um dos símbolos de recuperação e volta por cima, algo que instantaneamente cabe também à Seleção Brasileira.

Em março deste ano, o Atlético de Madrid confirmou uma fratura na fíbula da perna esquerda de Filipe Luís durante o confronto contra o Lokomotiv Moscou, pela Liga Europa. Apesar de não ser oficial, era plausível que o período de recuperação reservasse toda a temporada e até mesmo a Copa do Mundo. 43 dias depois, o lateral já treinava com bola e pleiteava uma vaga na Copa, algo levado em consideração pelo treinador da Seleção que preferiu o jogador do futebol espanhol a Alex Sandro, concorrente direto pela vaga ao lado de Marcelo.

Apesar de relâmpago e não tão recente, Filipe Luís tem sua essência no futebol construída ainda em solo brasileiro. Cria da base do Figueirense, venceu duas vezes o Campeonato Catarinense (2003 e 2004) antes de alçar voos maiores em solo europeu. Destino? Holanda, vestindo o manto do Ajax, onde foi campeão nacional. Após uma rápida passagem pelo Real Madrid B, acertou sua ida ao Deportivo La Coruña e começou a desenhar uma carreira em solo espanhol que se desenhou vitoriosa com a camisa do Atlético de Madrid, a partir de 2010.

Antes de se tornar um colchonero, aliás, veio a primeira convocação para a Seleção. Em 2009, Dunga lembrou do lateral-esquerdo para substituir o cortado Marcelo e, desde então, Filipe se tornou uma opção real para o Mundial da África do Sul, no ano seguinte. O fato, entretanto, não se concretizou devido a uma lesão nos primeiros meses de Atlético. Uma fratura no tornozelo não impediu apenas sua convocação, como tornou sua vida no novo clube uma incógnita.

O retorno foi gradual, assim como sua grandeza e relevância na equipe espanhola, que ano após ano incomodava cada vez mais no cenário internacional. A conquista que faltava para corroborar o avanço foi concebida em 2012, com a taça da Liga Europa. Logo depois, o âmbito nacional foi mais um “território” conquistado por Diego Simeone e seus comandados, com os troféus da Copa do Rei e do Campeonato Espanhol.

O protagonismo de sua equipe deu a Filipe Luís a chance de retornar à Seleção em 2013, sob o comando de Mano Menezes. As chances foram aproveitadas e Felipão contou com o jogador meses depois para compor a vitoriosa delegação da Copa das Confederações, que acabou não assegurando sua participação no Mundial “em casa”. Com a ausência na Copa do Mundo de 2014 veio a mudança de ares e a transferência para o Chelsea, onde encontrou dificuldades e somou uma passagem de apenas uma temporada. No verão seguinte, o bom filho à casa tornou e Filipe desembarcou novamente na Espanha para vestir a camisa do Atlético de Madrid, de onde não saiu mais, conquistou a Liga Europa desta temporada e carimbou seu passaporte para Rússia.



Alguns jogadores convocados por Tite para defender a Seleção Brasileira na Copa do Mundo da Rússia são incontestáveis. Outros, entretanto, possuem como trunfo a experiência já vivida com o treinador em algum momento da carreira. Um dos 23 nomes que compõem a delegação une essas duas características: Marquinhos. Atualmente no Paris Saint-Germain, o zagueiro recebeu a primeira oportunidade como profissional em 2011 no Corinthians, mas, na época, o hoje nome incontestável não tinha nem de perto o reconhecimento dos dias de hoje e muito menos os minutos em campo que o comandante lhe dá vestindo a amarelinha.

Cria do terrão alvinegro, Marquinhos iniciou sua trajetória no futebol muito cedo, atuando em uma posição próxima da atual, de responsabilidades parecidas, mas com a chance de usar as mãos para evitar o que até hoje é sua obrigação: um gol adversário. Polivalente desde cedo, chegou ao Corinthians com apenas oito anos de idade, em 2002, e passou por todas as categorias de base do clube e da Seleção Brasileira. Em uma das competições com a amarelinha, teve a oportunidade, como capitão, de levantar a taça de campeão sul-americano em 2011.

Depois de uma carreira promissora e de liderança na base, teve início a relação com o atual treinador da Seleção Brasileira. Em 2012, Marquinhos foi promovido ao elenco profissional do Corinthians, comandado na época por Tite, como campeão da Copa São Paulo de Futebol Junior. O ano vitorioso ainda guardava mais uma conquista, da Copa Libertadores, um dos principais títulos da história do clube alvinegro. Um mês depois, ainda com poucos minutos de campo, ora como zagueiro, ora como lateral-direito, acabou negociado com a Roma para a primeira experiência no futebol europeu.

À princípio contratado por empréstimo, Marquinhos não demorou a convencer o clube italiano, que agiu para rapidamente para adquirir em definitivo seus direitos. Um ano depois, entretanto, chegava ao fim a passagem do jovem pelo país da bota e tinha início uma experiência que se estende até os dias de hoje. Como quarto zagueiro mais caro do mundo até então, Marcos Aoás Corrêa assinava para se tornar atleta do Paris Saint-Germain. Como bônus, ainda veio a primeira convocação para a Seleção Brasileira principal, mas que não culminou em sua presença na Copa de 2014. Sem problemas, a oportunidade chegou!

Assim que desembarcou em Paris, veio com Marquinhos o prêmio de terceiro melhor jogador jovem pela Fifa. Mas sua vida no futebol francês não ficou limitada a apenas condecorações individuais. Pelo contrário. Em pouco menos de cinco anos, foram 17 títulos, entre eles o tetracampeonato francês, e a titularidade conquistada aos poucos, atuando ao lado de um conhecido de Seleção, Thiago Silva, com quem disputa uma vaga de titular no Mundial de 2018. Por falar em Brasil, Marquinhos é um dos jogadores que possuem a honra de uma conquista que muitos dos grandes craques da história do país jamais viram em seus peitos: uma medalha olímpica. Em 2016, em pleno Maracanã, o zagueiro vencia a Alemanha e dava o primeiro fio de alegria a a uma torcida dolorida pela derrota no mesmo território, em outro estádio e diante do mesmo adversário: o fatídico 7 a 1.

Sua vaga na Copa? Em 2015 que começou a ser conquistada. Com sucessivas convocações e participações, muitas delas entre os 11 iniciais, Marquinhos se tornou mais que uma opção, mas um homem de confiança e uma alternativa jovem para uma equipe que busca o hexacampeonato.